Home / Notícias /

19/06/2017 - Não é justo e nem digno que o corretor de seguros seja discriminado

Armando Luis Francisco
Boa parte das seguradoras, atualmente, entende que a precificação deve ser idêntica entre os pares…

A discricionariedade dessas congêneres faz o mercado de seguros evoluir. E, hoje, há uma expectativa de mudança comportamental brusca entre àquelas que não praticam uma cartilha ética para seus produtores. A relação padronizada entre corretores e seguradores exige condições de igualdade concorrencial em sentido amplo. Afinal, se o corretor de seguros tem o dever de ser ético, as seguradoras idem.

Essas observações advêm de sentido literal. A prática se dá em nosso meio de forma disfarçada. Elevando assim o potencial de desgaste, principalmente, para os pequenos produtores. Esse disfarce, aliás, coincide com as condições diferenciadas nas calculadoras eletrônicas dessas mesmas - e poucas - seguradoras, que não querem convir com os bons costumes de tratamento de pessoas.

Como exemplo, essas mesmas práticas podem ser observadas nos diversos balcões de negócios. A mesma seguradora, com condições idênticas de formatação de cálculo, tem precificação diferente entre seus angariadores. Por quê? Qual a razão lógica disso (Em redundância)? O motivo é simples: A segregação social dos corretores de seguros. Prestigiando uns e desprestigiando outros.

Mas eu não quero aqui negar o valor produtivo de cada corretor. Aliás, considerando-se justo que contratos de produção sejam feitos a título de prêmio, quando os resultados mostrarem o empenho do produtor. Esse prêmio poderá ser pago pelo desenvolvimento da produção, a parte, nunca na ponta do cálculo. Portanto, o nosso problema é com a precificação diferenciada e vantagens indevidas que inibem a atuação concorrencial.

Atualmente, via de regra, o MP - Federal e Estadual - atua de forma exemplar na recepção de denúncia que tipifique a discriminação. Hoje, podemos contar com instrumentos que inviabilizem esse tipo de ?vantagem de uns sobre os outros, praticado por quem deveria ser isônoma?. A concorrência desleal também é uma espécie de corrupção que deve ser combatida plenamente.

Armando Luis Francisco
Corretor de Seguros


saiba mais »

19/06/2017 - Genética e o Seguro de Vida

Francisco Galiza
Rating de Seguros ? Comentário Econômico n? 478

Prezados Senhores,

Para conhecimento e para pensar...

O Centro de Pesquisas Geneva Association lançou nesse mês o estudo ?Genetics and Life Insurance: A View Into the Microscope of Regulation?, discutindo um tema de importância crescente no seguro e, mais especificamente, no seguro de vida. Ou seja, até que ponto as informações genéticas das pessoas podem ser usadas na taxação desse tipo de produto.

Ver... https://www.genevaassociation.org/sites/default/files/research-topics-document-type/pdf_public//ga2017_globalageing_genetics_and_life_insurance.pdf

         Sendo um assunto novo e polêmico, ainda não existe uma unanimidade entre os países. Assim, em termos didáticos, a tabela resume as cinco posições mais comuns, especificamente em termos de regulação.

Nos próximos anos, certamente teremos mais novidades, e esse debate irá crescer bastante.

Francisco Galiza
http://www.ratingdeseguros.com.br/
http://twitter.com/ratingdeseguros


saiba mais »

19/06/2017 - Diretor Comercial da AIG apresentará palestra sobre: "Plataformas Digitais de Relacionamento com Corretores e Mercado de SME"

Fabio Cabral - Diretor Comercial da AIG Seguros Brasil
O Fórum de Debates Café Digital Seg News terá como palestrantes: Fernando Zuanon ? Analista…

FÓRUM DE DEBATES CAFÉ DIGITAL SEG NEWS

MARKETING & RELACIONAMENTO NOS CANAIS E REDES SOCIAIS

SÃO PAULO, 10 DE AGOSTO DE 2017 - DAS 8h30 ás 12h30

LOCAL: BRASTON HOTEL AUGUSTA (RUA AUGUSTA, 467  - CONSOLAÇÃO

Realização:


www.agenciasegnews.com.br 

Este evento tem como objetivo debater e avaliar o relacionamento das empresas do mercado de seguros com os seus respectivos clientes e fornecedores. Além do atendimento aos consumidores, também serão apresentados dois cases do setor O da Thinkseg: Novos conceitos de distribuição e relacionamento com os segurados na era digital que será apresentado pelo executivo André Gregori - CEO & CET at Thinksgeg e o Case da Clamapi Corretora de Seguros: primeira Corretora especializada, com atuação exclusiva em Riscos Cibernéticos

Programa:

Coordenação:
Rafael Ribeiro do Valle ? Diretor de Comunicações da Academia Nacional de Seguros e Previdência

Participantes Confirmados:

André Gregori ? CEO & CET at Thinksgeg
Cláudio Macedo Pinto ? Diretor da Clamapi Corretora de Seguros
Fabio Cabral - Diretor Comercial da AIG Seguros Brasil

Fernando Zuanon ? Analista de Mídias Digitais da Revista Consumidor Moderno

Apresentações:

Fernando Zuanon ? Analista de Mídias Digitais e Relacionamento com os Consumidores na Revista Consumidor Moderno

Tema: Atendimento e  Relacionamento com os Consumidores nas midias digitais e redes sociais

Fabio Cabral - Diretor Comercial da AIG Seguros Brasil

Tema: "Plataformas Digitais de relacionamento com Corretores e Mercado de SME".

Apresentação de Cases:

Case I
Thinkseg: Novos conceitos de distribuição e relacionamento com os segurados na era digital.
Palestrante: André Gregori - CEO & CET at Thinksgeg

Case II
Clamapi Corretora de Seguros: Primeira Corretora especializada, com atuação exclusiva em Riscos Cibernéticos

Palestrante: Cláudio Macedo Pinto ? Diretor Presidente da Clamapi Corretora de Seguros

Inscrições:

Valor: R$ 180,00 (A partir de 2 Inscrições: R$ 160,00 Cada)
Incluindo: Material de Apoio, Certificado e Coffe Break

BANCO BRADESCO
AGÊNCIA 515
CONTA CORRENTE ? 46923-8
Em nome de Ivanildo de Jesus Moreira Sousa-ME
CNPJ 01640285/0001-98

Ficha de Inscrição:

Nome:
Empresa: 
Atividade desenvolvida:
CNPJ:
Endereço:
Cidade:
Estado:
CEP:
Tel:
E-mail: 
(*) Enviar para o E-mail: ivanildoagenciasegnews10 [AT] gmail [DOT] com   
Informações: (011) 95794-6570

  • aig


    saiba mais »

    19/06/2017 - Roubos de cargas: arroz já teve mais de R$ 1 milhão em prejuízos

    Roubos de cargas: arroz já teve mais de R$ 1 milhão em prejuízos
    As ocorrências de roubo de cargas em rodovias estão entrando na lista dos principais desafios…

    A Abiarroz destaca que este não é um problema pontual e joga luz sobre o crescimento expressivo deste tipo de ocorrência no Rio de Janeiro, que responde pela maioria dos ataques a cargas de arroz no trimestre.  No levantamento da entidade, verifica-se inclusive uma empresa que parou de fornecer para o Rio de Janeiro: a transportadora que antes fazia as entregas para o Estado cessou o frete em função do aumento de registros de ataques.

    No Rio de Janeiro, as ocorrências de roubo de cargas (de todos os tipos) triplicaram desde 2011. Em 2016, foram registrados 9.870 casos no Estado, um recorde desde que esta estatística começou a ser feita há 24 anos. A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), em recente comunicado, destaca que o crime pode ter origem no financiamento do tráfico de drogas, mas segundo a Polícia Civil do Estado, o roubo de cargas tem inclusive superado a própria venda de entorpecentes no faturamento, contando com uma estrutura organizada de gerentes e revenda rápida de mercadorias.

    Para a Abiarroz, as consequências negativas dessa situação são muitas. A entidade destaca que este problema coloca em risco a vida do motorista e acaba, no final, por prejudicar o consumidor em função de seguros e fretes mais altos para o transporte. A entidade está conduzindo ações junto a autoridades políticas em Brasília sobre esta questão.


    saiba mais »

    19/06/2017 - CSP-MG e FenaPrevi debatem Seguro de Vida Universal durante encontro em BH

    No dia 28 de junho, acontece em Belo Horizonte o 4º Encontro do Clube de…

    ?A cada edição de nossos encontros buscamos promover a discussão sobre matérias atuais que impactam o cotidiano dos profissionais do mercado e da sociedade. Desta vez, falaremos dessa modalidade de seguro, que pode mudar a forma de comprar e vender seguros de vida no País", comenta João Paulo Moreira de Mello, presidente do CSP-MG.

    Após a palestra magna, será realizado debate com a participação de representantes do Sincor-MG, Sindseg MG/MT/GO/DF e Clubcor-MG. 

    Sobre o palestrante ? Patrick Paiva é graduado em Ciências Atuariais e Direito, preside a Comissão de Produtos de Risco da FenaPrevi e é gerente de Produtos de Seguro de Vida da Icatu Seguros.

    Serviço:
    Evento: 4º Encontro do Clube de Seguros de Pessoas de Minas Gerais (CSP-MG)

    Tema: ?Seguro de Vida Universal - Mudanças no Mercado Brasileiro de Seguros de Pessoas?
    Data: 28/06/2017 (quarta-feira)
    Horário: 9 às 13h
    Local: Automóvel Clube de Minas Gerais - Avenida Afonso Pena, 1394, Centro, Belo Horizonte-MG
    Inscrições: até 23/06 pelo e-mail secretaria [AT] cspmg [DOT] com [DOT] br


    saiba mais »

    19/06/2017 - Roubos e furtos de máquinas e equipamentos em obras aumentam e indenizações crescem 162%

    Adailton Dias
    Aumentam os roubos e furtos de máquinas e equipamentos em obras

    Indenizações pagas pelo mercado de seguros nos ramos em que máquinas e equipamentos utilizados em áreas como pavimentação, terraplanagem e construção civil foram 162% superiores no primeiro trimestre de 2017 em relação ao mesmo período do ano passado 

    São Paulo, Junho de 2017 ? Apesar do desaquecimento no setor de infraestrutura no anos recentes, aumentou a incidência de roubos e furtos de equipamentos em canteiros de obras. Segundo dados da SUSEP ? Superintendência de Seguros Privados, as indenizações pagas pelas seguradoras por ocorrências nos ramos em que Máquinas e Equipamentos da área de construção estão seguradas aumentou 162% e passou de R$ R$ 142,2 milhões no primeiro trimestre de 2016 para R$ 374,8 milhões no mesmo período de 2017. ?As ocorrências de roubo e furto representam 25% das indenizações realizadas em todo o ano de 2016, quando as ocorrências tiveram um aumento de 10%. Desse total, 11% foram por conta de roubo e 14% em decorrência de furtos?, ressalta Adailton Dias, Diretor de Transportes, Sinistros e Planejamento Estratégico da Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings ? um dos maiores grupos seguradores do mundo.

    Segundo o especialista, os ramos mais afetados por essas ocorrências são pavimentação, terraplanagem e construção civil. Além disso, há várias situações, que incluem desde o desaparecimento do equipamento pela ausência de segurança no local, até golpes como a locação de equipamentos por empresas fantasmas.

    Nesse caso, os golpes mais comuns envolvem contratos falsos com e-mails fakes, em que quadrilhas locam equipamentos, na maioria das vezes, se passando por grandes empresas. Os equipamentos mais visados são os da linha amarela (retroescavadeiras, escavadeiras hidráulicas, pás carregadeiras e mini carregadeira, por exemplo). ?Como os equipamentos não têm placas de identificação igual a de veículos, é comum as quadrilhas aplicarem o golpe em uma determinada região e transportar o equipamento para outro Estado para ser vendido com nota fria?, acrescenta Dias.

    O executivo da Sompo Seguros apontou alguns cuidados básico que, se adotados por proprietários da obra ou dos equipamentos, podem contribuir significativamente para evitar roubos e furtos de equipamentos em canteiros de obras:

    • Identificação - Fazer contratos e pesquisas sobre nome do contratante, visitar o contratante e a região da obra, levantar o RGI do terreno de execução da obra e somente após todos os levantamentos e pesquisas, proceder com o envio do equipamento;
    • Localização do canteiro ? É necessário cuidado extra quando a obra é feita em ruas com pouco movimento ou iluminação;
    • Iluminação ? Independente da iluminação da rua, o canteiro deve ser bem iluminado para que o vigia possa ter ampla visibilidade do local;
    • Dispositivos ? Instalar dispositivos como travas elétricas, bloqueadores de pneus e travas para tampas de combustível dificulta a ação de quadrilhas;
    • Sem energia ? Para veículos de grande porte, como retroescavadeiras e pás-carregadeiras, também é recomendado retirar a bateria dos motores;
    • Localização ? Instalar rastreadores também é uma medida que aumenta as chances de localizar o equipamento se ocorrer o roubo ou furto;
    • Portaria - Estabelecer regras de controle rigoroso de entrada e saída da obra;
    • Segurança - Instalação de câmeras, sensores e cercas elétricas são uma boa alternativa para prevenir roubos;
    • Especialistas - Contratar empresas de vigilância patrimonial idôneas, que disponibilizam profissionais treinados e serviços de segurança eletrônica, pode ser uma boa opção para reforçar a proteção do local.

    Sobre a SOMPO Seguros S.A

    A Sompo Seguros S.A. é uma empresa do Grupo Sompo Holdings, um dos maiores grupos seguradores do Japão e do mundo. Resultado da integração das operações da Marítima Seguros, companhia fundada em Santos em 1943, e da Yasuda Seguros, que está no Brasil desde 1959; a companhia atua nas áreas de Seguros Corporativos (Auto Frotas, Transportes, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, Empresariais Segmentados, Riscos Diversos, entre vários outros) e Pessoais (Auto, Residencial e Acidentes Pessoais); bem como na área de Seguro Saúde. Atualmente a empresa conta com filiais em todas as regiões brasileiras.

    O Grupo Sompo Holdings tem sua origem no Japão, atua há 128 anos no mercado de seguros e hoje conta com subsidiárias nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.

    • sompo


      saiba mais »

      19/06/2017 - Consumidor online: Leitura da mente do comprador de seguros.

      Consumidor online: Leitura da mente do comprador de seguros.
      Celent lançou seu relatório intitulado: "Os consumidores online: leitura da mente do comprador do seguro"…

      Hoje a indústria de seguros está passando por muitas mudanças que irão definir a próxima geração de seguradoras. Muitas dessas mudanças são influenciados pelas novas tecnologias que estão mudando o comportamento do consumidor, tecnologias como canais digitais, telemática, redes sociais, dispositivos móveis e analytics. Por outro lado, os consumidores também estão sendo influenciados por essas novas tecnologias, tendências e experiências que têm com outras indústrias.

      O consumidor on-line não é necessariamente um comprador de seguros, mas muitos deles têm seguros e usam seus telefones inteligentes para estar conectados. Os consumidores estão dispostos a partilhar as suas informações se eles são recompensados ??de alguma forma. Na verdade, cerca do 32% dos consumidores vão compartilhar informações sempre que tenham um desconto imediato e 21% vai fazer se tem um desconto no futuro; 71% dos consumidores ainda preferem o contato humano para interagir com as companhias de seguros; o resto preferem canais digitais, sejam aplicativos, sites, redes sociais ou chats.

      "No mundo real, os consumidores não são devotos de uma indústria em particular. Na verdade, eles não vão pensando "a qual industria eu vou me dedicar hoje." Os humanos somos complexos, tem sentimentos e toman decisões com base em diferentes fatores. "- analisa Chipana.

      "A tecnologia influencia tanto a oferta e a demanda. Por um lado, temos os consumidores que se estão tornando cada dia mais expertos no uso da tecnologia e exigem canais digitais. Por outro lado, temos as companhias de seguros que estão melhorando seus canais digitais; canais que tenham melhor abordagem nas necessidades dos consumidores on-line?, conclui Chipana

      Acerca da Celent: (www.celent.com) Trata-se de uma empresa de pesquisa e assessoria que oferece suporte a instituições financeiras para formular estratégias de negócios e tecnologia.

      Conta com um grupo de analistas internacionais e está posicionada de maneira única para oferecer assessoria estratégica e uma perspectiva do mercado com abordagem global.

      A Celent é membro do Oliver Wyman Group, integrante do grupo de companhias Marsh & McLennan.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Corretor sempre será essencial, diz diretor da Bradesco em evento do CCS-RJ

      Corretor sempre será essencial, diz diretor da Bradesco em evento do CCS-RJ
      Grande referência no mercado segurador, o diretor geral da Bradesco Seguros, Marco Antonio Gonçalves, foi…

      ?Muitos acreditam que a informatização substituirá as pessoas. Ouvi na semana passada que, em 2019, todo o conhecimento de um ser humano estaria em um computador. É claro e certo que a evolução tecnológica nos levará por novos caminhos. Mas, na minha visão, não substituirá as pessoas, apenas contribuirá para nosso maior conhecimento. Lembro quando, 10 anos atrás, diziam que as corretoras online tomariam o lugar dos corretores de seguros. Hoje, sabemos que isso não aconteceu?, pondera.

      O diretor acredita que será preciso, sim, se preparar para as mudanças geradas pelos avanços tecnológicos, mas que a figura do corretor continuará sendo aquela apta a ?tornar o complexo simples?, o que nenhum sistema seria capaz de fazer, porque até mesmo um seguro mais objetivo como o de automóvel possui inúmeras nuances.

      Outro ponto levantado pelo diretor foi a necessidade de rever alguns aspectos do ontem para aprimorar o amanhã. ?Por que não temos, até hoje, o seguro no foco do cliente? A sociedade ainda não sabe o que precisa em termos de proteção?, diz. Nessa mesma linha, Gonçalves alerta: ?levar o físico para o digital com a simples digitalização é pouco, não resolve nada, e acaba gerando altos custos sem refletir maior eficiência?. A palavra de ordem, portanto, seria reavaliação.

      Nova parceria ? O executivo também contou aos associados que a Bradesco Seguros vai expandir os seus ramos de atuação, graças a uma joint venture com a Swiss RE. ?Iniciaremos a operação em grandes riscos, entrando em linhas financeiras e responsabilidade civil, entre outros, a partir de julho. Aguardamos apenas aprovação final da Susep?, revelou. A parceria vai ao encontro da meta da seguradora, que desde 2013 opera como uma companhia multi ramos, de oferecer ?proteção completa em um único lugar?.

      De acordo com Gonçalves, é essa mesma postura que o Grupo espera do corretor de seguros. ?O distribuidor possui conhecimento suficiente para deixar de ser um tirador de pedidos, de vender um único ramo, para oferecer uma visão completa de soluções a cada cliente?, declara.

      O poder do diálogo ? O diretor do CCS-RJ, Luiz Mario Rutowitsch, aproveitou a ocasião para contar que a proposta de formação de comissões de conciliação entre corretores e seguradoras, apresentada pela diretoria no início deste ano, já está tomando forma. ?Cada comissão terá cinco integrantes, sendo dois da diretoria, uma da Comissão de Mulheres do CCS-RJ e dois associados que tiverem interesse em participar. Inicialmente, serão duas: Auto e RE e Vida e Saúde?, anunciou.

      Ele explicou que, em reuniões periódicas, as comissões vão deliberar sobre demandas dos corretores sobre suas dificuldades junto às seguradoras e levá-las às companhias quando for necessário. ?O objetivo é obter informações cada vez mais precisas e melhorar também o relacionamento entre corretor e segurado?, explicou.

      O diretor da Bradesco apoiou a iniciativa. ?Em qualquer ramo, precisamos estar alinhados à distribuição e ter uma interlocução muito intensa. As comissões serão um canal muito importante para evitar a judicialização. Esse é o grande papel das instituições?, elogiou. Marco Antonio Gonçalves recebeu uma placa de homenagem e uma comenda do CCS-RJ no final do evento.

      Sobre o CCS-RJ |

      Fundado em 1980, o Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro tem como objetivo estimular encontros e debates que contribuam para o desenvolvimento do setor e da categoria. A entidade promove também a articulação estratégica e contínua com os demais participantes do sistema nacional de seguros privados. [http://ccsrj.com.br/]


      saiba mais »

      19/06/2017 - Especialista em varejo analisa os desafios econômicos do setor

      Caio Camargo, especialista em varejo e autor do portal
      Caio Camargo é um dos participantes do 1° Encontro de Negócios, que será realizado, no…

      Nos últimos anos e, principalmente, no momento atual, o país vive uma intensa crise econômica que afeta fortemente o desempenho das empresas do segmento do varejo. Diante dessa situação, o que fazer para desencadear resultados positivos em tempos de crise? Esse é um tema estudado pelo especialista da área de varejo, autor do livro "Arroz, Feijão & Varejo" e proprietário do portal Falando de Varejo, Caio Camargo, que possui mais de 7 milhões de leitores e dezenas de milhares de seguidores nas principais redes sociais. Além disso, Camargo também é uma das principais referências do mercado quando se trata de vender mais e melhor.

      No dia 1º de julho, o especialista marcará presença em Belo Horizonte para participar do 1° Encontro de Negócios, que será realizado na rua das Acácias, das 8h30 às 12h30, e tem o objetivo de reunir gestores, realizar networking e negócios.

      O profissional em varejo abordará diversas técnicas e temas para o público presente, como ?Atmosfera e experiência de compra?, ?O conceito de funil de vendas para as lojas?, ?Produtividade: como extrair o máximo de aproveitamento da equipe?, ?Como criar ambientes de varejo que provoquem aumento de vendas através da experiência de compra e do retail design?, ?Pontos de venda que se transformam em pontos de contato da marca com seus consumidores? e ?Técnicas de Merchandising para uma loja com ambiente vendedor?.

      ?Acredito que o lema 'juntos somos mais fortes'nunca fez tanto sentido no mundo do varejo. Não somente pela crise, mas o varejo precisa de união e conhecimento para enfrentar os desafios do mercado e dos novos consumidores, cada vez mais exigentes em relação à maneira como compram e consomem. Eventos como o Encontro de Negócios são ótimos ambientes para troca de conhecimento, criação de sinergias e até mesmo novas oportunidades de negócio entre os participantes", comenta o especialista em varejoCaio Camargo.

      Em relação ao encontro, Caio afirma que a sua palestra mostrará que ter uma atitude mais ativa em relação às vendas poderá fazer a diferença nos dias de hoje. ?Vou derrubar alguns conceitos provando que todo mundo entra em uma loja tem a intenção de comprar e o que o famoso 'vou dar uma olhadinha' não existe?, afirma.

      O evento é voltado principalmente a pequenos e médios empreendedores.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Automação estimula o empreendedorismo

      Automação estimula o empreendedorismo
      Empreender em tempos de crise requer cuidados redobrados, mas também é nesses momentos que surgem…

      Um exemplo é o gerenciamento de estoque, que precisa ser feito de forma cuidadosa e eficiente por todas as empresas, independentemente do porte. Apesar de as planilhas terem sido usadas durante muito tempo para realizar esse controle, a tecnologia oferece recursos mais precisos e menos passíveis de erros, como os cálculos relacionados à entrada e saída de produtos, que podem representar a falta de mercadorias para atender à demanda. Algumas ferramentas ajudam a ter um melhor controle de todo esse processo, caso do código de barras, do SRM (sigla para o inglês Supplier Relationship Management, ou seja, Gestão de Relacionamento com Fornecedores) e ERP (sigla derivada de Enterprise Resource Planning que significa Sistema de Gestão Empresarial).

      O código de barras ajuda a padronizar processos para efetivação de um gerenciamento mais eficiente da cadeia de suprimentos. Ao padronizar o código de barras, a GS1, que tem mais de 30 anos de atuação no Brasil, permitiu que os códigos pudessem ser capturados por diferentes tipos de leitores ópticos - outra inovação tecnológica da época. Por dia, 6 bilhões de bips da leitura do código de barras são ouvidos ao redor do mundo. Uma prova de que essa tecnologia ganhou uma proporção tamanha que não se pode mais imaginar a cadeia de suprimentos sem ela. Uma linguagem internacional de negócios, códigos que orientam o comércio mundial.

      O código de barras facilita o controle de circulação de mercadorias em todas as etapas do processo, seja no recebimento nos estabelecimentos ou em qualquer outra fase que seja necessária a captura de dados e controle da informação, permitindo a identificação dos itens entre diversas empresas e a rotatividade dos lotes que já foram lançados no mercado. O uso da tecnologia favorece o aumento da produtividade e a redução de custos comerciais, logísticos e produtivos. Tendo o código em cada produto, o gestor deverá usar apenas o coletor de dados e o equipamento efetuará a contagem.

      O ERP, ou Sistema de Gestão Empresarial, tem se tornado popular entre as empresas por ser capaz de integrar todos os setores e aperfeiçoar o fluxo de informações. Uma vantagem do ERP é que, na maioria das vezes, ele pode ser adquirido em módulos e muitas empresas fabricantes desenvolvem os seus próprios ? especialmente destinados ao controle de estoque.

      A automatização do gerenciamento de estoque por meio de um sistema como este confere mais agilidade e eficiência aos processos operacionais e administrativos. A partir de um banco de dados centralizado, o gestor pode cruzá-los e criar indicadores para definir a melhor relação entre oferta e procura. Também é possível manter o estoque equilibrado, com a quantidade de itens necessária para suprir a demanda ? nem mais, nem menos.

      Com o ERP, o gestor terá condições de efetuar uma análise contínua do fluxo de movimentação das mercadorias, do histórico de vendas, dos prazos de entrega dos fornecedores, dos períodos de pico de vendas (sazonalidade). Um bom sistema de gestão automatizado reduz perdas e desvios, facilitando a realização de inventários rotativos e dos inventários gerais. Os primeiros podem ser até diários, selecionando um ou mais itens do estoque para uma conferência. O inventário geral, mais demorado, pode ser feito mensalmente ou conforme outro cronograma ajustado às necessidades da empresa.

      O SRM é uma estratégia para aperfeiçoar o relacionamento da empresa com seus fornecedores. Por essa razão, um sistema automatizado de SRM também é uma das mais importantes ferramentas de controle de estoque. A ferramenta envolve as práticas empresariais e recursos tecnológicos para integrar o fluxo de informações da gestão da cadeia de suprimentos. A empresa deve usar softwares para a geração de um quadro comum de referência que possibilita uma comunicação eficiente com os fornecedores.

      Dessa maneira, esse sistema aprimora a eficiência dos processos relacionados à aquisição dos bens e dos serviços, à realização de inventários e aos materiais de processamento. E contribui para reduzir os custos de produção, aumentar a qualidade dos resultados e diminuir o custo do produto final.

      Códigos sob medida

      Cada código de barras, dentro de suas características, permite a rápida captação de dados, velocidade nas transações, precisão nas informações e atualização em tempo real. Tudo isso permite maior controle, diminuição de erros, gerenciamento remoto, velocidade no atendimento de pedido e clientes e redução de custos com erros de digitação e desvios.

      EAN-13

      O código EAN-13 é o mais conhecido e utilizado para a identificação de produtos que passam nos caixas do varejo, não só no Brasil, mas no mundo. É o código que o consumidor encontra em praticamente todos os itens dos supermercados.

      GS1 DataBar

      De dimensões reduzidas e maior capacidade de armazenar dados, traz vantagens para o varejo e ao consumidor. Por exemplo, na operação de caixa pode-se ter o controle da data de validade de produtos perecíveis e evitar a venda ao consumidor caso ainda não tenham sido recolhidos da gôndola do supermercado. Os símbolos do GS1 DataBar têm capacidade de codificar uma série de dados adicionais ao código do produto, como data de validade, número de lote e peso líquido, entre outros.

      GS1-128

      Permite codificar todas as chaves GS1, é utilizado na gestão de logística e de rastreabilidade por meio da codificação de informações adicionais como número serial, número de lote, data de validade, quantidades, número de pedido do cliente etc.

      ITF-14

      Desenvolvido para codificar apenas GTINs, pode ser impresso diretamente em substrato corrugado (caixa de papelão) oferecendo um bom desempenho de leitura. Assim, permite identificar diferentes grupos de embalagem logística de um mesmo item.

      GS1 DataMatrix

      Por conter números seriais, lote, data de vencimento, que são informações variáveis guiadas por Identificadores de Aplicação GS1, é o principal código adotado pelo segmento hospitalar. O tamanho reduzido permite que identifique itens muito pequenos, possibilitando sua rastreabilidade.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Orçamento base zero

      Andriei José Beber, professor doutor da IBE-FGV.
      Por Andriei José Beber, professor doutor da IBE-FGV

      Heráclito é considerado um dos mais importantes filósofos pré-socráticos. Nasceu em Éfeso, por volta de 540 a.C. Tornou-se conhecido como o ?pai da dialética?. É dele uma das mais importantes contribuições filosóficas do mundo antigo: ?nada é permanente, exceto a mudança?. Utilizando o exemplo de um rio, Heráclito ilustrou sua teoria: ninguém se banha duas vezes no mesmo rio. Por meio desse exemplo, ele quis dizer que, no instante em que se entra em um rio, águas novas imediatamente substituirão aquelas nas quais a pessoa imergiu.

      Entretanto, ainda assim, o próprio rio é sempre descrito como coisa fixa e imutável. Em razão da crise econômica que o Brasil atravessa, a escassez de recursos públicos torna-se mais intensa, exigindo soluções para seu melhor aproveitamento. Adverte o professor Delfim Netto que o orçamento federal, assim como todos os orçamentos no Brasil, tem caráter geológico. Ele assevera que, para estar no orçamento desse ano, basta que o gasto tenha figurado no orçamento do ano anterior, que por sua vez foi ?carregado? do ano que o precedeu, por indução regressiva. Essa falta de flexibilidade do orçamento pode inibir a inovação e a criatividade.

      O Orçamento Base Zero (OBZ) é uma ferramenta estratégica utilizada na elaboração do planejamento orçamentário para um determinado período a partir de uma base zerada, ou seja, sem levar em consideração as receitas, custos, despesas e investimentos de exercícios anteriores, a famosa ?base histórica?. Empregando a experiência desenvolvida pela empresa Texas Instruments, o então governador do estado da Geórgia e posteriormente presidente dos EUA, Jimmy Carter, implantou, em 1973, a técnica do OBZ no setor público. Por meio desse conceito, não há ?direito adquirido? no orçamento.

      Diferentemente do orçamento tradicional (incremental), ao forçar as atividades a serem classificadas de acordo com a prioridade, o OBZ fornece uma base sistemática para a alocação de recursos, exigindo que cada atividade seja justificada a partir da análise custo-benefício. Cada despesa é tratada como uma nova iniciativa e, a cada ano, é necessário provar as necessidades de orçamento, competindo com outras prioridades e projetos. O OBZ amplia a visão estratégica dos gestores da organização. Além disso, auxilia na identificação de orçamentos inflados, elimina processos que não agregam valor, aumenta a motivação dos gestores ao oferecer maior autonomia e responsabilidade no processo decisório, aperfeiçoa a coordenação e a comunicação. A ênfase é na eficiência, não se preocupando com as classificações orçamentárias, mas com o porquê de se realizar cada despesa.

      Um equívoco muito comum é a crença que o OBZ se aplica, exclusivamente, aos gastos e despesas. Contrariamente, permite benefícios em qualquer etapa da gestão orçamentária. Todavia, como toda ferramenta estratégica, a necessidade de grande envolvimento dos gestores pode constituir-se em uma limitação. Ao reconstruir do zero, a cada ano, tende a tornar-se um processo oneroso, complexo e demorado, cujo sucesso, em alguns casos, é hipotético. Permanece, não obstante, o ensinamento de Heráclito, ?tudo muda?. E o orçamento também deve mudar.

      Andriei José Beber é professor doutor da IBE-FGV, especialista nas áreas de Finanças, Gestão e Governança.


      saiba mais »

      19/06/2017 - O peso dos impostos ?quase invisíveis?

      Daniela Faustino, advogada coordenadora da área tributária da Andrade Silva Advogados.
      Os tributos sobre o consumo representam quase 50 % da carga tributária brasileira

      Ao receber o salário, a pessoa sabe quanto vai pagar para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Quando compra ou vende um imóvel, ela também tem previsão do valor que precisará destinar para o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) ou para o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). E quando tem um carro, já tem ideia do tanto que vai precisar para quitar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Porém, quase ninguém observa o peso do tributo que se paga ao adquirir um item em um supermercado, numa loja de eletrodomésticos ou quando almoça em um restaurante, por exemplo, e como isso reflete no preço final.

      Esses tributos, que incidem sobre consumo e a produção de bens e serviços, representam quase 50% de toda a carga tributária brasileira. ?No preço dos bens e serviços estão embutidos tributos federais, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a contribuição ao Programa de Integração Social (PIS), e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS). No âmbito estadual, sempre que se compra um produto, a pessoa paga o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). E, no caso de Minas Gerais, a alíquota é, em regra, de 18%. Agora quando se utiliza qualquer serviço, o imposto é de responsabilidade do município, o Imposto Sobre Serviços (ISS). E a alíquota em Belo Horizonte é de 2% a 5%?, explica a advogada Daniela Faustino, coordenadora da área tributária da Andrade Silva Advogados.

      A advogada destaca que, além disso, o contribuinte ainda paga taxas municipais, como coleta de lixo, iluminação e outros. ?Embora esses sejam serviços considerados públicos, quem paga efetivamente por eles são as pessoas e empresas. E os valores podem mudar. Na capital mineira, por exemplo, o preço da coleta de lixo pode variar, se ela acontece em três ou seis dias na semana?, ressalta.

      Daniela acrescenta que é preciso pensar além. ?Considerando que as empresas também pagam impostos federais, estaduais e municipais, além das contribuições previdenciárias que todos aqueles que tem funcionários precisam pagar, isso é um custo. Então todos esses tributos compõem o preço da mercadoria ou serviço que o consumidor final paga, ou seja, tudo é repassado na hora da compra?, sinaliza.

      No caso das empresas, em âmbito federal, os principais impostos a serem pagos, inclusive com base de cálculo diferentes, são: PIS, Cofins, Imposto de Renda (IR), Contribuição Social (CS), Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICM) ou ISS, dependendo da natureza da atividade. E ainda existem taxas, como a de fiscalização e funcionamento. ?O peso dos tributos para as empresas é muito grande. Algumas, 50% da receita delas vai para pagar impostos?, enfatiza.

      Daniela comenta que nos últimos anos, por causa da crise econômica e do déficit das contas públicas, o governo fez pequenas reformas na legislação que aumentaram ainda mais a carga tributária. ?Vários produtos importados tiveram um aumento, mas como foram produtos específicos, que atingiram principalmente o setor supermercadista, não se teve uma grande divulgação. As bebidas são um exemplo.?, ressalta.

      Estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), apontou que, em 2016, o brasileiro precisou trabalhar 5 meses e 1 dia para conseguir arcar com toda a carga tributária, ou seja, 153 dias. Isso significa que, em média, 40% da sua renda é destinada para o pagamento de tributos, seja sobre o patrimônio ou sobre os produtos ou serviços.

      ?No país, trabalhamos com o conceito de estado social, ou seja, a população, como um todo (pessoa física e empresas) paga tributo para manter o estado, para que ele possa fornecer os serviços essenciais, como saúde, educação e segurança pública, por exemplo. Então teoricamente se tem uma tributação elevada no país, deveria ter serviços de qualidade. Mas infelizmente não é o que acontece?, finaliza.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Como e quando começar a investir?

      Por Cida Silveira

      A resposta é simples: Agora! Investir é para todos, seja muito ou pouco o que importa no final das contas é poupar para a aposentadoria e, também, para a realização de sonhos. Todos nós temos planos, queremos ter uma vida melhor e mais confortável no futuro, ou mesmo saber que existe uma reserva de dinheiro para imprevistos e emergências. Mas como é possível pagar todas as contas, manter uma boa qualidade de vida e, ainda, investir?

      O primeiro passo é analisar em que momento da sua vida você está e quais são suas prioridades e, a partir disso, poderá definir uma meta e em quanto tempo você poderá alcançá-la; o segundo é fazer um levantamento detalhado de suas finanças. Aprenda a ?fatiar? seus rendimentos e separar o que vai investir das demais despesas. Sugiro que divida a sua renda em quatro partes:

      - 50% deve ser destinado às contas fixas essenciais como aluguel, IPTU, condomínio, água, luz, gás, telefone, alimento;
      - 20% vai para o lazer, pois não é saudável, tão pouco viável, apenas pagar contas e guardar dinheiro. Você até pode conseguir fazer isso durante um tempo, mas não manterá uma constância, por isso separe essa verba para pagar jantares, passeios nos finais de semana, viagens, cinema, teatro, academia, cabeleireiro, etc.;
      - 10% deve ser reservado para um fundo de emergências, tais como conserto de carro ou reparos na casa, remédios ou um presente que não estava nos planos;
      - 20% essa parte deve ser reservada para o seu futuro, um sonho, um plano a longo prazo ou uma aposentadoria tranqüila.

      Com as suas contas organizadas é importante descobrir a modalidade de investimento ideal para o seu perfil. Caso seja mais conservador, pode optar pelo Tesouro Direto Pré-Fixado, no qual você já fica sabendo, no ato da compra do título, quanto receberá na data de resgate. Outras boas opções são Tesouro Direto Pós-Fixado, Renda Fixa (LCI, LCA, CDB e LC), fundos de investimento e bolsa de valores. Mas a grande dica é: antes de decidir qual é o caminho a seguir, converse com um consultor de investimentos capacitado, explique a ele quais são seus objetivos com o investimento e fale sobre o seu perfil, certamente ele lhe ajudará a escolher o melhor para você.

      Lembre-se de que você pode até começar a poupar pouco inicialmente, mas as coisas mudam, os seus rendimentos também. Por isso comece a guardar agora e não pense apenas em realizar seus sonhos e adquirir coisas materiais, mas planeje, também, o seu futuro para que ele seja tranqüilo.

      Todos podem se tornar investidores, basta um pouco de organização, planejamento e pulso firme para saber o que se pode gastar e o que se deve guardar. Pense que momentaneamente pode ser um sacrifício abrir mão de algo, mas no futuro será muito mais gratificante!


      saiba mais »

      19/06/2017 - A inovação inevitável e os jovens

      Por Welson Marinho

      Atualmente, quando falamos dos jovens, podemos encontrar perfis muito distintos. Alguns são alienados devido ao excesso de informações outros, à total falta dela. Além disso, algumas universidades do tipo ?delivery?, que visam apenas o lucro, acabam jogando no mercado de trabalho muitos formandos despreparados para exercer suas funções técnicas. Muitos têm pressa e querem demais, porém nada realizam.

      Por outro lado, felizmente, também é possível sim, ver uma geração de jovens antenados, trocando informações e compartilhando conhecimento nas redes. Alguns, inclusive, desenvolvendo suas próprias startups com o objetivo de solucionar problemas sérios desta nova fase chamada de ?Revolução Digital?.

      Aqui no Brasil nós já temos uma corrente fluindo rumo ao futuro, existem muitos jovens visionários, engajados em projetos inovadores. Mas se compararmos com países como Estados Unidos, Israel e também representantes da Europa e Ásia, ainda estamos muito atrasados nessa corrida.

      Para que consigamos acompanhar toda essa inovação é importante compreendermos para onde o mundo está caminhando, onde tudo será conectado por IPs. Atualmente, nós temos as soluções de IoT (internet das coisas), diminuindo os espaços geográficos e a taxa de inovação segue aceleradíssima, trazendo grandes transformações. Os modelos de negócios 100% dependentes das tecnologias são uma realidade, como Uber, Airbnb, Whatsapp, Snapchat e tantas outras ferramentas. Estamos em um mundo que segue em direção à robótica, redes neurais compondo a Inteligência Artificial.

      A geração Millenials está acompanhando essa evolução, eles estão chegando com tudo, assumindo novas e importantes posições nas organizações. Alguns deles possuem conhecimento para mudar estrategicamente a estrutura hierárquica das empresas, tornado-as organizações exponenciais como o Facebook, Amazon, Waze, Netflix e Google. Esse tipo de empresa busca mudar a forma de fazer negócios para acompanhar o mercado até 10 vezes mais rápido que as concorrentes que ainda operam de forma linear.

      Os jovens podem trazer esse novo olhar, fazendo uma leitura mais rápida e criativa das necessidades de seus consumidores do mercado atual. E, certamente, não precisarão esperar 20, 30 anos pelo sucesso como seus pais ou avós esperaram.

      Este mundo, para o qual estamos caminhando rapidamente, é ?100% tecnológico? e gerará impactos tremendos no modo de vida e trabalho que temos hoje. Existe uma estimativa de que teremos 90% menos advogados no mundo e mais casas sendo construídas por impressoras 3D.

      A expectativa é que todos nós tenhamos uma impressora 3D em casa, para imprimir os produtos que quisermos, desde roupas, bolsas, sapatos, até utensílios domésticos. Os carros serão totalmente autônomos e conduzidos tecnologicamente, um mundo que será abastecido exclusivamente por energia elétrica produzida através da tecnologia de captação de luz solar e com distribuição homogênea. A forma de aprendizado que conhecemos hoje será extinta, tudo dependerá da tecnologia.

      Então, eu pergunto: Teremos condições de não ficar conectados 24 horas por dia? E já antecipo a resposta: Não, não teremos esta opção.

      Por fim, acredito que há grandes chances de termos uma geração de jovens bem sucedidos. Mas é óbvio que este resultado depende de algumas variáveis importantes, tais como o geo-social, intuição metafísica, hereditariedade e, a mais importante, a própria força de vontade desse jovem de querer participar de um futuro que está sendo construído hoje e que, em cinco anos, apresentará um cenário muito diferente do que temos hoje.

      Autor: Welson Marinho, Diretor Comercial do Fliig, ferramenta de comércio eletrônico, que permite que o consumidor escolha quanto e como quer pagar.

      Mais informações aqui: www.fliig.com.br.


      saiba mais »

      19/06/2017 - CVG-RJ completa 51 anos

      A diretoria executiva do CVG-RJ convida suas beneméritas, conselheiros, fundadores, sócios e profissionais do mercado…

      O Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro (CVG-RJ) comemora os seus 51 anos de existência com uma Missa em Ação de Graças a ser realizada em 28 de junho, às 11 horas, na Igreja Nossa Senhora Mãe dos Homens, na Rua da Alfândega, nº 54, Centro.

      O presidente do CVG-RJ, Marcello Hollanda, disse que é uma honra "poder comemorar esta data juntos. São muitos anos de trabalho voluntário, dedicação e realizações de todo o Clube no desenvolvimento dos profissionais para o engrandecimento do mercado de seguros de pessoas e de benefícios?, pontuou.

      Sobre o CVG-RJ

      O Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro surgiu há 50 anos com o objetivo de estimular o crescimento dos Seguros de Pessoas no Brasil. Hoje, o Clube reúne 26 empresas beneméritas (são empresas do mercado, que colaboram para que o CVG-RJ desenvolva as suas atividades), entre seguradoras, corretoras, consultorias e assessorias de seguro. Ao todo, são mais de 700 associados, que participam de suas atividades. Nos cursos de capacitação profissional, foram treinados milhares de alunos, que hoje ocupam postos importantes nas empresas do mercado. A diretoria 2015/2017 é composta por Marcello Hollanda, presidente; Carlos Ivo Gonçalves, vice presidente; Isaque Farizel, diretor social; Sergio Ricardo de Souza, diretor de seguros; e Wellington Costa, diretor tesoureiro.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Diretoria de Ensino do Sincor-RJ promove fórum exclusivo para funcionários das corretoras

      A oportunidade de aprendizagem é a mola propulsora para o avanço nos negócios. Na próxima…

      De acordo com Boullosa, qualificar o profissional que atua na corretora de seguros é tão importante quanto criar novas alternativas de ensino para o corretor. ?Não adianta oferecer palestras e cursos para a categoria e esquecer que uma empresa possui colaboradores que também necessitam de treinamento e qualificação profissional. Estamos trabalhando no Sindicato segmentando os temas das palestras e pensando também nos funcionários, que são membros de uma equipe e merecem toda atenção. Durante o encontro, os participantes terão noções básicas em relação a agilizar o trabalho em relação aos processos administrativos de uma corretora e poderão tirar suas dúvidas?, declarou.

