Home / Notícias / 12/02/2021 - Itaú revê para cima expectativa para o PIB do 1º trimestre

12/02/2021 - Itaú revê para cima expectativa para o PIB do 1º trimestre

SyndContentImpl.value=
Em revisão de cenário, a equipe econômica chefiada pelo ex-diretor do Banco Central Mário Mesquita informa que passou a esperar alta de 0,3% em relação ao último trimestre de 2020 Caminhando em sentido contrário ao de muitas instituições, que trabalham com desempenho negativo para o nível de atividade neste início de ano, o Itaú Unibanco melhorou ligeiramente a perspectiva para o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre. Em revisão de cenário divulgada nesta sexta-feira (12), a equipe econômica chefiada pelo ex-diretor do Banco Central Mário Mesquita informa que passou a esperar alta de 0,3% em relação ao último trimestre de 2020, na comparação dessazonalizada. A projeção anterior era de estabilidade. O Itaú manteve a estimativa de crescimento de 4% da economia brasileira em 2021, número que, segundo os economistas do banco, pode ser maior se a imunização dos brasileiros ocorrer de maneira ?relativamente célere e eficaz?. ?Nossos indicadores diários, assim como os índices de confiança da Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostram impacto moderado da segunda onda do vírus sobre a atividade econômica?, afirma o banco, em relatório. Segundo a instituição, métricas de isolamento social subiram bem menos do que o observado na primeira onda, e o consumo de serviços, que poderia sofrer impacto negativo, mostrou apenas ?uma leve queda? em janeiro. ?A confiança do empresário (FGV) no setor de serviços também teve queda leve, bem menor do que a ocorrida na primeira onda de coronavírus?, acrescentam os economistas, que mencionam, ainda, o nível baixo de estoques na indústria como outro fator que deve sustentar a atividade no primeiro trimestre. O cenário do Itaú conta com a hipótese de que, no segundo trimestre, todo o grupo de risco estará vacinado, o que deve reduzir significativamente a pressão sobre o sistema de saúde. ?Com a aceleração da vacinação, os óbitos e hospitalizações devem recuar, sendo possível o retorno à normalidade da economia?, diz o banco, que reconhece, no entanto, riscos a essa expectativa. Riscos O primeiro deles está relacionado à disponibilidade de novas doses, mas deve ser mitigado nos próximos meses. O segundo, e mais importante, está ligado à eficácia da vacina frente às novas variantes do coronavírus. O relatório cita que, em estudo, a vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford mostrou baixa capacidade de evitar casos leves e moderados ocasionados por uma cepa do vírus na África do Sul. ?Pouco se sabe sobre a nova cepa do Amazonas, mas ela parece ter mutações similares à sul-africana?, ressalta o Itaú. Mesmo com a piora da pandemia, o banco afirma que não espera outros gastos emergenciais, e avalia que, neste ano, os créditos extraordinários e não sujeitos ao teto de gastos se restrinjam a R$ 25 bilhões, e foquem em ações de saúde e na vacinação da população. ?Dada a perspectiva de avanço da vacinação, o patamar ainda mais elevado da dívida pública após a pandemia e a dificuldade de consenso político para medidas compensatórias, não esperamos outros gastos emergenciais.? Dívida pública Nas estimativas do Itaú, com o teto de gastos sendo cumprido, a dívida bruta deve recuar nos próximos anos, alcançando 88% do PIB em 2020, 83% em 2021 e 81% em 2022, ante 74% em 2019. Para a equipe econômica do banco, os melhores resultados primários, o crescimento econômico temporariamente acima do potencial, os juros reais abaixo do patamar neutro e um deflator do PIB acima do IPCA beneficiarão a dinâmica da dívida pública. Inflação Em relação ao cenário inflacionário, o banco passou a prever alta acima da meta (3,75%) para o IPCA em 2021, de 3,8%, 0,2 ponto percentual acima da projeção anterior, incorporando aceleração mais forte dos bens industriais devido a restrições de oferta no curto prazo. A estimativa para a inflação subjacente de bens industriais no ano foi elevada de 2,6% para 4%. Selic Para a Selic, o Itaú manteve a projeção de 3,5% ao fim do ano, com o ciclo de alta começando em março, com um ajuste de 0,25 ponto percentual. Já a projeção para a taxa básica de juros ao fim de 2022 foi elevada de 3,5% para 5%. A previsão para a taxa de câmbio no fim de 2021 foi mantida em R$ 4,75, e a de 2022 foi elevada de R$ 4,75 para R$ 5. SyndContentImpl.interface=interface com.sun.syndication.feed.synd.SyndContent SyndContentImpl.type=text/html SyndContentImpl.mode=null Leia mais

Atendimento

COTAÇÃO ONLINE

Envie sua solicitação. A Miller Torres liga para você.

ONDE ESTAMOS

Rua 104 nº 192 St. Sul
Goiânia-GO, Brasil
CEP 74083-300

ATENDIMENTO

Telefone: (62) 3093-8080
Horário de atendimento:
Segunda a Sexta-feira
das 8:30h às 18:00h

NEWSLETTER