Home / Notícias / 08/05/2017 - Como investir com taxas de juros de um dígito no mercado brasileiro, por Dennis Kac, CFA da Brainvest

08/05/2017 - Como investir com taxas de juros de um dígito no mercado brasileiro, por Dennis Kac, CFA da Brainvest

Como serão os investimentos em um cenário nacional a juros de um dígito. O que…

?Levando em consideração este novo patamar de juros, o custo de oportunidade torna-se significativamente menor, aumentando o apetite a risco do investidor, sem contar a busca por ativos que não sejam indexados ao CDI.

Depois de cinco anos de juros estratosféricos sem equivalência no mundo, o Brasil se prepara para voltar a taxas de juros nominais de um dígito. As implicações dessa ?nova era? são várias, mas para perceber o que isto significa, primeiro temos que analisar o que está acontecendo economicamente, tanto no cenário externo quanto no interno, bem como a interação entre ambos cenários. É muito importante entender esta equação, uma vez que, obviamente, a situação econômica internacional tem grande impacto na nossa esfera nacional.

Atualmente, observamos uma sincronização de crescimento mundial: tanto os países desenvolvidos como os emergentes têm apresentado melhora nos indicadores de confiança e crescimento.

Na conjuntura dos países desenvolvidos, o que chama atenção é a retomada saudável da inflação, que atingiu os níveis esperados pelos bancos centrais, dissipando o risco de deflação. Soma-se a isso uma política monetária ainda acomodatícia e temos um ambiente muito favorável para os mercados de risco.
Outro ponto a ser considerado são as variantes desta trajetória otimista. O que podemos esperar como componentes de risco são surpresas negativas nas eleições europeias ou até mesmo uma desaceleração mais forte da China, impactando o preço das commodities.

Já no cenário doméstico, os empresários e consumidores brasileiros apresentam melhora na confiança da economia, a inflação mostra sinais de estabilidade em níveis próximos ao que o Banco Central Brasileiro objetiva e, depois de muitos anos sem mexer em certas searas, começamos uma discussão mais assertiva sobre as reformas estruturais com o propósito de colocar o Brasil novamente no caminho do crescimento sustentável.

Certamente que, em se tratando de Brasil, sempre paira certa incerteza no ar. Neste caso traduz-se por uma possível desfiguração dessas reformas, principalmente a da previdência, que pode ser aprovada com alterações profundas em relação ao texto original, colocando em risco esta perspectiva otimista em relação ao futuro do País.

No entanto, o contexto geral nos leva a crer que muito em breve teremos taxas de juros de um dígito. Apesar destas boas notícias, muitos investidores continuam céticos e nos questionam: Por que a queda de juros atual será diferente do movimento ocorrido em 2012, quando os juros caíram significativamente e logo em seguida voltaram a subir?

Bem, os fundamentos da economia brasileira em 2012 eram muito distintos dos verificados atualmente e podemos citar três fatores relevantes: o desemprego era muito baixo, o crédito era abundante e os gastos públicos cresciam consistentemente acima da inflação. Hoje as taxas de desemprego estão extremamente altas, o crédito é escasso e os gastos públicos não podem crescer mais do que a inflação do ano anterior (graças a PEC do teto dos gastos públicos).

Todos esses fatores criam um ambiente deflacionário que abre caminho para que o Banco Central corte as taxas de juros de maneira agressiva.

Levando em consideração este novo patamar de juros, o custo de oportunidade torna-se significativamente menor aumentando o apetite a risco do investidor, sem contar a busca por ativos que não sejam indexados ao CDI. Para exemplificar, podemos citar títulos prefixados ou indexados à inflação, fundos multimercados e renda variável.

O papel de um bom gestor é antecipar estes movimentos, posicionar o portfólio dos clientes e saber explicar de uma maneira objetiva o racional por trás destas alocações.

Para ilustrar esta realidade, vamos analisar o panorama dos retornos em 2016 de algumas classes de ativos supracitadas:

? Títulos Prefixados 23%
? Títulos Indexado a inflação 25%
? Renda Variável 39%

Considerando um CDI de 14% em 2016, o investidor que não se posicionou para este cenário de queda significativa das taxas de juros, acabou deixando um bom dinheiro na mesa.

Esta nova realidade deixará cada vez mais evidente a importância de uma Boutique de Investimentos, com uma equipe de gestão profissional e sem conflito de interesses, que pode resultar positivamente no portfólio dos investidores.

------------------------------------------------------------------------------------
Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

 

Atendimento

COTAÇÃO ONLINE

Envie sua solicitação. A Miller Torres liga para você.

ONDE ESTAMOS

Rua 104 nº 192 St. Sul
Goiânia-GO, Brasil
CEP 74083-300

ATENDIMENTO

Telefone: (62) 3093-8080
Horário de atendimento:
Segunda a Sexta-feira
das 9:00h às 18:00h

NEWSLETTER