      Para se inscrever, é só entrar em contato com o Sincor-RJ através do telefone (21) 3505-5900. Para os colaboradores que a Corretora é associada, a participação é gratuita. Os que não são funcionários das corretoras associadas, a inscrição custa R$ 20,00 por pessoa.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Empresas mineiras serão reconhecidas por boas práticas de gestão em premiação mineira

      Em sua 15ª edição, o Prêmio Mineiro da Qualidade reúne em Belo Horizonte (MG) empresários…

      Idealizado pelo Instituto Qualidade e Produtividade Minas (IQPM) em parceria com o Sistema Fiemg, o Prêmio Mineiro da Qualidade é considerado pelo mercado e pelo meio empresarial como sendo o máximo do reconhecimento de qualidade para empresas do Estado de Minas Gerais.

      As empresas participantes ao prêmio e que terão os seus nomes apresentados em cerimônia aberta ao público são avaliadas de forma criteriosa.

      Os critérios de avaliação pelo qual passam as empresas participantes ao Prêmio Mineiro da Qualidade são: liderança, estratégias e planos, clientes, sociedade, informações e conhecimento, pessoas, processo e resultados.

      Seis meses é o tempo gasto, aproximado, para que os especialistas avaliem as empresas participantes ao Prêmio. A avaliação das empresas é feita por profissionais voluntários e qualificados, treinados anualmente pelo IQPM.

      Os nomes das empresas concorrentes à premiação são mantidos em sigilo até o dia da cerimônia. O reconhecimento aos premiados são feitos através de troféus e placas. A empresa que atingir o Nível I (Primeiros passos para a Excelência), adquire uma placa de reconhecimento (101 a 125 pontos). Já a instituição que chegar ao Nível II (Compromisso com a Excelência), obtém a placa de bronze (100 a 150 pontos), prata (151 a 200 pontos) ou ouro (201 a 250 pontos), dependendo da pontuação. A companhia que apresentar o Nível III (Rumo à Excelência), conquista a placa finalista (300 a 449 pontos) ou o troféu PMQ (450 a 500 pontos).

      Em sua 15ª edição, o Prêmio Mineiro da Qualidade já avaliou mais de 240 empresas do Estado de Minas Gerais por suas práticas de gestão.

      Segundo o diretor executivo do Instituto Qualidade Produtividade Minas (IQPM), Caio Márcio Becker Soares, o Prêmio Mineiro da Qualidade é mais do que reconhecimento. ?Ele sensibiliza, motiva e auxilia as empresas mineiras a adotarem boas práticas de gestão e alcançar melhores resultados?, comenta.

      Caio Márcio explica que as empresas são avaliadas em três categorias: Primeiros Passos para a Excelência, Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência. As categorias reconhecem as empresas nas faixas ouro, prata ou bronze. A avaliação é feita por cinco avaliadores voluntários, especialistas, empresários e membros do Conselho de Administração do IQPM.

      Para ser uma empresa reconhecida pelo Prêmio Mineiro da Qualidade é exigido das empresas conhecimento do modelo de gestão da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

      ?É importante salientar que vivemos em um tempo no qual os contextos social, ambiental e econômico mundiais mudam constantemente, de forma imprevisível e incontrolável. Diante disso, as organizações, para permanecerem vivas, cooperativas, competitivas e sustentáveis, precisam interagir e adaptar-se ao complexo cenário de transformações globais?, avalia Jairo Martins da Silva , Superintendente Geral da FNQ.

      Diante desse cenário, o Prêmio Mineiro da Qualidade atua como um braço da FNQ, ajudando a difundir as boas práticas de gestão.

      A cerimônia de reconhecimento das empresas premiadas pelo Prêmio Mineiro da Qualidade tem entrada franca e podem participar executivos, empresários, profissionais liberais ligados ao mundo corporativo.

      A cerimônia de reconhecimento do Prêmio Mineiro da Qualidade acontece, no dia 02 de agosto, no Teatro SesiMinas, na rua Padre Marinho, 60, Santa Efigência, Belo Horizonte (MG), a partir das 20h30. A entrada é franca e aberta a profissionais do mundo corporativo.

      Novidade no Premio Mineiro da Qualidade:

      Pioneiramente em parceria com o Sistema Fiemg, o Prêmio Mineiro da Qualidade contará com uma tarde de apresentação de cases em boas práticas de Lean Manufacturing de empresas participantes do programa Brasil Mais Produtivo.

      Ao todo participam desta iniciativa 12 empresas pré-selecionadas por uma banca de consultores. Os cases serão apresentados, na tarde do dia 2 de agosto, das 14:00 às 17:00, no auditório da Fiemg (Av. do Contorno, 4456 - Santa Efigênia) para proprietários de empresas, executivos, diretores de empresas e profissionais liberais interessados em assistir as apresentações.

      As inscrições para assistir os cases de sucesso já se encontram abertas pelo telefone: (31) 3263-4854 ou pelo e-mail:ksantiago [AT] fiemg [DOT] com [DOT] br

      Sobre o IQPM

      O Instituto Qualidade e Produtividade Minas (IQPM), foi criado em 2002 com o objetivo de estabelecer ações para que o Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade (PMQP) fosse uma realidade e cumprisse sua missão.

      O PMQP nasceu em 1991 como desdobramento do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade (PBQP) instituído em 1990 pelo Governo Federal. Esse programa tinha como objetivo promover a competitividade das empresas nacionais por meio da melhoria da qualidade da sua gestão, de seus processos, produtos e serviços.

      O IQPM tem como foco estratégico a adoção do Modelo de Excelência da Gestão (MEG), um modelo de gestão reconhecido internacionalmente e divulgado no Brasil pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

      Mais informações sobre o IQPM pelo site: http://iqpm.org.br/plus/ ou pelo telefone: (31) 30558065.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Pesquisa analisa modalidades e investimentos em negócios de impacto social e ambiental no Brasil

      - O 1º Mapa de Negócios de Impacto Social + Ambiental, conduzido pela Pipe.Social, revela…

      - Na análise de captação de recursos, o recorte ?Análise de Investimentos em Negócios de Impacto Social e Ambiental? mostra que 79% dos negócios mapeados estão captando investimento; desses, 38% estão captando até R$ 200 mil, 33% de R$ 200 mil a R$ 1 milhão e 23% mais de R$ 1 milhão.

      - Investimentos do tipo venture capital são alcançados por 2% do total de 579 negócios entrevistados; private equity investe em 2%; corporate venture em 3%; e crowdequity em 1%. Institutos e fundações são apoio financeiro para 7% dos negócios, editais do governo são mencionados por 8% dos empreendedores, investidores-anjo por 9% e incubadoras/ aceleradoras são mencionadas por 11% dos negócios.

      O 1º Mapa de Negócios de Impacto Social + Ambiental, conduzido pela Pipe.Social, revela que no Brasil permanece a desconexão da oferta de capital para os diferentes estágios de maturidade dos empreendimentos. Nas fases iniciais, em que há grande necessidade de recursos, a oferta de capital é mais escassa. Em contrapartida, a oferta de capital é maior somente nas fases mais avançadas dos empreendimentos. Há também uma discussão sobre a demanda real dos empreendedores por investimentos e sobre o perfil dos negócios buscados pelos investidores ? questão que gera um impasse para a criação de um pipeline de negócios mais maduros. A pesquisa mostra que há alta demanda por capital nos estágios iniciais dos negócios: sete em cada 10 empreendedores que estão em fase de ideação e organização da empresa estão captando até R$ 500 mil. Os recursos financeiros chegam principalmente via rede próxima: investimento de Family, Friends e Fools (3F?s), editais do governo, incubadoras e aceleradoras.

      ?Ninguém tem dúvidas sobre a disponibilidade de investimento para tíquetes acima de R$ 2 milhões no mercado, com vários fundos de venture capital olhando impacto social e ambiental, mas infelizmente essa oferta não é tão fácil para a grande demanda de até R$ 500 mil?, comenta Carolina Aranha, cofundadora da Pipe.Social. Nas fases mais maduras da jornada, quatro em cada 10 negócios aumentam a faixa de captação para mais de R$ 1 milhão; na fase de escala, 16% dos negócios buscam acima de R$ 5 milhões. Nesse estágio, os recursos financeiros vêm de investidores-anjo, empresas privadas e investidores com base em contratos formais: corporate venture, venture capital, private equity e crowdequity.

      Essas são algumas das conclusões do recorte Análise de Investimentos em Negócios de Impacto Social e Ambiental, que integra um mapeamento brasileiro inédito sobre o setor.

      O recorte mostra que os empreendedores buscam alternativas mais informais, sendo o Family, Friends and Fools (3F?s) o grande combustível para que esses negócios avancem nos estágios iniciais da jornada: 25% dos empreendedores já receberam essa modalidade de capital. Em segundo lugar, as aceleradoras e incubadoras foram responsáveis por 11% dos investimentos, seguidas por 9% de anjos.

      Quando questionados se estão captando, 72% dos empreendedores em fase de ideação e validação dos negócios responderam afirmativamente; 77% em protótipo; 81% piloto; 85% MVP (produto minimamente viável, sigla em inglês de Minimum Viable Product); 80% organização do negócio; 85% tração; 78% pré-escala; e 78% em escala. Questionados sobre outras rodadas de captação no passado do negócio, 70% ainda não buscaram investimento ou não obtiveram sucesso (ideia e validação); 61% protótipo; 33% piloto; 35% MVP; 39% organização do negócio; 28% tração; 38% pré-escala; e 42% escala.

      No início da jornada do negócio ? fases de ideação e protótipo ? sete em cada 10 empreendedores estão em busca de investimento. A captação via anjo profissional foi citada apenas por 7% dos que estão em fase de ideação e 4% em fase de protótipo; os institutos e fundações investiram em apenas 9% dos negócios em fase de protótipo e 4% em ideação. Aceleradoras e incubadoras foram opção para 7% dos negócios em fase de protótipos e 2% em ideação. Dos negócios em fase de ideia e validação, 53% dos empreendedores estão captando até R$ 100 mil e 25% de R$ 101 mil a R$ 500 mil; em fase de protótipo, 36% até R$ 100 mil e 36% entre R$ 101 mil e R$ 500 mil.

      Nas fases de piloto e MVP, 38% e 38% ? respectivamente ? estão captando até R$ 100 mil; 31% e 29%, entre R$ 101 mil e R$ 500 mil; 7% e 24%, de R$ 500 mil a R$ 1 milhão. Os investimentos começam a surgir no momento de ?pilotar? e buscar uma solução que viabilize a concretização do negócio. Embora pouco expressivos, editais e incubações/aceleração são os principais apoios financeiros nesse momento. Institutos e fundações investem em 8% dos negócios em piloto (3% MVP) e anjos profissionais são mencionados por 8% dos em MVP e 6% piloto. A maior demanda em ambas as fases é acima de R$ 500 mil; além de dinheiro, os negócios em MVP demandam ajuda para formatar uma comunicação eficiente da solução.

      Em organização do negócio e tração, 25% e 17%, respectivamente, estão captando até R$ 100 mil; 44% e 28% de R$ 101 mil a R$ 500 mil; 12% e 14% de R$ 500 mil a R$ 1 milhão; 14% e 32% de R$ 1,1 milhão a R$ 5 milhões. Nesses estágios, as incubadoras e aceleradoras continuam atuantes e entram em cena os investidores-anjo e empresas privadas. Editais do governo apoiam 8% dos negócios em ambas as fases; institutos e fundações 9% na fase de organização do negócio e 7% tração; investidores com contratos formais apoiam 5% em organização do negócio e 8% em tração. Além do dinheiro, aumentam os pedidos de ajuda para a estratégia do negócio entre os empreendedores da fase de organização; e demanda por time/equipe adequada para quem está em fase de tração.

      Em pré-escala e escala, 34% e 28%, respectivamente, estão captando até R$ 500 mil; 21% e 21% de R$ 500 mil a R$ 1 milhão; 36% e 28% de R$ 1,1 milhão a R$ 5 milhões; 9% e 16% acima de R$ 5,1 milhões. Em ampla expansão, os negócios conseguem atrair investidores com contratos formais, demandando quantias ainda mais elevadas. Investimentos do tipo venture capital são alcançados por 6% dos negócios em pré-escala e 4% em escala; private equity investe em 3% em pré-escala e 7% em escala; corporate venture por 4% em pré escala e 5% em escala; e crowdequity por 4% em pré-escala e 1% em escala. Institutos e fundações são apoios financeiros principalmente para 11% dos negócios em fase de pré-escala. Os editais do governo são mencionados por 11% dos negócios que estão em escala; 8% em pré-escala.

      ?As startups têm dificuldade de acesso a investimento e crédito em um período chamado Vale da Morte, nos estágios iniciais de vida. Investidores apontam a falta de negócios de impacto nos estágios mais maduros da jornada, que contam com maior faturamento e escala. Entendemos que se não tivermos um aumento da oferta de investimentos e crédito nas etapas iniciais da jornada não teremos volume de negócios que possam escalar em médio e longo prazos?, avalia Carolina Aranha.

      Segundo a especialista, no Brasil existem fatores que reduzem o potencial do investimento. ?A grande barreira no Brasil para que o investidor aposte nessas fases iniciais dos negócios se chama ´alto rendimento do dinheiro no banco e sem riscos´. Com a taxa Selic em dois dígitos, negócios de risco ficam menos atrativos para os investidores?, comenta Carolina.

      A falta de saídas no mercado de negócios de impacto é o segundo fator. Quando analisam investimentos, os investidores levam em consideração o histórico dessas saídas no mercado ? ou seja, empresas que foram investidas e posteriormente vendidas, trazendo retorno financeiro aos investidores.

      Demandas do investidor

      Carolina aponta algumas das principais demandas dos investidores: empreendedores com dedicação total ao negócio; soluções que resolvam um problema real na base da pirâmide; soluções que estejam estruturadas, testadas e com estratégia clara de investimento; time que entregue o resultado; bom potencial de escala que garanta a maximização do impacto que pode causar; e negócios com métricas de impacto definidas e com uma cadência de medição. ?Em contrapartida, vemos empreendedores com recursos escassos, lutando contra a burocracia brasileira e com desafios de mercado, acesso ao crédito e de construção de time. Mas, o Brasil está otimista com o futuro do setor, pois há boas notícias de forma consistente?, afirma.

      A especialista cita a expectativa da queda de taxa básica de juros em médio prazo, fazendo com que os investidores olhem para soluções que possam trazer retorno financeiro, mesmo com risco associado ? atendendo à demanda de investimento em etapas iniciais da jornada. O potencial de saída nos próximos anos é um segundo fator de otimismo. Com o mercado mais amadurecido há um aumento de expectativa com relação à saída nos próximos anos. ?Como vimos no mapeamento, o pipeline está mais robusto, há um número relevante de negócios que estão ganhando escala e atingindo volumes expressivos de faturamento. Na prática, provando que é possível ter retorno financeiro e social ao mesmo tempo no Brasil?, analisa Carolina. O terceiro pilar do otimismo está na Lei Complementar 155 que define a estrutura de investimento-anjo e de segurança jurídica para esta modalidade de aporte de capital. ?Com a lei, pessoas físicas e jurídicas podem fazer aportes de capital sem serem consideradas sócias, sem participação na gerência ou voto na administração da empresa. Entre as vantagens, o fato de que esses investidores não respondem por dívidas da empresa, inclusive recuperação judicial. Há, também, o não descredenciamento das empresas que receberam esse tipo de aporte no Simples Nacional como ocorria anteriormente?, afirma.

      Uma outra boa notícia é a nova opção de acessar investimentos representados pelo equity crowdfunding ? uma modalidade que permite o aporte financeiro direto a startups por meio da internet, no qual o investidor recebe como contrapartida uma participação acionária ou um título de dívida que pode ser conversível em ações da empresa apoiada. Os investimentos são regulamentados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que facilita essas operações e simplificou o processo para captações de até R$ 2,4 milhões ? desde que as empresas faturem até R$ 3,6 milhões. Em 2016, pesquisas indicam que as iniciativas de investimentos via crowdfunding irão ultrapassar em volume a indústria de venture capital global. Crescendo a taxas exponenciais desde a criação, em 2009, o volume transacionado foi de US$ 34 bilhões no mundo em 2015.

      No Brasil, a Vivenda ? negócio de impacto social focado em Habitação ? bateu recordes de captação na plataforma de equity crowdfunding brasileira Brota, superando a meta de captação de R$500mil em menos de 8 horas de Oferta Pública. O valor captado mobilizou mais de 90 investidores; foi a empresa mais rápida, o maior volume e de maior demanda já registrada na modalidade no país. A quantia captada permitirá iniciar a estratégia de expansão territorial com a inauguração da segunda loja, na zona leste de São Paulo.

      O fato é que o Brasil enfrenta diversos e complexos problemas sociais e ambientais, tornando-se um terreno fértil para o setor dos negócios de impacto. De 2013 para 2015, investidores de impacto aumentaram os ativos administrados na América Latina em 26% a cada ano. Uma tendência que deve continuar. Na edição 2016 da pesquisa GIIN com investidores de impacto, 44% dos entrevistados apontaram a América Latina como foco ? e a região respondeu por US$ 7 bilhões de investimentos no valor total de US$ 77 bilhões.

      A última pesquisa do US Trust, com uma base de 684 investidores, apontou que 85% dos Millennials estão interessados ou detinham investimento de impacto social. O Relatório da Morgan Stanley de 2015 indicou que os fundos de investimento de impacto cumpriram ou excederam o retorno médio de fundos equity tradicionais.

      ?E a boa notícia é que o Brasil já acompanha essa tendência. Estudo da Força Tarefa Brasileira de Finanças Sociais estima que até 2020 os investimentos em impacto devem multiplicar no Brasil, potencialmente chegando a R$ 50 bilhões anuais a partir de 2020?, finaliza Carolina Aranha.

      Principais conclusões da pesquisa (Retrato geral do setor)

      - Na análise Retrato geral do setor, a pesquisa mostra análises apuradas de 579 negócios de impacto social: 40% das empresas têm menos de três anos de atuação; 70% dos negócios estão formalizados; 90% contam com equipe própria acima de dois funcionários (sendo 19% equipes próprias acima de dez funcionários); 58% foram fundadas somente por homens; 20% possuem somente mulheres como fundadoras.

      - Na análise geográfica, 63% estão no Sudeste; 20% no Sul; 9% no Nordeste; 3% no Norte; e 3% no Centro-Oeste. A concentração está em negócios de impacto social na área da Educação (38%); em segunda posição, 23% dos negócios são Tecnologias Verdes; 12% atuam na área de Cidadania; 10% em Saúde; 9% em Finanças Sociais; 8% em Cidades.

      - Na análise do modelo de negócio, 52% dos entrevistados mencionaram o B2B (business to business) como o único ou um dos modelos de negócio adotado; 52% mencionaram B2C (business to consumer); 42% mencionaram B2B2C (business to business to consumer); 27% B2G (business to government); 9% C2C (consumer to consumer); e 6% não sabem.

      - Sobre o modelo de monetização, 44% mencionaram a venda direta única como principal ou uma das formas; 43% a venda direta recorrente; 34% assinatura; 19% publicidade; 15% software como serviço: distribuição e comercialização (SAAS); 14% serviços oferecidos via plataforma/serviço de hospedagem e implementação de hardware e software (PAAS); 9% micropagamentos; 4% infraestrutura como serviço e 6% outras formas.

      - Na análise do tracking do negócio, no último ano, a maioria ? 35% dos negócios de impacto social ? ainda não fatura; 31% faturaram até R$ 100 mil no último ano; 13% entre R$ 101 mil e R$ 500 mil; 6% entre R$ 501 mil e R$ 1 milhão; 5% entre R$ 1,1 milhão e R$ 2 milhões; e 7% acima de R$ 2,1 milhões.

      - A percepção do impacto social é clara para 43% dos entrevistados que sinalizam o propósito em toda a comunicação externa do negócio. Para 31% dos empreendedores, ainda não estão definidos os indicadores de impacto para que possam medi-lo; 28% definiram indicadores, mas ainda não medem o impacto de maneira formal.

      - Entre os 13% que já atingiram escala, 29% faturaram acima de R$ 2 milhões; 7% receberam investimento via private equity; 5% via corporate venture; e 4% via venture capital. Na formalização societária, 61% desses negócios estão formalizados como Ltda e 18% como SA.

      Metodologia

      O 1º Mapa de Negócios de Impacto Social + Ambiental é um levantamento inédito, conduzido pela equipe da Pipe.Social ? plataforma de conexões para fomentar o ecossistema de impacto no Brasil. O estudo foi estruturado para entender melhor os desafios e oportunidades desse ecossistema ? que existe há pouco mais de 10 anos no país ? e aprender mais sobre os empreendedores que estão construindo e fomentando um novo setor da economia. O mapeamento conta com uma pesquisa quantitativa ? focada em 579 negócios de impacto social ?, trazendo dados e análises qualitativas do contexto do país, além de visões dos principais especialistas em startups e negócios de impacto social. A equipe da Pipe.Social aprofundou os resultados da fase quantitativa com entrevistas para entender os aspectos relevantes do perfil e dinâmica dos negócios. Na base das reflexões, o propósito foi de buscar inspirações e boas práticas que possam ser compartilhadas entre os empreendedores.

      Os setores mapeados ? alinhados aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas ? foram consolidados em seis verticais de impacto social.

      Educação: negócios com soluções para todos os segmentos de educação da primeira infância ao ensino superior, atuando em diferentes níveis (pais, alunos, professores, gestores e governo).

      Saúde: desde negócios com soluções específicas para problemas de gestão da saúde (atendimento, governança, análise de dados, redução de custo) até soluções com foco na melhoria da qualidade de vida de pacientes (diagnósticos, tratamentos, prevenção, suporte, cura).

      Finanças sociais: serviços financeiros voltados para a base da pirâmide, visando redução de custos e escala em áreas como acesso a crédito, transações financeiras, educação financeira, formalização de negócios etc.

      Cidadania: negócios com soluções para democracia, gestão de governo, transparência, engajamento cívico, inclusão social, questões de diversidade e gênero, direitos e deveres do cidadão.

      Cidades: negócios com soluções para mobilidade urbana, habitação, monitoramento de dados, segurança pública, uso de áreas públicas e demais desafios urbanos.

      Tecnologias verdes: todos os tipos de negócios que têm impacto ambiental (energia, água, poluição, reciclagem, resíduos), projetos com impacto em agricultura, biotecnologia, análises de atmosfera, soluções para preservação de fauna e flora.

      O Mapa traz grandes inovações e mostra que, pela primeira vez, o ecossistema se reúne para uma ação conjunta de mapeamento desses negócios. Na prática, a Pipe.Social articulou cerca de 40 organizações que somaram esforços para entender melhor o pipeline atual e as demandas e oportunidades dos negócios nos diferentes estágios de maturação. Pipe.Social, Itaú, Cieb, Força Tarefa de Finanças Sociais, Acelera Partners, Amani Institute, ANDE, Anprotec, Artemisia, Baanko, Bemtevi, BioStartup Lab, Capitalismo Consciente CESAR, Comitê CleanTech, Din4mo, Endeavor, ICE, Impact Hub, InovAtiva de Impacto, Kaleydos, Libria, MOV Investimentos, NESsT, Pillow, ponteAponte, Plug, Innovaction Institute, Instituto Quintessa, Inspirare e Apreender, Sistema B, SITAWI, Social Good Brasil, Start-Ed, Vox Capital, Worth a Million e Yunus Negócios Sociais são os parceiros da iniciativa.

      O 1º Mapa de Negócios de Impacto Social + Ambiental foi coordenado por Carolina Aranha, Mariana Fonseca e Lívia Hollerbach, sócias-fundadoras da Pipe.Social.

      PIPE.SOCIAL

      Fundada por Carolina Aranha, Mariana Fonseca e Lívia Hollerbach, a Pipe.Social é uma vitrine de negócios sociais que surgiu com o desejo de provocar conexões de impacto no Brasil. Uma plataforma para que negócios de impacto sejam vistos e também se reconheçam dentro do universo de possibilidades que o ecossistema hoje oferece. A empresa atua em quatro pilares. Como uma Vitrine de Negócios, a Pipe mapeia, recruta e evidencia negócios de impacto pelo Brasil para que sejam expostos a recursos, acelerações, capacitações, mentorias, parcerias e ofertas. A empresa realiza chamadas nacionais e internacionais para processo de seleção para parceiros, contando com ?antenas? distribuídos no país para garimpar novos negócios. Em Monitoramento do Ecossistema, a equipe oferece serviços de validação de cadastros, negócios e ideias, curadorias de tecnologias e matching com teses de investimento e impacto ? além de pesquisas e forecasting de mercado. Em Corporate Innovation, oferece acesso à inovação para grandes empresas por meio de laboratórios com startups de impacto.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Coloque a experiência do usuário no topo da lista de prioridades

      Por Karin Lublin*

      Os smartphones tornaram as pessoas mais conectadas entre si e com as várias possibilidades de empresas e serviços. Mas, por outro lado, desenvolveram um novo comportamento que exige das companhias mudanças contínuas em diversos aspectos do negócio.

      Tendo tudo na palma da mão e cada vez mais pressa, as pessoas não estão mais dispostas a esperar, por isso, o tempo passou a ser determinante na experiência. Se antes aguardar seis segundos para um site carregar era normal, hoje um segundo já faz a diferença entre ficar ou sair de uma página.

      Então, não basta ter um portal atrativo, cheio de funcionalidades e design, e uma comunicação bem estruturada para captar a atenção do potencial cliente e fidelizar a audiência. Muito mais importante e decisivo é entender com quem você se comunica e quais são os gostos, desafios, problemas e inquietudes desse público, para que a sua empresa possa ofertar a solução mais acertada, aquela que fará o consumidor se decidir de imediato. Essa tendência, que está fazendo companhias em todo o mundo se tornarem mais competitivas e distribuírem os investimentos assertivamente é a UX, ou User Experience (experiência do usuário).

      As companhias que querem ter negócios online precisam entender muito bem como proporcionar a melhor experiência ao usuário para alcançar o sucesso, que deve refletir não apenas na relação com o consumidor, mas também nas métricas mais importantes.

      As maiores referências em vendas online já perceberam o valor da UX. A Amazon, por exemplo, uma das maiores no segmento de tecnologia, descobriu que 100 milissegundos de atraso no carregamento do site reduzem em 1% a receita. Assim, conseguiu aumentar em 2% a receita depois de elevar em 500 milissegundos o carregamento de suas páginas. Já o Walmart, em análise de 2012, constatou que quando o tempo de carregamento do site varia entre 1 e 4 segundos, a taxa de conversão cai consideravelmente. Por outro lado, a cada 1 segundo a menos no load das páginas, a taxa de conversão aumenta em 2%.

      E não é só o tempo de carregamento. Os caminhos para encontrar as soluções também são extremamente importantes para que o cliente consiga chegar rapidamente ao que procura e precisa. A UX exige que a empresa esteja comprometida em aprender e conhecer como as experiências digitais podem se desenvolver da melhor maneira para o público que se pretende impactar.

      Se a companhia ainda não tem um site ou aplicativo, a experiência do usuário deve ser pensada desde o início, com base no estudo do comportamento da audiência. Mas se o portal já está em funcionamento ? hoje a realidade de praticamente todas as empresas -, o caminho é buscar melhorias, seja por meio de testes gratuitos de navegabilidade disponíveis na internet ou com o suporte de uma empresa especializada, que te ajudará a descobrir as diversas variáveis que impactam sua marca para identificar como melhorar a web performance, reduzindo o tempo de navegação, aprimorando a experiência nas páginas e diminuindo a taxa de abandono, por exemplo.

      Como toda quebra de paradigma, o início da adoção da UX pode não ser tão confortável. É preciso fazer testes para achar um caminho que corresponda realmente ao que o usuário quer, e não ao que você pensa que ele pode querer.

      É um trabalho contínuo, que exige renovações frequentes, testes AB e atenção às novas possibilidades de mercado quanto a modelo, desempenho e identificação de uso do usuário. A novidade do momento neste universo é a personalização, onde a comunicação da empresa com seus consumidores precisa ser pensada de forma a tornar o cliente agente, entendendo que é ele quem comanda a navegação.

      É preciso entender que tudo é digital. Se antes os clientes guardavam as experiências com as marcas para si, hoje compartilham nas redes sociais e são capazes de levar a mensagem para milhares de pessoas em todo o mundo. Saber como impactar positivamente essas pessoas com as suas ofertas e com web performance é o que determinará o sucesso dos seus negócios.

      *Karin Lublin é especialista em User Experience (UX) na Exceda, líder na América Latina em soluções de segurança e web performance e representante da Akamai.


      saiba mais »

      19/06/2017 - 5 dicas para você fazer uma boa parceria de negócios

      Saiba o que é importante levar em consideração na hora de avaliar o potencial de…

      Diante de um cenário de tantas incertezas, manter a saúde financeira dos negócios é um grande desafio. Uma alternativa para enfrentar um mercado em que a competição é cada vez mais acirrada pode ser buscar se aliar a empresas e pessoas com as quais seja possível desenvolver um sistema de colaboração mútua, em que todos os envolvidos se fortaleçam e se tornem mais competitivos.

      Construir essas pontes de colaboração, porém, não é uma tarefa simples. Estabelecer uma boa parceria de negócios pode ser uma tarefa bastante desafiadora e até frustrante. Segundo Leonardo Cunha, CEO da lançadora de startups PuzzleLab, parcerias de negócios podem representar um importante passo em direção ao sucesso, mas quando mal avaliadas e os parâmetros mal definidos podem gerar desgastes e criar ruídos desnecessários.

      ?É essencial buscar empresas e outros profissionais que estejam alinhados com as ideias, valores e objetivos do negócio, assim é possível estabelecer uma dinâmica de colaboração eficiente para todas as partes. Além disso, é essencial haver confiança?, destaca Leonardo.

      Para quem está pensando em iniciar uma parceria ou até mesmo reavaliando se a colaboração com parceiros está no caminho certo, separamos algumas dicas destacadas pelo Leonardo Cunha para ajudar. Confira:

      1. Contribua com o negócio

      Segundo Leonardo, uma quesão importante a ter em mente é que parcerias não se formam de maneira unilateral, portanto, não busque colaboradores acreditando que apenas ele vai ajudar o seu negócio. É importante ter algo para oferecer para as empresas e profissionais parceiros, criando, assim, um mecanismo de colaboração de mão dupla. Pode ser uma opinião, a divulgação de um evento ou produto, uma indicação de serviço, dentre outras formas.

      2. Diversifique seus parceiros

      Uma parceria de negócios deve ser estratégica, mas isso não significa que você deve estabelecer um sistema de colaboração apenas com empresas e pessoas que atuam no mesmo setor que o seu.

      O sucesso das parcerias vem de um networking de qualidade, que está bastante atrelado à diversificação de stakeholders: pode ser um fornecedor que indique seus serviços, um blogueiro que divulgue o seu trabalho, um empresário mais experiente que dê dicas de gestão, dentre outras possibilidades.

      3. Identifique competências

      De nada adianta propor uma parceria se ela não oferecer nenhuma vantagem para as partes envolvidas. Antes de procurar um profissional ou empresa em busca de colaboração, procure definir o que de bom pode ser oferecido para ambas as partes.

      Desenvolva suas competências, procure fazer as pessoas reconhecerem o seu trabalho por essas habilidades e mostre como você pode contribuir com ela. Além disso, identifique quais conhecimentos faltam para fortalecer o seu negócio.

      4. Defina objetivos

      A parceria de negócios deve ter seus objetivos bem definidos para que possa gerar valor para os envolvidos. As possibilidades são inúmeras e vão de acordo com os interesses e as necessidades das empresas e pessoas envolvidas na colaboração.

      Esses objetivos podem ser montar um novo negócio, trocar divulgação e indicações, ajudar a construir autoridade de mercado, estabelecer parceria de vendas, realizar compras conjuntas de um fornecedor, achar colaboradores freelancer para o negócio, dentre outros.

      5. Alinhe visões de mercado

      É sempre mais interessante manter parcerias fortes e duradouras para que as empresas possam se desenvolver estrategicamente dentro do mercado. Para isso, é importante procurar colaboradores que tenham a mesma visão que você e, dessa forma, se alinhem com seus valores, princípios éticos e o padrão de qualidade imposto aos seus produtos e serviços.

      Essa política é bastante importante para que não se veja em meio a polêmicas causadas por um parceiro que se que comporta de maneira diferente no mercado.

      Saiba Mais

      A empresa oferece serviços online para todo o Brasil e disponibiliza modalidades de contratação para diferentes orçamentos. Após passar pela análise da PuzzleLab, a equipe dá todo o suporte, desde o planejamento do negócio, criação de identidade visual, logotipo, análise de viabilidade financeira, designer de telas e criação de aplicativos para os empreendedores.

      A proposta da empresa é ajudar profissionais que têm boas ideias e soluções para o mercado e não têm tempo ou estrutura propfissional para planejar, desenvolver e executar o projeto. ?Seja por falta de tempo, recursos ou profissionais para fazer a parte técnica, muitos negócios ficam engavetados ou perdem o timing de lançamento. A gente torna este processo viável e de forma acessível. O empreendedor sabe aquilo que está contratando e recebe o negócio pronto para funcionar ao final do processo?, completa Leonardo Cunha.

      Quer saber mais?

      http://www.puzzlelab.com.br/lançadora-startup

      https://www.facebook.com/labpuzzle

      https://www.instagram.com/puzzle.lab/


      saiba mais »

      19/06/2017 - Feriado de Corpus Christi tem alta de 66% em ocorrências com automóveis

      Táxi, reboque de carro e chaveiro foram os serviços com o maior índice de chamadas

      O número de ocorrências nas rodovias nacionais durante o feriado de Corpus Christi aumentou 66% neste ano em comparação com 2016. Segundo dados da Mondial Assistance, empresa especializada em assistência 24h, durante o recesso no ano passado foram registradas 8.739 ocorrências. Já neste ano, entre quinta-feira, 15, e o domingo, 18, a Mondial Assistance atendeu 14.558 ocorrências. Quanto ao horário em que mais aconteceram os chamados, está o período da manhã. Foram cerca de 3.500 entre 10h e 12h.

      Dentre as causas presumíveis, as ocorrências que tiveram maior destaque foram táxi, reboque de carro e chaveiro. O executivo da Mondial Assistance, Bruno Loiola, explica que esse crescimento significativo dos serviços se deve ao aumento de viagens por conta do feriado prolongado, fato que potencializa o risco de problemas e acidentes com veículos.

      ?A falta de manutenção sazonal no carro pode causar falhas mecânicas que normalmente deixam as pessoas na mão bem quando elas mais precisam, em uma viagem. O reboque de carro é, neste caso, acionado para que o veículo seja levado até a oficina mais próxima?, explica o gerente da Mondial Assistance. Nessa época, outro acontecimento corriqueiro é a perda, a quebra de chaves nas fechaduras e até mesmo esquecidas no interior do veículo.

      Sobre a Mondial Assistance
      No mundo, a Mondial Assistance é líder em serviços de assistência 24 horas nos segmentos Automotivo, Viagem, Residencial, Saúde e Vida. São 34 centros de operações, cobrindo todos os continentes: 16 mil colaboradores falando 70 idiomas, 400 mil prestadores de serviços e 180 correspondentes, atuando em 75 países. No Brasil são 20 anos de atuação, com mais de 2.000 profissionais, uma célula médica com equipe trilíngue e 14.000 prestadores de serviços que vivem para ajudar. Neste ano, a companhia foi uma das 1000 empresas listadas pelo Especial Melhores e Maiores 2016 da revista EXAME. A Mondial Assistance no Brasil é a representante de seguro da Allianz Seguros S/A no segmento de Viagem.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Saiba quem tem direito a receber a indenização nos seguros de vida

      Grupo Segurador Banco do Brasil e ****** explica que, quando os beneficiários não foram indicados…

      Apesar de o seguro de vida estar cada vez mais presente na vida dos brasileiros, alguns aspectos sobre o seu funcionamento só vêm à tona quando ocorre o sinistro, ou seja, o evento coberto que ocasiona o pagamento da indenização, como a invalidez, doença grave ou a morte do segurado.

      Inicialmente, é importante lembrar que o seguro de vida tem como principal objetivo auxiliar na manutenção do padrão de vida do segurado, da sua família ou de quem dependa dele economicamente, no caso da ocorrência de um evento previsto no contrato.

      ?O segurado pode indicar livremente os beneficiários do seu seguro, mas caso seja separado e queira incluir o atual companheiro como beneficiário, isso só será possível caso a separação tenha sido feita judicialmente?, esclarece Enrique de la Torre, diretor geral de Riscos de Pessoas do Grupo Segurador Banco do Brasil e ******.

      Uma das dúvidas mais comuns é sobre quem deve receber o seguro quando não houver a indicação de beneficiários pelo segurado. Neste caso, deve ser aplicado o art. 792 do Código Civil, que estabelece que o valor do seguro será dividido em 50% para o cônjuge não separado judicialmente e os outros 50% aos herdeiros legais, obedecida a ordem da vocação hereditária.

      ?E, se o segurado não tiver deixado cônjuge ou herdeiros, serão considerados beneficiários aqueles que provarem que o falecimento do segurado os privou de meios para garantir sua subsistência?, acrescenta De La Torre.

      Outra dúvida frequente é se o seguro, por ser um pagamento feito depois da morte do segurado, deve fazer parte de sua herança. Em relação a isso, o diretor esclarece: ?O capital segurado para a cobertura de morte não faz parte da herança do segurado e nem está sujeita a eventuais dívidas deixadas por ele, conforme prevê o art. 794 do Código Civil?. E complementa informando que, de acordo com a Lei 7.713/88 e o Decreto 3.000/99, não há incidência de imposto de renda sobre o capital segurado pago pelo falecimento do segurado.

      ?Essa é outra grande diferença entre herança e seguro, pois este último permite que os beneficiários possam utilizá-lo plenamente com o objetivo de preservar seu padrão de vida e suas conquistas?, esclarece o diretor.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Armando Vergilio será homenageado pelo Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro

      Armando Vergílio O presidente da Fenacor, Armando Vergilio, será homenageado pelo Clube Vida em Grupo…

      Armando Vergilio ingressou no mercado em 1985, como securitário, e se formou corretor de seguros todos os ramos em 1989. É empresário do setor desde então. Foi deputado federal por Goiás (2011-2015) e superintendente da Susep (2007-2010). Presidiu a Escola Nacional de Seguros e o SINCOR-GO por dois mandatos. É presidente da Fenacor e membro do Conselho Superior da Academia de Seguros e de Previdência (ANSP). Também é membro titular do Conselho de Administração da Escola Nacional de Seguros.
      -----------------------------------------------------------------------------------
      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


      saiba mais »

      19/06/2017 - Brasil é principal alvo de campanha cibercriminosa para roubo de informações financeiras

      57% das operações registradas globalmente foram realizadas no país, visando as indústrias bancária, governamental e…

      Entre os meses de janeiro e fevereiro de 2017, a equipe de pesquisadores da FireEye iSIGHT Intelligence observou a disseminação do vírus Trojan Banload realizada por meio de campanhas de e-mail, e concluiu que a ação global se concentrou no Brasil, onde atingiu primordialmente os setores governamental e de defesa.

      Esta infecção é classificada como um ataque de análise ou divergência, o qual funciona como etapa inicial destinada à coleta de informações da máquina. É apenas na fase seguinte que acontece o roubo das credenciais e o acesso efetivo ao sistema.

      Os grupos de criminosos cibernéticos estão focados em roubar credenciais financeiras, tanto dos bancos quanto de boletos, método de pagamento digital. O Brasil registrou 57% das atividades com este perfil de Trojan, seguido dos Estados Unidos (19%) e da França (16%).

      ?A resposta para esta alta porcentagem de ataque pode estar no modo em como os brasileiros se tornaram mais dependentes de dispositivos conectados para fazer compras, conduzir negócios e gerenciar suas vidas. Este comportamento aumenta a exposição aos cibercriminosos, como os que estão por trás do Trojan Banload?, afirma Leandro Roosevelt, country manager da FireEye no Brasil.

      ?As organizações locais, por também serem dependentes da tecnologia para conduzirem seus negócios, devem investir na melhoria de sua capacidade de detecção e resposta rápida aos ataques cibernéticos ? cada vez mais disruptivos?, completa o executivo.

      Campanha de spam: como funciona o Banload ? Campanhas de e-mail via spam distribuem anexos em ZIP, os quais detêm arquivos maliciosos em JAR. Quando abertos, estes baixam uma cópia do Banload Trojan na máquina da vítima, selando a primeira etapa.

      Não há procedimentos físicos, uma vez que o grupo responsável pelo ciberataque dispara o conteúdo malicioso para uma base de endereços de e-mail, a qual contempla diversas indústrias. A partir da incidência é que conseguem verificar em qual vertical tiveram mais sucesso.

      Uma vez instalado, o Banload está apto a verificar uma gama de condições ? desde configurações de idioma até versões específicas do software instalado. Se estas são favoráveis, ele baixa o malware da segunda fase. Caso não, o downloader é excluído do sistema.

      Na segunda fase é realizada uma cópia do Bancos, um malware de roubo de informações que visa os usuários brasileiros e, consequentemente, suas credenciais de acesso.

      Inicialmente, cada variante deste malware era dirigida a um banco diferente. Entretanto, os cibercriminosos eliminaram este método para a realização de ataques mais amplos, incluindo usuários no exterior, como Estados Unidos e França.

      Como se proteger ? Mesmo identificada, não é possível prever se esta modalidade perdurará neste formato ou será atualizada.

      Por outro lado, diferenciar um e-mail verdadeiro de um malicioso pode não ser uma tarefa fácil ao usuário comum. Por isso, algumas dicas são fundamentais a fim de evitar que suas credenciais e de seus sistemas sejam roubadas:

      1. Assegure que sua companhia utiliza tecnologia avançada capaz de detectar ataques desconhecidos via e-mail ? e não apenas os que já foram observados;

      2. Observe o domínio do e-mail recebido antes de abrí-lo;

      3. Crie a cultura de verificação dos e-mails entre os colaboradores das empresas e pessoas físicas, uma vez que a invasão acontece por falha humana.


      ------------------------------------------------------------------------------------
      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


      saiba mais »

      19/06/2017 - Aplicativo da Prefeitura de Porto Alegre auxilia na identificação e recuperação de veículos roubados

      Entrou no ar, na última quarta-feira (14), uma nova funcionalidade do aplicativo #EuFaçoPOA, da Prefeitura…

      Porto Alegre foi a quinta cidade em número de ocorrências, atrás de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza e Brasília no mês de maio. Foram 924 roubos e furtos de veículos, fazendo com que a cidade, que nos últimos meses alternava sempre entre terceira e quarta posição, recuasse no mês. De janeiro a maio já foram 5.206 casos na capital gaúcha.

      A nova funcionalidade permite fotografar a placa do veículo, a partir daí, as informações são compartilhadas com o sistema de monitoramento de tráfego utilizado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-RS). Os dados são analisados e se o automóvel tiver alguma ocorrência de roubo ou furto a informação é automaticamente encaminhada para providências através dos órgãos competentes. O procedimento de envio das fotos é totalmente sigiloso e o aplicativo não registra o número de quem enviou a foto.

      O aplicativo faz parte do esforço da Secretaria em parceria com o Governo do Estado, Polícias e EPTC em reduzir a criminalidade na Capital. ?Tínhamos a Procempa com uma capacidade enorme que não estava sendo usada para a segurança. Agora eles estão desenvolvendo tecnologias para usarmos dentro da segurança pública da cidade?, explicou o Secretário da pasta, Kleber Senisse, quando da visita de representantes do Sindicato das Seguradoras do RS (SINDSEGRS) ao Centro de Comando Integrado da Capital (CEIC), no início do mês. O uso do aplicativo soma-se ao cercamento eletrônico que está em fase de testes há dois meses e já gerou 60 mil alertas e 5 recuperações de veículos.


      saiba mais »

      19/06/2017 - Embriaguez ao volante pode impedir indenização do seguro

      Acidentes causados por embriaguez de motoristas figuram entre os riscos cobertos pelas seguradoras?

      A questão está no centro de um dos principais debates do setor e vem sendo discutida atualmente no Judiciário. Na visão do consultor da CNseg Ricardo Bichara, a interpretação da lei em relação a esses casos já começa a demonstrar progresso no país: ?A jurisprudência evoluiu positivamente no sentido de considerar agravamento de risco pela embriaguez sempre quando o segurado entregar o veículo a alguém, permitir que esse alguém dirija e, depois, se verifique na data do sinistro que ele se encontrava embriagado.?

      ------------------------------------------------------------------------------------
      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

       


      saiba mais »

      20/06/2017 - AIG é destaque em premiação durante a conferência anual Rims

      AIG é destaque em premiação durante a conferência anual Rims
      A American International Group, Inc. (AIG), uma das organizações líderes no mercado securitário internacional e…

      Dentre os produtos AIG reconhecidos nos Estados Unidos estão: Seguro de Responsabilidade Civil e RC Profissional (E&O), Lucros Cessantes, Riscos de Engenharia, Seguro Cibernético, RD Máquinas e Equipamentos e Responsabilidade Civil para a área da Saúde, entre outros.

      ?Ser nomeado como a melhor seguradora em doze linhas de seguros empresariais pelo National Underwriter mostra a força de nossa equipe e como estamos construindo uma companhia dinâmica para ser líder no mercado?, comenta Robert Schimek, Diretor Global de Seguros Empresariais da AIG.

      A AIG abriu sua participação na RIMS na noite anterior à premiação, com uma recepção no National Constitution Center, onde mais de 2.500 clientes, corretores e parceiros participaram do evento cujo mestre de cerimônias foi Richie McCaw, ex-capitão da seleção de rugby da Nova Zelândia ? os All Blacks, que é patrocinada pela AIG.

      Os funcionários participaram ainda da Spencer Educational Foundation 5K Fun Run, evento esportivo que arrecadou US$ 100 mil, o dobro do angariado em 2016, para apoiar a gestão de riscos e a educação no mercado de seguros. Esta ação também contou com o patrocínio da AIG.

      • aig


        saiba mais »

        20/06/2017 - Reclame AQUI apresenta O Mediador, plataforma de mediação on-line

        Reclame AQUI apresenta O Mediador, plataforma de mediação on-line
        Ferramenta, 36 vezes mais rápida e 80% mais econômica que a Justiça tradicional, é a…

        Todos os dias, 30 mil consumidores relatam seus problemas no Reclame AQUI. Nesse universo, 78% das reclamações são resolvidas, mas 22% permanecem sem desfecho, o que obriga o consumidor a buscar a Justiça para a solução do problema. Em um cenário no qual juizados de pequenas causas estão com 85 milhões de processos na fila de espera, o Reclame AQUI apresenta a ferramenta on-line O Mediador, que chega para aliviar o impacto no Judiciário.

        A plataforma possibilita a clientes e empresas a resolução de problemas diretamente entre si, por meio apenas de um computador ou celular e um mediador. É uma novidade que permite economia de até 80% em relação às vias judiciais. No processo de mediação, basta à empresa fazer o convite para o consumidor, e ele aceitar. As partes, então, podem chegar a um acordo e, em até cinco dias, o problema é resolvido de forma simples e rápida.

        ?No momento já temos 20 mediadores habilitados, que são formados na plataforma, e outros 140 estão sendo preparados. Nossa meta é chegar até o final do ano com um total de 200?, afirma Carlos Stumpo, CEO de O Mediador. ?Temos a expectativa de realizar entre 50 mil e 100 mil mediações por ano, aliviando muito o Judiciário?, completa. Stumpo lembra que, além de toda a comodidade que a ferramenta representa, ela pode significar um novo campo de atuação profissional, para ocupação integral ou parcial.

        Apesar de nascer do Reclame AQUI, a plataforma proporciona solução para qualquer tipo de conflito, inclusive aos já judicializados, atuando como uma alternativa mais rápida e de menos atrito na resolução de impasses e, principalmente, como restauradora da relação entre a empresa e o cliente.

        A mediação no Brasil

        A mediação surgiu em 2006 e ganhou força no Brasil em 2015, com a aprovação da Lei 13.140, com o objetivo desafogar a Justiça e desburocratizar os processos. Antes dessa legislação, o trâmite para a solução de conflitos para o consumidor começava com a contratação de advogado, seguida de entrada com o pedido na Justiça, audiência de conciliação, possível contestação, réplica, tréplica, sentença e eventual recurso.

        Todo esse processo levava, no mínimo, seis meses para ser finalizado e custava em média R$ 140 bilhões para o País. Na mediação, não há advogado, audiência, juiz nem burocracia, mas, sim, a vontade das partes de solucionar os problemas, além da figura de um profissional de mediação.

        Como funciona

        Todo o processo começa com a indicação, pela empresa, dos casos passíveis de mediação. O consumidor recebe uma notificação com as informações necessárias sobre o caso, e cabe a ele aceitar ou não o convite. Os mediadores têm acesso a esses casos e podem escolher quais querem mediar. Uma vez que estejam de acordo, é feita a mediação, e o problema pode ser resolvido.

        Os consumidores que já postam suas reclamações no Reclame AQUI agora possuem mais uma forma de resolver seus problemas de forma consensual.

        Para mais informações, acesse: www.omediador.com.br.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Consultor empresarial compartilha em livro experiências da corrida que podem ser aplicadas aos negócios

        Obra está disponível nas lojas e site da Blulivro e na Catarina Náutica
        Em Busca do Ritmo Perfeito é a primeira obra assinada por Roberto Vilela. Ele conta…

        Correr é verbo. Exige ação, suor e compromisso. Assim como a carreira, o resultado depende do esforço de cada indivíduo e de como ele lida com as circunstâncias que não pode controlar. E este é só um dos panoramas que o esporte pode proporcionar para quem busca inspiração nos negócios. Foi na corrida que o consultor empresarial Roberto Vilela encontrou a pretensão de deixar de lado o sedentarismo e ganhar mais qualidade de vida. Foi nela também que viu uma gama de paralelos que podem ser aplicados aos desafios profissionais.

        A união de duas paixões ? o esporte e a consultoria ? resultou no primeiro livro do consultor, Em Busca do Ritmo Perfeito. A obra já está disponível na Blulivro, nas duas unidades em Blumenau (SC) e também para compra online, através do site. Leitores de Itajaí (SC) e região encontram exemplares também na Catarina Náutica.

        ?Sempre quis compartilhar as experiências que tive. A primeira forma que encontrei foi através da palestra Corrida pelo Sucesso, em que conto como o esporte me motivou a ser mais focado e conquistar meus objetivos. Mas percebi que, a cada prova, tinha algo novo que poderia trazer para os negócios e vi no livro a oportunidade perfeita para discutir o tema?, destaca Roberto.

        Preparação, adequação de equipe, foco, definição de objetivos, decepções ao longo do caminho e reestruturação são alguns dos temas abordados no livro. Em Busca do Ritmo Perfeito conta ainda com orelha assinada pela gestora da Fundação Hermann Hering e presidente do Santa Catarina Moda e Cultura (SCMC), Amélia Malheiros.

        Sobre o consultor

        Consultor empresarial e especialista nas áreas de gestão e estratégias comerciais, Roberto Vilela é diretor da Mega Empresarial. A empresa tem 17 anos de experiência e atua em todo o Brasil com clientes de médio e grande porte, com serviços de headhunting, consultoria comercial, treinamentos vivenciais e palestras.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Segundo dados, mercado de automóveis cresceu 13,5% em maio

        Segundo dados, mercado de automóveis cresceu 13,5% em maio
        O mercado de automóveis cresceu 13,5% no mês maio de 2017, na comparação com o…

        Desde o começo de 2014 nosso país tem enfrentado os efeitos devastadores da crise política e financeira que tomou conta da economia, isso afetou diretamente vários setores do mercado e indiretamente outros, no início da recessão quanto à venda de automóveis houve uma grande queda nas vendas tanto das lojas de revenda como das concessionárias, por conta do desemprego e consequentemente das dificuldades de se conseguir crédito para o financiamento. De acordo com informações da federação dos concessionários (Fenabrave), o Brasil enfrentou os piores momentos dos últimos anos, as vendas foram piores desde 2006.

        Em 2016 o presidente da Fenabrave disse - "Já estamos notando uma melhora nos índices de confiança, tanto por parte de consumidores como de investidores, mas não imaginamos grandes mudanças nos dados do setor até que o cenário político se defina". As vendas de carros haviam caído 25% no 1º semestre, somando 951,2 mil unidades. O tombo foi mais forte para os veículos pesados. Os emplacamentos de caminhões tiveram queda de 32% de janeiro a junho, na comparação com o mesmo período de 2015 (25,4 mil). Os de ônibus caíram 40,7% (6,9 mil). O segmento de motos, contado à parte, registraram baixas de 14,7% no semestre, com 547 mil unidades vendidas, frente ao janeiro a junho de 2015.

        Porém as coisas têm melhorado de acordo com dados da ACAP, o mercado de automóveis tem recuperado sua força, neste primeiro semestre estamos passando mais uma vez por um momento de turbulência política, onde o governo se mostra instável e a economia está à deriva, por enquanto sem perspectivas em curto prazo. Entretanto, o mercado de automóveis cresceu 13,5% no mês maio de 2017, na comparação com o mesmo período, para 27.171 automóveis, enquanto no acumulado dos primeiros cinco meses a subida foi de 7,8%, na comparação com mês em 2016.

        No mês de maio, foram comercializados no nosso país 23.652 automóveis ligeiros de passageiros, ou seja, mais 13,4% do que no mês homólogo do ano anterior. Nos cinco primeiros meses de 2017 as vendas de veículos ligeiros de passageiros chagaram a um total de 102.351 unidades, o que se traduziu numa variação positiva de 7,4% relativo ao mesmo período de 2016.

        Agora que o mercado está começando a aquecer e as pessoas estão com cada vez mais possibilidade de comprar um automóvel, é importante a pessoa pesquisar na hora de comprar. O portal Chaves na Mão é um site de classificados online para quem deseja comprar carro em Curitiba, além de trazer anúncios de imóveis e motos.


        saiba mais »

        20/06/2017 - 11 lições sobre empreendedorismo que ninguém te ensinou na escola

        11 lições sobre empreendedorismo que ninguém te ensinou na escola
        Empreender é fazer o sonho se tornar realidade. E isso não se aprende na escola.

        ?No imaginário da maior parte das pessoas os concorrentes são rivais pessoais e brigariam até que o mais forte destrua o mais fraco. Mas isso não é verdade.Local: São Paulo, SP

        Muitos empreendedores descobrem suas vontades de fazer parte do mundo dos negócios desde cedo, nos tempos de escola ou de faculdade. Alguns até chegam a aprender sobre o mundo do empreendedorismo, mas o cotidiano de dirigir uma pequena empresa é completamente diferente daquilo que se aprende em sala de aula.

        Conheça as 10 lições mais surpreendentes sobre empreendedorismo que não são aprendidas no banco escolar, mas no dia a dia, de acordo com Gustavo Garcia, fundador do meuBiZ, empresa especializada na compra e venda de empresas .

        1. A rede de contatos será a sua habilidade mais importante

        Na escola você pode até fazer os trabalhos sozinho. Mas no mundo dos negócios só é possível ter sucesso a partir das conexões. A sua rede de contatos oferece acesso a conhecimento, oportunidades e suporte de empreendedores mais experientes.

        Por isso, crianças que investem seu tempo na construção de conexões podem ser as que mais se destacam no mundo empresarial.

        2. Boas notas não se traduzem em sucesso nos negócios

        Nos dias de hoje ainda existe o mito de que o sucesso acadêmico prepara as pessoas para o sucesso profissional. Isso é verdade até certo ponto, pois os melhores graduados podem receber muitas oportunidades de emprego.

        A escola nos ensina a pensar de forma padrão e resolver problemas teóricos, mas não nos mostra como solucionar problemas do dia a dia, são complexos e nem sempre têm resposta certa.

        Portanto, de uma forma geral, as escolas, universidades e, até mesmo cursos de MBA, desenvolvem um conjunto diferente de habilidades daquelas requeridas para empreender seu próprio negócio.

        3. Empreender é uma montanha-russa

        Ter um negócio parece ser um atalho para o sucesso, se você nunca empreendeu. A verdade, no entanto, é bastante diferente disso. A vida de um pequeno empresário é um carnaval selvagem, cheio de altos e baixos. Conduzir seu próprio barco pode gerar um nível alto de paixão, ambição, teimosia e, até mesmo, auto ilusão.

        Uma pessoa de negócios pode possuir níveis de responsabilidade e estresse pouco percebido pelos seus funcionários. Por outro lado, também pode ter a alegria imensurável de ver seu trabalho tornando-se sucesso e seu sonho tornando-se realidade.

        Dessa forma, é preciso estar preparado para essa montanha russa nos aspectos emocionais, psicológicos, familiares e físicos. Também é fundamental ter paciência, pois os resultados de um negócio não aparecerem de um dia para o outro. É assim que você se sentirá no mundo dos negócios.

        4. Você nunca para de aprender

        A sede de conhecimento e aprendizado é um dos sinais mais fortes de um empresário em ascensão. E para empreender, não basta conhecer seu próprio campo. É possível que você tenha que se tornar rapidamente um especialista em qualquer outro campo de conhecimento.

        Devorar novos conhecimentos não só faz você melhorar nas áreas específicas do seu negócio, mas permite o surgimento de novas ideias e o leva a novas e excitantes direções.

        5. Ter um emprego é mais fácil que trabalhar para si mesmo

        Outro mito muito famoso no mundo dos negócios é de que ser seu próprio chefe é mais fácil que ter um emprego. Com certeza ser seu próprio chefe pode ser mais gratificante, mas não mais fácil.

        Ser meu próprio chefe pode significar trabalhar de madrugada, ter preocupações diárias e não ter férias ou feriados. Afinal, o proprietário é responsável não só pelos resultados de sua empresa, mas pela sobrevivência de sua família e pelo salário de seus funcionários.

        6. Criar empregos é ótimo

        Ter uma empresa não é sobre ter sucesso sozinho. Quando um empresário tem colaboradores sob sua responsabilidade, ele começa a apreciar o verdadeiro papel que um negócio desempenha na comunidade. Um empresário ajuda seus funcionários a atingirem seus objetivos, enquanto esses o ajudam a alcançar o seu.

        7. Você trabalhará mais horas que seus amigos

        Há um ditado que diz: ?eu trabalho 80 horas por semana para não ter que trabalhar 40 horas por semana?. De certa forma, é mais ou menos isso mesmo.

        O empresário que se dedica ao seu negócio trabalha mais horas que seus amigos que são empregados, pois fez uma escolha de vida. Isso pode fazer com que o empresário, em muitos momentos não possa estar com seus amigos em um fim de semana.

        8. Existe amizade entre concorrentes

        No imaginário da maior parte das pessoas os concorrentes são rivais pessoais e brigariam até que o mais forte destrua o mais fraco. Mas isso não é verdade.

        Na realidade, os concorrentes são, muitas vezes, as únicas pessoas que realmente podem compreender e entender um ao outro. Por isso, criar uma rede com os concorrentes e compartilhar os conhecimentos sobre o setor pode ser enriquecedor para todos. Mais cedo ou mais tarde, vocês poderão se juntar para executarem um negócio em parceria.

        9. É possível deixar um negócio

        Ter uma ideia e colocá-la em prática é muito bom. Nunca deixe de fazer isso. Mas esteja pronto para mudar os planos se a empresa não der certo. Se não for na sua primeira tentativa, tente a segunda, a terceira, e assim por diante. Muitos empresários só obtém o sucesso depois de décadas ou na velhice.

        De acordo com Gustavo Garcia, a vantagem de poder desistir de um negócio é a possibilidade de vender a empresa para alguém que tenha mais familiaridade ou energia para dar continuidade a ela.

        10. O tempo é o seu recurso mais importante

        Na escola ou na faculdade, os professores não nos ensinam a dizer ?não?. Mas ao dirigir sua própria empresa, será preciso investir o tempo de forma correta, sabendo como negar compromissos que lhe tirarão valor, ao invés de acrescentar.

        Por isso, todo convite, obrigação ou tarefa deve passar por uma simples pergunta: isso me ajuda a atingir meus objetivos?

        11. Histórias de sucesso não podem ser copiadas

        Os grandes empresários de sucesso estão na mídia. É fácil encontrar algum para se apegar. Eles podem ser fontes de inspiração, mas o seu negócio tem particularidades e você também tem suas características. Cada história é uma história e nenhuma pode ser copiada.

        Portanto, o que funcionou para alguém pode não funcionar para você. Tudo que pode ser feito é acreditar em sua própria visão e perseguir o seu sucesso

        Website: http://www.meubiz.com.br


        saiba mais »

        20/06/2017 - Diante da queda da venda de veículos e aumento do risco no seguro de automóvel, customização de produtos é uma das estratégias para recuperação do ramo

        Diante da queda da venda de veículos e aumento do risco no seguro de automóvel, customização de produtos é uma das estratégias para recuperação do ramo
        Marcado pela resiliência

        Por Camila Alcova

        Durante muito tempo, o ramo de seguro de automóvel foi considerado ?a menina dos olhos? do mercado de seguros. Nos últimos anos, porém, esse segmento tem sido diretamente impactado pela queda da venda de veículos. Em 2016, por exemplo, a venda de modelos novos teve uma queda de 20%, em comparação com o ano de 2015, conforme dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

        Outro fator que tem influenciado a comercialização do seguro de automóvel é o aumento do risco, principalmente por conta de roubo e furto.

        Afora isso, por conta do momento econômico do País, produtos como esse passam a ser considerados supérfluos para o orçamento de algumas famílias.

        Em 2016, o ramo de seguros de automóveis apresentou uma retração de 2,4%, sendo que a receita foi de R$ 31,7 bilhões, representando 13,3% do total arrecadado regulado pela Susep.

        Esses fatores são alarmantes, mas não intimidam a atuação das seguradoras nesse segmento. Apesar do atual cenário, o ramo de auto não se estagnou. Exemplo disso é o leque de opções disponíveis para comercialização. Produtos que vão desde a moldagem tradicional, até apólices mais enxutas, que seguem também a tendência de produtos customizados, demanda do atual cliente e potencial segurado.

        A customização no seguro auto, aliás, tem atendido às necessidades conforme idade e região do condutor, por exemplo.

        Outra opção é o recém implementado Seguro de Auto Popular, alternativa importante para a inserção do seguro no universo dos 70% de condutores que ainda não têm esse produto.

        Panorama

        Luiz Pomarole, diretor geral da Porto Seguro, reforça que o seguro de automóvel como um todo tem passado por uma redução por conta da venda de veículos Zero KM ainda estar em baixa. ?O oxigênio do seguro de automóveis é a venda de veículos?.

        Ele lembra que em alguns modelos a queda de vendas tem variado entre 20% e 30% esse ano em relação ao ano passado, sendo que 2016 também registrou resultados inferiores a 2015. ?Ano após ano a queda da venda de veículos zero é uma preocupação do mercado de seguros? enfatiza.

        Outro fator mencionado por ele é a elevação do risco no seguro auto, por conta do aumento de furtos e roubos, economia fragilizada de alguns estados, falta de investimentos em segurança pública, ou seja, fatores que impactam significativamente o mercado segurador.

        ?As pessoas que já estão no universo do seguro querem produtos mais completos, mas as 70% que não fazem optam por uma cobertura mais reduzida?

        Como defesa aos impactos da queda da venda de veículos, Pomarole compartilha que uma das iniciativas da Porto foi a criação de novos produtos, como o auto popular, nos moldes da nova modalidade, além de produtos alternativos, como o Azul Leve, por exemplo. ?É um produto que tem uma dilatação da forma de pagamento, então o segurado pode pagar em parcelas mensais; tem coberturas limitadas e, portanto, o preço é mais barato?, mencionou sobre o seguro comercializado pela Azul Seguros.

        O produto mais compacto disponibiliza as principais coberturas, como roubo e furto, e valor segurado igual ao da tabela FIPE, diferentemente de seguros tradicionais, que possibilitam valor segurado acima da tabela. A cobertura para terceiros também é mais enxuta nesse produto. ?E o principal mote é o pagamento mensal. Isso se encaixa no orçamento familiar?, frisa ao lembrar que o seguro tradicional é pago em menos parcelas.

        Eduardo Dal Ri, vice presidente de auto e massificados da SulAmérica

        Como resposta à preocupante queda da venda de automóveis, a SulAmérica tem adotado uma política de subscrição para a carteira de auto. Essa visão de negócio faz ainda mais sentido diante do atual cenário, na visão de Eduardo Dal Ri, vice-presidente de auto e massificados, para mitigar efeitos de outros fatores externos, como o aumento do roubo de veículos.

        No primeiro trimestre desse ano, a Tokio Marine apresentou um crescimento positivo na carteira de automóvel, em torno de 20%, conforme Luiz Padial, diretor de automóvel. Ele atribui a isso o fato de a seguradora ter um posicionamento claro, produtos e serviços adequados aos clientes, com comprometimento na entrega.

        Com base em ações promovidas no ano passado, a empresa está colhendo frutos positivos e preços competitivos. O executivo destaca que a companhia focou na boa seleção de risco e trabalho do portfólio, devido o momento da crise. Essas ações culminaram, inclusive, no lançamento de dois produtos no ano passado, o Auto Roubo + Rastreador, além do seguro popular, lançado em dezembro. ?São produtos para um público que tem demanda por preços mais acessíveis. Acredito que montamos a estratégia no momento certo?.

        Produtos compactos

        Diante de uma realidade econômica em que o seguro, muitas vezes, não é a prioridade no orçamento da família, é necessário que o setor de seguros cada vez mais invista na criação de produtos alternativos para facilitar a permanência desses consumidores no mercado.

        Além do atrativo do prêmio menor, produtos mais enxutos revelam a tendência do consumidor que não quer abrir mão de seu seguro, ou de adquirir um, mas não tem disponibilidade para arcar com um produto tradicional, seja por uma questão financeira, seja por vontade própria.

        Luiz Pomarole lembra da proporção de quem já tem seguros (30%) versus os que ainda não estão protegidos. Ele pondera que de maneira geral quem já possui um seguro tem pretensão de coberturas mais amplas. ?As pessoas que já estão no universo do seguro querem produtos mais completos, mas as 70% que não fazem optam por uma cobertura mais reduzida?. Aliás, esses consumidores geralmente são pessoas que não usam o carro diariamente, utilizam transporte alternativo, como metrô e ônibus e utilizam o carro mais aos finais de semana. ?Para essas pessoas não é preciso um seguro mais completo. Elas aceitam um seguro limitado, por isso entram nesses produtos?.

        Outro exemplo que se enquadra nessa tendência é um produto distribuído pela Itaú, com cobertura para perda total em caso de colisão e roubo. O seguro é aderente a pessoas que se preocupam apenas com a possibilidade de o veículo ser roubado e resolvem por si próprias casos de pequenas batidas. Nesse sentido, o executivo frisa que produtos como esse, o seguro popular e o Auto Leve (Azul Seguros) iniciam o consumidor no universo do seguro.

        Independente do tipo de proteção contratada, o papel do corretor é fundamental para auxiliar o cliente a encontrar o produto mais adequado às suas necessidades e para esclarecer as questões do contrato. ?Por mais que pareça complexa a nomenclatura do seguro, o corretor consegue fazer essa tradução muito bem?, destaca Luiz Pomarole.

        Produtos com coberturas mais compactas também fazem parte da estratégia da Tokio Marine. Além disso, a seguradora tem focado em facilidades para o cliente final e o corretor.

        Exemplo disso é que quando o corretor realiza uma cotação de veículo de passeio na seguradora, recebe quatro preços, o que possibilita que entenda o perfil do cliente para fazer a oferta ideal. ?Seja o nosso maior produto, o Tokio Marine Auto, que é o mais completo, ou o produto popular, destinado a veículos com mais de cinco anos?, explica Luiz Padial.

        Ainda na linha de produtos mais compactos, a Tokio Marine conta com o Tokio Marine Auto Clássico. Lançado há seis anos, o produto segue o padrão do mercado, porém com coberturas e serviços um pouco reduzidas em comparação ao seguro auto tradicional. ?Esse produto hoje representa 20% da nossa carteira?, explica Padial, que complementa ?quando falamos do nosso leque de opções, estamos encaixando para todos os bolsos?.

        Outra aderência, conforme o produto, é pela faixa etária, para um público mais jovem e também em regiões com grande concentração de concorrência, por exemplo.

        Na linha de seguros mais enxutos, mas que cubram as principais necessidades do segurado, a SulAmérica lançou esse ano o Auto Compacto, que oferece coberturas para colisão, roubo e furto, incêndio, alagamento, cobertura para terceiros e opcionais como vidros, lanternas, faróis e retrovisores, carro reserva e assistência 24 horas, entre outros. ?Um dos diferenciais do Auto Compacto é que, no momento do sinistro, o segurado pode escolher entre duas opções de franquia?, explica Eduardo Dal Ri sobre a possibilidade de o segurado optar pelo reparo na rede referenciada ou fora da rede SulAmérica.

        Outro exemplo de produto compacto disponibilizado pelo mercado é o seguro de auto da Suhai, voltado aos consumidores que não têm um seguro tradicional em virtude do preço e por dificuldade de aceitação nas seguradoras tradicionais, explica Robson Tricarico, diretor comercial da seguradora.

        O produto oferece cobertura para roubo e furto, além de assistência 24 horas, com preço até 80% inferior a um seguro tradicional. ?Em 2016, a Suhai cresceu 70% em relação a 2015 e este ano projetamos um crescimento de mais 50%?, estima Tricarico.

        Ele frisa a importância de produtos flexíveis, que ampliem a penetração do seguro. ?Todos proprietários de carros e motos desejam ter um seguro para proteger seu bem, o problema é o valor do seguro, que muitas vezes chega a custar até 50% do veículo, inviabilizando a contratação?.

        Tricarico compartilha que quando a Suhai entrou no mercado esclareceu a esses consumidores a essência do produto, sob a tese de que o roubo e furto, ao contrário de sinistros por acidente, por exemplo, são fatores imprevisíveis. ?Eles entenderam rapidamente, concordaram com a tese, assimilaram a mensagem, gostaram do preço ofertado e começaram a indicar nosso produto para amigos e familiares, e, de lá para cá, vimos crescendo dia a dia?, compartilha.

        Robson Tricarico destaca que em curto prazo a seguradora não tem previsão de incluir outras coberturas no produto, por conta do foco inicial de atendimento à parcela de consumidores sem seguros.

        Auto Popular

        A nova modalidade de seguro também se mostra uma alternativa importante de negócios por conta do momento econômico e da parcela de automóveis ainda não segurados.

        A Porto Seguro, inclusive, já conta com o próprio seguro de auto popular. De acordo com Luiz Pomarole, pelo fato de o lançamento do produto ser recente, a seguradora ainda não contabiliza estatísticas. Entretanto, ele aponta a possibilidade de utilização de peças usadas (um dos itens da nova modalidade) como um dos fatores mais atrativos para essa contratação. ?Acreditamos que no futuro, ele será uma alternativa para essas pessoas que não fazem seguro?, prevê.

        Também por se tratar de um produto recente, a seguradora está investindo em sua divulgação e infraestrutura para atendimento aos clientes. ?Esse produto precisa ter muita transparência. As pessoas precisam claramente saber que estão comprando um produto alternativo?. Pomarole complementa que a Porto Seguro tem oferecido treinamentos para os corretores parceiros.

        A Tokio Marine também lançou seu próprio seguro de auto popular recentemente. Luiz Padial recorda o engajamento do setor para a implementação da modalidade, o que mobilizou a seguradora para o desenvolvimento do seu produto, ainda mais quando considerada a fatia de 70% dos condutores que ainda não têm seguro de automóvel no Brasil.

        Além da possibilidade de utilização de peças usadas, o seguro popular da Tokio conta com limite de indenização de até 90% da tabela Fipe e a possibilidade de franquia para oficina referenciada ou de livre escolha do segurado.

        O produto de auto popular da Tokio Marine ainda é recente, lançado em dezembro do ano passado, mas já alimenta as boas expectativas da seguradora. O produto foi lançado nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo. Recentemente, a seguradora ampliou a comercialização para as regiões metropolitanas de Fortaleza (CE) e Recife (PE). ?Já vendemos mais de 600 unidades e acreditamos que nos próximos dois, três anos, ele vai representar 15% da nossa carteira?, estima Padial.

        Segmentação

        Diante do atual cenário para o seguro de automóvel e as tendências nesses negócios, a segmentação também faz parte do caminho para o ramo daqui em diante.

        Luiz Pomarole usa como exemplo uma mulher, com filho que utilize a cadeirinha de bebê. ?Essa pessoa precisa de uma cobertura específica para a cadeirinha do bebê, que não é um item barato?, comenta ele, ao lembrar que a possibilidade desse tipo de cobertura é uma indagação do cliente nesse perfil.

        Já um potencial cliente de 18 anos ainda não tem esse tipo de preocupação, bem como com assistências à sua residência, por exemplo. ?Segmentação é isso. A partir do veículo, a necessidade do cliente e do uso que ele faz do veículo, montamos o produto?, esclarece.

        A segmentação também inclui iniciativas de recompensa ao segurado. Nesse sentido, a Porto Seguro tem a ação Trânsito Mais Gentil, por exemplo, que oferece descontos para clientes sem multas na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Outro exemplo é o cartão de crédito com desconto no prêmio e na renovação, conforme a utilização. ?Nos apropriamos do conceito de milhagem, comum em companhias aéreas, e trouxemos para o seguro. Isso também é inovação e segmentação?, destaca Pomarole.

        Ele complementa ?sempre destaco a figura do corretor de seguros e a segmentação dos seguros como fonte alternativa de captação de novos negócios. Isso resume bem o momento que o mercado de seguros está vivendo?.

        Tendências

        Eduardo Dal Ri, da SulAmérica, lembra que o seguro auto acompanha as novidades tecnológicas e alterações no perfil dos consumidores. ?Nos últimos anos, temos feito investimentos constantes nesse sentido, através do desenvolvimento de novas plataformas e pesquisas que apontam para a necessidade de personalização do seguro com base nas necessidades particulares de cada tipo de cliente?.

        O desenvolvimento de aplicativos móveis é outra tendência para o segmento. O aplicativo SulAmérica Auto, por exemplo, ganhou novas funcionalidades esse ano, como o serviço de pequenos reparos. ?O benefício permite que o segurado envie fotos dos danos no veículo e rapidamente receba orçamentos de oficinas próximas ao local informado. Após a escolha do local para realização do reparo, o cliente pode agendar o atendimento e realizar o pagamento pelo aplicativo com desconto?.

        Outra ação nesse sentido, lançada no ano passado, foi a parceria com a Easy Carros, que permite agendar serviços em domicílio, como lavagem ecológica, polimento, hidratação de couro e limpeza técnica de motor, entre outros, pagando com desconto pelo próprio aplicativo. ?Com essas novidades, registramos o dobro de downloads do nosso app de auto em 2016, comparado com o ano anterior?, comenta Eduardo Dal Ri.

        Em breve, a SulAmérica lançará uma nova versão do aplicativo Auto, com acompanhamento de sinistro, que possibilita que o segurado consulte as atualizações de status do processo até o momento da conclusão. A seguradora também firmou parceria com a Waze, em que são fornecidas dicas e alertas para os usuários para contribuir para uma melhor condução no trânsito e evitar acidentes.

        Ainda sobre as tendências para o ramo, Eduardo Dal Ri menciona tecnologias que já começaram a ser utilizadas no mercado, que auxiliam na forma de avaliação do risco, como a telemetria. ?Seja através da instalação de um dispositivo no veículo para captar dados como velocidade e frenagens, ou do uso de aplicativos para smartphones, que captam características da direção do motorista, a coleta e gestão desse tipo de informação em breve será comum?.

        Perspectivas

        Além de ações para produtos mais enxutos, os seguros com escopo tradicional também continuam recebendo investimentos, o que ratifica o potencial de mercado para o ramo.

        Na Tokio Marine, o seguro de auto tradicional terá aceitação ampliada. De acordo com Luiz Padial, o produto passará a aceitar até R$ 350 mil. Ele lembra que o problema da queda de venda de veículos foi sentida posteriormente pelos veículos de alto valor e de maneira mais atenuada.

        Parte do desafio para os players do seguro de automóvel nos próximos anos é a transição do cliente que contrata seguros compactos para os modelos tradicionais, mais abrangentes em termos de coberturas e prestação de serviço.

        Luiz Padial também acredita que o futuro do ramo de auto terá forte impacto de produtos cada vez mais flexíveis. ?Todos os nossos serviços são 100% customizáveis, seja uma assistência 24 horas, um KM adicional?, exemplifica.

        Padial lembra que apesar de o mercado automobilístico não ter retomado crescimento, o mercado de seguros de automóvel já tem apresentado recuperação, com crescimento de 6% nesse trimestre. ?Isso mostra que teremos um ano muito melhor do que tivemos no ano passado?.

        Luiz Pomarole, da Porto Seguro, pondera que apesar de o momento ser preocupante, as expectativas são positivas para o segmento, com base nos sinais de melhora da economia e na esperada melhora da indústria automobilística.

        Ele frisa que o mercado de auto não está estagnado. ?O que mais fazemos na companhia são pesquisas através de dados estatísticos e dados de mercado, de que maneira podemos criar (produtos). Fazemos muitas entrevistas e pesquisas com segurados para entendermos a necessidade?.

        Pomarole lembra que ainda há uma concentração de seguros no eixo Rio-São Paulo, por conta da elevação de risco. Em praças como centro-oeste, nordeste e norte a penetração do seguro ainda é baixa. Nesse cenário, uma outra iniciativa é a compreensão do comportamento regional do seguro de automóvel para responder a tais necessidades.

        O executivo destaca que atualmente 30% da frota de veículos tem seguros. ?Mesmo que não vendessem carros novos, ainda há 70% de carros rodando nas ruas sem seguros?, destaca sobre o potencial para o seguro de automóvel apesar dos resultados baixos.

        O vice-presidente de auto e massificado da SulAmérica, Eduardo Dal Ri, pondera que apesar de o seguro auto ter impacto direto de fatores econômicos externos, as perspectivas da seguradora são positivas.

        ?Por um lado, com a economia melhorando, iremos sentir um aumento dos emplacamentos e da procura por seguro, por outro, temos uma posição ativa de já ajustar o preço de acordo com o risco com foco em melhorar o resultado?, explica Dal Ri.

        Estratégia forte de divulgação do produto e aposta na força comercial distribuída em todo o território nacional também é uma iniciativa da SulAmérica. Além disso, conforme o executivo, a seguradora tem atuado em melhorias operacionais e tecnológicas, além da gestão de riscos e sinistros.

        Serviços em auto

        A prestação de serviços no ramo de automóvel é um importante braço para a comercialização dos seguros. Esse processo de atendimento também tem acompanhado as mudanças de perfil e necessidades dos clientes e adequado as opções de assistências.

        A Autoglass disponibiliza, entre outros serviços, troca e reparo de vidros; farol e lanterna, inclusive com opções com Xenon e LED; farol auxiliar; retrovisor; teto solar; reparo aos parachoques; sistema de reparo de pintura (SRA); sistema de reparo de pintura + serviço de martelinho, entre outras.

        Em relação às tendências na prestação de serviços de assistência em auto, Eduardo Borges, diretor de serviços e comercial da Autoglass, observa que com o aumento da tecnologia as peças estão cada vez mais caras, e a tendência é a extensão dos serviços para mais peças do veículo. A empresa está lançando o SRA Plus, que oferece o serviço de reparo a pintura somado ao reparo de pequenos amassados. ?Entendemos que os serviços se complementam, muitas vezes o amassado vem acompanhado de um arranhão e queremos dar uma solução completa aos segurados?. Explica Eduardo Borges.

        Para atender às necessidades dos consumidores que optam por seguros mais enxutos, a Autoglass conta com a possibilidade de o cliente ter cobertura para todas as proteções, mas com utilização reduzida, o que viabiliza um preço mais competitivo.

        Acompanhamento do ciclo de vida

        A prestação de serviços da DEKRA abrange todo o ciclo de vida do automóvel, desde consultoria para concessionárias, momento de compra e venda, serviços corporativos para o mercado segurador e financeiro, até a regulação de sinistros. ?Dentro desse portfólio, os principais serviços são a vistoria prévia, consulta eletrônica CHECKAUTO e o DEKRA Garantido?, comenta Mário Cássio Maurício, CEO da DEKRA Brasil.

        De acordo com ele, há uma forte tendência na digitalização e automação dos serviços. O executivo menciona algumas iniciativas da DEKRA nesse sentido, como a criação da plataforma mobile de realização de vistoria, e digitalização de documentos. ?Recentemente, em 2013, desenvolvemos o SMART, plataforma 100% mobile baseada na internet, e temos hoje um piloto do CHECKIN, que é um processo de vistoria totalmente autônomo, no qual as pessoas poderão realizar a vistoria sem a necessidade de um vistoriador?, comenta Mário Cássio Maurício.

        A Infocar atua com informações eletrônicas de cadastro de veículos de pessoas físicas e jurídicas. ?Oferecemos produtos e serviços focados em promover ao cliente maior segurança e clareza para tomada de decisão, seja na análise do crédito ou na avaliação e aprovação do veículo?, explica Daniel Figueiredo, da Infocar.

        A empresa presta atendimento a diversos segmentos, que vão desde informações veiculares e creditícias para lojas de veículos, advogados, imobiliárias, concessionárias e afins até informações específicas, tais como de leilão para seguradoras, entre outras.

        De acordo com Figueiredo, a Infocar possui diversas informações que as seguradoras podem utilizar, como validação de placa e chassi de veículos, confirmação de CPF e CNPJ, débitos de veículos, entre outros. ?Nosso principal produto para as companhias de seguros são as pesquisas de leilão, onde as seguradoras consultam nosso banco de dados a cada cotação de veículo para avaliar não somente se aquele veículo passou ou não por leilão, quanto o nível de dano quando foi leiloado?.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Como diminuir o estresse causado pela pressão do trabalho?

        Como diminuir o estresse causado pela pressão do trabalho?
        Mesmo tendo se tornado algo comum entre os profissionais, é possível criar hábitos e ações…

        Mesmo quando se está feliz no trabalho, é impossível evitar que algumas situações de estresse aconteçam. Em muitos casos, ele surge de maneira silenciosa e pode até passar despercebido por alguns profissionais que já se acostumaram com sua presença.

        Pode-se dizer que todos estão sujeitos a níveis de estresse em suas atividades ou desafios diários, mas não existe um nível único para todas as pessoas, já que o estresse pode ser desencadeado por fatores muito pessoais. É comum que alguns se tornem ?tolerantes? ao estresse até que um fato crítico o desperte, abalando seu rendimento, equilíbrio emocional e, inclusive, a saúde física.

        Se alguns são tolerantes aos níveis de estresse, existem outros profissionais que já estabeleceram metas e não abrem mão de um espaço entre a correria do dia a dia para que possam ter uma rotina mais equilibrada. Alguns chegam a recusar determinadas oportunidades, pois conhecem seus limites e percebem que talvez nenhuma remuneração poderá pagar a falta de qualidade de vida. Mas, independentemente de ter se tornado algo comum, é possível criar hábitos e ações para que o estresse não tome um espaço maior do que o tolerável. Para falar sobre o assunto, entrevistamos a Coach de Carreira e Vida Deborah Toschi. Confira!

        - Quais consequências um profissional pode ter por não tomar os devidos cuidados com sua rotina?

        São inúmeras, já que o estresse atinge não só as atividades profissionais. Se alguém está em descompasso internamente e fisicamente, como sentir-se bem em casa, com a família e socialmente? Se focarmos no profissional, além de impactar o seu desempenho e o seu desenvolvimento, ele prejudicará o seu planejamento. Por que planejamento? Porque o profissional não terá energia e equilíbrio suficiente para realizar atividades complementares, saindo esgotado e pensando apenas em chegar em casa e dormir. Sem energia para fazer um curso, por exemplo. Aqueles que já estão próximos a uma crise mais severa de estresse precisam passar por um ?detox? e rever seus hábitos e comportamentos para que se recupere o equilíbrio. Nesse processo, o autoconhecimento é indispensável e é possível avaliar aquilo que se considera ideal, o que é necessário realizar diariamente para que se viva melhor.

        - Como um coach pode contribuir para que um profissional possa controlar o seu nível de estresse no trabalho?

        Ele pode contribuir através de um levantamento de todas as áreas da vida deste profissional. Dessa forma, é possível verificar onde ele está fortalecido e quer melhorar, ou mesmo onde ele apresenta maior nível de insatisfação e quais são os motivos, causas, e atuais impactos em sua vida. Com a ajuda do coach, o profissional guiará o seu olhar para dentro, desenvolvendo autoconhecimento, e também para uma análise comportamental, delimitando ações, e objetivos de vida. Nesses casos, a função do coach é fazer perguntas poderosas e provocativas para que o coachee faça uma autoanálise sobre como está conduzindo a sua vida e suas atividades. Se o profissional sempre anda com baixa reserva de energia ou sem reserva, o esforço para realização daquilo que o faz bem, e mesmo dos seus sonhos, ficará inviável ou muito comprometido. Existe uma primeira análise, muito rápida, que qualquer pessoa pode fazer: elaborar uma lista das coisas do dia a dia que te dão prazer. Deve-se colocar tudo, tudo mesmo! Até aquela série favorita vale. Depois, é preciso que se faça uma outra lista com todas as coisas que drenam a sua energia, que estão atualmente te incomodando. Comparando as duas é possível começar a ajustar cada uma delas. É algo muito simples, mas traz fatos e dados para a vida profissional.

        Deborah Toschi: Coach certificada pelo ICI - Integrated Coaching Institute. Sócia-Diretora da CAPIO Desenvolvimento Humano, especializada em Coaching de Carreira, Vida e Mentoria. Atuou em posições de liderança em RH durante 10 anos. Em sua trajetória, foi responsável pela condução de diversos projetos focados em estratégia de gestão de pessoas e desenvolvimento organizacional. Deborah cursou MBA em RH na FIA-USP e é formada em Psicologia pela Universidade São Marcos. deborah [AT] capio [DOT] com [DOT] br | www.capio.com.br


        saiba mais »

        20/06/2017 - Como conseguir emprego fora de sua cidade?

        Como conseguir emprego fora de sua cidade?
        Gestora de carreiras oferece dicas cruciais para o sucesso ?longe de casa?

        Em plena crise econômica, conseguir um bom emprego torna-se um desafio cada vez mais complexo, tanto para quem está buscando a primeira colocação quanto para os profissionais mais experientes. Deste modo, tentar um emprego numa cidade diferente de onde moramos pode ser uma opção interessante. Se você está disposto a partir para esta mudança, é preciso abordar algumas dicas que aumentam suas chances de conseguir o emprego dos seus sonhos numa nova cidade.

        Segundo Madalena Feliciano, gestora de carreira da Outliers Careers, ?ao encaminhar um CV por e-mail, é preciso mencionar no corpo do texto a informação de que você tem forte interesse em mudar-se para a cidade. No seu CV, a informação também deve estar clara com o termo ?Disponível para mudanças?, comenta a gestora.

        A especialista ressalta as principais dicas:

        1- Faça contatos com pessoas daquela cidade (networking), essas pessoas podem de indicar ou recomendar vocês nas empresas que você tem interesse de atuar;

        2- Participe de eventos na região ? é uma nova oportunidade de conhecer pessoas novas.

        3- Mapeie as empresas daquela região ? Saber quem você quer alcançar é ideal para qualquer profissional.

        Há receios que o empregador pode gerar ao ver que o endereço é de outra cidade, correndo o risco de descartá-lo no ato, porquanto, ?o principal receio é de que o profissional não se adapte à nova cidade ou atividade e peça seu desligamento ou seja demitido, o que envolve altos custos para o empregador. Para isso, é importante deixar muito evidente suas qualidades profissionais e certificar-se que está disposto e apto a exercer a função solicitada, isso servirá como reforço para o recrutador, eliminando qualquer dúvida que ele tenha sobre sua empregabilidade?, conclui Madalena.

        Outliers Careers
        Madalena Feliciano
        Gestora de Carreira
        (11) 2737-1724
        madalena [AT] outlierscareers [DOT] com [DOT] br
        www.outlierscareers.com.br


        saiba mais »

        20/06/2017 - Instabilidade Econômica ? Saiba Quais Investimentos São Protegidos Pelo FGC

        Instabilidade Econômica ? Saiba Quais Investimentos São Protegidos Pelo FGC
        ?Com limite de R$ 250 mil, o FGC garante os saldos de contas-correntes, cadernetas de…

        A segurança é um aspecto que merece muita atenção por parte do investidor, afinal, nem todo mundo está disposto a correr riscos excessivos. Por conta disso, várias pessoas buscam aplicações mais seguras, que sejam garantidas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que tem como finalidade criar mecanismos que protejam correntistas, poupadores e investidores nas operações de crédito mantidas pelas instituições financeiras associadas ao fundo. ?Com essa proteção, o cliente que faz um depósito bancário em conta corrente, caderneta de poupança ou aplica o dinheiro em alguma das linhas de investimentos protegidas pelo FGC, tem a garantia de receber o dinheiro investido mesmo que a instituição seja liquidada ou que venha a falir?, explica André Bona, educador financeiro do Blog de Valor.

        O valor total coberto pelo FGC é limitado ao teto de R$ 250 mil por CPF em cada instituição financeira. Entretanto, no caso de conta conjunta existe uma exceção. ?Suponhamos que duas pessoas tenham uma conta conjunta com saldo de R$ 280 mil em um banco que foi liquidado. Nesse caso, o FGC garantirá o pagamento de R$ 250 mil a ambos os titulares da conta, ou seja, cada um receberá R$ 125 mil, correspondente a 50%?, ressalta o educador financeiro. ?Com limite de R$ 250 mil, o FGC garante os saldos de contas-correntes, contas em cadernetas de poupança e depósitos que são mantidos em contas não movimentadas?, diz Bona.

        André Bona, listou os investimentos que são protegidos pelo FGC

        Certificado de Depósito Bancário (CDB)

        O CDB é um título de renda fixa bastante popular que é emitido pelos bancos para captar dinheiro no mercado. O dinheiro captado é repassado pela instituição financeira na forma de empréstimo a terceiros e parte dos juros pagos pelo empréstimo é restituído ao investidor como forma de remuneração do investimento. Existem dois tipos principais de CDBs: os prefixados e os pós-fixados. Com os prefixados o investidor sabe exatamente quanto receberá de remuneração, quando o título vencer. Já o CDB pós-fixado tem a remuneração vinculada a um índice que, em geral, é regulado pelo Certificado de Depósito Interbancário (CDI), que mede o valor médio que os bancos emprestam dinheiro entre si diariamente e que sempre oscila muito próximo à Taxa da Selic.

        Por exemplo, se alguém investe em um CDB que paga 95% do CDI e o CDI paga 10% ao ano, no final de um ano, o título renderá 9,5% do valor aplicado. Vale ressaltar que há incidência de Imposto de Renda (IR) sobre o lucro do CDB. Quanto maior for o prazo de vencimento do título, menor é a incidência de IR. Mesmo com a cobrança do IR, o CDB costuma ser mais lucrativo do que a Poupança. Contudo, é preciso calcular o imposto para saber exatamente quanto ele pode render.

        Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

        Também conhecida como CDB Imobiliário, a LCI é um título de renda fixa, pré-fixado ou pós-fixado, que tem a remuneração calculada pelo índice da inflação acrescida de juros prefixados. Por intermédio da comercialização do título, as instituições financeiras captam dinheiro no mercado a fim de garantir as operações de crédito imobiliário que mantêm. Para as pessoas físicas, a vantagem da LCI sobre o CDB é que sobre o lucro do título não há cobrança de impostos. Para as pessoas jurídicas a tributação do IR segue a mesma escala do CDB, apresentada acima. Após cumprirem uma carência de 90 dias, as aplicações têm liquidez diária, ou seja, podem ser resgatadas a qualquer momento.

        Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

        Semelhante à LCI, a LCA é emitida pelas instituições financeiras que captam recursos no mercado para investir no setor agrícola. Em outras palavras, quem aplica em LCA, ainda que de forma indireta, está financiando o agronegócio brasileiro. O rendimento também é fixo e atrelado à CDI ? também não há incidência de IR.

        Outros títulos garantidos pelo FGC

        O FGC garante ainda as Letras de Câmbio, Letras Hipotecárias e Letras Imobiliárias. A garantia ordinária do FGC - até 250 mil - cobre esses investimentos mencionados e as Letras de câmbio, letras hipotecárias, letras imobiliárias e os RDBs. E existe também a garantia especial, que cobre até 20 milhões para os títulos chamados DPGE (depósito a prazo com garantia especial).

        Sobre André Bona

        André Bona possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, tendo auxiliado milhares de investidores a melhorar a rentabilidade de seus ativos. Durante anos, foi sócio da Valor Investimentos, uma das maiores empresas de assessoria de investimentos no país.

        Atualmente, como um dos educadores financeiros mais conhecidos do país, possui mais de 60 mil inscritos no seu canal no YouTube. É criador do método ?O Investimento Perfeito?, cuja filosofia e diferencial constam no fato de que as decisões de investimento são tomadas em função de projetos pessoais de cada um.

        Sobre o Blog de Valor

        Criado em 2011 com a iniciativa de André Bona, o Blog de Valor, tem como missão contribuir para que as decisões financeiras de seus leitores se tornem cada vez mais conscientes, trazendo melhor qualidade de vida financeira através de uma linguagem simples e direta.

        Em 2012 iniciou o canal de vídeos na internet e em 2015 foi convidado para participar do programa de desenvolvimento do YouTube, com executivos da sede da empresa no Califórnia - USA. A sua produção educacional tem sempre como finalidade auxiliar pessoas e famílias a compreender melhor o mercado financeiro, por meio de conteúdos de fácil linguagem. Hoje seu canal possui mais de 80 mil inscritos, sua página no Facebook possui mais de 85 mil seguidores. Além disso, outros 70 mil leitores recebem newsletter do blog por e-mail semanalmente.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Hapvida apresenta modelo de verticalização como solução da saúde no Brasil

        Executivo da empresa explica a diferença no custo e no atendimento

        Por Tany Souza

        Em almoço promovido pelo Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo (CCS-SP), na última terça-feira (13), o diretor superintendente comercial do Hapvida, André Rosas, apresentou a verticalização como solução da saúde privada no país.

        ?Há um aumento significativo do plano de saúde na folha de pagamento. Em 2004, 7% da folha de pagamento era plano de saúde, hoje está em torno de 15%, com tendência de 25% até 2025. As empresas não conseguirão pagar isso e terão que encontrar novos caminhos. E o modelo verticalizado será uma ótima solução?, comenta ele.

        André Rosas enfatiza que o modelo verticalizado das operadoras não tem como objetivo ter receita em cima do atendimento. ?Tem emergências grandes, com todo o andar para atender urgência, para que consiga diagnosticar e resolver o problema rapidamente. Esse é um modelo focado na eficiência, não interna quem não precisa internar, além de não repassar ao cliente o custo do retorno financeiro?.

        Segundo ele, isso também acontece em outras frentes de atendimento das operadoras verticalizadas. ?As clínicas, hospitais, exames e diagnósticos também têm o mesmo objetivo. Não precisam dar resultado financeiro e isso faz com que consigamos controlar o custo. E também conseguimos ter escala de compra, definição de protocolo, padronização e gestão tecnológica?.

        O diretor diz que as operadoras conseguiram encontrar soluções baratas e práticas. ?Enquanto as seguradoras encolhem, as operadoras verticalizadas crescem, o que antes eram consideradas o patinho feio do mercado de saúde. Nos últimos dois anos em que o mercado de saúde cresceu, as operadoras verticalizadas cresceram mais de dois dígitos?.

        De acordo com ele, o Hapvida é a primeira empresa do Brasil a usar reconhecimento digital, considerando que isso aconteceu há 30 anos. ?Colocamos isso com o objetivo de controlar o uso indevido. Caso alguém chegue à urgência ou emergência sem carteirinha, o atendimento é feito com o CPF e digital, e o prazo é de 15 minutos para o atendimento médico?. Além disso, há um núcleo de controle. ?Para ter um monitoramento por imagem de quanto tempo leva o atendimento, o que é o desejo de muitas operadoras e seguradoras?.

        Para explicar o que é a teleconsulta, utilizada somente pela Hapvida e Hospital Albert Einstein, ele contou que o modelo de negócio da companhia é atender a base da pirâmide. ?O objeto de desejo é o cliente da base da pirâmide e para ele dirigimos todo nosso esforço?. E completa contando que ?no norte e nordeste não há atendimento de todas as especialidades, por isso, com todo o prontuário eletrônico no sistema, o médico do sudeste e do nordeste atendem simultaneamente o mesmo paciente. E hoje se fazem 15 mil consultas por mês nesse formato de teleconsulta?.

        Com 3,6 milhões de beneficiários, o Hapvida hoje se posiciona como a maior operadora de saúde do Norte e Nordeste. Atualmente, são mais de 16 mil colaboradores diretos envolvidos na operação de 21 hospitais, 71 clínicas médicas, 18 unidades de prontos atendimentos, 66 unidades de diagnóstico por imagem e 58 postos de coleta laboratorial distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Aconseg-SP participa de evento do CVG-SP

        O presidente da Aconseg-SP, Marcos Colantonio, e representantes da entidade participaram do evento promovido pelo…

        O evento contou com a palestra do presidente da FenaPrevi, Edson Franco, que comentou sobre o panorama do mercado de seguros de pessoas. A atuação nesse mercado, inclusive, é um dos incentivos da Aconseg-SP para os corretores que trabalham com as assessorias de seguros.

        O presidente da Aconseg-SP foi um dos componentes da mesa diretora do evento. Na ocasião, duas assessorias associadas à entidade foram recebidas como beneméritas do Clube: Padrão Opípari e Continental Assessoria. (Cobertura Editora/Aconseg-SP)


        saiba mais »

        20/06/2017 - Novo parcelamento federal beneficia contribuintes - entenda os principais pontos

        Já foi publicada a regulamentação para empresas e pessoas físicas aderirem ao novo Refis, ou…

        Para entender melhor a Confirp preparou um material especial sobre o tema. Veja os principais pontos:

        O que é?

        o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT) possibilita o pagamento com descontos ou parcelamento dos débitos junto à Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) e à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Trata-se de uma nova modalidade de parcelamento, em que poderão aderir as pessoas físicas e jurídicas, de direito público ou privado, inclusive aquelas que se encontrarem em recuperação judicial.

        Um fato interessante é que o PERT abrange os débitos recentes, vencidos até 30 de abril de 2017, inclusive aqueles objeto de parcelamentos anteriores rescindidos ou ativos, em discussão administrativa ou judicial, ou provenientes de lançamento de ofício efetuados após a publicação da referida norma. O prazo de adesão será até 31 de agosto de 2017, e abrangerá os débitos indicados pelo sujeito passivo, na condição de contribuinte ou responsável.

        ?Será uma ótima alternativa para que tem dívidas com o Governo, poderão aderir ao PERT, pessoas físicas e jurídicas, de direito público ou privado, inclusive aquelas que se encontrarem em recuperação judicial?, diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos.

        O diretor acrescenta que o PERT abrange os débitos de natureza tributária e não tributária, inclusive os que foram objetos de parcelamentos anteriores rescindidos ou ativos, em discussão administrativa ou judicial, ou provenientes de lançamento de ofício efetuados após a publicação desta Medida Provisória, desde que o requerimento seja efetuado até o dia 31 de agosto de 2017.

        Detalhes do parcelamento

        ?Outro ponto interessante é que o PERT abrangerá os débitos indicados pelo sujeito passivo, na condição de contribuinte ou responsável. Ou seja, não precisarão estar incluídos todos os débitos, apenas o que o contribuinte optar?, complementa Domingos.

        Há a previsão de três modalidades de adesão ao parcelamento de débitos com a Receita e dois com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, funcionando da seguinte forma:

        RFB:

        Modalidade

        Forma de pagamento

        Pagamento parte à vista e em espécie, e liquidação com créditos de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSL, ou outros créditos de tributos administrados pela RFB

        - pagamento à vista e em espécie de, no mínimo, 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017; e

        - liquidação do restante com a utilização de créditos de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSL ou com outros créditos próprios relativos aos tributos administrados pela RFB, com a possibilidade de pagamento, em espécie, de eventual saldo remanescente em até 60 prestações adicionais, vencíveis a partir do mês seguinte ao do pagamento à vista.

        Parcelamento em até 120 prestações

        Pagamento da dívida consolidada em até 120 prestações mensais e sucessivas, calculadas de modo a observar os seguintes percentuais mínimos, aplicados sobre o valor da dívida consolidada:

        a) da 1ª à 12ª prestação: 0,4%;

        b) da 13ª à 24ª prestação: 0,5%;

        c) da 25ª à 36ª prestação:0,6%; e

        d) da 37ª prestação em diante: percentual correspondente ao saldo remanescente, em até oitenta e quatro prestações mensais e sucessivas.

        Pagamento parte à vista e em espécie, e o restante, opcionalmente, em parcela única, em até 145 parcelas ou em até 175 parcelas

        - pagamento à vista e em espécie de, no mínimo, 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017; e

        - o restante:

        a)  em parcela única: liquidada integralmente em janeiro/2018, com redução de 90% dos juros de mora e 50% das multas de mora, de ofício ou isoladas;

        b)  parcelado em até 145 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 80% dos juros de mora e de 40% das multas de mora, de ofício ou isoladas; ou

        c)  parcelado em até 175 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 50% dos juros de mora e de 25% das multas de mora, de ofício ou isoladas, sendo cada parcela calculada com base no valor correspondente a 1% da receita bruta da pessoa jurídica, referente ao mês imediatamente anterior ao do pagamento, não podendo ser inferior a 1/175 do total da dívida consolidada.

        PGFN:

        Modalidade

        Forma de pagamento

        Pagamento da dívida consolidada em até 120 parcelas

        Pagamento da dívida consolidada em até 120 parcelas mensais e sucessivas, calculadas de modo a observar os seguintes percentuais mínimos, aplicados sobre o valor consolidado:

        a) da 1ª à 12ª prestação: 0,4%;

        b) da 13ª à 24ª prestação: 0,5%;

        c) da 25ª à 36ª prestação: 0,6%; e

        d) da 37ª prestação em diante: percentual correspondente ao saldo remanescente em até 84 prestações mensais e sucessivas.

        Pagamento parte à vista e em espécie, e o restante, opcionalmente, em parcela única, em até 145 parcelas ou em até 175 parcelas

        - pagamento à vista e em espécie de, no mínimo, 20% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em 5 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis de agosto a dezembro/2017; e

        - o restante:

        a)  parcela única: liquidada integralmente em janeiro/2018, em parcela única, com redução de 90% dos juros de mora, de 50% das multas de mora, de ofício ou isoladas, e de 25% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios; ou

        b)  parcelado em até 145 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 80% dos juros de mora, 40% das multas de mora, de ofício ou isoladas, e de 25% dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios; ou

        c)  parcelado em até 175 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro/2018, com redução de 50% dos juros de mora, 25% das multas de mora, de ofício ou isoladas, e dos encargos legais, inclusive honorários advocatícios, sendo cada parcela calculada com base no valor correspondente a 1% da receita bruta da pessoa jurídica, referente ao mês imediatamente anterior ao do pagamento, não podendo ser inferior a 1/175 do total da dívida consolidada.

        Riscos de adesão

        Contudo, para aderir existem riscos às empresas, sendo que a mesma implica em:

        a) confissão irrevogável e irretratável dos débitos em nome do sujeito passivo na condição de contribuinte ou responsável e por ele indicados para compor o PERT;
        b) a aceitação plena e irretratável, pelo sujeito passivo na condição de contribuinte ou responsável, das condições estabelecidas para o PERT;
        c) o dever de pagar regularmente as parcelas dos débitos consolidados no PERT e os débitos vencidos após 30 de abril de 2017, inscritos ou não em DAU;
        d) a vedação da inclusão dos débitos que compõem o PERT em qualquer outra forma de parcelamento posterior;
        e) o cumprimento regular das obrigações com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

        A dívida objeto do parcelamento será consolidada na data do requerimento de adesão ao PERT e será dividida pelo número de prestações indicadas. Enquanto a dívida não for consolidada, o sujeito passivo deverá calcular e recolher o valor à vista ou o valor equivalente ao montante dos débitos objeto do parcelamento dividido pelo número de prestações pretendidas, observado o disposto nos quadros supramencionados.

        A aceitação do pedido de parcelamento está condicionado ao pagamento do valor à vista ou da primeira prestação, que deverá ocorrer até o último dia útil do mês do requerimento, observando-se que o valor de cada prestação mensal.

        Implicará a exclusão do devedor do PERT e a exigibilidade imediata da totalidade do débito confessado e ainda não pago, e a automática execução da garantia prestada:

        a) a falta de pagamento de 3 parcelas consecutivas ou 6 alternadas;
        b) a falta de pagamento de uma parcela, se todas as demais estiverem pagas;
        c) a constatação, pela RFB ou pela PGFN, de qualquer ato tendente ao esvaziamento patrimonial do sujeito passivo como forma de fraudar o cumprimento do parcelamento;
        d) a decretação de falência ou extinção, pela liquidação, da pessoa jurídica optante;
        e) a concessão de medida cautelar fiscal, em desfavor da pessoa optante, nos termos da Lei nº 8.397/1992;
        f) a declaração de inaptidão da inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ); ou
        g) a inobservância da vedação de inclusão dos débitos que compõem o PERT em qualquer forma de parcelamento posterior, por 3 meses consecutivos ou 6 alternados.

        Vale a pena?

        Para quem deseja aderir, a Confirp Consultoria Contábil recomenda, que o primeiro passo deve ser realizar um levantamento dos débitos tributários que possuem, seguido de uma análise das melhores formas de pagamento.

        ?É comum que, na pressa de ajustar a situação tributária, os executivos de empresas ou mesmo pessoas físicas realizem a adesão por impulso. O problema é que a falta de planejamento faz com que se opte por valores que não se consiga honrar no passar dos meses, pois deverá levar em consideração no fluxo de caixa não só o pagamento das parcelas, mas os tributos, vincendos, além do FGTS em dia?, alerta o diretor da Confirp.

        DSOP Educação Financeira
        Av. Paulista, 726 - 12º andar - cj. 1205 - São Paulo - SP Telefone: (11) 3177-7800


        saiba mais »

        20/06/2017 - Contabilidade e Gestão Devem Caminhar Juntas Para Sucesso dos Negócios

        *Silvinei Toffanin

        Segundo dados divulgados pelo Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas, somente no primeiro mês de 2017 foram criadas mais de 194 mil novas empresas no país, o maior número para o período desde 2010. O resultado é 16,6% superior ao registrado no mesmo mês de 2016 e 61% maior se for comparado com dezembro do ano passado.

        É possível avaliar que esse aumento no número de aberturas de empresas esteja pautado pelo empreendedorismo por necessidade, visto que diante do desemprego e dificuldade na recolocação em outras empresas, algumas pessoas optam por empreender a fim de garantir uma fonte de renda.

        Para muitos desses novos empreendedores e também para outros, que já estão há mais tempo vivenciando a experiência do comando do próprio negócio, julgo importante mostrar que os serviços de um profissional de contabilidade não deve ser restritos à entrega de guias para pagamento das obrigações tributárias e empregatícias. Nossa atividade vai além.

        A atuação de um profissional de contabilidade atualizado vai além. Na verdade, é justamente a contabilidade que ajuda a criar as condições necessárias para que o empreendimento se sustente e possa alcançar o sucesso. Isso é feito por meio de uma atuação global, que vai garantir que a saúde da empresa esteja em dia, com o equilíbrio entre receitas e despesas; a possibilidade de tomada de decisões estratégicas, pautadas nos dados financeiros da empresa e oferecendo respaldo para a realização de novos investimentos, contratação de pessoas, desenvolvimento de novos produtos, realização de campanhas de marketing, etc; pagamento de impostos dentro da legalidade, observando sempre o melhor regime de tributação para aquela empresa em função do momento vivido pela companhia e deixando o negócio em conformidade com as legislações vigentes, evitando o pagamento de multas e atrasos; além de auxiliar na organização do negócio, com controles rigorosos relacionados ao balanço, fluxo de caixa, capital de giro, entre outros indicadores de extrema importância para qualquer empresa.

        As ferramentas contábeis, quando aliadas e usadas de maneira inteligente para gestão do negócio, ajudam o empreendedor a enxergar um retrato fiel e preciso do que é vivido pela empresa, o que permite realizar correções de rota com agilidade e identificar oportunidades de crescimento.

        Se pensarmos que o Brasil é um país com uma série de carências, que fazem com que as empresas precisem vencer, diariamente, uma série de desafios para se manterem competitivas e, mais do que isso, sobreviverem no mercado, fazer bom uso das capacidades e informações que podem e devem ser entregues por um profissional de contabilidade torna-se estratégico.

        Empresas de todos os portes e segmentos podem e devem fazer com que a contabilidade ande de mãos dadas com a gestão da empresa. O exercício de análise de indicadores, sem sombra de dúvida, levará não só ao amadurecimento da companhia e do empreendedor, mas a tomada de decisões muito mais assertivas.

        O contador é uma peça-chave durante a elaboração de qualquer planejamento estratégico. Ele é o profissional mais indicado para determinar, por exemplo, a viabilidade de recursos, a sustentabilidade de projetos (no campo financeiro e econômico), além de definir quais são os possíveis encargos que o empreendedor terá que arcar caso assuma determinada posição. É comum ouvirmos que o contador é aquele que faz a empresa render mais, não só por conta da escolha do regime tributário mais conveniente, mas também por ser ele o responsável por conferir todos os créditos tributários ? não perdendo as compensações previstas em lei ? além de acompanhar os incentivos fiscais concedidos pelos órgãos governamentais que podem e devem ser aproveitados para que o empreendedor viabilize o seu negócio.

        *Silvinei Toffanin é especialista em contabilidade e sócio-diretor da DIRETO Contabilidade, Gestão e Consultoria, escritório com mais de 20 anos de experiência e atuação estratégica em empresas de todos os segmentos e portes.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Cinco motivos para atuar nos marketplaces

        Os benefícios e facilidades presentes nesses ambientes atraem empresários que desejam ampliar os canais de…

        Os marketplaces ? espaços online onde se faz comércio eletrônico de forma ampla, anunciando seus produtos e serviços em sites de terceiros, especializados no varejo ? são atualmente um dos principais canais de vendas para empresas no meio virtual. Conforme pesquisa da Associação Brasileira do Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Precifica, esse mercado cresceu 24% nos últimos quatro meses de 2016. Em números absolutos, esse valor refere-se a 5.017 em setembro, no início da análise, e 6.246 em dezembro, no final.

        Os benefícios e facilidades presentes nesses ambientes atraem empresários que desejam ampliar os canais de venda dos seus produtos. Sendo assim, listo cinco motivos para ingressar nos marketplaces e aproveitar todo o potencial que oferecem:

        1. Credibilidade

        Eles possuem marcas bem posicionadas e respeitadas no mercado. O seu produto estará próximo dos maiores e melhores negócios existentes. Além disso, a loja que irá disponibilizar os seus itens oferece todo o auxílio necessário para que o atendimento ao cliente seja facilitado, mitigando os riscos das operações.

        2. Grande fluxo de consumidores

        Há um aumento contínuo de usuários que fazem uso dos marketplaces como fonte de pesquisa antes de comprar artigos online. De acordo com a Amazon, 64% dos consumidores efetuam pesquisa nesse meio. Ter seus produtos apresentados nesse canal garante maior visibilidade da sua marca e aumenta as chances de venda.

        3. Marketing digital

        Os marketplaces investem em marketing digital constantemente. Para empresas que estão ingressando no comércio online, isso significa menos aporte de capital, garantindo, por sua vez, igualdade entre os grandes e os pequenos e médios vendedores, uma vez que as ações de marketing são feitas diretamente pelos portais.

        4.Presença

        Estar nos marketplaces garante a presença de venda em mais canais. Para quem possui um e-commerce, é um meio online a mais para oferecer seus produtos ao consumidor. Porém, não é necessário possuir uma loja virtual própria para vender dessa forma. Sendo assim, é possível ampliar a oferta e, consequentemente, aumentar as chances de conversão.

        5. Pagamento

        Quando a venda é realizada por meio de um marketplace, todo o processamento e identificação do pagamento são de responsabilidade desse canal, garantindo maior segurança, uma vez que atuam com diversas formas de pagamento e sistemas antifraude, o que diminui o trabalho operacional do lojista.

        A melhor forma de administrar sua presença online é por meio de softwares integradores, que permitem ao gestor total controle sobre os itens anunciados, permitindo monitoramento mais abrangente sobre estoque, preço e oferta, auxiliando diretamente na gestão do negócio.

        *Eloana Tonello, é cofundadora e diretora do Grupo Infoar, especialista em serviços de climatização, reunindo dez empresas de diversos segmentos e-commerce, marketplace, franquias, varejo, atacado, indústria e serviços.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Geolocalização representa revolução na prestação de serviços

        Recursos de saúde, tecnologia e até ações contra o desperdício tornam-se facilitados com recursos que…

        A tecnologia está em constante evolução para oferecer facilidade aos usuários, que possuem cada vez mais opções ao utilizar seus dispositivos. O recurso de geolocalização já é utilizado com frequência pelos consumidores no dia a dia, seja quando compartilham sua localidade por meio do check-in nas redes sociais, ao buscar um caminho no Waze ou procurar um motorista no Uber. Basta ativar o GPS (parte essencial em smartphones), pelo IP de computadores ou digitar o CEP, que rapidamente surge um mapa com vários ícones para suprir diferentes necessidades ao alcance das mãos.

        Saúde localizável

        O aplicativo GoPharma, por exemplo, está disponível gratuitamente para dispositivos iOS e Android, e diminui a distância entre quem precisa de um item ou serviço de saúde e as farmácias capazes de oferecê-los ? quando e onde forem necessários.

        ?O app agiliza a jornada do consumidor; é uma ferramenta de empoderamento. Com o GoPharma, o poder de escolha fica nas mãos do paciente, que saberá onde está a farmácia mais próxima, com o produto certo e, se possível, irá adquiri-lo com desconto por conta do programa de benefícios?, ressalta Fernando Cascardo, diretor de marketing da iniciativa.

        Sustentabilidade no mapa

        E não são apenas com dispositivos tecnológicos que a geração atual se preocupa. Causas sociais e questões ligadas ao meio ambiente também fazem parte dos interesses desse público, e não é para menos: cerca de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são desperdiçadas mundialmente a cada ano, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

        Pensando nisso, foi criado o NDays, ferramenta que pode ser acessada pelo navegador, e que tem como intuito informar sobre comércios ? mercados, panificadoras, bombonières, farmácias, lojas de conveniência, entre outros estabelecimentos ?, além de indústrias que tenham produtos próximos ao vencimento e que queiram vender por um valor abaixo do mercado.

        ?Evitar o desperdício de tempo, dinheiro e outros recursos é o foco da plataforma, que vai ao encontro a uma tendência mundial?, ressalta Paulo Teixeira, um dos idealizadores do projeto.

        Esses são apenas alguns exemplos de como a modernização pode ser utilizada em favor da sociedade em diversos âmbitos, suprindo as necessidades e descomplicando a vida dos consumidores. Foi-se o tempo em que o celular era apenas um meio para fazer ligações, tirar fotos ou se comunicar. Em um futuro não muito distante, é bastante possível que a resposta da maioria das questões e situações ? senão todas ?estejam nas pontas dos dedos.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Evento vai debater futuro do setor de planos de saúde

        Encontro Brasileiro de Operadoras de Planos de Saúde vai debater temas como compliance, judicialização e…

        Encontro vai debater futuro do mercado de operadoras de planos de saúde

        A primeira edição do Encontro Brasileiro de Operadoras de Planos de Saúde (Ebrops) vai reunir empresários e executivos das principais empresas do segmento, representantes de órgãos reguladores, membros do judiciário e dirigentes de entidades associativas para discutir o futuro do setor. O evento ocorre nos dias 10 e 11 de julho no Bourbon Ibirapuera Convention, em São Paulo (SP).

        A programação inclui debates sobre temas como compliance, judicialização e rentabilidade das empresas do setor. Entre os palestrantes confirmados estão a jornalista Cristiana Lobo, da Globo News, o fundador do Reclame Aqui, Maurício Vargas, a Executiva de Auditoria Interna, Riscos e Compliance do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, Florence Monteiro, o Health Care Compliance Officer na Johnson & Johnson, João Ximenes, o Ex-Ministro- Chefe da Controladoria Geral da União e atual Conselheiro da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, Luiz Navarro, entre outros.

        No país, aproximadamente 800 empresas são responsáveis pelo atendimento a 47,5 milhões de beneficiários de planos médico-hospitalares. Juntas, segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) elas movimentam mais de R$ 130 bilhões por ano. O Ebrops vai debater o presente e o futuro do mercado, essencial para a economia e a manutenção da qualidade de vida de um quarto da população brasileira.

        www.ebrops.com.br

        Website: http://www.ebrops.com.br


        saiba mais »

        20/06/2017 - Talentos: um caminho para a produtividade

        Exercer uma atividade que utilize nossos talentos, exige bem menos esforço do que realizar outras…

        As organizações passam por sucessivos desafios de mudanças para atenderem e se adaptarem às novas exigências mercadológicas. Não basta dispor dos melhores recursos, estrutura ou da mais avançada tecnologia, se as mesmas não forem sustentadas por uma gestão de pessoas focada em resultado. O ser humano e o seu desempenho profissional são considerados fatores capazes de transformar o potencial de uma empresa, por serem, de fato, o grande diferencial competitivo das organizações.

        Percebendo essa realidade, há algum tempo as empresas buscam estratégias para o desenvolvimento das potencialidades de seus colaboradores. Nessa perspectiva, uma excelente ação organizacional é focar-se no ser humano, no seu melhor desempenho e nas condições do ambiente de trabalho que são necessárias para proporcionar bem-estar e felicidade. Para tanto é necessário obter-se uma nova forma de gestão e de se pensar no colaborador. O foco do gestor para o desenvolvimento de sua equipe deve ser voltado ao que ela tem de melhor com a finalidade de potencializá-la.

        Sobre este aspecto, Buckinghan e Clifton, autores do livro Descubra seus Pontos fortes, apontam o que seriam os dois grandes equívocos das empresas e das lideranças: a) achar que o maior potencial de crescimento das pessoas está nos seus pontos fracos ou dificuldades; b) acreditar que as pessoas podem ser competentes em quase tudo. Por este motivo, tais empresas focam suas ações de desenvolvimento da sua equipe apenas para trabalhar as dificuldades, pontos fracos ou pontos de melhoria.

        Quando a visão está voltada apenas para este sentido, o resultado que se consegue é uma redução de danos, tirando tais comportamentos da chamada ?zona de prejuízo? (pois estão prejudicando o desempenho no trabalho). Mas isto não fará com que esse colaborador atinja seu maior potencial, a sua melhor performance. Será apenas uma redução de prejuízo e não melhoria de resultados.

        Segundo Buckinghan e Clifton, o foco principal de ação deve estar nos talentos dos colaboradores, que são padrões naturalmente recorrentes de pensamento, sentimento e comportamento que possam ser utilizados produtivamente. Talentos são nosso jeito singular de pensar, sentir e agir que pode ser utilizado no dia a dia para produzir resultados, transformando-se em um ponto forte.

        Sendo assim, exercer uma atividade que utilize nossos talentos, exige bem menos esforço do que realizar outras atividades que não utilizam essas potencialidades. O Instituto Gallup realizou uma pesquisa com mais de 2 milhões de pessoas e entre as perguntas realizadas aos entrevistados, estava a seguinte questão: ?você tem a oportunidade de fazer todos os dias o que você faz de melhor??. Ou seja, você tem a oportunidade de utilizar seus pontos fortes todos os dias? Apenas 20% das pessoas entrevistadas tinham essa possibilidade. Podemos aqui refletir que, talvez, 80% destas pessoas não entregam como resultado toda a sua capacidade produtiva, pois não tem a oportunidade de trabalhar diariamente com sua zona de excelência.

        Por meio de pesquisas, os autores comprovaram algo que é de extrema relevância para a gestão: o maior potencial de crescimento e desenvolvimento está nos talentos e potencialidades dos colaboradores. Quando o líder investe na potencialização das forças e talentos, esse colaborador poderá alcançar resultados extraordinários, pois atingiu seu potencial máximo. Sendo assim, para melhoria de resultado e aumento de produtividade é mais interessante investir tempo e energia nos talentos que o colaborador já tem, e assim potencializá-los.

        Neste sentido, entender os talentos dos colaboradores é uma ação estratégica. Desta forma a empresa pode realocar seu quadro de pessoal para cargos, setores, funções e atividades onde ele naturalmente poderá colocar esses talentos no trabalho.

        O trabalho que utiliza um ponto forte exige um investimento menor de energia. Sabendo disto, após a identificação dos talentos, de uma maneira reflexiva e estratégica, é possível elencar as situações e os desafios mais favoráveis para sua utilização, o que eleva a probabilidade de feitos de excelência.

        Quando a organização investe em identificar os talentos e potencialidades de sua equipe, ela está automaticamente elevando as suas chances de alcançar excelentes resultados, visto que as pessoas estarão trabalhando com todos os recursos psicológicos e emocionais a seu favor. Assim, será colocado no desempenho do trabalho aquilo que é o seu melhor.

        Poliana Landin: Mestre em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica, sócia-fundadora do Instituto Goiano de Psicologia Positiva (IGPP) e coordenadora dos cursos de Desenvolvimento Humano e Psicologia Positiva; Avaliação Psicológica; e Neuropsicologia do IPOG.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Dica de empreendedor: seja o cliente que você quer ter

         - Por Felipe Rossetti*

        Especialista no mercado de cultura pop, sócio-fundador das camisetas Piticas conta que mais do que entender, é preciso ser fã do universo geek se quiser vender mais e melhor

        Os nerds e os geeks, como são normalmente chamados os fãs mais assíduos de cultura pop, configuram a mais recente febre de consumo: 70% das propriedades mais exploradas pelo varejo são ligadas ao entretenimento, segundo a Associação Brasileira de Licenciamento (ABRAL). Mas, diferentemente de tantos outros potenciais consumidores, esse público ? que se interessa muito por itens e serviços relacionados a cinema, séries de TV, quadrinhos, desenhos animados etc. ? costuma rebater tudo que não é estrategicamente pensado para fazer parte de uma grande e contínua narrativa.

        Sim, os produtos destinados a esse segmento também contam uma história ? ou deveriam. Esse conceito precisa estar bem desenvolvido na estratégia de quem quer dialogar e vender bem. Uma camiseta que tenha um detalhe na estampa que só quem assistiu a determinado filme entenderá, ou uma embalagem de cosmético que remeta ao uniforme de um super-herói são exemplos bem básicos de como uma marca pode construir esse relacionamento duradouro com o fã consumidor de cultura pop.

        Várias são as oportunidades de aproveitar ocasiões do mundo geek para dar uma chacoalhada nas vendas, como estreias de filmes e séries, lançamentos de livros, eventos de cultura pop e datas comemorativas, que mostram a força de uma clientela cada vez mais criteriosa e com um poder de compra que faz inveja a vários outros setores da economia. Só no Brasil, milhares de produtos aproveitam esses ganchos para lançar promoções ou mesmo novos itens no mercado.

        Mas esse alinhamento de conceitos e ideias precisa existir na essência da empresa. Na realidade, se a visão e a identidade da companhia não estiverem de acordo com o que o cliente acredita, não adianta nada ao negócio se aventurar e desenvolver uma estratégia de marketing que apenas ?combine? uma ação com o que é pedido. As chances de sucesso são, além de pequenas, muito arriscadas, já que uma estratégia mal executada pode queimar a marca por um bom tempo.

        Uma empresa que tenha em seu DNA uma grande identificação com os temas de cultura pop, por exemplo, tem muito mais a oferecer às pessoas que também se conectam a esse universo. É necessário atentar-se aos mínimos detalhes que podem parecer banais, mas que fazem toda a diferença nos momentos decisivos ? como a hora de comprar ou não. A verdade é que não basta entender o fã para atendê-lo bem, mas ser esse fã por inteiro para criar uma experiência perfeita.

        *Felipe Rossetti é sócio-fundador da Piticas, empresa criada com o irmão, Vinícius, que se tornou uma das maiores fábricas de camisetas especializadas em estampas da cultura pop do país, produzindo 20 mil camisetas por dia, com mais de 500 funcionários e mais de 300 lojas franqueadas espalhadas pelo país, além do e-commerce próprio na Internet.


        saiba mais »

        20/06/2017 - Quais são os principais erros que afastam os clientes?

        - Por Carlos Cruz*

        Uma das principais missões de um profissional de vendas é atrair a atenção de um consumidor. No entanto, uma questão muito comum nessa área é: como fazer para que os clientes não saiam correndo do seu negócio?

        Trabalhar com pessoas exige delicadeza, algumas medidas e cuidados são essenciais para obter sucesso na área. Para isso, é necessário, primeiramente, saber que para vender é preciso ir muito além de uma conversa superficial. Abaixo, listo cinco erros fatais, que podem fazer o comprador ir buscar a solução que procura na loja ao lado:

        Falta de empatia - Crie identificação com o comprador e transmita boa impressão. Cuide da aparência e aja de acordo com o perfil de cada cliente para inspirar as compras. As pessoas têm tendência em confiar e se relacionar com quem possui algo em comum com elas;

        Não seja muito invasivo - Pergunte, mas também saiba ouvir. Fuja do monólogo, busque sempre o diálogo e nunca se esqueça de que cautela é essencial. Entenda o que o cliente quer e trabalhe para resolver os seus problemas. Lembre-se que o vendedor é um solucionador e ajuda quem o procura a suprir necessidades e realizar sonhos.

        Os clichês - Ao contrário do sucesso, jargões, exageros, mentiras e falar demais podem atrapalhar a negociação. A sinceridade é muito mais bem vista e aceita pelos clientes que uma simpatia exagerada, que soa como falsidade. Portanto, saiba usá-la moderadamente.

        Despreparo e insegurança - Estude sempre e busque profissionalização. Mantenha-se informado sobre os produtos que vende e os mercados nos quais estão inseridos, participe de palestras e cursos preparatórios, leia obras importantes na área e fique antenado às tendências e acontecimentos.

        * Carlos Cruz é diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas) - www.ibvendas.com.br


        saiba mais »

        20/06/2017 - Curso de Administração da Escola Nacional pode ajudar a dar upgrade na carreira

        Recolocação-profissional-como-fazer-um-upgrade-na-sua-carreiraO curso de Administração da faculdade Escola Nacional de Seguros já é referência no mercado.…

        O bacharelado proporciona uma visão generalista, formando profissionais com grande amplitude de ação multidisciplinar e capazes de trabalhar na área de Administração e outras correlatas, como Vendas, Marketing e Recursos Humanos.

        Os professores são altamente qualificados e com vasta experiência no mercado de seguros, o que garante orientação aos alunos sobre as melhores oportunidades de desenvolvimento da carreira. Marcia cursou o Bacharelado em Administração com Linha de Formação em Seguros e Previdência, ministrado pela Escola nas capitais fluminense e paulista. Ela diz ter avanços em sua carreira logo após iniciar a graduação, em 2012. ?Adquiri conhecimentos tanto em Administração quanto em seguros, de diversos ramos. Como este é um mercado de serviços, a função do administrador é fundamental para a organização e gestão das empresas?, afirma.

        O curso da Escola Nacional de Seguros já foi reconhecido como um dos melhores do País, com avaliação no último Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), obtendo notas 4 e 5, em São Paulo e no Rio de Janeiro, respectivamente, em escala até 5.

        Tecnólogo

        No Rio, também estão abertas as inscrições para o curso Tecnólogo em Gestão de Seguros. Trata-se de uma graduação com duração de dois anos que, ao final, garante diploma de nível superior.

        O curso facilita o acesso ao mercado de trabalho ao fornecer conhecimentos práticos e instrumentais da Administração contemporânea. Os aprovados poderão dar sequência aos estudos e seguir no Bacharelado por mais dois anos.
        ------------------------------------------------------------------------------------
        Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


        saiba mais »

        21/06/2017 - Congresso de Operadoras Filantrópicas de Planos de Saúde começa hoje!

        Congresso de Operadoras Filantrópicas de Planos de Saúde começa hoje!
        A cidade de São Paulo recebe, nos dias 21 e 22 de junho, a 12º…

        Segundo o presidente da CMB, Edson Rogatti, o mercado de Saúde Suplementar também está sendo impactado pelo cenário econômico atual, especialmente dado o crescimento da taxa de desemprego no País, já que mais de 65% dos contratos dos planos de saúde são coletivos e empresariais. ?Acreditamos que o fortalecimento das parcerias entre os atores da cadeia produtiva e a adoção de ferramentas de gestão que contribuam para a melhora da qualidade são fundamentais para minimizar os efeitos da crise e oferecer serviços e produtos cada vez melhores para os usuários de planos de saúde?, diz Rogatti.

        Programação Científica

        No dia 21 de junho, o XII Congresso vai abrir o debate às 9h, com a palestra da pesquisadora do Instituto de Estudos da Saúde Suplementar (IESS), Natalia Cairo Lara, sobre a ?Visão Macroeconômica do Mercado de Saúde?.

        Em seguida, o CEO do Grupo São Francisco, Lício Cintra, e o diretor-executivo do Hospital Sírio Libanês, Fernando Andreatta Torelly, vão falar sobre ?Estratégia de crescimento do Setor Saúde?.

        O Programa de Qualidade das Operadoras será tratado pela especialista em regulação da Saúde Suplementar da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Rosana Neves, na mesa sobre as ?Mudanças do Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS)?.

        O ?Reflexo do IDSS nas operadoras? será o tema do debate capitaneado pelo gerente médico do plano de Saúde Ana Costa, Dr. Renato Abreu Filho.

        Já no dia 22 de junho, os debates estarão voltados para a gestão e controle de populações específicas: às 8h30, o diretor da Universidade Aberta da Terceira Idade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UnATI/UERJ), Dr. Renato Veras, vai tratar sobre os cuidados com o idoso; seguida pela apresentação das ?soluções e Controle de Doenças Crônicas?, com o diretor comercial da Optum, Romero Franco, e o CTO da Carenet Longevidade, Vitor Serra Mori; encerrando a programação com a palestra sobre ?Ferramentas de Gestão?, na mesa dividida pelos diretores da IAG Brasil, Renato Couto, e da Solo Consultores, Sergio Lopes, e o CEO do Grupo São Cristovão, Valdir Pereira Ventura.

        Programação Social

        A abertura oficial do evento será realizada no dia 21 de junho, a partir das 17h30, com a participação do presidente da CMB e presença confirmada de representantes de outros segmentos da Saúde Suplementar, como a Abramge e a Unimed do Brasil, além de autoridades, especialistas e administradores.

        A Palestra Magna sobre o tema central do XII Congresso será proferida pelo presidente da Associação nacional dos Hospitais Privados (Anahp) e da Federação Internacional de Hospitais (IHF), Dr. Francisco Balestrin, que vai abordar a importância da atuação dos atores da cadeia produtiva na sobrevivência do negócio.

        A cerimônia será seguida pelo jantar de confraternização, que contará com a atração musical DJ Puff, com seu repertório da black music.

        Feira

        Os congressistas também poderão conferir na área externa do auditório Julio + Menotti, uma exposição dos produtos dos patrocinadores, com inovações tecnológicas, soluções em gestão e possibilidades de negócios.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Conheça as tendências que estão impactando as empresas

        Evento da Associação Comercial acontece no dia 22 de junho

        Marketing digital, mídias sociais, plataformas digitais, entre outras tendências, surgem como ferramentas que podem ser incorporadas aos negócios e, dessa forma, destacar as empresas apoiando em seus resultados financeiros. Esse assunto será o tema do 54º Café da Manhã de Negócios da Associação Comercial de Sorocaba, que acontece no dia 22 de junho, no auditório da entidade.

        O publicitário Rodrigo Figueiredo abordará o tema ?Tendências que estão impactando os negócios?. Já Bruno Alves, gestor de marketing, vai ministrar a palestra ?Descomplicando o marketing digital?.

        Para Rodrigo Figueiredo a crise trouxe impactos significativos nas decisões de compra do consumidor e, consequentemente, nos negócios impactando diretamente nos resultados. ?Esta nova realidade, somada ao fato da tecnologia estar mais acessível, geraram novos hábitos de consumo. O problema é que muitas empresas não se adaptaram por que ainda não conseguiram entender quais são essas tendências e quão poderosas elas são. O objetivo da nossa participação no Café da Manhã da Associação Comercial é sanar dúvidas em relação a este novo cenário?, explica o publicitário.

        ?Os empreendedores devem utilizar as ações de comunicação e marketing, por meio da internet, para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos clientes e melhorar sua rede de relacionamentos para estar dentro deste mercado competitivo. Esta é uma oportunidade para se inteirar mais dessas novas e atuais mídias e ampliar a visão empreendedora?, ressalta o presidente da Associação Comercial, José Alberto Cépil.

        O Café da Manhã de Negócios acontece das 7h30 às 9h30, no auditório da Associação Comercial, localizado na Rua da Penha, 535, no Centro. As vagas são limitadas. As inscrições podem ser feitas pelo site www.acso.com.br/cafenegocios, ou pelo telefone (15)3331-1003.

        Sobre a Associação

        A Associação Comercial de Sorocaba, entidade de classe sem fins lucrativos, foi fundada em 20 de janeiro de 1922 e tem o objetivo de defender os interesses do comércio regional e o desenvolvimento nacional, além de representar seus associados, que reúne representantes dos setores industriais, comerciais, agropecuaristas, prestadores de serviços e profissionais liberais de todos os portes.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Confira Novas Tecnologias Para o Mercado de Seguros de Transporte de Cargas

        As novas soluções permitem mais rapidez na transmissão de dados e eficiência para seguradoras e…

        Em todo o território nacional, as transportadoras quando emitem o documento de Conhecimento de Transporte, as movimentações de cargas ficam registradas no sistema da Secretaria da Fazenda (SEFAZ) de cada estado. Desta forma, o SEFAZ responde positivamente através de um protocolo com a liberação fiscal da mercadoria em relação aos impostos. Para que a carga fique devidamente coberta pelo seguro, o segurado disponibiliza essas informações do conhecimento de transporte para um determinado sistema de averbação eletrônica, que checa o tipo de carga e se está compatível com o tipo de seguro, em relação ao trajeto da carga, impostos, distância e valores. Tudo isso é checado em frações de segundos por meio da averbação eletrônica, para que, caso ocorra algum sinistro, a carga esteja devidamente assegurada e a transportadora possa ser ressarcida do prejuízo.

        Por isso, que é importante que todas as cargas sejam averbadas, pois, em caso de roubo ou perda, o segurado não tem prejuízo. Caso alguma carga fique sem averbação, a empresa responsável pode ter prejuízos financeiros, alerta Flademir Lausino de Almeida, sócio diretor da AT&M, empresa líder em averbação eletrônica, responsável pela troca de mais de 28 milhões de documentos por mês, entre transportadoras, corretores e companhias de seguro.

        Com o intuito de aperfeiçoar cada vez mais, a troca de informações entre transportadoras, corretores e companhias de seguro, a AT&M já disponibiliza ao mercado nove lançamentos em tecnologia:

        AT&Mail ? É mais uma forma de averbação eletrônica para o tranporte de carga. Essa tecnologia foi desenvolvida para atender transportadoras com pequeno volume, ou como forma de averbação temporária para os segurados. O envio do documento e retorno da averbação são feitos por email. Suas vantagens são: possibilidades de extrair relatórios e estatísticas de suas averbações; agilidade para implantação, pois não depende de um software, redução de sonegação de impostos e praticidade no processo para segurados com pouco fluxo de documentos.

        AT&Mcross ? O aplicativo ?AT&Mcross? é mais um recurso que possibilita realizar a verificação da chave do CT-e e NF-e para confrontar os dados fornecidos durante o processo de averbação eletrônica junto ao SEFAZ de forma segura e transparente. Diante de uma possível auditoria, a seguradora poderá confrontar com a emissão do documento do transporte. A aquisição dessa tecnologia possibilita automatização dos processos e economia de mão de obra.

        MOBILE FIELD ? É uma nova tecnologia para o envio e controle de averbações eletrônicas. Através de um aplicativo no celular, o registro do seguro da carga e registro no SEFAZ são feitas de forma rápida e segura. O motorista ou operador responsável pela carga poderá escanear o código de barras de uma nota fiscal eletrônica ou conhecimento eletrônico averbando a carga no ato da coleta. Algumas vantagens dessa tecnologia: combate à sonegação de impostos, segurança por não transportar a carga sem efetuar a averbação, entre outras.

        AVERBAÇÃO PROVISÓRIA ? O segurado poderá editar na quantidade de vezes necessária sua averbação provisória durante o período previamente estabelecido por sua corretora ou seguradora, gerando em cada carga uma versão provisória. O valor será baseado no cadastro e só poderá ser alterado ao gerar a averbação definitiva, e se esta não for enviada dentro do prazo, o sistema adotará o valor da provisória como valor da averbação definitiva.

        AT&Mtrust ? De forma automática possibilita que a seguradora ou corretora transmita todos os dados de apólices ou DDR's diminuindo os índices de erros com mais agilidade e economia na mão de obra interna.

        GSegXpress ? Agiliza o processo de calculo de uma apólice de seguro de transportes de carga. O serviço é totalmente operado pelos técnicos da AT&M que realizam o cadastro das apólices e condições comerciais de acordo com a seguradora. O sistema realiza o calculo dos documentos já averbados pelo segurado. O relatório final é adaptado com as necessidades de cada empresa.

        AT&Msmall ? Tecnologia exclusiva para segurados averbam suas cargas através da digitação em formulários com campos obrigatórios, possibilitando a padronização dos campos adicionais pela seguradora. Na criação da caixa, a seguradora poderá informar campos adicionais que serão exibidos no formulário da averbação. Essa ferramenta facilita o envio com o preenchimento de poucos campos, praticidade no processo de averbação de cargas, agilidade, entre outras.

        SELO AT&M ? Foi criado para atender a demanda de seguradoras que buscam certificar a sua qualidade em relação os processos de averbação eletrônica de carga. A certificação do selo AT&M é realizada com base em dados históricos, objetivos e auditorias. Esse selo atesta que o processo de averbação é feita corretamente e facilita as operações comerciais entre clientes, seguradoras e corretoras. A implantação dos processos para a obtenção do selo ajuda na melhoria do atendimento ao cliente, maior controle do processo de averbação e melhora o desempenho comercial das seguradoras e corretoras.

        SOBRE A AT&M (ww2.atmtec.com.br) - Por mês, a AT&M controla mais de 28 milhões de documentos de seguros e possibilita a troca de informações entre transportadoras, corretores e companhias de seguro. É especializada em tecnologia de averbação, surgiu em 1996, a partir da tecnologia EDI (Electronic Data Interchange), que atende a todos os segmentos da economia para a troca de informações de forma segura, entre fornecedores, clientes, parceiros, empresas e filiais. Naquela época, o processo de averbação de cada carga no Brasil era feito manualmente. ?As pessoas faziam o cálculo das cargas para o seguro, separando por origem e destino e enviavam cópias das guias de transportes para as seguradoras calcular o valor dos prêmios dos seguros. ?Como um profissional de tecnologia, identifiquei uma grande necessidade do setor e tive a ideia de informatizar esse processo. Por meio da tecnologia EDI, criei uma base para o processo de averbação eletrônica no país, de forma inédita?, explica Flademir Lausino de Almeida.

        Além disso, a AT&M desenvolve sistemas de TI para os segmentos da indústria, comércio e serviços, e quaisquer outros segmentos de empresas que buscam a tecnologia EDI. Atualmente, são mais de 18 mil empresas que utilização soluções AT&M. Os diferenciais da AT&M são a constante evolução para atender o mercado, normas técnicas e normas da própria SUSEP para evitar sonegação na declaração de transporte de carga. Atende os segmentos de seguros através da averbação eletrônica, ligando transportadoras/embarcadores, corretores de seguros e companhias de seguros. Hoje, atende 21 companhias de seguros e mais de 780 corretores. Disponibiliza 9 soluções padrões para atender todo o mercado brasileiro e seus diferentes setores, desde a digitação de dados até a integração de redes de computadores.

        A AT&M possui escritórios localizados nas cidades de São Paulo e Indaiatuba (SP) e conta com equipes de outsourcing que presta serviços ?in company? para diversas empresas do mercado segurador. É altamente treinada e especializada em soluções, com destaque para um suporte 24X7 com alto grau de personalização no atendimento aos seus usuários e clientes. Além da busca constante de melhores tecnologias e ferramentas para atender com alta disponibilidade seus clientes e usuários, a AT&M também se destaca pela constante customização de suas soluções desenvolvidas de forma exclusiva para cada cliente. Seus serviços e soluções contribuem para a melhoria da confiabilidade, automação e consistência do processo de averbação e contribuem decisivamente na redução do nível de sonegação.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Taxa de desemprego influencia queda do número de beneficiários nos planos, diz IESS

        A pesquisadora do Instituto de Estudos da Saúde Suplementar (IESS), Natalia Lara, abre a programação…

        De acordo com Natalia, os resultados econômicos do País têm impactado o mercado de Saúde Suplementar. Mesmo com a taxa positiva do PIB no primeiro trimestre, apresentada pelo governo como a confirmação para o fim da recessão, os níveis de desemprego continuam altos, refletindo sobre os planos de saúde com uma oscilação especialmente no número de beneficiários. Ela ressalta que a contratação dos planos está diretamente relacionada à taxa de desemprego, já que 66% dos planos contratados são coletivos.

        A pesquisadora afirma que é preciso rever o modelo de pagameto da Saúde Suplementar, pois, o modelo atual, o fee for service, incentiva o aumento de demandas por serviços que nem sempre são necessários para o tratamento do paciente, gerando custos para operadoras. 'Com a incorporação desses novos modelos de pagamento é possível avançar na questão de indicadores de qualidades na cadeia de Saúde, o que possibilitará maior transparência dos dados e informações relevantes para um cuidado maior em relação a pacientes com doenças crônicas e à gestão de custos com idosos', afirma.

        Quanto à taxa de desemprego, a pesquisadora destaca que, no primeiro trimestre de 2017, o índice de desocupação atingiu 13,7%, sendo este o maior valor desde que o indicador passou a ser divulgado em 2012, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE). Ela reforça que o PIB brasileiro apresentou crescimento de 1,0% na comparação com trimestre anterior, mas, na comparação de 12 meses, apresentou uma queda de -0,3%. 'Mesmo com esse resultado, a taxa de desemprego não caiu. A contratação de planos de saúde está diretamente relacionada a este índice, pois 66,4% dos planos contratados são coletivos. E esse tipo de contratação apresentou queda de 1,9% entre o primeiro trimestre de 2016 e o mesmo período em 2017. Já a queda do total de beneficiários foi de 2%, totalizando, em março de 2017, o número de 47,6 milhões de beneficiários, o que representa uma redução de 978,2 mil beneficiários em 12 meses', aponta.

        Por outro lado, segundo dados publicados no Relatório de Emprego na Cadeia da Saúde Suplementar do IESS, o setor apresentou crescimento de 1,4% no total de trabalhadores empregados com carteira assinada no período de 12 meses encerrados em abril de 2017. No total, o setor emprega 3,4 milhões de pessoas, ou 7,9% da força de trabalho no País. Já o mercado brasileiro recuou 2,8% no mesmo período. Confira a matéria completa aqui.

        O XII Congresso da Rede Saúde Filantrópica acontece nos dias 21 e 22 de junho, no Novotel Jaraguá (Rua Martins Fontes, 71 ? Centro), em São Paulo. Novas inscrições ainda poderão ser feitas no local, na secretaria do evento. Mais informações: www.cmb.org.br/redesaude.


        saiba mais »

        21/06/2017 - ?Retomada do Crescimento - Diagnóstico e Propostas?

        Em novo livro, Fabio Giambiagi e Mansueto Almeida reúnem propostas de especialistas para o País…

        Há cerca de um ano, após o impeachment do governo Dilma, especialistas previam avanços na área política e econômica, mas já anteviam que o pais teria que enfrentar uma vasta agenda de reformas. Foi com esta leitura que os economistas Fábio Giambiagi e Mansueto Almeida organizaram o livro ?Retomada do Crescimento ? Diagnóstico e Propostas?, uma coletânea de reflexões sobre o Brasil no período atual e propostas para a superação dos seus principais problemas a partir de 2019.

        Com prefácio de Armínio Fraga e apresentação de Fernando Henrique Cardoso, o volume traz textos assinados por 38 autores de peso, entre eles Adriano Pires, Claudio Frischtak, Eduardo Zilberman, Fernando Honorato Barbosa, Fernando Veloso, João Manoel Pinho de Mello, José Alexandre Scheinkman, José Roberto Afonso, José Roberto Mendonça de Barros, Mauricio Mesquita, Marcos Lisboa, Paulo Furquim, Paulo Tafner e Vinicius Carrasco, além de Fabio Giambiagi. A obra será lançada nesta terça-feira, 20 de junho, no Rio de Janeiro, com a presença de boa parte dos autores. ?O conjunto de artigos demonstra onde estávamos, onde estamos e aponta, finalmente, uma rota possível para o futuro de médio e longo prazos em uma perspectiva bem fundamentada?, diz Giamb iagi. ?Há um consenso quanto à urgência em viabilizar reformas que vem sendo adiadas há anos para que o país volte a crescer?, complementa, para sublinhar ?a ameaça ao desenvolvimento do país causado pela postergação de uma reforma do sistema previdenciário?.

        Giambiagi lembra que o Brasil, país jovem até a década de 80, tem enfrentado um acelerado envelhecimento populacional desde então. Em 2060, segundo o IBGE, haverá em torno de 5 milhões de brasileiros com mais de 90 anos. Eram 300 mil no ano 2000. Este acelerado crescimento da população idosa - raiz de uma série de desafios - tende a contratar para o futuro um cenário de crise profunda: além de pressionar consideravelmente as despesas de saúde, poderá afetar ainda mais negativamente a já baixa produtividade do país - um trabalhador brasileiro produz atualmente ¼ do que produz um norte-americano.

        Levando em conta as incertezas nacionais e internacionais, os autores apresentam alternativas viáveis em várias áreas para o país superar o atual momento de estagnação e retomar o crescimento de forma sustentável e duradoura.

        Marcos Lisboa e Alexandre Scheinkman destacam, em capítulo sobre as causas da baixa produtividade no Brasil, a relevância da qualidade da educação para o aumento de renda do trabalhador, maior crescimento econômico e ganhos de produtividade. ?Cada ano a mais de educação resulta, em média, em aumento de 7% da renda do trabalhador no Brasil?, destacam. Os autores também sublinham a necessidade de uma ruptura com a política nacional-desenvolvimentista, baseada na distribuição de subsídios e proteção setorial.

        Eduardo Zilbermann e Ricardo Menezes demonstram as várias distorções na política monetária no Brasil e apresentam, entre outras propostas, a redução da meta de inflação para 3%na próxima década.

        A correção das graves falhas na infraestrutura, analisadas em capítulo escrito por Claudio Frischtak e Júlia Noronha, exige um maior envolvimento da área privada no setor. O reforço das agências reguladoras é medida importante recomendada por Fernando Honorato Barbosa, que também se debruça sobre a reconstrução fiscal.

        Percorrendo os capítulos do livro, o leitor encontrará análises e propostas para as áreas de saúde, educação, energia, transportes, infraestrutura, entre outras, que grifam a necessidade de fazer avançar o roteiro das reformas. O livro trata do período posterior a 2018 e procura pensar o país de 2019 em diante. ?Buscamos dar esta contribuição, assinalando o que precisa ser feito depois das próximas eleições?, concluiu Giambiagi

        Apresentação:
        ?Retomada do Crescimento ? Diagnóstico e Propostas
        Fabio Giambiagi e Mansueto Almeida
        Orelha: Ribamar Oliveira
        Prefácio Armínio Fraga
        Contracapa: Fernando Henrique Cardoso

        Sobre a Elsevier

        A Elsevier é uma empresa global de informação analítica que ajuda instituições e profissionais a progredir na ciência e cuidados avançados com saúde e melhorar a performance para benefício da humanidade. Elsevier fornece soluções digitais e ferramentas nas áreas de gestão de pesquisa estratégica, R&D (Research & Development), performance, suporte para decisão clínica e educação profissional, incluindo ScientDirect, Scopus, ClinicalKey e Order Sets. A empresa publica mais de 2.500 publicações digitais, incluindo The Lancet e Cell, mais de 35.000 e-books, títulos e muitos trabalhos de referência, como Gray?s Anatomy. Faz parte do RELX Group, um provedor mundial de informação e análise para profissionais e instituições de diversas áreas da ind&u acute;stria. www.elsevier.com.br


        saiba mais »

        21/06/2017 - Confira as vantagens de contratar um seguro residencial antes de sair em férias

        De acordo com a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), o Brasil possui 68 milhões…

        Na capital de São Paulo, segundo dados de 2016 da Secretaria de Segurança Pública (SSP), em média, 54 imóveis por dia são assaltados na capital. Nem mesmo quem mora em condomínios residenciais tem seus bens protegidos. Dados da mesma secretaria apontam aumento de 172% nos roubos e furtos a condomínios na capital paulista entre 2015 e 2016: foram 25 ocorrências em 2015 e 68 no ano passado.

        E a necessidade de proteção fica mais evidente com a aproximação das férias, que acarretam em mudança nas rotinas e viagens. É preciso se precaver pois, durante a ausência dos moradores, a residência fica mais desprotegida e vulnerável em várias situações. Confira as dicas preparadas pela MDS Brasil para manter a tranquilidade durante as férias ao adquirir um seguro residencial.

        1- Proteção ao imóvel: a cobertura garante ressarcimento em casos de incêndio, roubo e danos elétricos. Além disso, o segurado também pode contratar coberturas adicionais para outros riscos, como vendaval e impacto de veículos.

        2- Assistência técnica: muitas seguradoras oferecem, com a apólice, a opção de serviços adicionais como assistência técnica de aparelhos, serviço de chaveiro e até encanador.

        3- Indenizações: caso a residência seja danificada, roubada ou furtada, o seguro residencial garante indenização até o limite contratado. Assim, o segurado não precisa usar os recursos próprios para repor o que foi perdido.

        4- Customização: além das assistências técnicas e coberturas adicionais, o segurado também pode incluir na apólice outras coberturas que desejar, como responsabilidade civil de empregados domésticos e até perda de aluguel ou pagamento de aluguel, tornando a apólice personalizada e ideal para as suas necessidades.

        5- Escolha: como a possibilidade de customização é grande, as opções também podem ser amplas, variando de acordo com o risco que o segurado considera para o imóvel. Podem ser contratadas coberturas adicionais para proteger bens como joias de família ou objetivos de coleção.

        6- Viajar sem preocupações: mesmo durante a ausência dos moradores, a cobertura continua, o que tranquiliza o segurado. Caso algo ocorra durante a viagem, basta acionar a seguradora.

        7- Custos adicionais: muitas seguradoras já oferecem, como opção, o pagamento de estadias em hotéis, por um tempo determinado, em qualquer acontecimento que impeça o segurado de permanecer em sua residência.

        8- Contratação rápida: a aquisição dessa apólice é super ágil e sem burocracias e pode ser feita até pela internet.

        9- Preço: o valor da cobertura é bem acessível e mais barata, por exemplo, que o seguro automotivo.

        10- Custo-benefício: quando comparados investimentos e vantagens conquistadas, a relação custo-benefício é gigantesca.

        Sobre a MDS Brasil:

        A MDS Brasil pertence à MDS Holding, resultado da joint-venture do Grupo Sonae (Portugal) e Grupo Suzano (Brasil). Presente em 21 países por meio da parceria com a Brokerslink, a MDS possui uma carteira de prêmios emitidos da ordem de US$ 1,8 bilhão. No Brasil, alia alta qualidade no atendimento e ofertas de soluções inovadoras ao prestígio mundial da marca. A MDS é o 3º maior broker de seguros do mercado brasileiro, com mais de 700 mil clientes individuais e 9 mil clientes empresariais. Sob o comando de Hélio Novaes, a operação no Brasil conta com cerca de 400 colaboradores e escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina.


        saiba mais »

        21/06/2017 - A Internet das Coisas (IoT) é prioridade número um para impulsionar a transformação digital, segundo pesquisa global

        No entanto, a segurança, a falta de habilidades e a conectividade precisam ser resolvidas para…

        A IoT tornou-se a tecnologia líder da transformação digital e é prioridade número um para 92 por cento das organizações, de acordo com os resultados da pesquisa global publicada hoje pela Inmarsat (LSE: ISAT.L), a principal fornecedora mundial de comunicações móveis globais via satélite. O estudo do Programa de Pesquisas da Inmarsat focado na aplicação empresarial da Internet das Coisas (IoT) revelou que a aprendizagem de máquina (38%), a robótica (35%) e a impressão 3D (31%) também são requisitos essenciais para a entrega efetiva da transformação digital para as empresas.

        Realizado pela Vanson Bourne de forma independente em nome da Inmarsat, o relatório ?O Futuro da IoT nas Empresas ? 2017" do Programa de Pesquisas da Inmarsat entrevistou 500 entrevistados seniores de todos os setores de agro tecnologia, produção de energia, transporte e mineração de organizações com mais de 1.000 funcionários.

        Os principais resultados revelam que quase todos (97%) os entrevistados estão experimentando, ou esperam experimentar, significativas vantagens da implantação de tecnologias IoT. A melhoria da capacidade de entrega de serviços (47%), melhor saúde e segurança em toda a organização (46%) e maior produtividade da força de trabalho (45%) foram identificadas como as três principais vantagens a serem obtidas com a implantação de soluções baseadas em IoT.

        No entanto, a pesquisa também destaca preocupações com segurança, falta de habilidades (em especial na implantação de IoT) e conectividade como desafios importantes que precisam ser abordados para maximizar o potencial da IoT. Quase metade (47%) dos entrevistados acredita que suas organizações precisarão repensar sua abordagem à segurança de dados e fazer investimentos pesados para atenderem aos requisitos de segurança da IoT. Cerca de 45% citam a falta de habilidades como um desafio específico para sua organização na implantação da IoT, enquanto 29% concordam com a afirmação de que as questões de conectividade ameaçam afetar suas implantações de IoT antes mesmo de começarem.

        Paul Gudonis, presidente da Inmarsat Enterprise, comentou: ?O desenvolvimento e a implantação da IoT é um fenômeno novo que se espalhou por todos os setores em todas as partes do mundo, e esta pesquisa confirmou que a IoT é a tecnologia líder em transformação digital, com uma firme liderança à frente das outras formas de inovação. A IoT atua como os olhos e os ouvidos das organizações, e o seu valor vem de como os dados coletados são usados para melhorar a eficácia em toda a organização. Como tal, não é surpreendente que tantas organizações estejam implantando a IoT para impulsionar suas iniciativas de transformação digital.

        ?Isso não significa, porém, que os desafios estejam ausentes. A pesquisa aponta claras preocupações, principalmente com segurança, habilidades e conectividade. A crescente interconectividade de dispositivos, juntamente com um cenário de elevada segurança cibernética e uma falta de habilidades relevantes, trazem uma série de problemas. Para superar esses desafios, a colaboração é fundamental."

        ?Desenvolver novas tecnologias é uma atividade complexa e se baseia em diferentes tipos de habilidades. Os provedores confiáveis de infraestrutura de rede que podem operar em qualquer lugar do mundo precisam trabalhar em estreita colaboração com empresas de usuários finais, para garantir que compreendam suas necessidades operacionais. A Inmarsat está trabalhando globalmente com nossa rede de parceiros para impulsionar a inovação através da nossa experiência em soluções IoT e de conectividade via satélite?, concluiu Gudonis.

        A pesquisa ?O futuro da IoT nas Empresas - 2017" é acessível como um documento de inteligência e pode ser baixada (em inglês) aqui: [http://research.inmarsat.com/]

        Sobre a Inmarsat

        Inmarsat plc é provedor líder de serviços de comunicações móveis globais via satélite. Desde 1979, a Inmarsat vem fornecendo comunicações confiáveis de voz e dados de alta velocidade para governos, empresas e outras organizações, com uma gama de serviços que podem ser usados em terra, no mar ou no ar. A Inmarsat opera em todo o mundo, com presença nos principais portos e centros de comércio de todos os continentes. As ações da Inmarsat são negociadas na London Stock Exchange (ISAT.L). Para mais informações, visite www.inmarsat.com.


        saiba mais »

        21/06/2017 - BR Week 2017: Hapvida participa de debate em congresso varejista

        O Hapvida Saúde marcará presença no BR Week 2017, um dos maiores congressos de varejo…

        Durante o painel, mediado por Alberto Serrentino e Enéas Pestana, os participantes da BR Week 2017 poderão expor suas dúvidas, questões e ideias, com o objetivo de trazer o cenário atual do mercado e fazer uma avaliação de quanto ele está preparado para compreender as necessidades e expectativas dos consumidores.

        ?Com 3,6 milhões de beneficiários de planos de medicina e odontológicos, a partir da gestão direta da operação e nos constantes investimentos, o Hapvida tem hoje o completo domínio de toda operação. Assim, é possível gerir diretamente a qualidade do serviço e o custo final oferecido aos beneficiários. Isso, somado à escala, permite conquistar uma maior capilaridade de mercado e alcançar um universo de brasileiros que antes não tinham acesso à saúde privada?, explica o vice-presidente de Operações do Hapvida.

        Sobre o Hapvida ? Com 3,6 milhões de beneficiários, o Hapvida hoje se posiciona como a maior operadora de saúde do Norte e Nordeste. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente, são mais de 16 mil colaboradores diretos envolvidos na operação de 21 hospitais, 71 clínicas médicas, 18 unidades de prontos atendimentos, 66 unidades de diagnóstico por imagem e 58 postos de coleta laboratorial distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Empresa ajuda jovens a investirem no primeiro negócio com mentoria online

        A Thutor disponibiliza profissionais especializados em gestão de negócios que dão dicas por meio de…

        Abrir um negócio não é uma tarefa fácil, ainda mais quando se é jovem e não tem muita experiência. Qual produto investir, como fazer a divulgação e por onde começar? Essas e outras dúvidas são comuns entre os jovens que querem apostar na carreira de empreendedor.

        Segundo Marcos Roberto Alves, diretor da Thutor ? plataforma online que oferece orientação pessoal e profissional - o primeiro passo é pesquisar a área onde deseja empreender. Ler livros, e-books, materiais de apoio, artigos e, principalmente, conversar com pessoas que já estão no ramo são ações que ajudam muito, pois é nesse momento que você vai obter mais informações a respeito do mercado que irá investir. Outra dica é procurar orientação com profissionais que podem ajudar no começo do negócio.

        A plataforma online Thutor (www.thutor.com) permite a interação com thutores, profissionais experientes que podem ajudar os jovens a encontrar as respostas para todas as questões, por meio de desenvolvimento estruturado. O método aplicado é inspirado na Filosofia de Gestão ? criada por Márcio Fernandes, um dos líderes mais admirados do país e autor do best seller Felicidade dá Lucro.

        Após preencher o cadastro, o usuário é direcionado para uma thutoria semanal específica de acordo com seu perfil e ainda tem acesso a uma biblioteca multimídia. Essa consultoria é importante não só no início da carreira, mas também quando já se tem o negócio, pois muitas empresas fecham as portas nos primeiros anos por falta de preparo. Segundo relatório do Sebrae, em 2016 a taxa de mortalidade de empresas com 2 anos foi de 24%. ?Nossa thutoria oferece auxílio em aspectos práticos como, por exemplo a elaboração do plano de negócio e estruturação financeira, atrelados a realização?, finaliza Alves.


        saiba mais »

        21/06/2017 - O desenvolvimento da competência leitora nas diferentes disciplinas

        O desafio do letramento no Brasil ainda é imenso, uma vez que é alto o…

        Todo texto, tomando como referência o filósofo russo Mikhail Bakhtin (1895-1975; estudioso da linguagem humana), é um gênero discursivo. Ou seja, há um discurso a ele intrínseco que é construído de acordo com o autor, interlocutor, situação de comunicação, imagens associadas, contexto histórico etc. Há, portanto, todo um contexto capaz de ajudar no entendimento. No processo de aprendizagem da leitura, essa visão deve permear não apenas a disciplina de língua portuguesa, mas todas as disciplinas. Professores de diferentes áreas têm, portanto, a missão de ?ensinar o aluno a ler?.

        As escolas, por sua vez, têm que estar conscientes do seu compromisso em garantir que os alunos desenvolvam, nas diferentes áreas do conhecimento, os procedimentos de leitura exigidos pelos distintos gêneros discursivos.

        O texto expositivo, por exemplo, é um gênero presente na maioria dos livros didáticos das diferentes disciplinas. Para compreendê-lo é preciso fazer perguntas: qual é o contexto em que esse texto aparece? Para quem foi escrito? Como esse texto se organiza? No processo de aprendizagem da leitura, o texto tem que ser trabalhado dentro de um contexto de produção e recepção.

        Para ensinar o aluno a ler os diferentes gêneros, o professor deve dominar os aspectos que compõem o texto. É necessário que haja compromisso do professor com o seu planejamento, para que ele se aproprie das características do texto que será trabalhado com os alunos. Seja um gênero da esfera literária, jornalística, publicitária, científica ou escolar, o professor tem que ter clareza dos objetivos de ensino e aprendizagem.

        Além da apropriação do gênero, o educador deve ensinar as diferentes estratégias de leitura que possibilitam o engajamento com o texto. As intervenções do professor devem criar situações didáticas que ajudem o estudante a aplicar seu conhecimento prévio, a realizar inferências para interpretar o texto e a identificar e esclarecer o que não entende. O compromisso da escola é garantir que todas as áreas incluam em seus planejamentos o ensino da leitura dos gêneros discursivos escolhidos para o trabalho.

        Mas como as estratégias didáticas revelam essa concepção teórica? Apresento alguns breves exemplos para apontar caminhos para a atuação prática do professor no papel de formador de leitores competentes. Em língua portuguesa, o professor pode propor o estudo de um gênero discursivo, como por exemplo uma notícia, e compreender os recursos linguísticos próprios de texto da esfera jornalística. Além de possibilitar que o aluno compreenda a situação de produção de uma notícia, onde o texto circula, quais os temas que são tratados, o professor ensina os aspectos gramaticais exigidos pelo currículo. Na disciplina de geografia, por exemplo, o professor pode explorar a leitura de um mapa, ou um infográfico, analisando a estrutura própria desses gêneros. Ele pode realizar intervenções de modo que os alunos estabeleçam relação entre imagem e texto, entendam as funções das legendas etc. Para isso, deve apropriar-se do texto antes. Desse modo, garante a compreensão do gênero e a aprendizagem dos conceitos da disciplina. Em matemática, o professor pode aprofundar-se nos recursos linguísticos próprios de um enunciado e trabalhar a interpretação de palavras, como ?diferença?, ?sobra?, ?reduzir?, que muitas vezes possuem sentido distinto daquele usado no cotidiano. É papel do professor instrumentalizar o aluno para ler os textos próprios de cada disciplina. Há diversas maneiras de ler e distintos objetivos de leitura. O compromisso de ensinar a ler deve ser de todos.

        De acordo com essa perspectiva, é fundamental o trabalho com o desenvolvimento da leitura crítica dos textos. É preciso, dentro de cada gênero, apresentar as diferentes vozes presentes no texto. Para tanto, o professor pode explorar os locutores e interlocutores de cada produção estudada e pensar como essas diferentes vozes influenciam na escolha das palavras, na composição do texto, no estilo, nos locais de circulação etc. Essas habilidades de leitura devem ser ensinadas, para que o aluno se torne um leitor competente, proficiente e engajado.

        A necessidade atual de mudança nas estratégias de ensino e aprendizagem fica evidente quando vemos um leitor ser capaz de decodificar um texto, mas não ser capaz de inferir o sentido de uma palavra, por exemplo. A questão é que a escola ensina o código, mas nem sempre está atenta a propor tarefas para que o aluno pratique a leitura de maneira a desenvolver as diferentes habilidades que compõem a competência leitora. A tecnologia, nesse contexto de Era Informatizada, tem papel fundamental. Do momento de planejar ao de avaliar, a tecnologia deve estar à serviço das relações de ensino e aprendizagem. Algumas ferramentas vêm sendo desenvolvidas nas áreas de matemática, ciências, e na área de comunicação entre professor e aluno, por exemplo; na área da linguagem, também existe uma ferramenta que trabalha a leitura dentro dessa perspectiva.

        Permanece, assim, o desafio de colocarmos em discussão as diferentes formas de pensar e entender a leitura de maneira a atingir eficácia na relação ensino aprendizagem em todas as áreas do conhecimento. Além disso, de considerar que as práticas em leitura devem integrar um aprendizado contínuo, sempre levando em conta novas habilidades a serem desenvolvidas e consolidando as habilidades já adquiridas, e isso não apenas na fase inicial da vida escolar da criança.

        Com base nessa ideia de um processo contínuo de ensino e aprendizagem, e em um contexto altamente informatizado e veloz nas informações, o professor deve buscar o compromisso diário de formar leitores críticos. Torna-se cada vez mais importante que o aluno do século XXI atinja a proficiência e a criticidade em leitura, para, dentre outras habilidades, ser capaz de considerar diferentes perspectivas. O docente é, certamente, um dos profissionais que tem em mãos o privilégio de levar o país para um outro patamar na área da leitura. E a escola tem, portanto, a tarefa de promover estratégias, tempo e espaço, que auxiliem o trabalho de planejamento dos professores das diferentes áreas.

        LeticiaReina,daGuten

        Leticia Reina é mestre em linguística aplicada pela PUC-SP, pós-graduada em psicopedagogia pela Unimarco e graduada em psicologia pela Universidade São Marcos. Atualmente é diretora pedagógica da Guten Educação e Tecnologia. Com 20 anos de experiência em educação, trabalhou em escolas referência em São Paulo em cargos de coordenação e orientação. Foi professora da pós-graduação no Senac-SP e atuou na elaboração de materiais didáticos na FTD.


        saiba mais »

        21/06/2017 - As infraestruturas de áreas de trabalho virtuais no governo: o equilíbrio entre segurança e desempenho

        Vitaly Mzokov, líder de negócios de soluções de segurança de data center e virtualização da…

        Virtualização de desktops: o avanço

        As infraestruturas de áreas de trabalho virtuais, ou VDIs, estão se tornando cada vez mais populares no mundo inteiro. Segundo o Relatório de Riscos de Segurança de TI de 2016 da Kaspersky, mais da metade (63%) das empresas do mundo admite que a VDI faz parte de sua infraestrutura de TI complexa. E as empresas têm bons motivos para optar pelas técnicas de virtualização.

        A infraestrutura de áreas de trabalho virtuais utiliza o hardware de servidor para executar sistemas operacionais de área de trabalho e software de aplicativos dentro de uma máquina virtual. Os usuários acessam essas áreas de trabalho virtuais usando seus computadores existentes ou outros dispositivos. Nesses cenários, os departamentos de TI são capazes de consolidar as funções dos endpoints de modo centralizado, em vez de gerenciar cada um deles individualmente. Essa mudança reduz os custos com aplicativos e de fornecimento de serviços, simplifica o backup do sistema e, em um cenário ideal, oferece aos usuários a experiência de trabalho usual, ao mesmo tempo que facilita o suporte de TI e a solução de problemas: quando ocorre algum problema no sistema, não é necessário alterar as configurações em todos os endpoints para corrigi-lo.

        A adoção das iniciativas do tipo ?traga seu próprio dispositivo? (BYOD) tem contribuído muito para o aumento da demanda da virtualização de áreas de trabalho. O conceito de uso de dispositivos próprios pelos funcionários pressupõe que os administradores de TI precisam supervisionar uma variedade maior de dispositivos, com sistemas operacionais, aplicativos disponíveis e requisitos de segurança diferentes. Para algumas empresas, a VDI é uma solução para esse problema, transformando um conjunto heterogêneo de várias plataformas em um ambiente de trabalho centralizado e de fácil manutenção.

        De modo geral, as vantagens da VDI se encaixam em três categorias principais: potencial de economia de custos, melhor desempenho e segurança. No entanto, a maior controvérsia é que, às vezes, esses três fatores entram em conflito.

        O caso da VDI: setor público

        As infraestruturas de áreas de trabalho virtuais podem ser valiosas para organizações onde há um desafio adicional em termos de requisitos de segurança, além da necessidade de melhorar o desempenho e a flexibilidade. Assim, os casos de uso mais frequentes da VDI ocorrem nos setores financeiro, de saúde e público; esses segmentos operam sob políticas rígidas de conformidade normativa. É notável o crescente interesse do setor público nas VDIs: 66% das organizações do governo admitem que houve um aumento no número de áreas de trabalho virtuais em suas infraestruturas nos últimos três anos.

        O desenvolvimento das VDIs no setor governamental parece ter correlação com a tendência das iniciativas ?traga seu próprio dispositivo? (BYOD), que têm surgido até mesmo nas agências do governo mais conservadoras. De acordo com o relatório de Riscos de Segurança de TI da Kaspersky, o número de smartphones usados no trabalho aumentou em 68% das organizações públicas entre 2014 e 2016. Algumas pessoas podem dizer que a VDI não é uma solução para as práticas BYOD, pois não tem flexibilidade e adota um paradigma superado, que enfatiza a função dos aplicativos da área de trabalho. Esse argumento pode ser válido em outros casos, mas a VDI ainda é uma boa opção para as agências do governo. A maioria dos funcionários não acessa aplicativos específicos com frequência, mas usa um conjunto padronizado de aplicativos (por exemplo, o Microsoft Office). Isso torna seu fornecimento via VDI um paradigma de trabalho.

        O desenvolvimento dos sistemas de ?governo eletrônico? é outro motivo para o favorecimento da virtualização de áreas de trabalho no setor público. Atualmente, espera-se que as agências do governo estaduais e locais disponibilizem seus serviços 24 horas por dia, sete dias por semana, mesmo com déficits no orçamento. A situação exige maneiras de otimizar a produtividade contando com recursos limitados de TI. Além de reduzir custos e aumentar a produtividade, as áreas de trabalho virtualizadas também possibilitam que os profissionais móveis do setor público, como agentes da previdência social e de polícia, tenham acesso aos dados de que precisam, quando precisam.

        Com a evolução dos sistemas de governo eletrônico, as VDIs também continuarão tendo um papel importante no setor público por algum tempo. A demanda crescente de serviços, a redução nos orçamentos e a necessidade de melhorar o desempenho estabelecerão o interesse nas infraestruturas de áreas de trabalho virtuais escalonáveis e disponíveis. Porém, ainda precisamos considerar a segurança.

        O dilema da relação segurança/desempenho

        As agências do governo coletam e armazenam enormes quantidades de informações sigilosas. Dados pessoais, ordens de trabalho, contratos, informações de pagamento e documentos confidenciais internos são transferidos diariamente pela rede. Isso gera um dilema complexo para alcançar o equilíbrio certo entre produtividade e segurança. Simplificando, os funcionários devem ter acesso total aos dados em seus laptops e smartphones, mas os dados não podem ser comprometidos.

        Sozinha, a infraestrutura de áreas de trabalho virtuais facilita muito a proteção dos dados. Os laptops e outros dispositivos não guardam dados críticos; eles são armazenados em data centers extremamente protegidos, e os usuários têm acesso para trabalhar com eles apenas em suas áreas de trabalho virtuais. Por isso, as soluções de segurança dedicadas devem focar não apenas a proteção de dados, mas também precisam oferecer segurança em vários níveis contra diversas ameaças potenciais, como o ransomware, capazes de atingir áreas de trabalho virtuais da mesma forma que as estações de trabalho comuns.

        Existem muitos mitos sobre a segurança das VDIs, mas a maioria dos problemas é causada por dois conceitos errôneos gerais que confundem as pessoas. O primeiro é de que a virtualização de áreas de trabalho significa que elas não podem mais ser atingidas por infecções. Isso não é verdade, pois apenas alguns tipos de malware não podem ser ativados em máquinas virtuais. Além disso, em caso de infecção, não é possível simplesmente acabar com a VM infectada: em uma rede virtualizada de alta velocidade, o malware poderia se disseminar rapidamente antes que aquele segmento inteiro da rede fosse desligado.

        O segundo conceito errôneo é de que as áreas de trabalho virtuais precisam do mesmo tipo de proteção que as áreas de trabalho comuns (já que sua funcionalidade é semelhante). Nesse cenário, é possível instalar uma solução com agentes completos e distribuí-la em todas as VMs. Essas soluções, projetadas para a proteção de estações de trabalho físicas que têm recursos suficientes para executá-las, minam o principal objetivo da virtualização de áreas de trabalho, a otimização de recursos. O mesmo software é executado em todas as VMs, e o hipervisor distribui a capacidade de processamento e a memória entre elas, sobrecarregando o sistema. O trabalho está feito, podemos todos ir para casa agora.

        Não é necessário explicar por que o primeiro conceito errôneo pode ter resultados drásticos, especialmente em agências do governo em que há rígidas políticas de segurança de dados em vigor. A implementação de um software de segurança pesado eliminaria todos os benefícios da VDI, como o aumento do desempenho e a redução de custos de compra e manutenção de hardware adicional. Considerando as tendências específicas que afetam a TI no setor público ? déficits de orçamento e demanda cada vez maior de disponibilidade dos serviços, a segurança não pode prejudicar o desempenho. Há uma forma de garantir que isso não acontecerá.

        Cuidando das necessidades de segurança

        Recentemente, fornecedores de soluções de segurança virtual e a Kaspersky Lab desenvolveram uma alternativa para garantir a proteção completa da infraestrutura de áreas de trabalho virtuais sem comprometer o desempenho. As soluções dedicadas de segurança para virtualização permitem associar as abordagens sem agentes e com agentes leves. O segundo tipo de implementação é especialmente conveniente nas VDIs, pois fornece a funcionalidade completa de segurança virtual em todas as VMs e contribui para a economia de recursos críticos de computação na infraestrutura virtualizada.

        Mas os agentes de proteção de endpoints conhecidos têm algumas desvantagens quando implementados em VMs. Os surtos de verificações antimalware, a duplicação de componentes de segurança ?pesados? e as atualizações simultâneas podem gerar uma sobrecarga substancial sobre a RAM e os processadores. Os agentes leves ajudam a evitar esses problemas.

        Diferente da abordagem sem agentes pura, os agentes leves são capazes de proteger efetivamente as máquinas virtuais porque têm acesso direto aos processos do sistema central e da memória das VMs. Eles possibilitam o uso de tecnologias de segurança avançada, como controle da Web, proteção contra os crescentes ataques de ransomware, controle de aplicativos e dispositivos, além de permitir impedir a verificação de portas, um truque predominante entre os hackers para tentar coletar informações sobre o computador visado.

        Nas agências do governo em que os endpoints ficam especialmente expostos e é necessário cuidar melhor da segurança, a abordagem de agentes leves pode ser um facilitador para o que há de melhor na virtualização de áreas de trabalho: maior desempenho, otimização de recursos e segurança suficiente, tudo funcionando em sintonia para o fornecimento eficiente de serviços.

        Sobre a Kaspersky Lab

        A Kaspersky Lab é uma empresa global de segurança cibernética que celebra seu 20º aniversário em 2017. A profunda inteligência de ameaças e conhecimentos de segurança da Kaspersky Lab cria constantemente soluções e serviços de segurança para proteger empresas, infraestruturas críticas, governos e consumidores em todo o mundo. O abrangente portfólio de segurança da empresa inclui proteção de ponta de ponta e uma série de soluções e serviços de segurança especializados em combater ameaças sofisticadas e ameaças digitais em evolução. Mais de 400 milhões de usuários são protegidos pelas tecnologias da Kaspersky Lab e ajudamos 270.000 clientes corporativos a proteger o que mais importa para eles. Saiba mais em www.kaspersky.com.br.

        Copyright © 2014 JeffreyGroup Brasil, All rights reserved.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Clube dos Seguradores da Bahia recebe em seu Almoço de Negócios a ADMSEG Informática

        O Clube dos Seguradores da Bahia no seu 4º encontro do ano , receberá dia…

        Agilizar o trabalho de uma Corretora de Seguros é prioridade para a ADMSEG, que proporciona ferramentas adequadas para uso do corretor, que se beneficia com um sistema de gerenciamento limpo e intuitivo , trazendo resultados excelentes, dando suporte desde a implantação ao atendimento, ajudando no processo comercial.

        Segundo o Presidente do Clube e Executivo da Previsul Seguradora Fausto Dórea, seguindo o planejamento estratégico da diretoria para este ano , chegou a vez de apresentar os avanços tecnológicos aos sócios com a pretensão de melhorar os processos das Corretoras de Seguros e conseguintemente aumentar a prospecção de novos clientes. ?O Dr. Rafael Sciancalepre é o executivo indicado para trazer este contributo ao Mercado Baiano de Seguros ?. ressalta.

        Para o evento estão sendo esperados aproximadamente 150 convidados, entre eles, mais de 100 corretores e executivos do setor.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Orizon inova com simplicidade para estimular diálogo

        Um crachá projetado para estimular novas e melhores conexões

        Os colaboradores da Orizon buscam um novo bom hábito: olhar o crachá de alguém com atenção para conhecer seu nome e seus interesses. Conexões entre pessoas começam com uma espécie de dança de dois passos: descobrir seus nomes e seus interesses comuns. Música, lugares, esportes, hobbies, alguém conhecido... Como facilitar esse processo previsível e decisivo?

        Os times de Desenvolvimento Organizacional e de Inovação da Orizon responderam a isso, em conjunto, projetando um crachá inovador. Ele apoia a estratégia da empresa em fortalecer um diferencial competitivo muito cobiçado: a capacidade de suas pessoas se conectarem e dialogarem mais e melhor para gerar novas soluções.

        O crachá que estimula um hábito essencial

        O novo crachá Orizon tem informações simples: 3 ícones com paixões/interesses/hobbies e um nome grande e legível do jeito que a pessoa prefere ser chamada.

        O crachá Orizon sustenta um novo hábito essencial: sair do automático e enxergar o outro como alguém que tem nome e interesses fora do trabalho. ?Isso favorece a aproximação através da descoberta de afinidades e incentiva a formação de novos grupos de interesse. Quando uma nova tribo se forma em torno de bike, rock ou corrida surgem conexões novas entre áreas que tendem a ser naturalmente isoladas?, explica Rogério Estevão, diretor de Desenvolvimento Organizacional. O design final foi aprovado em votação geral dos colaboradores para garantir envolvimento.

        A estratégia se apoia em métodos de gestão consagrados que precisam de diálogo eficiente como o Lean, Design Thinking e DevOps até ferramentas analíticas mais modernas como sociogramas que ajudam a diagnosticar as relações entre pessoas e times. O crachá é um elemento simples e decisivo nisso tudo. A ideia dos ícones com paixões/interesses/hobbies veio para ajudar na tarefa essencial de identificação de interesses comuns.

        Os ícones eliminam o incômodo natural de assumir que não decoramos o nome de gente que já encontramos, ?é constrangedor assumir que ainda não sei o nome e disfarçar tentando ler aquelas letrinhas pequenas?, destaca o presidente da Orizon, Mario Martins. Olhar o crachá em um encontro passa a ser um gesto de consideração genuína, de cortesia. É importante destacar que não se trata de querer que todos tenham ?um milhão de amigos?, mas sim de estimular o número e força das conexões do grupo.

        ?O novo crachá apoia a sustentação de um bom hábito básico para a conexão do time. Incentivar melhores conexões fortalece a qualidade do debate e execução de ideias na empresa. Se uma ideia não vira hábito ela só existe na imaginação. Isso significa que além de gente boa, são necessários novos processos e incentivos que sustentem a formação de bons hábitos. A cultura acaba sendo o que fazemos habitualmente. Nós precisamos inovar para fortalecer nosso capital humano e ter nele um diferencial competitivo?, conta o presidente da Orizon, Mario Martins.

        Sobre a Orizon

        A Orizon tem um propósito claro: trazer mais saúde para mais pessoas. Para isso, emprega o talento de seu time através de inteligência médica, analytics e tecnologia. Com essas capacidades, busca simplificar processos e combater os desperdícios, que são problema mundial no setor de saúde. O setor precisa resolver seu problema central: os custos crescem mais rápido que os recursos disponíveis. É fundamental combater qualquer desperdício nesse contexto, pois quando dinheiro é jogado fora alguém perde acesso e qualidade de atendimento ao seu bem mais precioso, a saúde.

        A Orizon ? empresa de inteligência e tecnologia líder em serviços para os segmentos de saúde, seguros e benefícios ? trabalha há mais de 10 anos por meio de suas soluções em: Inteligência em Saúde, Transformação de Processos, Conectividade e Benefícios em Saúde.

        Um em cada quatro usuários do sistema de saúde privado se beneficia com as soluções da Orizon. São mais de 12 milhões de pessoas, conectadas a 140 mil prestadores e a mais de 11.000 farmácias, efetuando uma média de 150 milhões de transações por ano. Além disso, são analisados mais de 22 milhões de sinistros e contas médicas neste mesmo período, trazendo importante contribuição no combate aos desperdícios do setor.

        Devido ao grande volume de dados que transita em seus sistemas a Orizon é capaz de gerar informações estratégicas para o mercado e assim auxiliar na tomada de decisão das empresas e agregar valor na gestão de saúde da população do país.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Global Franchise está cheia de novidades na ABF Expo 2017

        Completando 30 anos no mercado de franchising no Brasil, consultoria apresenta novas marcas e diferenciais…

        A Global Franchise é uma empresa especializada no desenvolvimento de canais de distribuição. Presente no mercado desde 1987 ? completa 30 anos em 2017, sendo uma das precursoras do segmento ?, desenvolveu mais de 350 projetos no Brasil e exterior, contribuindo para o crescimento do sistema de franchising na América do Sul. A empresa foi pioneira ao trazer franquias estrangeiras para o Brasil, resultando na implantação de mais de 40 franquias estrangeiras no país. A partir de 2005, a Global Franchise passou a investir no projeto de expansão mundial de franquias brasileiras, com diversos cases de sucesso. Seu presidente, Paulo César Mauro, é autor do primeiro Curso em Vídeo sobre Franchising, e de diversos livros sobre franquias na América Latina ? em especial o Guia do Franqueado e o Guia do Franqueador. Foi também um dos Coordenadores do Fórum de Desenvolvimento da Franquia Empresarial do Ministério do Desenvolvimento em Brasília. Foi diretor da ABF ? 2000 a 2004 ?, ocupando os cargos de Diretor de Cursos e Eventos, quando lançou o Congresso de Franchising da ABF e depois como Diretor Internacional, quando concretizou a assinatura do Convênio APEX, com o Ministério do Desenvolvimento, para levar franquias brasileiras para o exterior.

        Porta-voz na ABF EXPO 2017:

        Paulo Cesar Mauro ? diretor-presidente

        Com bagagem suficiente para ser qualificado como um verdadeiro "Dr. Franquia", ele é referência no segmento e um case de empreendedorismo bastante interessante, sendo responsável por trazer dezenas de grandes marcas ao Brasil - e está com outras em mãos atualmente -, além de ter criado marcas de renome nacional, como a Sapataria do Futuro.

        Paulo Cesar Mauro é diretor-presidente da Global Franchise, ex-diretor da ABF (Associação Brasileira de Franchising) e fundador de importantes redes, como a Sapataria do Futuro, Lavanderia do Futuro e Costura do Futuro ? juntas, tornaram-se a maior rede de franquias de serviços pessoais do país. É autor de obras que são referências no universo do franchising (Guia do Franqueador e Guia do Franqueado). Também concretizou a assinatura do Convênio APEX, com o Ministério do Desenvolvimento, para levar franquias ao exterior. Mantém um escritório em Miami (EUA), pelo qual fortalece relações com empresas norte-americanas.

        Engenheiro de produção e administrador de empresas, iniciou suas atividades com franquias em 1987, com a empresa PCM Franchise, incorporada posteriormente pela Global Franchise. Em 2004, recebeu o prêmio EMPREENDEDOR DO NOVO BRASIL, promovido pela Editora Abril e a Fundação Endeavor.

        Atualmente, ele tem em mãos marcas de diversos países interessadas em atuar no Brasil, sendo ele o responsável pela intermediação junto a potenciais investidores. Entre as principais, destacam-se as redes Snap Fitness, Cold Stone, FASTSIGNS, PHONEUP, entre outras, além de novos negócios nacionais que prometem ganhar espaço, como Cão Véio, A Casa da Pizza Estufada, Prawer Chocolates, Farma Container, Medstation e Meu Sapataiero, Minha Costureira.

        Algumas sugestões de pautas/temas

        - Na ABF EXPO 2017, Global Franchise lança programa para atrair investidores anjo para franqueadoras emergentes

        A Global Franchise, consultoria que completa 30 anos de atuação em 2017, lança um programa pioneiro no Brasil, que visa a captação de investidores para franqueadoras emergentes no mercado. A proposta do projeto consiste em aumentar as chances de sucesso para pequenos franqueadores ou máster franqueados, que tenham em mãos negócios com potencial, mas sem o capital necessário para se consolidar num mercado difícil e altamente competitivo. Na prática, o programa selecionará conceitos com boa capacidade de crescimento e avaliará o perfil de cada investidor que esteja interessado em participar financeiramente e com o seu know-how como empresário.

        ?Nosso objetivo é reunir empreendimentos que possam despertar o interesse de investidores anjo que formarão um time com experiências distintas e dispostos a apostar suas fichas em negócios promissores. Nós, da Global Franchise, teremos o papel de captar os franqueadores com potencial de crescimento, intermediar as negociações entre os investidores e as redes e dar todo o suporte no desenvolvimento da franquia no mercado, com nossa experiência de mais de 500 projetos já executados?, explica Paulo Cesar Mauro, diretor-presidente da consultoria.

        - Global Franchise busca investidores para trazer franquias estrangeiras na ABF EXPO 2017

        Algumas redes estrangeiras serão apresentadas em primeira mão, como Snap Fitness, Cold Stone, FASTSIGNS, PHONUP, entre outras.

        - Global Franchise oferece oportunidades para exportar franquias aos EUA

        A consultoria já possui cases de empresários que estão usufruindo do Programa EB-5, oferecido pelo governo norte-americano. A consultoria tem registrado um grande volume de empresários interessados em investir em algum negócio fora do Brasil.

        - Panorama, pesquisas exclusivas, dúvidas, curiosidades, expectativas sobre o mercado de franchising no Brasil e no mundo

        Dois dos principais consultores do país estarão à disposição durante a Feira da ABF: Paulo Cesar Mauro e Wagner D?Almeida, ambos sócios da Global Franchise.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Grupo Bradesco Seguros lança sétima edição dos Prêmios Longevidade

        Trabalhos podem ser inscritos até 24/8/2017, pelo site premiosdalongevidade.com.br

        O Brasil é hoje um dos países que mais rapidamente envelhecem no mundo. Segundo projeções do IBGE, o país terá mais um milhão de idosos a cada ano, nos próximos dez anos, e chegará a 2060 com 73,5 milhões de pessoas acima de 60 anos, o equivalente a um terço de uma população estimada em 218 milhões de habitantes.

        Para estimular a reflexão sobre esse importante processo de transformação da estrutura etária da população brasileira, o Grupo Bradesco Seguros promove, desde 2011, os Prêmios Longevidade Bradesco Seguros. Consolidada como uma das mais destacadas iniciativas voltadas à difusão e discussão do tema em âmbito nacional, a premiação chega à sua sétima edição em 2017, contemplando as modalidades de Jornalismo, Histórias de Vida e Pesquisa em Longevidade, esta última voltada à comunidade acadêmica. As inscrições para todas as modalidades podem ser feitas até 24/8/2017, pelo site premiosdalongevidade.co m.br.

        - Nosso principal objetivo é difundir para a sociedade brasileira a importância da conquista da longevidade em seu conceito mais amplo, valorizando ações que conciliem planejamento financeiro com envelhecimento ativo e saudável, qualidade de vida e bem-estar. Se vamos viver mais, nada mais lógico do que nos prepararmos para situações que são mais do que previstas - destaca Alexandre Nogueira, diretor do Grupo Bradesco Seguros.

        Desde a primeira edição, os Prêmios Longevidade Bradesco Seguros contam com a consultoria do médico e pesquisador em saúde pública Alexandre Kalache, ex-diretor do Departamento de Envelhecimento e Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS) e uma das maiores autoridades internacionais em gerontologia.

        - Nos últimos 70 anos, a expectativa de vida no Brasil aumentou mais de 30 anos. Existem hoje no mundo 700 milhões de idosos, e em 2050 serão mais de dois bilhões. A população acima de 80 anos, que era de 14 milhões em 1950, chegará a quase 400 milhões em 2050. Tudo isso representa uma revolução que já está sendo percebida na saúde pública, no cuidado social, na forma como trabalhamos, buscamos informações e nos organizamos - ressalta Kalache.

        Os três primeiros colocados nas modalidades de Jornalismo e Histórias de Vida e os dois primeiros de Pesquisa em Longevidade receberão prêmios, além de troféus e certificados. A cerimônia de entrega ocorrerá durante o XII Fórum da Longevidade Bradesco Seguros, que reunirá especialistas e convidados nacionais e internacionais em outubro de 2017, na cidade de São Paulo.

        Os Prêmios Longevidade fazem parte de um conjunto de ações mais abrangentes desenvolvidas pelo Grupo Bradesco Seguros desde 2006, com o intuito de difundir a importância de se conquistar um envelhecimento ativo e saudável, com bem-estar.

        Além do Fórum da Longevidade, as iniciativas incluem o Circuito da Longevidade, que já reuniu, desde 2007, mais de 350 mil participantes, em corridas e caminhadas nas principais cidades do país; o Programa Porteiro Amigo do Idoso, lançado em 2010 para capacitar porteiros a oferecer melhores serviços aos idosos, e que já treinou mais de 2,7 mil profissionais, em bairros de Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo; e o movimento Conviva, que visa a incentivar a convivência harmoniosa entre ciclistas, motociclistas, motoristas e pedestres, englobando, entre outras ações, a Ciclo Faixa de Lazer de São Paulo.

        MODALIDADES E CATEGORIAS

        Prêmio Longevidade de Jornalismo

        Em reconhecimento à importância da imprensa como formadora de opinião e difusora de conhecimento, a premiação busca estimular a elaboração de trabalhos jornalísticos que tratem o tema da longevidade com criatividade, contemplando duas categorias: "Mídia Impressa" (jornais e revistas) e "Mídia Digital" (TV, rádio e web). Estão habilitados a concorrer matérias, artigos ou outros trabalhos de cunho jornalístico veiculados no período de 25/8/2016 a 24/8/2017. Os vencedores em primeiro, segundo e terceiro lugares de cada categoria receberão troféus, certificados e prêmios nos valores de R$ 10 mil, R$ 5 mil e R$ 3 mil, respectivamente (a serem pagos mediante carga inicial e única em cartão de débito nominal ao premiado, sem função de saque, para aquisição de produtos ou serviços).

        Prêmio Longevidade Histórias de Vida

        Aberto à participação de maiores de 18 anos de idade, tem como principal objetivo reconhecer e estimular a transmissão de conhecimento entre gerações, incentivando o relato de histórias que, de alguma forma, contribuam para disseminar o conceito de longevidade com qualidade de vida e bem-estar. O primeiro, segundo e terceiro colocados receberão troféus, certificados e prêmios nos valores de R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 1 mil, respectivamente (a serem pagos mediante carga inicial e única em cartão de débito nominal ao premiado, sem função de saque, para aquisição de produtos ou serviços).

        Prêmio Pesquisa em Longevidade

        Direcionado à comunidade acadêmica, é composto pelas categorias "Geriatria" e "Gerontologia". Somente estão habilitados a concorrer projetos de pesquisa desenvolvidos no âmbito acadêmico, aprovados por agências de fomento nacionais e/ou estaduais nas áreas de conhecimento existentes nessas agências no período de 1º/1/2007 a 24/8/2017 e que remetam ao tema longevidade no sentido amplo. Os vencedores em primeiro e segundo lugares de cada categoria receberão troféus, certificados e prêmios nos valores de R$ 10 mil e R$ 5 mil, respectivamente (a serem pagos mediante carga inicial e única em cartão de débito nominal ao premiado, sem função de saque, para aquisição de produtos ou serviços).

        Sobre o Grupo Bradesco Seguros

        O Grupo Bradesco Seguros, conglomerado segurador da Organização Bradesco, lidera o mercado de seguros brasileiro, com atuação em âmbito nacional nos segmentos de Seguros, Capitalização e Previdência Complementar Aberta. No primeiro trimestre de 2017, o Grupo Segurador registrou faturamento de R$ 17,9 bilhões - evolução de 18,2% sobre o ano anterior. Há cerca de uma década, o Grupo vem sustentando crescimento médio anual na casa de dois dígitos, mantendo market share em torno de 25%. Seu volume de provisões técnicas atingiu R$ 229,4 bilhõ ;es em março de 2017.

        ___________________________________________________________________

        Inscrições e regulamentos no site premiosdalongevidade.com.br.

        Mais informações na Secretaria dos Prêmios Longevidade, pelo telefone (11) 3677-0452 e e-mail premiosdalongevidade [AT] tv1rp [DOT] com [DOT] br.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Novas tecnologias no cuidado aos pacientes é tema de congresso internacional do CBA/JCI

        Entre os dias 17 e 19 de setembro, acontece, no Rio de Janeiro, o IV…

        Estarão em debate durante o Congresso as inovações na gestão dos hospitais, o uso de inteligência artificial e sistemas de apoio à decisão clínica e de grandes bancos de dados com enfoque clínico, dispositivos e sistemas de monitoramento remoto de pacientes, telemedicina, diagnósticos, consultoria e educação continuada à distância, entre outros.

        ]O evento vai contar com importantes especialistas da área nos painéis e conferências programados. O professor de Medicina de Harvard e ex-presidente da International Society for Quality in Health Care (ISQua), David Bates (EUA), vai fazer, no dia 18, um panorama geral sobre o tema do Congresso, com comentários do Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein (SP), Miguel Cendoroglo.

        Ainda na segunda-feira, o CEO da United Health Group Brasil e ex-presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, Cláudio Lottemberg, ministrará Conferência Magistral sobre tecnologia aplicada ao cuidado da saúde. John Li, epidemiologista e diretor do Research and Analysis Company ? Optum (Inglaterra), companhia de inovação e serviços de saúde, fará um painel sobre a análise de dados e modelagem preditiva, sistema de suporte a decisões que utiliza estatísticas e modelos matemáticos para prever resultados futuros, na estratificação do risco em instituições de saúde.

        No último dia de evento, a exposição da CEO da JCI, Paula Wilson (EUA), sobre o tema geral do Congresso e suas implicações no processo de acreditação abre a programação e vai contar com comentários do coordenador de desenvolvimento e Tecnologias Emergentes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP), Jefferson Gomes Fernandes, e da coordenadora da Qualidade do Hospital José de Almeida (Grupo Lusíadas ? Portugal), Ana Rafaela Prado.

        Pré-Congresso

        No dia 17 de setembro, acontecem três cursos livres, ministrados por especialistas do CBA, no chamado pré-Congresso. Os cursos vão abordar os temas Introdução aos Padrões do Manual de Cirurgia Segura do CBA e do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC); Introdução aos Padrões do Manual de Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde e Introdução à Acreditação Hospitalar (6a Ed. Manual de Padrões de Acreditação da Joint Commission International para Hospitais).

        Sessão de Pôsteres

        Até o dia 14 de agosto, a organização do IV Congresso Internacional CBA 2017 está selecionando trabalhos científicos, que farão parte de uma publicação científica oficial e indexada do CBA e serão apresentados como pôsteres digitais, em uma sessão específica, durante a programação do evento. Os trabalhos devem ser elaborados dentro do tema geral do Congresso, conforme as categorias: Processos clínicos/assistenciais; Processos administrativos/gerenciais e Processos de educação de pacientes e colaboradores.

        Os trabalhos serão selecionados pelo Comitê de Ensino do CBA, segundo os critérios de Inovação/Relevância, Consistência, Impacto e Origem. A divulgação dos selecionados será feita até o dia 1º de setembro.

        Como se inscrever?

        Para mais informações sobre o pré-Congresso e o IV Congresso Internacional CBA 2017, inclusive sobre as inscrições de trabalhos científicos, acesse o site http://eventos.cbacred.org.br/congresso-internacional-2017/ ou entre em contato pelo e-mail cba [AT] cbacred [DOT] org [DOT] br ou pelo telefone (21) 3299-8200. O evento acontece no Windsor Barra Hotel, localizado na Avenida Lúcio Costa, 2.630, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Grupo Bradesco Seguros sagra-se campeão no Prêmio Sindirepa-SP

        O Grupo Bradesco Seguros foi homenageado durante o "Prêmio Sindirepa-SP - Os Melhores do Ano".…

        O evento foi criado com o objetivo de identificar os melhores fornecedores do setor de reparação de veículos, por intermédio de pesquisa realizada junto às oficinas associadas ao Sindirepa-SP, que avaliaram os fornecedores pelos critérios de qualidade, disponibilidade dos produtos e rapidez no atendimento, além de política comercial e de suporte técnico.

        Sobre o Grupo Bradesco Seguros

        O Grupo Bradesco Seguros, conglomerado segurador da Organização Bradesco, lidera o mercado de seguros brasileiro, com atuação em âmbito nacional nos segmentos de Seguros, Capitalização e Previdência Complementar Aberta. No primeiro trimestre de 2017, o Grupo Segurador registrou faturamento de R$ 17,9 bilhões - evolução de 18,2% sobre o ano anterior. Há cerca de uma década, o Grupo Bradesco Seguros vem sustentando crescimento médio anual na casa de dois dígitos, mantendo market share em torno de 25%. Seu volume de provisões técnicas atingiu R$ 229,4 bilhões em março de 2017.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Talentos: um caminho para a produtividade

        Exercer uma atividade que utilize nossos talentos, exige bem menos esforço do que realizar outras…

        As organizações passam por sucessivos desafios de mudanças para atenderem e se adaptarem às novas exigências mercadológicas. Não basta dispor dos melhores recursos, estrutura ou da mais avançada tecnologia, se as mesmas não forem sustentadas por uma gestão de pessoas focada em resultado. O ser humano e o seu desempenho profissional são considerados fatores capazes de transformar o potencial de uma empresa, por serem, de fato, o grande diferencial competitivo das organizações.

        Percebendo essa realidade, há algum tempo as empresas buscam estratégias para o desenvolvimento das potencialidades de seus colaboradores. Nessa perspectiva, uma excelente ação organizacional é focar-se no ser humano, no seu melhor desempenho e nas condições do ambiente de trabalho que são necessárias para proporcionar bem-estar e felicidade. Para tanto é necessário obter-se uma nova forma de gestão e de se pensar no colaborador. O foco do gestor para o desenvolvimento de sua equipe deve ser voltado ao que ela tem de melhor com a finalidade de potencializá-la.

        Sobre este aspecto, Buckinghan e Clifton, autores do livro Descubra seus Pontos fortes, apontam o que seriam os dois grandes equívocos das empresas e das lideranças: a) achar que o maior potencial de crescimento das pessoas está nos seus pontos fracos ou dificuldades; b) acreditar que as pessoas podem ser competentes em quase tudo. Por este motivo, tais empresas focam suas ações de desenvolvimento da sua equipe apenas para trabalhar as dificuldades, pontos fracos ou pontos de melhoria.

        Quando a visão está voltada apenas para este sentido, o resultado que se consegue é uma redução de danos, tirando tais comportamentos da chamada ?zona de prejuízo? (pois estão prejudicando o desempenho no trabalho). Mas isto não fará com que esse colaborador atinja seu maior potencial, a sua melhor performance. Será apenas uma redução de prejuízo e não melhoria de resultados.

        Segundo Buckinghan e Clifton, o foco principal de ação deve estar nos talentos dos colaboradores, que são padrões naturalmente recorrentes de pensamento, sentimento e comportamento que possam ser utilizados produtivamente. Talentos são nosso jeito singular de pensar, sentir e agir que pode ser utilizado no dia a dia para produzir resultados, transformando-se em um ponto forte.

        Sendo assim, exercer uma atividade que utilize nossos talentos, exige bem menos esforço do que realizar outras atividades que não utilizam essas potencialidades. O Instituto Gallup realizou uma pesquisa com mais de 2 milhões de pessoas e entre as perguntas realizadas aos entrevistados, estava a seguinte questão: ?você tem a oportunidade de fazer todos os dias o que você faz de melhor??. Ou seja, você tem a oportunidade de utilizar seus pontos fortes todos os dias? Apenas 20% das pessoas entrevistadas tinham essa possibilidade. Podemos aqui refletir que, talvez, 80% destas pessoas não entregam como resultado toda a sua capacidade produtiva, pois não tem a oportunidade de trabalhar diariamente com sua zona de excelência.

        Por meio de pesquisas, os autores comprovaram algo que é de extrema relevância para a gestão: o maior potencial de crescimento e desenvolvimento está nos talentos e potencialidades dos colaboradores. Quando o líder investe na potencialização das forças e talentos, esse colaborador poderá alcançar resultados extraordinários, pois atingiu seu potencial máximo. Sendo assim, para melhoria de resultado e aumento de produtividade é mais interessante investir tempo e energia nos talentos que o colaborador já tem, e assim potencializá-los.

        Neste sentido, entender os talentos dos colaboradores é uma ação estratégica. Desta forma a empresa pode realocar seu quadro de pessoal para cargos, setores, funções e atividades onde ele naturalmente poderá colocar esses talentos no trabalho.

        O trabalho que utiliza um ponto forte exige um investimento menor de energia. Sabendo disto, após a identificação dos talentos, de uma maneira reflexiva e estratégica, é possível elencar as situações e os desafios mais favoráveis para sua utilização, o que eleva a probabilidade de feitos de excelência.

        Quando a organização investe em identificar os talentos e potencialidades de sua equipe, ela está automaticamente elevando as suas chances de alcançar excelentes resultados, visto que as pessoas estarão trabalhando com todos os recursos psicológicos e emocionais a seu favor. Assim, será colocado no desempenho do trabalho aquilo que é o seu melhor.

        Poliana Landin: Mestre em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica, sócia-fundadora do Instituto Goiano de Psicologia Positiva (IGPP) e coordenadora dos cursos de Desenvolvimento Humano e Psicologia Positiva; Avaliação Psicológica; e Neuropsicologia do IPOG.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Evento vai debater futuro do setor de planos de saúde

        Encontro Brasileiro de Operadoras de Planos de Saúde vai debater temas como compliance, judicialização e…

        Encontro vai debater futuro do mercado de operadoras de planos de saúde

        A primeira edição do Encontro Brasileiro de Operadoras de Planos de Saúde (Ebrops) vai reunir empresários e executivos das principais empresas do segmento, representantes de órgãos reguladores, membros do judiciário e dirigentes de entidades associativas para discutir o futuro do setor. O evento ocorre nos dias 10 e 11 de julho no Bourbon Ibirapuera Convention, em São Paulo (SP).

        A programação inclui debates sobre temas como compliance, judicialização e rentabilidade das empresas do setor. Entre os palestrantes confirmados estão a jornalista Cristiana Lobo, da Globo News, o fundador do Reclame Aqui, Maurício Vargas, a Executiva de Auditoria Interna, Riscos e Compliance do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, Florence Monteiro, o Health Care Compliance Officer na Johnson & Johnson, João Ximenes, o Ex-Ministro- Chefe da Controladoria Geral da União e atual Conselheiro da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, Luiz Navarro, entre outros.

        No país, aproximadamente 800 empresas são responsáveis pelo atendimento a 47,5 milhões de beneficiários de planos médico-hospitalares. Juntas, segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) elas movimentam mais de R$ 130 bilhões por ano. O Ebrops vai debater o presente e o futuro do mercado, essencial para a economia e a manutenção da qualidade de vida de um quarto da população brasileira.

        www.ebrops.com.br

        Website: http://www.ebrops.com.br


        saiba mais »

        21/06/2017 - Confira dicas para fazer a revisão do seu veículo e viajar em segurança

        Realização de check-up de todos os itens de manutenção básica é fundamental para evitar problemas…

        Viagens de férias são um dos momentos mais esperados do ano e muita gente opta pelo carro como meio de transporte para manter o conforto, a praticidade e a privacidade durante o passeio. Especializada em troca de óleo rápida e outros serviços de manutenção, a rede de franquias Zip lube reforça a importância de checar o óleo do carro e da moto antes de sair de férias, cuidado que garante tranquilidade e economia aos proprietários dos veículos.

        ?O lubrificante é fundamental para o bom funcionamento do motor do carro, tornando o equipamento livre de atritos e assegurando seu bom funcionamento?, explica Lucio Guedes, gerente executivo da Zip lube.

        Segundo o executivo, é imprescindível trocar o óleo na quilometragem ou no prazo corretos e com o tipo de óleo adequado para cada motor, observando a viscosidade e classificação apropriados.

        A troca de óleo quando realizada de forma inadequada pode trazer sérios problemas ao veículo, como aumentar o consumo de combustível ou até fundir o motor. ?A lubrificação correta aumentará o desempenho e a vida útil do motor, evitando consertos indesejáveis, prejuízos e aborrecimentos ao condutor?, completa Guedes.

        Outro ponto importante é que o lubrificante acumula impurezas que restam do desgaste das peças internas do motor, bem como do processo de queima de combustível, que podem travar o movimento e causar deteriorações desnecessárias em suas peças internas ou prejudicar a correta combustão. Por isso, a importância também de usar o filtro do óleo, ideal na retenção dessas impurezas, para que a sujeira não circule novamente no motor.

        Assim, é fundamental que a troca do filtro e do óleo sejam realizadas simultaneamente. ?Com esse procedimento, o novo óleo não carrega as impurezas retidas pelo anterior e evita que circulem dentro do motor novamente?, informa o gerente. A adoção dessas medidas básicas reduz os danos aos veículos e proporciona uma viagem mais segura para o motorista.

        Existem ainda outros serviços tão importantes para a manutenção do carro quanto a troca de óleo, que devem ser realizados antes de seguir viagem, como checar o nível do fluído de radiador, as palhetas, a bateria, o filtro de ar condicionado, além de calibrar os pneus. Todos podem ser feitos em qualquer uma das lojas da Zip lube.

        Serviços Zip lube

        Entre os principais diferenciais da Zip lube, destaque para a troca de óleo rápida, em até 30 minutos; o Zip System, um sistema integrado de informações acessado por um tablet, que identifica os serviços e o tipo de óleo a ser utilizado de acordo com as recomendações do fabricante do veículo; check-up com mais de 20 itens e cortesias; o Zip moto, com serviços exclusivos de lubrificação para motos e a Zip wash, com lavagem a seco e serviços de estética automotiva.

        A franquia oferece ainda troca de óleo inteligente em parceria com a Mobil, que proporciona economia tanto ao cliente, que paga apenas o óleo consumido, como ao revendedor, que oferece óleo a granel e não em litro, serviços qualificados que seguem os mais rígidos padrões, além de um atendimento de confiança e a garantia do motor do carro até a próxima troca aos clientes que realizarem o serviço Zip+, que engloba troca de óleo e filtro.

        Sobre a Zip lube

        A Zip lube é uma rede de franquias especializada em troca de óleo, entre outros serviços rápidos automotivos, como troca de filtros, fluidos, bateria e palhetas. Presente em São Paulo, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo já conta com mais de 60 unidades. Algumas lojas oferecem o Zip moto, com serviços de lubrificação para motos, e a Zip wash, com lavagem a seco e serviços de estética automotiva. A Zip lube é uma empresa da Cosan, companhia que atua nos negócios de Gás, Energia e Logística. Mais informações sobre os serviços da rede no site www.ziplube.com.br e sobre como se tornar um franqueado no www.franquiaziplube.com.br.

        Siga a Zip lube
        Facebook: www.facebook.com/ziplubebr
        Twitter: www.twitter.com/ziplube


        saiba mais »

        21/06/2017 - CVG-SP realiza almoço com o presidente da FenaPrevi

        Da esquerda para a direita: Marcos Kobayashi, Marco Colantonio, João Marcelo dos Santos, Edson Franco, Silas Kasahaya, Liza Miranda de Souza, Hélio Opípari Jr., Francisco Toledo
        Evento foi realizado no Terraço Itália em São Paulo

        O Clube Vida em Grupo São Paulo (CVG-SP) realizou na última segunda-feira (19) um almoço com o presidente daFederação Nacional de Previdência Privada e Vida(FenaPrevi), Edson Franco, que apresentou a palestra "Principais projetos da FenaPrevi e um updatesobre o Universal Life". Oevento reuniu executivos de seguradoras, autoridades e corretores do mercado segurador paulistano.

        Fizeram parte da mesa principal, Silas Kasahaya, presidente do CVG-SP, Edson Luís Franco, presidente da FenaPrevi, João Marcelo dos Santos,  presidente da Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP), Liza Miranda de Souza, diretora da Continental Assessoria, Hélio Opípari Jr., diretor da Padrão Opípari, Francisco Toledo, vice-presidente do CVG-SP, Marcos Kobayashi, diretor do CVG-SP e Marcos Colantonio, presidente da Associação das Empresas de Assessoria e Consultoria de seguros de São Paulo (Aconseg-SP).

        O almoço também contou com a presença de algumas personalidades do mercado de seguros, entre eles Fernando Simões, diretor executivo do SindsegSP; Ronny Martins, gerente da Funenseg; José Amélio Souza, mentor do Clube de Corretores de Osasco; Mara Borges Sutto, presidente da União dos Corretores (UCS); Affonso Fausto, presidente da Sociedade Brasileira de Ciências do Seguro e Osmar Bertacini, presidente da Associação Paulista dos Técnicos de Seguro (APTS).

        "Com esse evento o CVG-SP da continuidade às ações que sempre fez, consolidando a nossa vocação que é trazer os principais projetos do mercado de seguro de pessoas", afirma Silas Kasahaya.

        Novas associadas

        Durante o almoço, o CVG-SP entregou as placas de boas-vindas às novas associadas, Continental Assessoria em Seguros, representada por Liza Miranda de Souza e Padrão Opípari Assessoria em Seguros, representada por Hélio Opípari Júnior.

        Entrega de Fotolivro

        Na ocasião, também foi entregue o Fotolivro com os principais tópicos da gestão do ex-presidente do CVG-SP, Dilmo Bantim Moreira, que recebeu as homenagens do atual presidente, Silas Kasahaya.

        Palestra

         "Principais projetos da FenaPrevi e um update sobre o Universal Life" foi o tema da palestra apresentada por Edson Franco, presidente da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi). 

        O enfoque principal da palestra foi o Seguro Universal Life, que tem sido muito aguardado pelo mercado de seguros. O produto é um plano de acumulação (VGBL/PGBL) em conjunto com seguro de vida. O que diferencia do seguro de vida tradicional é que o Universal Life é resgatável e pode constituir uma reserva ao longo do tempo, assim permitindo a customização da cobertura e dos prêmios durante a sua vigência. "Nós temos uma grande expectativa sobre esse produto, pois ele tende a promover um conceito de acumulação combinado ao risco, que é um conceito que obteve bastante êxito em outros países", afirma Franco.

        A espera pela circulação do produto é dada pelo aguardo de duas regulamentações: Uma circular que está em audiência pública que se encerra dia 23 de junho e o ajuste tributário pela Receita Federal. Segundo o presidente da FenaPrevi, no momento o setor está retomando o contato com a Receita por meio da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), que em maio foi interrompida devido à substituição da diretora de Supervisão de Conduta da SUSEP, Helena Venceslau, pelo novo diretor Carlos Alberto de Paula. "Esse é um produto que a gente espera que nos ajude a diversificar os canais de distribuição", afirma Franco.

        Edson Franco ainda comentou sobre o a limitação do carregamento, que de fato acabaria com a diversificação dos canais de distribuição. "Se colocarmos a limitação no carregamento, o produto se torna mais um a ser distribuído pelo canal bancário, e o canal bancário não vai distribuir um produto dessa complexidade".

        Segundo o presidente da FenaPrevi, o Universal Life está em processo de estruturação e regulação. "Estamos com uma expectativa de nos próximos meses estar com os produtos aptos a serem lançados pelas seguradoras", conclui.

        Sobre o CVG - SP

        Fundado em 25 de maio de 1981, o Clube de Vida em Grupo - CVG-SP tem como objetivo a preservação das Instituições de Seguros, a proteção e obediência à boa técnica de seguros, o respeito ao "Código de Ética Profissional" e a prática de atividades culturais e recreativas.

        Hoje, o CVG-SP conta com a filiação de 21 Seguradoras, 4 Resseguradoras, 9 Corretoras e 3 Empresas Prestadoras de Serviços Securitários. O Clube de Vida em Grupo São Paulo possui, aproximadamente, 1.500 sócios diretos, estes, principais profissionais associados que ocupam cargos de gestão como presidência, diretoria e gerência, profissionais ligados diretamente às áreas de foco de atuação da entidade.

        Entre as atividades realizadas pelo CVG-SP estão a realização de cursos, a promoção de palestras, painéis e encontros mensais, reunindo algumas das personalidades mais significativas do mercado, abordando temas relevantes ao mercado de seguros e, especificamente, sobre a área de Benefícios, além da representatividade junto aos Órgãos Reguladores, por meio de sugestões e a promoção de estudos técnicos.


        saiba mais »

        21/06/2017 - 70% dos consumidores preferem contato humano na contratação do seguro

        70% dos consumidores preferem contato humano na contratação do seguro
        Apesar do avanço de diversos canais digitais no mercado de seguros, sete em cada dez…

        O estudo ainda destaca que o consumidor online não é um comprador de seguro, apesar de possuir pelo menos uma apólice e estar conectado o tempo todo através de um smartphone.

        Para o analista da empresa, Luis Chipana, a pesquisa confirma que os consumidores estão mais habituados com o uso da tecnologia. ?Por outro lado, temos as companhias de seguros que estão melhorando seus canais digitais, que tenham melhor abordagem nas necessidades dos consumidores online?, declara.
        ------------------------------------------------------------------------------------
        Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


        saiba mais »

        21/06/2017 - Fixado em 13,55%, reajuste de planos de saúde individual e familiar atinge cerca de 8,2 milhões de beneficiários

        Fixado em 13,55%, reajuste de planos de saúde individual e familiar atinge cerca de 8,2 milhões de beneficiários
        A medida é válida entre maio de 2017 e abril de 2018 e está em…

        É oficial. Com a autorização da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), cerca de 8,2 milhões de beneficiários de planos de saúde de todo o Brasil irão sofrer o reajuste de 13,55%. A medida é válida entre maio de 2017 e abril de 2018 e está em vigor para beneficiários de planos individual e familiar.

        Na verdade, o número de beneficiários de planos de saúde registrou um crescimento expressivo entre dez/2006 a dez/2014. É o que revelam os números do setor do (SIB) Sistema de Informações de Beneficiários/ANS/MS, na página do Instituto de estudos de Saúde Suplementar (IESS), que ainda indicam que nesse período, para os planos de assistência médica, o crescimento foi de 35,5%, chegando a 50,4 milhões de beneficiários. Conforme ainda aponta o instituto, por outro lado, entre dez/14 e dez/16, os planos médico-hospitalares perderam 2,5 milhões de beneficiários, o que representou uma queda de 5,0% no período.

        De acordo com outras informações divulgadas no Blog do IESS, no mês de maio foi apontado que o mercado brasileiro de planos de saúde sofreu mais uma retração. Segundo a última edição da NAB, foi registrada uma queda de 2% no total de beneficiários entre abril de 2017 e o mesmo mês de 2016. A queda representa 962 mil vínculos a menos, o que reduz a 47,5 milhões o total de beneficiários de planos médico-hospitalares no País.

        A redução, conforme dados divulgados publicamente pelo instituto, foi puxada fortemente pela região Sudeste: dos 962 mil vínculos rompidos no período, 742,8 mil se concentram na região que teve queda de 2,5%.

        Desta fração, os Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro foram os que registraram o maior número de vínculos rompidos. Em números absolutos, o estado paulista foi aquele em que mais beneficiários deixaram de contar com o plano de saúde: 475,8 mil a menos do que em abril de 2016, o que representa uma retração de 2,6%. Já no estado do Rio de Janeiro, foram 181,2 mil vínculos rompidos, o que equivale a uma queda de 3,2%.

        Minas Gerais e Espírito Santo também apresentaram resultados negativos. Em Minas, 64,9 mil vínculos com planos de saúde foram rompidos, e no Espírito Santo outros 20,8 mil.

        ------------------------------------------------------------------------------------
        Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


        saiba mais »

        21/06/2017 - O Rei está Nu - Os significados ocultos (ou não) da excessiva judicialização das relações do trabalho

        O Rei está Nu - Os significados ocultos (ou não) da excessiva judicialização das relações do trabalho
        A reforma trabalhista apresentada por meio do Projeto de Lei nº 6.787/2016 é motivada, entre…

        Inúmeras manifestações públicas exemplificam o que acabamos de descrever: documento 101 Propostas para Modernização Trabalhista, elaborado pela Confederação Nacional da Indústria ? CNI; corte orçamentário da Justiça do Trabalho em 2016; audiência pública realizada na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados ? CTASP em 5 de julho de 2016.

        Na justificativa da reforma trabalhista consta expressamente que:

        ?No Brasil temos um nível elevado de judicialização das relações do trabalho, o que é retratado pela quantidade de ações trabalhistas que anualmente dão entrada na Justiça do Trabalho. Na grande maioria da ações trabalhistas a demanda reside no pagamento de verbas rescisórias. A falta de canais institucionais de diálogo nas empresas que promovam o entendimento faz com que o trabalhador só venha a reivindicar os seus direitos após o término do contrato de trabalho. Com isso, problemas que poderiam ser facilmente resolvidos no curso do contrato de trabalho vão se acumulando, para serem discutidos apenas ao término do vínculo empregatício, na Justiça do Trabalho.

        Os dados numéricos que embasam tal justificativa, assim como a análise que deles se faz são demonstração clara de que nem todas as ciências podem se valer do uso da técnica estatística sem incorrer em erros grosseiros. Os fatos que se escolhe medir, o sentido dos dados colhidos e as conclusões e as proposições que derivam desta análise devem ser contextualizados. Do contrário, os números se prestam a propagar enganos. Aliás, é isso que enseja as célebres piadas sobre estatística.

        Havia dias que um sujeito estava, do tronco para baixo, congelado dentro de um bloco de gelo a ? 107º C. Do tronco para cima, ele estava enfiado dentro de um forno, cuja temperatura era de 180º C. A temperatura média do cidadão era de 36,5º C. Ou seja, tomando por base apenas este número, poderíamos ser levados a concluir equivocadamente que o camarada estaria ótimo, bem saltitante, ao passo que, pensando um pouco melhor sobre estas condições, todos conseguimos tranquilamente inferir que, na realidade, este cara já está morto há muito tempo. Certo?

        Neste texto, portanto, o objetivo é desconstruir a argumentação elaborada a respeito do número exorbitante de processos judiciais que tramitam perante a Justiça do Trabalho, bem como as propostas dela derivadas.

        DOS VILÕES TRABALHADORES

        O Professor de Economia da Universidade de São Paulo (USP) Hélio Zylberstajn defende a ideia de que os trabalhadores recorrem às ações trabalhistas como uma espécie de extensão do seguro-desemprego quando não conseguem encontrar nova colocação no mercado de trabalho. Para ele, este movimento explicaria o aumento de ações trabalhistas em 2016, apesar da redução de postos formais¹.

        A tese levantada pelo Professor Zylberstajn não cogita a possibilidade de que o aumento de ações judiciais derive do simples descumprimento das obrigações trabalhistas pelos empregadores ? movimento, aliás, que seria condizente com épocas de crise econômica. Não. É mais fácil fantasiar e alçar o trabalhador à condição de vilão. Mesmo porque as estatísticas² da Justiça do Trabalho e do Conselho Nacional de Justiça não contabilizam os números de procedências e improcedências das reclamações ajuizadas. Sem dados, a imaginação pode correr solta. E isso é uma escolha.

        DA CONCILIAÇÃO COMO PANACEIA

        Na mesma linha de dar asas à imaginação, está o argumento de que a falta de espaços e mecanismos de conciliação explica o volume de ações propostas perante o Poder Judiciário. Ora, a propositura de uma reclamação trabalhista após o término do vínculo empregatício não ocorre por falta de oportunidades para fazer acordo com o empregador, mas sim pelo justificado temor de represália. Não é à toa que a Justiça do Trabalho no Brasil é apelidada de Justiça de desempregados.

        Além disso, ao contrário do que se declara na justificativa do PL nº 6.787/2016, a legislação vigente já prevê mecanismos de conciliação. Com efeito, o Estado brasileiro vem, ao longo dos últimos anos, fomentando a cultura do acordo. A par da etapa conciliatória preconizada pelo processo do trabalho, a Justiça Trabalhista promove costumeiramente a celebração de acordos por meio de sua semana de conciliação, que nada mais é do que um incentivo para que os empregados renunciem parcialmente a seus direitos para receber parte do montante devido rapidamente (já que a Justiça é sabidamente morosa). Assim, compreendendo que o crédito trabalhista tem natureza alimentar, o empregado abre mão de parte dos valores a que faz jus para garantir a sua alimentação com o que resta.

        Outro espaço de diálogo implementado nos últimos anos são as Comissões de Conciliação Prévia (CCP) e as Comissões de Conciliação Voluntária (CCV). Basta checar as estatísticas divulgadas pelo Tribunal Superior do Trabalho em junho de 2016³ para verificar a insuficiência desta medida no que se refere à diminuição do ajuizamento das ações trabalhistas. A título de exemplo, convém mencionar que as instituições financeiras mais reclamadas na Justiça do Trabalho mantiveram sua posição no ranking apesar de instalar CCVs/CCPs nos sindicatos dos bancários.

        Efetivamente, os autores deste artigo acompanham diariamente o funcionamento destas CCVs/CCPs e observam que o valor oferecido é tão aquém do devido que muitos trabalhadores, embora tenham urgência de receber seu crédito, recusam os acordos propostos pelo banco acordos.

        Se não bastassem as evidências acima indicadas, também enfraquece a justificativa apresentada para a propositura do PL nº 6.787/2016 (item sete) sua incoerência interna. Se, por um lado, reconhece que o maior número de ações trabalhistas versa sobre o recebimento de verbas rescisórias; por outro, propõe como remédio para a excessiva judicialização dos conflitos laborais a instituição de meios de solução de conflito durante a vigência do contrato de trabalho. Ora, se o problema está nas verbas de rescisão, ou seja, aquelas pagas com o término do vínculo de emprego, como que o trabalhador vai resolver seu problema durante a vigência do contrato (ou seja, antes de seu fim)? Certamente é impossível! Todavia, não nos atenhamos a este ?detalhe?.

        DA CONCILIAÇÃO NO LOCAL DE TRABALHO

        Para promover a conciliação durante a vigência do contrato de trabalho, a reforma trabalhista apresentada regulamenta o artigo 11 da Constituição da República, conferindo ao representante dos trabalhadores na empresa as mesmas atribuições que competem às entidades sindicais. Longe de ser a figura vanguardista que pretendem fazer crer os defensores do PL, a representação disciplinada pelo projeto não se sustentará na prática nacional.

        Os procedimentos eleitorais não estão desenhados sequer em linhas gerais, o que fragiliza a escolha da representação no local de trabalho, tornando-a suscetível a ingerências do empregador. Circunstância especialmente grave ante a inexistência de legislação infraconstitucional de combate aos atos antissindicais ? recomendação antiga da Organização Internacional do Trabalho ao governo brasileiro, a qual é sistematicamente postergada.

        A mencionada falta de garantias à liberdade sindical repercute, sem dúvida alguma, no escasso poder de barganha que tal representação no local de trabalho possuirá para promover a conciliação entre os trabalhadores e o empregador. E, além da inexistência de norma contra atos antissindicais, o projeto não cria instrumentos garantidores da efetividade da resolução de conflitos pelo representante dos empregados. Pelo contrário, ao descuidar de eventual ingerência patronal e ao estabelecer competências concorrentes entre a representação dos trabalhadores e o sindicato, a proposição instrumentaliza o enfraquecimento da autonomia coletiva.

        DO VANTAJOSO DESCUMPRIMENTO DA LEI

        Os empregadores que são responsáveis pelo alto número de litígios ? vale dizer, que estão no topo do ranking da Justiça Trabalhista ? costumam contabilizar seu passivo trabalhista antes mesmo do ajuizamento das ações judiciais, possuem total conhecimento das ilegalidades que praticam e reservam valores para o pagamento de eventual derrota perante o Poder Judiciário. Se insistem no descumprimento da lei, seguramente é porque acreditam que compensa resistir administrativa e judicialmente aos direitos trabalhistas.

        A fiscalização do trabalho é precária, o valor e a atualização das multas administrativas e das condenações judiciais costumam ser muito inferiores aos rendimentos de investimentos financeiros. Consequentemente, o excessivo número de processos judiciais não deriva de desatenção patronal, de suposta insegurança jurídica, nem do alegado custo exorbitante dos direitos trabalhistas. Afinal, como vimos, os principais ?clientes? da Justiça Trabalhista obtêm lucros na casa dos bilhões e apresentam crescimento econômico e produtivo sustentável.

        Convém destacar, nesse ponto, que a insegurança jurídica bradada pelos defensores do PL não decorre de ambiguidade da legislação vigente, nem de ausência de normas. Decorre, sim, do deliberado desejo de descumprir a lei para reduzir custos trabalhistas (dumping social). Desejo este repetidamente respaldado pelo governo que falha em fiscalizar e penalizar o descumprimento das leis.

        Aliás, o que indigna nesta proposição dita modernizante é que, em vez de se propor meios para aprimorar a fiscalização do Estado, visando o cumprimento dos direitos estabelecidos por lei ou por acordos coletivos, prefere-se a alternativa prejudicial à parte hipossuficente da relação de trabalho, por meio da retirada de direitos ou por meio de acordos extrajudiciais. Nessa linha, o artigo Trabalho e Trabalhadores em tempo de crise4 aponta:

        ?Os Empresários estão testando os limites da nova ordem constitucional em um contexto em que trabalhadores têm dificuldades em impedi-los. Nos momentos de crise aproveitam-se ainda dessa argumentação prejudicar ainda mais os direitos dos trabalhadores. Os órgãos de fiscalização do Estado, não garantindo os direitos conquistados, abrem espaço para que os empregadores ?flexibilizem a frio? as relações de trabalho. A consequência é imposição de uma agenda com ausência de direitos.?

        Nesse contexto, é plausível concluir que os empregadores descumprem a lei, também, por saberem que a desregulamentação dos direitos trabalhistas é o caminho ?inevitável?, uma vez que seu poder político é muito superior ao de seu adversário. Eles apostam na flexibilização dos direitos trabalhistas, que ocorrerá ou pela mudança legislativa ou pelo ?ativismo judicial? às avessas, ou pelo fomento de acordos que significam mera renúncia de direitos ante a necessidade de sobrevivência (desemprego galopante).

        DO CAPITAL SUBVERSIVO

        Diante das verdades escondidas sob os números da excessiva judicialização dos conflitos laborais, que esperamos tenham sido reveladas neste texto, fica evidente que a reforma trabalhista apresentada se ampara em falsas premissas. A tal modernização das relações do trabalho vem a lume em prol do Capital e não do Trabalho. A justificativa do PL nº 6.787/2016 pretende maquiar as intenções que estão por traz da proposta e difundir a enganosa ideia de que a reforma é imprescindível para a geração de empregos e normalização dos conflitos judiciais. A despeito da ideia vendida, as modificações legislativas propostas não trazem solução para o mundo laboral. Pelo contrário, representam grave retrocesso social.

        No Ocidente, o mundo do trabalho tem vivenciado uma onda de crescente flexibilização dos direitos sociais. Esta realidade, portanto, não é exclusiva do Brasil e reflete nada mais do que o predomínio da lógica econômica neoliberal. Lógica esta que associa a necessidade empresarial de aumentar seu lucro à imprescindibilidade do corte de gastos trabalhistas por meio da retirada de direitos sociais.

        Com efeito, o neoliberalismo rompe a crença keynesiana, segundo a qual o aumento da renda do empregado elevaria o lucro da empresa, já que a economia estaria pautada pela ótica da despesa e, assim, para que o patrão obtivesse maior lucro, seria importante que o salário dos empregados resultasse em maior poder de compra. Afinal, de acordo com o neoliberalismo, o Estado teria concedido direitos em excesso aos trabalhadores, sendo insustentável a competição empresarial com tantos encargos trabalhistas.

        A ideia neoliberal de flexibilização de direitos do trabalhador nasce do caráter monopolista das empresas. Vale dizer, a transnacionalização (chamada comumente de globalização) implicou um poder empresarial suficiente para colocar na agenda governamental dos países a diminuição de direitos trabalhistas. Nesse sentido, o estudioso Wilson Cano explica o processo de globalização5:

        ?Por outro lado, a reestruturação por elas feita traz problemas sérios para nossos países: obsolescência forçada de equipamentos, desemprego de trabalho qualificado ou não, precarização de contratos de trabalho, grande substituição de insumos nacionais por importados, enorme redução do número de pequenos e médios fornecedores e prestadores de serviços, fazendo desaparecer grande número deles. Em resumo, a reestruturação atende, exclusivamente, aos interesses dessas empresas.(?).

        A realidade como se verá adiante, é que essas mudanças resultam em uma precarização ainda maior no mercado de trabalho com salários menores, perdas de direitos e com tempo de trabalho diminuído.?

        Dessa forma, com a globalização das empresas e a nova ordem mundial, o empresariado ganha espaço para dizer que o excessivo número de ações trabalhistas é um problema em tempos de crise, questão agravada pelo índice de desemprego e pela dificuldade de crescimento econômico.

        O discurso neoliberal das empresas afronta os princípios fundamentais insculpidos em nossa Constituição, pregando o fim do sistema de proteção aos direitos sociais do trabalhador. Por isso, a retórica e a ação neoliberais são subversivas. E o que é pior, além de realizar a ?flexibilização a frio? como foi demonstrado linhas atrás, elas usam de manobras publicitárias (leia-se, a justificativa do PL nº 6.787/2016) para, em nome de uma coerência constitucional e principiológica, defender a retirada de direitos sociais como única medida viável para evitar um colapso social.

        DA NUDEZ DO REI

        Em vista da justificativa do PL nº 6.787/2016 e das verdades ocultas (negadas), que aqui foram desveladas, é preciso acusar a nudez do rei. Hoje e sempre, incansavelmente. Independentemente dos desdobramentos que este projeto de reforma trabalhista venha a sofrer.

        ¹Matéria veiculada pelo jornal Correio Braziliense, em 29/03/2017.
        http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2017/03/29/internas_economia,584388/reforma-trabalhista-reduzira-judicializacao-avaliam-especialistas.shtml. Acesso 10/04/2017.
        ²Dados estatísticos do Poder Judiciário estão disponíveis nos endereços eletrônicos a seguir indicados:
        http://www.tst.jus.br/consolidacao-estatistica1 e http://www.cnj.jus.br/programas-e-acoes/pj-justica-em-numero. Acesso em 10/04/2017.
        ³A pesquisa realizada pelo Tribunal Superior do Trabalho e divulgada em junho de 2016 está disponível em
        http://www.tst.jus.br/documents/10157/14446079/RP+2015+12+Dezembro+%28Ordem+Qtd+Processos%29.pdf. Acesso em 10/04/2017.
        4PEREIRA, Luisa Barbosa. Trabalho e Trabalhadores em Tempos de Crise. Perspectiva Sociológica , v. 3, p. 1-14, 2009
        5CANO, Wilson. Soberania e política econômica na América Latina. São Paulo: Ed. Unesp, 2000.


        saiba mais »

        21/06/2017 - Segurado e o limbo trabalhista previdenciário

        Segurado e o limbo trabalhista previdenciário
        Artigo do advogado Thiago Sabbag Mendes

        No presente artigo trataremos de situação corriqueira que ocorre com os milhares de trabalhadores que contribuem para o INSS e muitas vezes são desamparados pela autarquia, mesmo estando sem condições de retorno as suas atividades.

        Em diversas ocasiões, o trabalhador doente ou acidentado fica sem condições de exercer suas atividades laborativas, sendo obrigado a se afastar de seu trabalho por determinação médica.

        Lembremos que os primeiros 15 dias de afastamento são remunerados pela empresa empregadora, e a partir do 16º dia o trabalhador é encaminhado e remunerado pelo INSS, caso constatada sua incapacidade para o trabalho, conforme previsto nos artigos 59 e 60, 3o da lei 8213/1991 que estipulam respectivamente:

        O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos.

        O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz

        3o Durante os primeiros quinze dias consecutivos ao do afastamento da atividade por motivo de doença, incumbirá à empresa pagar ao segurado empregado o seu salário integral. (Redação Dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99)

        Além do dispositivo legal acima citado, o artigo 476 da CLT e o artigo 63 da lei 8213/1991 respectivamente, garantem a suspensão do contrato de trabalho durante a percepção do benefício previdenciário, conforme abaixo transcrito:

        Em caso de seguro-doença ou auxílio-enfermidade, o empregado é considerado em licença não remunerada, durante o prazo desse benefício.

        O segurado empregado, inclusive o doméstico, em gozo de auxílio-doença será considerado pela empresa e pelo empregador doméstico como licenciado. (Redação dada pela Lei Complementar nº 150, de 2015)

        Todavia, tais artigos, só suspendem o contrato de trabalho quando da percepção do beneficio. Logo, caso haja alta perante o INSS, o contrato de trabalho não estará mais suspenso.

        A perícia realizada pelo INSS é o resultado final no âmbito administrativo, mas isto não quer dizer que seja a resposta definitiva para o trabalhador.

        Grande parte das vezes em que um trabalhador recebe alta do INSS, existe divergência entre o resultado da avaliação pericial, e as opiniões do médico que acompanha o trabalhador e o médico da empresa empregadora. Qualquer destes dois últimos poderá constatar que o segurado não reúne condições de retorno para suas atividades laborais, estando, portanto incapacitado para o trabalho, contrariando a posição do perito do INSS. É possível , requerer a manutenção do pagamento dos salários pela empregadora através de ação judicial.

        Esta situação narrada acima, tem se tornado corriqueira, constituindo um verdadeiro limbo trabalhista-previdenciário, uma vez que o empregador ou até o médico da confiança do trabalhador discordam do resultado aferido pelo perito do INSS.

        Nos casos de ?limbo previdenciário?, a jurisprudência trabalhista possui entendimento de que o empregado não poderá ficar sem sua remuneração.

        A Justiça do Trabalho tem entendido que é do empregador a obrigação da manutenção da remuneração do trabalhador até que se realize nova avaliação pericial perante o INSS.

        Entendo e defendo, que a relação entre empregado e empregador não se resume tão somente no capital-trabalho, indo além dos lucros obtidos pelo empresário.

        Os incisos III e IV do artigo 1ª da Constituição Federal preveem que:

        1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

        I ? a soberania;
        II ? a cidadania;
        III ? a dignidade da pessoa humana;
        IV ? os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
        V ? o pluralismo político

        Vê-se que o contrato de trabalho não se resume tão somente à percepção de lucros, tendo por fundamento constitucional o valor social que este representa para a parte hipossuficiente da relação jurídica.

        Ademais, o artigo 4ª da CLT, também permite o pagamento de remuneração pelo empregador ao trabalhador quando existir o limbo previdenciário, tendo em vista a sua redação disciplinar:

        Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado esteja à disposição do empregador, aguardando ou executando ordens, salvo disposição especial expressamente consignada.

        Logo o trabalhador que retorna de alta de beneficio previdenciário e é considerado inapto pelo médico do trabalho do seu empregador, não poderá ficar desamparado pela empresa e pelo INSS, eis que se encontra à disposição da empresa, a qual o considerou inapto.

        Importante destacar, que o empregado também não poderá ficar inerte, sendo que deverá se valer de todos os mecanismos administrativos e judiciais para percebimento do beneficio visando ressarcimento do empregador em caso de sucesso.

        Ainda, o próprio empregador poderá ingressar com ação de regresso contra o INSS requerendo a devida compensação de valores pagos ao trabalhador considerado inapto às suas atividades laborativas.

        Thiago Sabbag Mendes

        Advogado de Loguércio, Beiro e Surian, Sociedade de Advogados


        saiba mais »

        21/06/2017 - Criatividade ou planejamento? O que é mais importante ao abrir um negócio?

        Criatividade ou planejamento? O que é mais importante ao abrir um negócio?
        Por Egton Pajaro*A criatividade e o planejamento são absolutamente essenciais para uma empresa. Mas quase…

        Ao criar uma empresa, é fundamental que o empresário tenha uma ideia, fruto da criatividade, que é o produto, o serviço ? a solução que deve ser produzida. O planejamento, por sua vez, posiciona essa solução no mundo. Define o espaço, o tempo, os meios de produção e a forma mais econômica, rápida e prática de entregá-la ao cliente.

        Comece pela criatividade

        Podemos dizer que a criatividade é a primeira função exercida por quem pensa em montar um negócio. Para um empreendimento valer a pena, ele tem de oferecer algo novo, original e que realmente resolva um problema real. Um novo modelo de negócio, um produto de mais qualidade, um serviço mais ágil, um atendimento mais agradável e eficiente, todos esses aspectos dependem da criatividade do empreendedor, muito antes que possam ser disponibilizados ao mercado.

        Mas, logo após criar o produto, já estamos pensando em como será produzido, anunciado, vendido e entregue. Ou seja, naturalmente, ao pensarmos na ideia, já começamos a planejar. De modo que, para cumprir sua função, a ideia precisa ser exequível, adaptável a um plano. Precisa convencer, atendendo a uma demanda ou resolvendo um problema do mundo real. É aí que entra a importância fundamental do planejamento.

        O cliente quer o diferente, o novo, a solução de um problema ou necessidade. Muitas vezes, ele até já sabe o que quer: ele mesmo ?criou? o produto em sua imaginação. Mas, é a suaempresa que sabe como produzi-lo, que cria todas as condições viáveis para realizar e entregar essa solução a ele. Sua tarefa é planejar tudo para que o produto, fruto da criatividade, seja entregue com qualidade e a um custo aceitável nas mãos do consumidor.

        Não culpe o cliente se ele não entender a sua criatividade

        Lembre-se de que criatividade vem de ?criar?, o que significa realizar, produzir, fazer acontecer no mundo real. Se a ideia não é, ou não se tornar executável e prática, não adianta pôr a culpa nos outros, dizendo que ?o público não está preparado para entender a minha genialidade?.

        Só um insight, por melhor que seja na cabeça de seu criador, não é suficiente para garantir o sucesso, há de se ter competências complementares que viabilize a sua exploração concreta com a efetiva entrega ao potencial consumidor.

        Pode-se dizer então que uma boa ideia já surge com o planejamento que lhe permite encaixar-se no mundo. A verdadeira criatividade está em criar boas soluções, que sejam viáveis e implementáveis por meio de diversas ações articuladas e complementares entre si.
        Este orquestramento tende a ser racionalizado se premeditado por um adequado plano de ação, respaldado por um planejamento que defina as etapas, métodos e meios necessários para a realização do propósito.

        Somente devemos considerar como boa e criativa, a ideia que acompanhada de bom senso prático possa ser posta em prática por meio de um minucioso planejamento que a traduza de forma transparente em um bom projeto de execução a fim de prover visibilidade e ser compreendida por todos que nela depositarão seus esforços.

        O planejamento tem que, entre outros objetivos, testar modelos, simular cenários, estressar variáveis estratégicas, portanto deve gerar senso de viabilidade que garanta que possa ser vendida, que atenda a uma necessidade ou desejos legítimos do consumidor a um preço que ele esteja disposto a pagar.

        Assim, a ideia não é algo vago. Pense em si mesmo como o inventor do seu negócio. Ninguém é inventor só por dizer ?eu tive a ideia de um motor movido a água?. Esse sonho, qualquer um já teve, afinal de que vale uma excelente ideia que não se concretiza? O inventor, assim como o empreendedor, não é só um sonhador, mas tem de passar por todas as etapas que materializem o seu sonho num objeto real e funcional.

        Planejar: a hora em que a criatividade sai da cabeça e vai para o produto

        O planejamento preenche a lacuna entre o insight e o produto final, e pensa em todos os elementos organizados em etapas necessárias e graduais para que obtenhamos algo concreto. E deve, ele próprio, ser criativo também para adaptar os processos, mudando o caminho inicialmente previsto, se necessário. A produção pode envolver milhares de passos, cada um requerendo uma forma criativa de ser executado.

        Por isso, quando você é o dono deve cuidar de todos os detalhes. Para isso, esmiúce as etapas e tarefas a serem cumpridas até a entrega do produto ao mercado. Anote e analise tudo. Simule todos os cenários e alternativas com suas possíveis variáveis de forma que lhe proporcione conteúdo para a tomada de decisão que mitigue surpresas e soluções emergenciais.

        Enfim, explore tudo aquilo que tenha potencial para influenciar positiva ou negativamente seu objetivo, isto lhe fortalecerá perante as adversidades naturais de qualquer empreendimento. Encare cada etapa como um negócio em si, que pode ser executado, ou modificado, sempre de forma inovadora. Coloque criatividade nele, fazendo-o de forma diferente.

        A criatividade é a mágica que propõe algo novo no mundo é o propulsor da evolução humana. O planejamento deve ser capaz de abstrair conceitos da ideia e converte-los em um plano concreto que materialize e consolide os meios de tornar esse algo visível, audível, palpável, compreensível, replicável, viável, agradável, acessível e vendável.

        Assim, seja você mais propenso à criatividade ou ao planejamento, fica claro que o mais importante é o equilíbrio entre os dois eixos de forma complementar e constante. Não deixe suas ideias se perderem por falta de um planejamento criativo. Não permita a acomodação, seja criativo sempre, da ideia à entrega do produto final. Surpreenda seu cliente de forma estruturada, sustentável e perene.

        *Por Egton Pajaro, empresário


        saiba mais »

        21/06/2017 - Allianz mais uma vez premiada pelo Sindirepa

        São Paulo, junho de 2017 ? Pela sexta vez consecutiva, a Allianz Seguros está entre…


        saiba mais »

        22/06/2017 - Sucesso do modelo de verticalização do Hapvida é apresentado no CCS-SP

        André Rosas, superintendente Comercial Empresarial do Hapvida e Adevaldo Calegari, mentor do Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo (CCS-SP).
        No almoço com associados do Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo, o superintendente…

        O que está acontecendo com a saúde no Brasil? A pergunta formulada pelo mentor do Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo (CCS-SP), Adevaldo Calegari, foi o ponto de partida para o superintendente Comercial Empresarial do Hapvida, André Rosas, apresentar a verticalização, modelo de sucesso adotado pela operadora, como solução para esse problema. Para discutir esse assunto, Rosas e outros executivos do Hapvida foram recebidos pelo CCS-SP no almoço realizado no dia 13 de junho, no Circolo Italiano.


        André Rosas, superintendente Comercial Empresarial do Hapvida.

        Rosas conta que a verticalização ? opção que elevou o Hapvida à posição de maior operadora de saúde do Norte e Nordeste ? iniciou em 1986, com a construção do hospital Antonio Prudente, que começou como clínica em 1979, em Fortaleza (CE). O médico oncologista, Candido Pinheiro, em 1993, criou um plano de saúde moderno e acessível, que na época já contava com produtos diferenciados e logo conquistou o mercado. Em 2004, há um divisor para a empresa. Até então, a operadora, que também contava com serviços hospitalares terceirizados, opta pelo modelo de gestão verticalizado. ?Concluiu-se que a solução era verticalizar para ter controle e gestão dos custos?, relata Rosas.


        Salão do almoço.

        O modelo de verticalização

        O modelo de verticalização adotado pelo Hapvida envolve a atuação de mais de 16 mil colaboradores diretos na operação de 21 hospitais, 71 clínicas médicas, 18 unidades de prontos atendimentos, 66 unidades de diagnóstico por imagem e 58 postos de coleta laboratorial distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria. De acordo com Rosas, o modelo é focado em quatro negócios: hospitais, clínicas, laboratórios e diagnósticos por imagem, todos próprios e sem o objetivo de lucro. ?Isso faz com que consigamos controlar os custos?, disse.

        Para se ter uma ideia de alguns dos diferenciais, as emergências dos hospitais do Hapvida são mais amplas, com mais leitos e mais recursos para exames e diagnósticos. ?Tudo isso para resolver rapidamente o problema, evitando internações desnecessárias. É um modelo de negócio focado na eficiência e que tem como alvo a base da pirâmide?, disse. Outras vantagens da verticalização, segundo ele, são o ganho em escala nas compras, a definição de protocolos, padronização e gestão tecnológica. Aliás, a empresa foi uma das primeiras no país a investir em biometria, sobretudo para reduzir fraudes.

        Homenagem a Bertacini


        Evaldir Barboza de Paula, Osmar Bertacini e Adevaldo Calegari.

        Um momento especial no almoço foi a homenagem a Osmar Bertacini, presidente da APTS, que completou 55 anos de carreira no setor de seguros no dia 7 de junho. O mentor Adevaldo Calegari e o secretário Evaldir Barboza de Paula entregaram uma placa para Bertacini, que foi aplaudido de pé pelos convidados.

        Em seguida, bastante emocionado, ele comentou a paixão que o seguro despertou em sua vida já desde o início de carreira, na Companhia Internacional de Seguros. ?Procurei pautar minha vida profissional na transparência, humildade, sinceridade e profissionalismo. Devo admitir que hoje, apesar de ter mais passado do que futuro, sinto orgulho de ter contribuído um pouquinho com esse mercado?, disse.

        Bertacini também se referiu aos muitos amigos que conquistou ao longo de sua trajetória profissional, destacando que este é o maior legado de sua carreira. ?Costumo dizer que o trabalho traz por consequência resultado financeiro. Mas, na minha vida ao longo de 55 anos a maior conquista foram os amigos, o meu maior patrimônio?, disse.

        Com uma intensa vida associativa, Bertacini exerce, além da presidência da APTS, o cargo de secretário do Sincor-SP, de diretor da UCS, SBCS, ANSP e Camaracor. ?Às vezes, me perguntam como consigo tempo para tantas atividades. O segredo é um só: gostar do que se faz. E eu gosto de seguros, gosto de fazer amigos, e isso me leva adiante para que siga na caminhada. Por isso, só tenho a agradecer?, disse.

         

        Crédito das fotos: Antranik Photos


        saiba mais »

        22/06/2017 - Curiosidade: Os profissionais que mais utilizam o Excel no dia a dia

        Curiosidade: Os profissionais que mais utilizam o Excel no dia a dia


        saiba mais »

        22/06/2017 - Mongeral Aegon marca presença na Expert 2017

        Pela terceira vez consecutiva, a Mongeral Aegon marcará presença na Expert 2017, convenção nacional de…

        ?Queremos destacar aos quase 15 mil participantes que circularão no congresso aspectos importantes como a solidez da nossa empresa e a grande variedade de soluções em seguro de vida que temos, tanto para clientes individuais, quanto para empresas?, explica Carolina Vieira, diretora Corporate da Mongeral Aegon.

        Em 2016, a companhia lançou o seguro individual Whole Life Plus, que une a proteção financeira de um seguro de vida com acumulação de reserva. Esta é uma necessidade que tem sido demandada pela sociedade. Nos dias de hoje, em que a crise econômica do país desperta as pessoas para a necessidade de proteger a renda da família, os produtos que oferecem segurança com reserva são bons para o cliente, que fica com a tranquilidade de que, em caso de necessidade, poderá resgatar a reserva formada.

        Neste ano, a Expert acontecerá no Transamerica ExpoCenter, um dos maiores centros de convenções de todo o Brasil, em São Paulo.

        Sobre a Mongeral Aegon ? A Mongeral Aegon está presente no Brasil há 182 anos. Desde 2009, a empresa se associou ao grupo internacional Aegon, uma das maiores empresas de seguro, previdência e investimentos financeiros do mundo, com sede na Holanda. A Mongeral Aegon oferece soluções personalizadas de seguro de vida e previdência para os mais diversos perfis: de pessoa física a jurídica, empresas privadas ou públicas. Com mais de 2,1 milhões de clientes, a companhia superou R$ 320 bilhões em capital segurado e R$ 931 milhões de reservas financeiras no ano de 2016. No mesmo ano, os pagamentos em benefícios totalizaram R$ 336 milhões. A Mongeral Aegon possui 1.200 funcionários, 4.000 corretores parceiros e conta com 60 unidades de vendas em todo o país. A diversificação e expansão dos negócios deu origem ao Grupo Mongeral Aegon, que engloba, além da seguradora, as seguintes empresas: Mongeral Aegon Fundo de Pensão, Mongeral Aegon Investimentos, Mongeral Aegon Administração de Benefícios e o Instituto de Longevidade Mongeral Aegon. www.mongeralaegon.com.br


        saiba mais »

        22/06/2017 - Saúde Suplementar: saída acentuada de beneficiários não reduz números assistenciais do setor

        Levantamento da FenaSaúde mostra que segmento realizou mais de 1,4 bilhão de procedimentos mesmo com…

        A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou o Mapa Assistencial 2016, que apresenta informações sobre o atendimento prestado pelas operadoras de planos de saúde de assistência médico-hospitalar e odontológica no país. A publicação reúne dados sobre internações, consultas, exames, terapias e serviços odontológicos. A partir da análise desses indicadores, a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) constatou que o volume total de procedimentos do segmento de planos de saúde aumentou em 6,4% em relação a 2015 ? totalizando 1,465 bilhão de procedimentos. Entretanto, o ano passado foi marcado pela perda de 1,5 milhão de beneficiários de planos de saúde, totalizando 47,7 milhões em dezembro.

        ?Esses números mostram que o setor não tem problema de entrega, já que são mais de 4 milhões de procedimentos por dia. Muito pelo contrário, a queda elevada do número de consumidores não levou a diminuição da quantidade de procedimentos pagos pelas operadoras. O que se vê hoje no setor é o aumento das despesas assistenciais acima das receitas, com maior entrega do que o ano anterior e um número menor de consumidores. Essa conta não fecha. É preciso se indagar as razões dessa expansão?, questiona a presidente da FenaSaúde, Solange Beatriz Palheiro Mendes.

        Segundo a executiva, estima-se que aproximadamente 30% dos gastos em saúde no Brasil são desperdícios. ?Chama atenção o crescimento da quantidade per capita de exames complementares, como tomografia computadorizada (21%) e ressonância magnética (25,2%) em dois anos. Dentre as razões para esse salto, podem estar a má formação médica e incentivos financeiros de hospitais, médicos e laboratórios que, na maioria das vezes, são remunerados por procedimentos prescritos, o modelo conhecido como fee for service?, explica Solange Beatriz.

        Todos os itens elencados no Mapa Assistencial 2016 ? consultas médicas, outros atendimentos ambulatoriais, exames complementares, terapias e procedimentos odontológicos ? apresentaram crescimento na comparação com 2015, com exceção de internações. Embora internação tenha registrado retração de 1,1%, na verdade, levando-se em consideração a redução de 2% do número de beneficiários entre os dois períodos, pode se concluir que houve aumento per capita de 2,4%.

        Atualmente, a Saúde Suplementar tem aproximadamente 70 milhões de beneficiários, sendo 47,3 milhões de assistência médica e 22,5 milhões de planos exclusivamente odontológicos.


        saiba mais »

        22/06/2017 - XL Catlin fortalece a equipe de subscrição de seguros de Marine na América Latina

        As operações de seguro(s) da XL Catlin reforçaram sua equipe de subscrição de Marine na…

        Brasil:

        · Aline Watanabe, promovida à gerente de Transporte (Marine Cargo Manager)

        · Karina Amaral, juntou-se como subscritora de Transporte e Riscos Diversos (Marine Cargo Underwriter)

        · Cintia Takahashi, designada como subscritora de seguros de Operações Portuárias (Marine Liability Underwriter)

        México:

        · Rubén Chanona, promovido a Head de Marine no México

        · Francisco Campos, designado como subscritor de Marine Cargo (Marine Cargo Underwriter)

        · Nalini Vargas, promovida à subscritora júnior de Marine Cargo (Marine Cargo Junior Underwriter)

        Mauricio Giuntini, Diretor Regional de Marine para América Latina, destacou: "Em 2016, nossa equipe de Marine alcançou um crescimento notável nos diferentes produtos que oferecemos. Para manter a liderança de mercado na subscrição para nossos corretores e clientes, é fundamental que continuemos a investir em nossa equipe".

        Cintia Takahashi e Karina Amaral trazem uma forte experiência técnica de subscrição nos campos de Operação Portuária, Equipamentos de Construção e Transporte de Mercadorias dentro da área de Marine, respectivamente. Aline Watanabe juntou-se à XL Catlin como subscritora de Marine em agosto de 2011. Durante esse período, Aline atuou como líder de Cargo Global Programs, desenvolveu vários produtos na SUSEP e agora está liderando as estratégias comerciais e de subscrição de Transporte, bem como gerindo o relacionamento com corretores. Elas se reportam a Paulo Alves, Head de Marine no Brasil.

        Nalini Vargas, que se juntou à XL Catlin em 2016 como estagiária, foi nomeada Subscritora Júnior. Francisco Campos é agora Subscritor de Transportes de Carga. Eles se reportam a Rubén Chanona, que foi promovido a Head de Marine no México.

        Giuntini acrescentou: "Nossa equipe tem excelentes conhecimentos técnicos e experiência nas áreas relevantes. Nossos novos colegas já estão apoiando nossas crescentes carteiras no Brasil, no México e em outros países da América Latina. As promoções decorrem do reconhecimento de suas destacadas abordagens inovadoras para atender corretores e clientes".

        A XL Catlin oferece seguros para grandes riscos marítimos em todo o mundo. Por terra ou por mar, nossos especialistas podem ajudar a manter as empresas em curso - do seguro de transporte de carga, que pode incluir armazenamento temporário, guerra e greve e riscos de terrorismo, até a cobertura de operadores portuários, terminais e outras operadoras de movimentação de carga.

        Sobre as operações de seguros da XL Catlin

        As companhias de seguros XL Catlin oferecem produtos nas linhas patrimoniais, responsabilidade civil, profissionais, financeiros e produtos de seguros especiais em todo o mundo. As empresas que estão movendo o mundo adiante escolhem a XL Catlin como seu parceiro. Para saber mais, visite xlcatlin.com.

        Sobre a XL Catlin

        A XL Catlin é a marca global usada pelas empresas de seguros e resseguros do XL Group Ltd. (NYSE: XL) que fornecem produtos de seguros patrimoniais, de responsabilidade civil, profissionais e especialidades para empresas industriais, comerciais e profissionais, companhias de seguros e outras empresas em todo o mundo. Os clientes procuram a XL Catlin para obter respostas para seus riscos mais complexos e para ajudar a mover o mundo adiante. Para saber mais, visite xlcatlin.com.


        saiba mais »

        22/06/2017 - Austral Seguradora tem novo Head Comercial Brasil na área de Seguro Garantia

        A Austral Seguradora S.A anunciou Rafael Gama como seu novo Head Comercial Brasil na área…

        ?Assumo esta nova função para ajudar a Austral a se destacar ainda mais no mercado e garantir que nossos clientes continuem recebendo serviços com um alto padrão de qualidade?, diz o executivo.


        saiba mais »

        22/06/2017 - Consórcio Realiza cresce 58% em vendas de cotas de imóveis no primeiro quadrimestre na Região Norte do país

        A Realiza, companhia especializada em consórcio, com 20 anos de atuação no mercado, obteve crescimento…

        ?Somente este ano, a média de aumento por mês é de 80,98%. Esse saldo é bastante positivo em meio ao instável cenário econômico do país. Estamos passando por uma crise que inviabiliza qualquer tipo de investimento e o consórcio é um produto seguro, sem taxas de juros, que permite um melhor planejamento sem comprometimento excessivo da renda. Podemos dizer que o consórcio é uma poupança a médio e longo prazo, é um exercício de educação financeira?, analisa Ricardo Tomita, Diretor da Realiza.

        A média de crescimento mês a mês este ano, por modalidade é 23,36% automóveis, 28,09% imóveis, 45,58% motocicletas e 53,05% veículos pesados (caminhões, ônibus e tratores).

        Sobre a Realiza: Empresa especializada em consórcio com 20 anos de atuação em comercialização de cotas de imóveis, motos, carros e caminhões. Com sede em São Paulo, atualmente a companhia conta com 12 filiais, distribuídas em diversas regiões do Brasil, com mais de 400 profissionais internos e externos, e mais de 25.000 clientes ativos. Está entre as principais empresas de comercialização de consórcio, com alto índice de fidelização de clientes e total credibilidade. A Realiza é autorizada e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil e associada à ABAC (Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios). Visite o site: www.consorciorealiza.com.br


        saiba mais »

        22/06/2017 - Alterações na cobrança do ISSQN causarão dificuldades operacionais

        Para advogado, contribuintes devem questionar o veto

        No dia 30 de maio, o Congresso Nacional derrubou os vetos parciais impostos pelo atual Presidente da República na Lei Complementar 157/2016, alterando a competência municipal para cobrar o Imposto Sobre os Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), referentes a algumas atividades econômicas. A decisão do Congresso incluiu os até então vetados incisos XXIII, XXIV e XXV no art. 3 da Lei Complementar 116/2003. ?Na prática, isso significa que os municípios de domicílio dos tomadores dos serviços de cartões de crédito e débito, leasing e operadoras de planos de saúde em geral terão a competência para cobrar o ISSQN?, explica o advogado tributarista Cassius Lobo, que atua no escritório Küster Machado.

        De acordo com o profissional, que é especialista em Direito Tributário e Processo Tributário, até então o tributo era devido no local onde ocorria a efetiva prestação dos serviços ou em seu estabelecimento prestador. Para Lobo, além da dificuldade operacional que a alteração vai causar, fica claro que a derrubada do veto teve caráter meramente político, não levando em consideração a estrutura constitucional e infraconstitucional acerca do imposto. ?Esta situação deve ser questionada pelos contribuintes, evitando que seus direitos sejam suprimidos diante da incoerência dos nossos legisladores?, orienta.

        Outro ponto controverso apontado pelo advogado é o momento em que as mudanças devem ser seguidas pelos contribuintes. Isso porque o princípio da anterioridade, previsto na Constituição Federal, estabelece que é vedado aos entes federativos a cobrança de tributo instituído no mesmo exercício financeiro em que publicada a lei que o instituiu ou majorou. No entanto, o especialista afirma que o que ocorre na prática é bem diferente. ?É muito comum que os entes tributantes não observem tais direitos dos contribuintes?, analisa.

        ?Portanto, é de grande importância que as empresas tenham um acompanhamento personalizado para se adaptar a essas mudanças, bem como garantir que todos os seus direitos sejam respeitados pelos municípios. No mais, as eventuais ilegalidades mencionadas também devem ser discutidas, evitando assim qualquer tipo de tributação indevida de suas atividades?, finaliza.

        Küster Machado Advogados Associados - Com 27 anos de atuação nacional, Küster Machado oferece soluções jurídicas multidisciplinares e abrangentes nas áreas contenciosa e consultiva. Possui unidades nas cidades de Curitiba, Blumenau, Londrina, Florianópolis e São Paulo. O atendimento integrado se dá pela união de áreas estratégicas como o Direito Empresarial, Tributário, Societário, Contratos e Cível Empresarial, Operações Internacionais, Bancário e Financeiro, Trabalhista, Administrativo e de Direito Médico e da Saúde. É representante no Paraná da organização empresarial alemã "Badisch-Südbrasilianische Gesellschaft" (BSG), além de ser reconhecido como um dos primeiros escritórios de advocacia a receber a certificação ISO 9001 no Brasil.


        saiba mais »

        22/06/2017 - Evento apresenta alternativas para desafogar o judiciário

        O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, Desembargador Herbet José Almeida…

        O evento terá palestra do tabelião da região do Jequitinhonha, Leandro Teixeira, representante do Instituto de Protesto - MG, que vai falar sobre o protesto extrajudicial como uma opção para desafogar o judiciário, garantir a execução fiscal e melhorar a arrecadação dos municípios. Além disso, trata-se de medida essencial para o cumprimento da citada lei. O protesto extrajudicial é uma alternativa rápida e eficaz para recuperar dívidas. ?O evento vai esclarecer as vantagens do protesto da dívida ativa para os municípios e alertar sobre os riscos de cometimento de improbidade administrativa na falta da cobrança da dívida ativa ou na cobrança usando meios dispendiosos - como a execução fiscal. É importante que os prefeitos aproveitem a oportunidade para conhecer essa iniciativa?, finaliza Raquel Duarte Garcia, diretora-executiva do Instituto de Protesto-MG.


        saiba mais »

        22/06/2017 - Vendas de cotas de consórcios de automóveis da Realiza teve crescimento recorde de 238,71% na Região Nordeste no primeiro quadrimestre do ano

        A Região Nordeste teve crescimento recorde de 238,71% na venda de cotas de automóveis do…

        ?Somente em 2017, a média de aumento por mês é de 33,14%. O Nordeste é um mercado em constante crescimento em consórcios. O consumidor tem conhecimento do que é o produto e a segurança que ele representa, principalmente, em períodos como este que estamos presenciando com uma economia instável e vulnerável?, comenta Ricardo Tomita, Diretor da Realiza.

        A modalidade de consórcios que mais cresceu em média por mês na região é a de imóveis com 34,82%, seguido de motocicletas com 25,55% e veículos pesados (caminhões, ônibus e tratores), que representa 16,48% comparado ao mesmo período do ano passado.

        Sobre a Realiza: Empresa especializada em consórcio com 20 anos de atuação em comercialização de cotas de imóveis, motos, carros e caminhões. Com sede em São Paulo, atualmente a companhia conta com 12 filiais, distribuídas em diversas regiões do Brasil, com mais de 400 profissionais internos e externos, e mais de 25.000 clientes ativos. Está entre as principais empresas de comercialização de consórcio, com alto índice de fidelização de clientes e total credibilidade. A Realiza é autorizada e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil e associada à ABAC (Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios). Visite o site: www.consorciorealiza.com.br


        saiba mais »

        22/06/2017 - Universidade Corporativa Pearson oferece capacitação contínua para franqueados e seus funcionários

        Programas incluem cursos presenciais e online, e até mesmo um MBA

        Capacitação e treinamentos são essenciais para que redes de franquias entreguem seus produtos e serviços com qualidade padronizada. Na Pearson, referência em franquias de ensino de idiomas e responsável pelas redes Wizard by Pearson, Yázigi e Skill, esse tipo de capacitação é oferecido pela Universidade Corporativa, que reúne mais de 30 cursos presenciais e 200 a distância.

        Criada em 2014, a Universidade tem programas específicos tanto para proprietários de unidades franqueadas quanto para seus funcionários, como gestores, coordenadores, professores e profissionais das áreas comercial e financeira. ?Os cursos garantem o alinhamento de todos à nossa missão de transformar vidas por meio da educação?, explica Luciano Kliemaschewsk, presidente da Pearson no Brasil. ?Com isso, garantimos que a experiência de aprendizado do nosso aluno no Rio Grande do Sul, por exemplo, tenha o mesmo nível de excelência que o do estudante no Amazonas?.

        Um dos principais programas da Universidade Corporativa Pearson é o MBA Wizard, disponível para os proprietários de unidades da Wizard by Pearson, maior rede de ensino de idiomas do mundo. A grade curricular da pós-graduação abrange as áreas de pedagógica, financeira, comercial e de recursos humanos, capacitando o empresário de maneira completa para gerir sua escola. Recentemente, a Universidade também lançou o Pós-MBA Wizard, que aprofunda o conhecimento do franqueado em áreas como neuroeducação e neuromarketing.

        Em 2016, a Universidade Corporativa capacitou mais de 1400 pessoas presencialmente. Para os cursos online, são quase 20 mil usuários. O índice de satisfação das pessoas que passaram pelos treinamentos está acima de 93%.

        Sobre a Pearson

        Líder mundial em educação, a Pearson tem a missão de transformar vidas fornecendo uma aprendizagem de melhor qualidade e mais acessível. A Pearson acredita que a educação abre oportunidades para melhores condições de vida e carreira profissional. ­­Por meio da campanha do Projeto de Alfabetização (www.projectliteracy.com), a Pearson apoia ações em alfabetização e letramento. O objetivo é que, até 2030, nenhuma criança nasça com o risco de não ser alfabetizada. No País, o Projeto apoia a Plataforma Alfaletrar (www.alfaletrar.org.br), uma iniciativa do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária).

        No Brasil, a Pearson detém as principais marcas do mercado de franquias de idiomas: Wizard by Pearson ? maior rede de ensino de idiomas do mundo e líder do mercado no Brasil ?, Yázigi e Skill. Também atua em educação básica para escolas privadas por meio dos sistemas de ensino COC by Pearson e Dom Bosco by Pearson e, para escolas públicas, pelo Name ? Núcleo de Apoio a Municípios e Estados. No ensino superior, oferece catálogo de livros renomados, conteúdo digital, plataformas online de aprendizagem e serviços como apoio no desenvolvimento de ensino a distância. Também oferece coleções de livros didáticos e materiais digitais de apoio a institutos e escolas de idiomas e programas personalizados de ensino bilíngue para colégios regulares. Saiba mais em: www.pearson.com.br

        A empresa lançou, este ano, o sistema de ensino Atitude by Pearson, complementando seu portfólio de soluções para educação básica. O sistema poderá ser implementado em escolas de educação infantil e fundamental a partir de 2018 e, para ensino médio, a partir de 2019.


        saiba mais »

        22/06/2017 - A exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins trará uma perda de R$ 51 bilhões para o País, diz diretor do IBPT

        Com o propósito de debater o impacto da exclusão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias…

        Segundo Andrade, a decisão do Supremo Tribunal Federal deve impactar de forma direta nos cofres públicos. A mudança ainda pode provocar um desfalque de cerca de 20 bilhões por ano da arrecadação do governo em uma eventual derrota da Fazenda no Supremo. As ações ajuizadas até agora representariam uma perda de R$ 120 milhões com uma eventual devolução do que foi pago, podendo atingir R$ 1 bilhão com novas demandas. No Superior Tribunal de Justiça (STJ), o entendimento dos ministros sobre a tese é contrária ao contribuinte.

        Já para o diretor regional do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação- IBPT, o advogado Carlos Alberto Pinto Neto, que foi um dos debatedores do workshop, a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins representará uma perda de R$ 51 bilhões para o País relativamente às ações judiciais já propostas e uma perda de 25 bilhões anuais sobre as arrecadações futuras, segundo estudo inédito realizado pelo IBPT.

        O julgamento da exclusão do ICMS foi finalizado em meados de março pelo Supremo após quase 20 anos de discussão entre contribuintes e União. O resultado foi favorável às empresas, mas ainda não se sabe se quem contestou a cobrança no Judiciário conseguirá receber os valores já recolhidos. A Procuradoria ­Geral da Fazenda Nacional (PGFN) pedirá que o Supremo Tribunal Federal -STF module os efeitos de sua decisão, o que poderá representar o perdão da dívida passada e a validade do entendimento apenas para o futuro.

        ?O resultado do julgamento pode "precipitar" uma reforma tributária, o que não seria nada mal, porque poderia melhorar o fluxo de caixa das empresas, mas é preciso usar este recurso de forma assertiva?, afirmou o diretor do IBPT.

        O evento contou com a presença de renomados tributaristas para debater o assunto, entre eles Gustavo do Amaral Martins, advogado especialista da CNI; Pedro Teixeira de Siqueira Neto, sócio da área tributária do Bichara Advogados e Vinícius Jucá Alves, sócio do Tozzini Freire Advogados.

        Sobre o IBPT: O Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) teve sua origem no ano de 1992. Desde sua fundação, o IBPT se dedica ao estudo do complexo sistema tributário no país, sendo reconhecido pela adoção de uma linguagem clara e precisa à sociedade sobre a realidade tributária brasileira. O IBPT também lançou bases e fundamentos para viabilizar a lógica da transparência fiscal, promovendo conscientização tributária no entendimento sobre um Estado eficiente.


        saiba mais »

        22/06/2017 - Apenas 6% dos micro e pequenos empresários pretendem contratar crédito nos próximos três meses, mostra SPC Brasil e CNDL

        Indicador fica estável e atinge 13,1 pontos em maio. Desconfiança diante da crise é a…

        Com a economia ainda tardando para demonstrar crescimento, os micro e pequenos empresários seguem retraídos na busca por crédito. De acordo com dados apurados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes (CNDL), a demanda por crédito das micro e pequenas empresas (MPEs) atingiu 13,1 pontos em maio, ligeiramente acima dos 12,4 pontos registrados em abril, configurando uma estabilidade. Quanto mais próximo de 100, maior é a probabilidade de os empresários procurarem crédito e quanto mais próximo de zero, menos propensos eles estão para tomar recursos emprestados. Expressivos 84% dos MPEs afirmam não ter a intenção de tomar crédito, ante apenas 6% que manifestaram essa intenção.

        Entre aqueles que não pretendem tomar crédito, 43% dizem conseguir manter o negócio com recursos próprios. Esses empresários mencionam, ainda, a insegurança com as condições econômicas do país (18%) e as altas taxas de juros (18%).

        Três em cada dez (29%) micro e pequenos empresários consideram difícil o processo de contratação de crédito, contra 26% que avaliam como fácil. Entre os que consideram difícil, o excesso de burocracia e as exigência dos bancos são o principal entrave, mencionado por 45% desses empresários. Em segundo lugar aparecem as taxas de juros elevadas (41%). A contratação de empréstimo em instituições financeiras é o tipo de crédito mais difícil de ser contratado para 23% da amostra - para 12% é o crédito junto a fornecedores.

        Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, para explicar a baixa demanda dos micro e pequenos empresários por crédito, é preciso ir além da conjuntura. ?É verdade que as condições econômicas pesam, mas a sondagem mostra que o principal motivo para não contratar é a consideração de que os empresários conseguem se manter com recursos próprios. O dado sugere uma barreira entre as micro e pequenas empresas, que não veem no crédito um meio para se expandir ou, se veem, têm a percepção de que o processo pode ser demorado, burocrático e custoso?, afirma Pinheiro. ?Em face das dificuldades relatadas por esses empresários, políticas que forneçam informações e orientação sobre o processo de contratação de crédito e sobre a forma como convém usá-lo pode ser uma forma de fomentar o crescimento e o financiamento dessas empresas.

        Gráfico

        Indicador de Intenção de Investimento recua para 27,2 pontos em maio

        O micro e pequeno empresariado brasileiro também tem se mostrado pouco interessado em realizar investimentos em seus negócios. O indicador de propensão a investir registrou somente 27,2 pontos em maio, pouco abaixo dos 29,8 pontos observado em abril, o que configura estabilidade dentro da margem considerada pelo estudo. O indicador também leva em consideração uma escala que varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, mais o empresário tende a realizar investimentos.

        Em termos percentuais, 66% dos micro e pequenos empresários não pretendem investir nos próximos três meses, sendo uma das principais razões a desconfiança diante da crise (29%). Além desses, 38% disseram não ver necessidade de investir, 13% investiram recentemente e 10% mencionam a falta de crédito.

        ?O quadro é de baixo interesse pelo investimento e isso decorre, principalmente, da percepção de que não há necessidade de investir e das incertezas que ainda cercam o ambiente de negócios no país?, explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro. ?A crise, que se arrasta por quase três anos, afetou a renda das famílias e o consumo. Diante de um tal cenário, é até esperado que os empresários adiem seus planos de expansão ou melhoria dos negócios. O baixo apetite por investimentos é ainda acentuado pelas altas taxas de juros?, diz Pellizzaro.

        Aumento das vendas é o principal objetivo entre os que irão investir

        Mesmo diante de uma cenário ainda difícil, um quinto dos empresários (21%) sondados disseram que pretendem fazer algum investimento nos próximos 90 dias. Entre essa parcela minoritária de empresários, a principal motivação para investir é aumentar as vendas, mencionada por 47% desses empresários. Também são citadas a necessidade de adaptar a empresa a uma nova tecnologia (18%) e atender ao aumento da demanda (12%). Os investimentos prioritários serão ampliação de estoque (32%), investimentos em comunicação e propaganda (30%), compra de equipamentos (28%), reforma da empresa (22%,) e ampliação do portfólio (15%).

        Considerando os empresários que planejam investir, a maior parte irá recorrer ao capital próprio guardado na forma de aplicações ou investimentos (57%), ou resultante da venda de algum bem (12%). Há ainda 15% que mencionam o empréstimo em bancos e financeiras. A opção pelo capital próprio deve-se, principalmente, ao fato de os juros bancários serem muito altos, citado por 42%

        Metodologia

        Os Indicadores de Demanda por Crédito e de Propensão para investimentos do Micro e Pequeno Empresário calculados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) levam em consideração 800 empreendimentos com até 49 funcionários, nas 27 unidades da federação, incluindo capitais e interior. As micro e pequenas empresas representam 39% e 35% do universo de empresas brasileiras nos segmentos de comércio e serviços, respectivamente.

        Acesse a íntegra do indicador em:
        https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/indices-economicos


        saiba mais »

        22/06/2017 - Cinco dicas para projetar a carreira: da Universidade ao mercado de trabalho, um guia de boas escolhas

        Consultora da Page Talent aponta caminhos para elevar o nível de aprendizado e reforçar o…

        Conciliar os estudos em meio às dúvidas e dificuldades da fase inicial da carreira não é tarefa fácil. E nem sempre fica evidente que esta etapa pode ser decisiva para o desenvolvimento do jovem profissional: ?A universidade também deve ser compreendida enquanto laboratório de ideias e experiências saudáveis para a carreira, obviamente, sem que isso comprometa o ambiente de estudos e as oportunidades de convivência únicas deste período. É fundamental cultivar atividades, interesses e contatos que aproximem a rotina universitária da porta de entrada do mercado?, ressalta Manoela Costa, gerente executiva da Page Talent, unidade de negócios da Page Personnel dedicada ao recrutamento de estagiários e trainees.

        Confira cinco dicas para o jovem profissional projetar sua carreira a partir da vida universitária, momento em que as oportunidades de convivência e aprendizado são abundantes.

        1- Comece cedo: busque oportunidades desde o início (evite a pressão do 3º ano)

        Muitos jovens acreditam que os primeiros anos de faculdade são apenas para estudar e aproveitar a vida com maior independência: ?É ótimo aproveitar o clima de recém-chegado à faculdade, mas os barzinhos não precisam ser as únicas atividades fora das aulas. Quanto mais cedo o jovem pensa sobre a sua escolha profissional, menor será a preocupação no emblemático terceiro ano universitário, que é justamente o período quando todos começam a vasculhar oportunidades dentro do campo que estão estudando. Mas, é muito importante que os estudantes tenham em mente que eles não precisam começar as experiências de trabalho apenas nos estágios. Cito alguns exemplos: é possível se candidatar para ser monitor de classe, principalmente em matérias/aulas que o jovem se identifica. Outro ponto, se colocar à disposição dos professores em projetos de pesquisa e atividades de estudos, e até mesmo trabalhar de forma voluntária na biblioteca, nos laboratórios, empresas juniores, athleticas e outras entidades das faculdades. Todas essas iniciativas atribuirão repertório e senso de responsabilidade, fatores que todas as empresas buscam, e que nesta etapa da vida, os jovens têm a chance de desenvolver no próprio ambiente de estudos?, confirma Manoela Costa.

        2 - Leve a sério os trabalhos em grupo (nas empresas será crucial lidar com equipes)

        Alguns jovens pensam que trabalho em grupo é o mesmo que dividir as responsabilidades em partes, onde cada um faz o seu, e no final é só reunir tudo no mesmo arquivo e pronto. ?Bom, quem já passou por isso, sabe que não funciona. Pode parecer ingênuo e trabalhoso, mas os trabalhos em grupo são muito importantes para a compreensão do que é trabalhar em equipe no mundo corporativo. No começo, o jovem não conhece bem as outras pessoas, portanto, haverá embates de liderança dentro de projetos, e até bate-boca por conta de ideias diferentes e atitudes que não agradam ao grupo como um todo. Tudo isso é normal. Essas experiências são muito importantes, pois representam na prática o que é liderar, delegar funções, montar apresentações, e criar relatórios, tudo muito parecido com a vida real dentro das empresas.

        Diante de um jovem que se dedicou nos trabalhos em grupo, recrutador saberá a diferença entre uma pessoa que está acostumada a trabalhar em sintonia com as outras e pessoas que não sabem lidar com ideias distintas?, ensina a gerente executiva da Page Talent.

        3 - Dê um passo de cada vez (saltar do estágio para a Presidência não é o padrão)

        Alguns jovens têm muita pressa de serem bem-sucedidos, por uma série de fatores. A visão moderna do sucesso exige importantes reflexões para as pessoas e para a sociedade. ?É comum ouvir das empresas que alguns acreditam que vão se formar hoje e virar diretores amanhã. É importante ir com calma, passar até mesmo por mais de um estágio, antes de mergulhar na construção de carreira, porém, antes disso é muito saudável participar da vida universitária de forma intensa (em diretórios acadêmicos, monitorias, pesquisa, simulações).

        Em resumo, o jovem priorizar o autoconhecimento. Existem muitos exemplos de estudantes que se tornam milionários da noite para o dia, em especial em ramos de tecnologia ligados às startups, mas essa não é a regra para a imensa maioria. A inspiração é válida, mas não é razoável considerar que todos terão o mesmo destino, por exemplo, do fundador do Facebook?, comenta a consultora.

        4 - Não se compare com os outros (aproveite para treinar as suas virtudes)

        Durante os estudos é natural o sentimento de comparação, às vezes incessante, entre os jovens e os seus colegas. ?Cada um tem o seu tempo e sua história para construir. Tem gente que vai fazer um estágio antes de todo mundo, outros vão entrar em atividades esportivas, e ainda tem aqueles que são muito envolvidos com as preocupações da classe (representantes de sala, monitores etc.). No final das contas o importante é saber que quanto mais o jovem aproveitar a vida na universidade, mais ele estará preparado para a sua carreira. O mundo do trabalho não começa só depois do diploma. Toda a troca de saberes e divisão de preocupações serão uma espécie de academia para as habilidades, como se o estudante estivesse treinando os seus conhecimentos e descobrindo as suas limitações, que certamente, ficarão mais evidentes a partir da rotina no mercado de trabalho?, sinaliza Manoela Costa.

        5 - Aprenda com os outros (esteja atento ao potencial das pessoas)

        Pode parecer clichê, mas muitos jovens não sabem o quão valioso é aprender com as outros. ?É interessante notar que um líder só atingirá os resultados pretendidos se for capaz de aprender com a sua equipe ? inclusive para corrigir os erros com mais qualidade. Na vida profissional é preciso ir além dos cursos para desenvolver habilidades, hoje o profissional que é capaz de extrair melhorias para as empresas, e para os negócios, partindo do conhecimento contido nas pessoas à sua volta, é extremamente valorizado. Olhar para o potencial das pessoas é algo comum na vida acadêmica, pois os talentos da sala de aula vão se revelando em diferentes etapas da formação. No mundo corporativo isso também ocorre, e quem souber aprender com outros, estará sempre à frente?, finaliza Manoela Costa.

        Sobre a Page Talent

        Page Talent é a unidade de negócios da Page Personnel dedicada ao recrutamento de estagiários e trainees. É parte do PageGroup no Brasil.


        saiba mais »

        22/06/2017 - Curso ensina a medir eficiência em programas de Compliance

        Seguindo a tendência do mercado de investir em práticas que mantenham a transparência empresarial e…

        Com a presença de especialistas nas áreas de Economia, Negócios, Direito e Finanças, o evento transmitirá técnicas de medição da eficiência e eficácia de um Programa de Compliance. Proporcionando debates e reflexões sobre o tema, os participantes poderão discutir ideias e soluções para essa área empresarial.

        O curso é voltado a executivos da área de governança, membros de conselhos de administração, controllers, auditores, advogados, gestores de negócios, acionista, entre outros. O professor João Francisco de Aguiar, economista da Universidade Presbiteriana Mackenzie preside a mesa de especialistas e abre o evento às 9h, no início da programação.

        O Indicadores de Desempenho para Compliance se mostra importante para que as organizações saibam na prática como estruturar, implantar e promover a correta gestão dos indicadores de desempenho para a área. Por isto, torna-se imperativo falar sobre estas questões e reconhecer as boas práticas existentes no mercado.

        Serviço
        Data: 28/06
        Horário: 8h45 às 18h
        Local: Golden Tulip São Paulo Paulista
        Rua Frei Caneca, 1199 ? Cerqueira Cesar
        São Paulo - SP
        Mais informações http://inovaseminarios.com.br/eventos/indicadoresdedesempenho-para-compliance


        saiba mais »

        22/06/2017 - Espaço Realize oferece palestra "Ferramentas do Facebook para Negócios"

        O Espaço Realize ? Reconstruindo Mentes e a jornalista Cristiane Magno apresentarão a palestra ?Ferramentas…

        Cada vez mais utilizado por empresas, a rede social Facebook deixou de ser apenas uma ferramenta de manter contato com amigos e familiares para se tornar uma grande força no mundo dos negócios. Com esta visão, a rede social criada por Mark Zuckerberg vem apresentando cada vez mais opções para que empresas consigam atingir êxito ao investir em suas ferramentas digitais. Os conteúdos abordados serão: O que é o Facebook; A apropriação da rede pelas empresas; Ferramentas: como utilizar; e Conteúdos relevantes para diferentes públicos.

        A palestra será ministrada pela Jornalista Cristiane Magno, formada em Comunicação Social pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA ? RS) e com especialização em Televisão e Convergência Digital pela Universidade do Val do Rio dos Sinos (UNISINOS). Cristiane possui dez anos de experiência na área de comunicação, tendo atuado em mídias como revista, rádio e canais locais de televisão. Nos últimos anos dedicou-se à comunicação corporativa, atuando em duas agências de comunicação e hoje como sócia-diretora da Agência Seis | Comunicação Integrada.

        O Espaço Realize foi projetado para coworkings, divulgações, cursos, treinamentos, eventos temáticos, palestras, workshops, redes colaborativas, bazares e brechós, artesanatos, sessões de coach, hipnose, terapias holísticas e alternativas, psicologia, psiquiatria, danças, yoga e artes em geral.

        A palestra iniciará às 19h30, com previsão de término para às 22h.

        Inscrições através do link: https://www.sympla.com.br/ferramentas-do-facebook-para-negocios__153083.


        saiba mais »

        22/06/2017 - Quatro orientações para administrar as finanças de uma loja

        Uma preocupação que é primordial em um negócio é o dinheiro. Toda loja do varejo…

        Para quem não conhece, esse é o entendimento das movimentações financeiras existentes na empresa, possibilitando um maior controle, análise, avaliação da segurança financeira do negócio e de poupança de recursos. Com isso, se obterá uma estimativa das necessidades futuras de recursos e/ou como e quando será aplicado o excedente de caixa.

        A inexistência de uma gestão financeira eficaz de uma empresa leva à insustentabilidade do negócio, gerando problemas como a necessidade de buscar crédito no mercado ou ?rolar? pagamentos de fornecedores e prolongar dívidas, que geram um círculo vicioso e podem levar à falência.

        Portanto, veja recomendações importantes:

        Tenha seus números ? dados são primordiais para o sucesso, então, é primordial fazer um detalhamento de todos os gastos e ganhos de sua empresa;

        Busque rentabilidade ? a busca de um melhor retorno em sua empresa pode se dar de várias formas, com redução de preço de compra de medicamentos e outros produtos ou aumento da venda;

        Saia de ciladas - em caso de endividamento, é fundamental um plano de ação para sobreviver a esse percalço e, se a situação for grave, os cortes também terão que ser drásticos. Ocasionalmente, é bom recuar para se fortalecer;

        Use a inteligência ? a busca de redução pode estar nos mais variados locais, aí a relevância do olhar clínico do empreendedor. Muitas vezes, os problemas financeiros nascem da falta de percepção de gastos errados e desnecessários, lembrando que os desperdícios são custos e as despesas aquelas utilizadas de forma descuidada, em atividades que não agregam valor.

        Paulo Roberto O. da Costa, diretor geral da Farmarcas, associação criada para administrar agrupamentos farmacêuticos e redes associativistas com mais de 600 farmácias associadas

        DSOP Educação Financeira
        Av. Paulista, 726 - 12º andar - cj. 1205 - São Paulo - SP Telefone: (11) 3177-7800


        saiba mais »

        22/06/2017 - Inovação na Crise: Pecado ou Salvação?

        Por Juliano Martins*

        Neste momento de reativação da atividade econômica do consumo, ouvimos muito, sobretudo no mercado varejista, que a única solução para sair da crise é cortar custos. Mas, será que fechar lojas ou gerar novas vendas com ações como promoções e redução de preços são as únicas formas de aumentar a eficiência do varejo brasileiro em um período como este?

        Nós achamos que não e entendemos que, para sairmos da crise, a inovação tecnológica é um caminho concreto, real e imediato. Algumas evidências mostram que é possível inovar em tempos difíceis, gerando resultados financeiros importantes e com recursos amplamente disponíveis no mercado brasileiro. Basta começar!

        Algumas iniciativas corroboram para isso. Você sabia que o ?Magazine Luiza?, um dos maiores varejistas do Brasil, atribui a sua virada nos resultados financeiros às iniciativas de inovação? Segundo o CEO da companhia, Frederico Trajano, o processo foi profundo e mudou o posicionamento da empresa: de uma companhia tradicional com um departamento digital, para uma organização digital com pontos físicos e calor humano.

        A mudança se concretizou com a criação do núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento do ?Magazine Luiza?, o ?Luizalabs?. Trata-se de um laboratório de Tecnologia e Inovação, cujo objetivo é criar produtos e serviços com foco no varejo, oferecendo aos clientes mais benefícios e uma melhor experiência de compra. Hoje, são mais de cem pessoas envolvidas no ?Luizalabs?. Ao que tudo indica, eles estão levando o assunto a sério.

        A frente de transformação digital da empresa é muito estruturada e faz parte dos pilares estratégicos da companhia declarados ao mercado. Na nossa visão, hoje, é o caso mais bem sucedido de gestão da inovação no varejo brasileiro.

        Também vale destacar o trabalho desenvolvido por algumas startups. Segundo o estudo ?Mapped in Brasil? ? plataforma online que permite monitorar o ecossistema empreendedor ? publicado recentemente pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostrou que este universo está pronto para entregar um volume significativo de soluções ao mercado brasileiro: atualmente, são 128 startups mapeadas, 47 aceleradoras, 41 empresas de venture capita e 30 parques tecnológicos. E muitas têm soluções maduras e com custos bastante acessíveis para o varejo.

        O consumidor brasileiro está gritando por inovação no varejo. E isto não é um exagero. O relatório ?Clientes do varejo estão gritando ? você está se adaptando??, da ?Accenture Consulting? traz exatamente uma visão clara sobre como os consumidores querem interagir com a tecnologia no ponto de venda.

        Cito alguns insights interessantes deste relatório sobre o comportamento do consumidor brasileiro: 56% não podem esperar para receber recomendações inteligentes de compra quando estão dentro da loja; 47% querem poder comprar usando pontos de programas de fidelidade de forma fácil e ágil no ponto de venda; e 39% têm interesse em meios de pagamento mobile (a média global é de 25%).

        Mas, o que mais surpreendeu neste estudo é que 82% dos consumidores brasileiros tiveram seu comportamento de compra influenciado pelo Google (a média global é de 57%) e 68% dos entrevistados ?confessaram? terem sido impactos diretamente pelo ?Facebook? (no mundo, esta média é de 41%).

        Com base nestas informações, não dá mais para dizer que não se implementa tecnologia ou inovação no varejo porque o consumidor brasileiro não quer ou não se adapta. Será preciso dar outra desculpa.

        As evidências estão aí, assim como é latente a necessidade de agir rápido. Chegou a hora de o varejo brasileiro obter resultado com o uso da inovação tecnológica no seu negócio. E, neste contexto, estamos certos de que este é o caminho a ser seguido.

        *Juliano Martins é diretor vogal do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR)


        saiba mais »

        22/06/2017 - Certisign lança serviço de assinatura eletrônica

        Modalidade pode ser utilizada para formalizar transações, sem papel e caneta, e tem valor legal

        A Certisign, empresa líder em Certificação Digital na América Latina e especialista em Identificação Digital, lança ao mercado o serviço de assinatura eletrônica, modalidade que viabiliza a formalização de transações no meio digital, sem caneta e papel, mas com validade legal.

        "Somos especialista em identificação digital e, por isso, ampliamos o nosso portfólio de serviços ofertando mais essa possibilidade aos nossos clientes e futuros clientes", explica Maria Teresa Aarão, diretora de Inovação em Produtos e Mercados da Certisign.

        A assinatura eletrônica é gerada a partir da grafia de uma assinatura na tela de um dispositivo (computador, celular e tablet) e tem eficácia probatória de acordo com as evidências colhidas, como a geolocalização, voz, imagem, entre outros critérios. Segundo Maria Teresa, ela é indicada para formalizar transações com baixo risco financeiro e de curto prazo.

        O novo serviço está disponível em duas modalidades: por meio do portal de assinaturas, onde o cliente pode submeter o arquivo e realizar a transação, ou via API (Application Programming Interface), indicado para empresas que desejam integrar a tecnologia em seus sistemas.

        Benefícios

        A assinatura eletrônica permite migrar processos realizados no meio físico para o digital, como o de assinatura de recibos de entrega, aceite de propostas, contratos de serviços e financiamentos, entre outros.

        "Todo documento que implique o consentimento e que formalize uma situação a qual já tenha sido registrada por sistema, telefone, SMS, e-mail, ou qualquer outro meio eletrônico, pode ser assinado eletronicamente. Como consequência, há redução de custos e melhora a eficiência operacional, pois não é preciso imprimir vias e mais vias de papel, transportar documentos, ter espaço para o armazenamento físico, entre outros".

        Sobre a Certisign

        A Certisign é a Autoridade Certificadora líder da América Latina e especialista em Identificação Digital. Com mais de 2.000 Pontos de Atendimento por todo o Brasil, ao longo dos seus 20 anos, já emitiu mais de 10 milhões de Certificados Digitais, possui em seu portfólio de clientes as companhias mais representativas do País e está entre as empresas mais inovadoras do Brasil, de acordo com as pesquisas ?Inovação Brasil 2016?, da Strategy & Consultoria Estratégica do Network PwC, e "50 Empresas Mais Inovadoras do País", da DOM StrategyPartners. Para mais informações acesse: www.certisign.com.br.


        saiba mais »

        22/06/2017 - GDT realiza Seminário Tributação Setorial ? Saúde, gratuito, no Rio de Janeiro

        O Grupo de Debates Tributários (GDT) realiza no dia 6 de julho (quinta-feira) o Seminário…

        A programação reunirá especialistas para um dia de debates e palestras. A lista inclui os nomes: Dr. Sérgio Custódio Vieira (presidente da regional Rio de Janeiro da Associação Brasileira de Planos de Saúde ? Abramge), Luis Felipe Bueno (Gouveia Vieira Advogados), Daniela Inglez (Amil), Gabriel Rocha (Murayama Advogados), Catarina Borzino (Vieira Rezende Advogados), Diogo Santesso (Santesso Advogados).

        O evento é gratuito, e as vagas são limitadas, com inscrições através do e-mail escolaagu [DOT] rj [AT] agu [DOT] gov [DOT] br.

        Confira a programação completa:

        8h45. Recepção dos participantes do seminário

        9h00. Abertura do seminário: Dr. Sérgio Custódio Vieira (Abramge)

        9h00. Tema 1.

        ? Presidente de mesa: Luis Felipe Bueno (Gouveia Vieira Advogados)

        LC 157/2016 e competência para exigência do ISS para as operadoras de planos de saúde

        ? Palestrante: Daniela Inglez (Amil)

        9h30. Tema 2.

        Ressarcimento ao SUS

        ? Palestrante: Gabriel Rocha (Murayama Advogados)

        10h00. Debates

        10h30. Coffee-Break

        ? Presidente de mesa: Janssen Murayama (Murayama Advogados)

        11h00. Tema 3.

        ISS e contribuição previdenciária nas operadoras de planos de saúde

        ? Palestrante: Catarina Borzino (Vieira Rezende Advogados)

        11h30. Tema 4.

        A legalidade da Taxa de Saúde Suplementar

        ? Palestrante: Diogo Santesso (Santesso Advogados)

        12h00. Debates

        12h30. Rodada final de debates

        13h00. Encerramento


        saiba mais »

        22/06/2017 - SOMPO lança campanha de check up gratuito em veículos em São Paulo com blitze da equipe da Transamérica Esportes

        SOMPO lança campanha de check up gratuito em veículos em São Paulo com blitze da equipe da Transamérica Esportes
        Seguradora completa primeiro ano de atuação sob nova marca no Brasil com ação que visa…

        A Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings ? um dos maiores grupos seguradores do mundo ? acaba de lançar uma ação que tem como objetivo chamar a atenção para a importância de fazer a revisão periódica do veículo, sobretudo antes das viagens, tão comuns nesse período. Por meio da campanha Check up de Férias Sompo, a equipe Transamérica Esportes, da Rádio Transamérica de São Paulo, vai comandar Blitze na capital paulista, nas quais serão distribuídos brindes e disponibilizados gratuitamente serviços de reparo e manutenção automotivos preventivos como forma de garantir a segurança e qualidade de vida de condutores e passageiros de veículos.

        Os serviços oferecidos serão feitos por profissionais especializados. Para isso, a Sompo vai contar com a parceria da Autoglass, empresa prestadora de serviços de reparação de vidros e serviços automotivos, responsável pelos serviços de Cristalização de Vidros e Lubrificação de Canaletas; e da Dr. Auto, centro automotivo encarregado de efetuar os serviços de Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias).

        A campanha será itinerante e seguirá uma agenda em cada uma das unidades em que os serviços serão prestados. A ação acontece até o dia 19 de agosto em unidades da Sompo Seguros e da Dr. Auto nas regiões Norte, Sul e Leste da capital paulista.  A Sompo apurou que durante feriados prolongados e períodos de férias, os acionamentos referentes à pane automotiva aumentam cerca de 12%. Desse volume, 45% acontecem por problemas no motor, seguido por problemas com bateria (41%), câmbio/marchas e pane elétrica (5%) e embreagem (4%).

        Investimento em Marca

        A campanha é uma das iniciativas da seguradora de investimento em sua marca. A companhia já é patrocinadora da programação esportiva da Rádio Transamérica e também conta com um plano de mídia que contempla uma série de veiculações em TV, Rádio, Mídia Impressa, Outdoor, mídias digitais, além de Relações Públicas. A companhia, que trabalha com as agências Neogama (Publicidade) e RMA (Relações Públicas, Comunicação Estratégica e Mídias Sociais), está próxima de completar um ano de atuação no Brasil sob sua nova marca.

        O processo para adoção da nova identidade da Sompo Seguros S.A. teve início em 2009, quando a Marítima Seguros, uma companhia fundada em Santos (SP) há mais de 70 anos, vendeu 50% de sua participação acionária à Yasuda Seguros, que atuava no Brasil desde 1959 e era subsidiária do Grupo Sompo Japan (hoje, Grupo Sompo Holdings). No início de 2013, o Grupo Sompo, por intermédio da Yasuda Seguros S.A., aumentou sua participação, assumindo o controle acionário da Marítima Seguros S.A. Já em abril de 2014, a companhia obteve a aprovação prévia da SUSEP - Superintendência de Seguros Privados, para se incorporar, passando a se chamar Yasuda Marítima Seguros. A aprovação final do órgão regulador foi concedida e publicada no dia 7 de outubro de 2014. Após conclusão do processo de integração houve a decisão pela mudança da marca para Sompo Seguros S.A., já autorizada pela SUSEP e que passou a valer desde 1º de Julho de 2016.

        Agenda:

        Campanha Check up de Férias Sompo

        O que é: Blitze com check up preventivo e prestação de serviços automotivos gratuitos e distribuição de brindes

        A quem se destina: Público em geral

        Datas e Locais:

        Data: 24 de junho (sábado)

        Horário: Das 10h00 às 13h00

        Local: Centro Automotivo Sompo - Bandeirantes

        Endereço: Av. dos Bandeirantes, 5254 - São Paulo

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Cristalização de Vidros e Lubrificação de Canaleta e Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        Data: 08 de julho (sábado)

        Horário: Das 10h00 às 13h00

        Local: Dr. Auto

        Endereço: Av. Engenheiro Caetano Alvares, 3495 - Zona Norte

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        Data: 12 de julho (quarta-feira)

        Horário: Das 14h00 às 17h00

        Local: Centro Automotivo Sompo - Tatuapé

        Endereço: Av. Regente Feijó, 245 - Jd. Anália Franco

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Cristalização de Vidros e Lubrificação de Canaleta e Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        Data: 19 de julho (quarta-feira)

        Horário: Das 14h00 às 17h00

        Local: Centro Automotivo Sompo - Bandeirantes

        Endereço: Av. dos Bandeirantes, 5254 - São Paulo

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Cristalização de Vidros e Lubrificação de Canaleta e Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        Data: 26 de julho (quarta-feira)

        Horário: Das 14h00 às 16h00

        Local: Dr. Auto

        Endereço: Av. Engenheiro Caetano Alvares, 3495 - Zona Norte

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        05 de agosto (sábado)

        Horário: Das 10h00 às 13h00

        Local: Centro Automotivo Sompo - Tatuapé

        Endereço: Av. Regente Feijó, 245 - Jd. Anália Franco

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Cristalização de Vidros e Lubrificação de Canaleta e Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        Data: 12 de agosto (sábado)

        Horário: Das 10h00 às 13h00

        Local: Dr. Auto

        Endereço: Av. Engenheiro Caetano Alvares, 3495 - Zona Norte

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        Data: 19 de agosto (sábado)

        Horário: Das 10h00 às 13h00

        Local: Centro Automotivo Sompo - Tatuapé

        Endereço: Av. Regente Feijó, 245 - Jd. Anália Franco

        Serviços oferecidos: Check up de Férias: Cristalização de Vidros e Lubrificação de Canaleta e Diagnóstico (Revisão de Freios, Lanternas/Faróis, Amortecedor, Pneus, Direção, Transmissão, Baterias)

        QUOTE:


        Ricardo Ramos, Gerente de Experiência do Cliente da Sompo Seguros:

        ?É comum acompanharmos situações em que a pane ocorreu porque o proprietário do veículo esqueceu de efetuar a revisão periódica. Ao realizar esse procedimento a cada 10 mil quilómetros ou a cada seis meses, as chances de ficar no meio do caminho diminuem substancialmente?.


        Andre Gouw, Gerente de Comunicação e Marketing da Sompo Seguros:

        ?Com as ações de marketing realizadas ao longo de um ano conseguimos proporcionar uma boa visibilidade da marca Sompo e de seus valores em nossos principais públicos: o corretor de seguros e os segurados, sejam estes clientes já conquistados ou em potencial. Além da consolidação desse conhecimento dos atributos da marca, as estratégias de comunicação da marca visam também dar suporte ao trabalho de expansão da companhia no Brasil?.

        Sobre a SOMPO Seguros S.A

        A Sompo Seguros S.A. é uma empresa do Grupo Sompo Holdings, um dos maiores grupos seguradores do Japão e do mundo. Resultado da integração das operações da Marítima Seguros, companhia fundada em Santos em 1943, e da Yasuda Seguros, que está no Brasil desde 1959; a companhia atua nas áreas de Seguros Corporativos (Auto Frotas, Transportes, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, Empresariais Segmentados, Riscos Diversos, entre vários outros) e Pessoais (Auto, Residencial e Acidentes Pessoais); bem como na área de Seguro Saúde. Atualmente a empresa conta com filiais em todas as regiões brasileiras.

        O Grupo Sompo Holdings tem sua origem no Japão, atua há 128 anos no mercado de seguros e hoje conta com subsidiárias nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.

        • sompo


          saiba mais »

          22/06/2017 - Em Seis Meses, Portal do Corretor AIG Atinge a Produção Total do Ano Anterior

          Fabio Cabral - Diretor Comercial
          Endossando os movimentos de digitalização do mercado segurador brasileiro, o Portal do Corretor AIG atingiu,…

          ?É, sem dúvida, uma das estratégias mais bem sucedidas da AIG Brasil Seguros nos últimos tempos. O número de corretores que utilizam nossa plataforma vem aumentando consideravelmente mês a mês?, revela Fabio Cabral, Diretor Comercial da seguradora. Lançado no fim de 2015, o Portal do Corretor da AIG tem hoje 5.000 corretores cadastrados.

          ?Corretores mais focados em tecnologia para agilizar seus negócios e atender mais rapidamente as demandas de seus clientes já concentram parcela significativa de suas atividades no Portal. E queremos ampliar nossa base ainda este ano, à medida que incrementamos os recursos e oferecemos cada vez mais funções?, complementa Cabral.

          Desenvolvido com o objetivo de ser um facilitador de negócios, o Portal permite aos corretores fazerem cotações e emissões de apólices de maneira 100% digital, acompanhando o status das transações em tempo real, além de buscar informações sobre produtos e treinamentos. Oferece um mix diversificado de seguros: Responsabilidade Civil Geral e Profissional, Empresarial, Gestão Protegida/D&O, Transporte, Ambiental, Patrimonial e CyberEdge®. Vamos inserir novos produtos no segundo semestre, aumentando a gama que hoje já é uma das mais completas do mercado?, conta o Diretor Comercial.

          Fábio Cabral complementa afirmando que a utilização da tecnologia já é uma realidade no mercado segurador e que cada vez mais o cliente espera agilidade no atendimento.

          ?Inovação sempre esteve em nosso DNA, e esse trabalho evidencia essa busca contínua por uma melhor eficiência operacional, tornando o trabalho do corretor mais simplificado e ágil, além de ser uma oportunidade de ampliar a oferta de seguros aos seus clientes?, ressalta Cabral.

          Para mais informações sobre o Portal do Corretor, assista ao vídeo aqui:

          https://www.youtube.com/watch?v=Xesn3c6OuG4

          Sobre a AIG

          A American International Group, Inc. (AIG) é uma das organizações líderes no mercado securitário internacional. Fundada em 1919, hoje em dia as empresas do grupo oferecem uma ampla gama de seguros de responsabilidade civil e patrimonial, produtos de aposentadoria e outros serviços financeiros a clientes em mais de 80 países e jurisdições. Essa oferta diversificada inclui produtos e serviços que ajudam pessoas físicas e jurídicas a protegerem seus ativos, gerenciarem seus riscos e planejarem a aposentadoria com segurança. Os negócios principais da AIG incluem Seguros Corporativos e Seguros para Pessoas Físicas, e também outras Operações. Seguros Corporativos abrangem dois módulos: Responsabilidade Civil e Linhas Financeiras; e Patrimonial e Riscos Especiais. Seguros para Pessoas Físicas abrangem quatro módulos: Aposentadoria Individual, Aposentadoria em Grupo, Seguro de Vida e Seguros Pessoais. As ações da AIG são cotadas nas bolsas de valores de Nova Iorque e de Tóquio.

          Informações adicionais sobre a AIG em www.aig.com e www.aig.com/strategyupdate | YouTube: www.youtube.com/aig | Twitter: @AIGInsurance www.twitter.com/AIGinsurance | LinkedIn: http://www.linkedin.com/company/aig.

          • aig


            saiba mais »

            22/06/2017 - Minuto Seguros é Indicada pelo 4º Ano Seguido ao Prêmio Época Reclameaqui

            Marcelo Blay, CEO da Minuto Seguros.
            Líder no segmento de seguros online, empresa recebeu o troféu em 2014 e foi finalista…

            A Minuto Seguros, uma das principais corretoras do país e líder no segmento de seguros online, está mais uma vez entre as indicadas ao Prêmio ÉPOCA ReclameAQUI ? As melhores empresas para o consumidor 2017. Este é o quarto ano consecutivo em que a empresa concorre à premiação, desta vez na categoria Seguros Online.

            A Minuto recebeu o troféu do Prêmio ÉPOCA ReclameAQUI em 2014 e foi finalista das edições de 2015 e 2016, mostrando que o atendimento de excelência é uma de suas principais virtudes.

            ?Nós valorizamos o atendimento humano qualificado e acreditamos que isso é um dos pontos fundamentais para continuarmos crescendo. Mais difícil do que chegar a esse patamar é manter-se nele por quatro anos seguidos. A consistência em prezar por um bom atendimento, oferecendo simpatia, atenção, eficiência e agilidade não poderia resultar em outra coisa. Nosso intuito é continuar construindo uma história de excelência no atendimento. Estamos muito contentes pela indicação ao prêmio e por fazer parte deste seleto grupo de empresas?, diz Marcelo Blay, CEO da Minuto Seguros.

            Apesar de ser uma empresa que tem a tecnologia como base dos negócios, a Minuto é, acima de tudo, uma empresa humana. Além de estar preocupada em facilitar a vida do consumidor na hora da escolha do seguro, a corretora possui em seu time uma equipe de colaboradores voltados para assegurar a excelência no atendimento. Todo o processo de contratação de apólices é feito por meio de consultores que cuidam da venda e do pós-venda, humanizando essa relação e sempre tratando ela com muita atenção e cuidado.

            Presença constante nos rankings do ReclameAQUI, que mostram a eficiência ? ou ineficiência ? de atendimento das empresas no portal, a Minuto foi destaque mais uma vez em maio. A companhia foi considerada a de melhor desempenho dentro de seu segmento de atuação e a terceira melhor do Brasil, no geral, de acordo com o ranking ?Melhor índice de solução?. Nessa lista, são avaliadas cerca de 120 mil companhias, de todos os setores.

            Para saber mais sobre o Prêmio ÉPOCA ReclameAQUI, acesse: http://premio.reclameaqui.com.br/

            [+] SOBRE A minuto seguros

            A Minuto Seguros é uma corretora de seguros que possui um site de interface simples, com navegação segura e rápida, além de uma organizada estrutura de equipe de atendimento com consultores especializados e preparados para oferecer suporte por telefone, e-mail ou chat. Com a Minuto Seguros, você experimenta a verdadeira união da praticidade virtual com o comprometimento e o respeito do atendimento real. Essa combinação oferece aos clientes uma experiência completa, visando contemplar exatamente aquilo que cada um está buscando. São mais de 15 seguradoras disponíveis, incluindo os principais players do mercado. Além do Seguro Auto oferecido no site, destacam-se também o Seguro Residencial, o Seguro Viagem, o Seguro para Eletrônicos, o Seguro para Pequenas e Médias Empresas e outras soluções para empresas.

            Acesse: www.minutoseguros.com.br.


            saiba mais »

            22/06/2017 - SOMPO atende em novo endereço em Porto Alegre

            SOMPO atende em novo endereço em Porto Alegre
            A Sompo Seguros, que englobou as operações da Marítima e Yasuda, está em novas e…

            Ao longo da primeira semana recepcionou corretores parceiros para um café e apresentar as novas instalações.

            A nova sede possui um formato mais moderno o que facilita a comunicação e atuação junto aos corretores.

            Renato Comarin é o Gerente da Filial Porto Alegre.

            Sobre a SOMPO Seguros S.A

            A Sompo Seguros S.A. é uma empresa do Grupo Sompo Holdings, um dos maiores grupos seguradores do Japão e do mundo. Resultado da integração das operações da Marítima Seguros, companhia fundada em Santos em 1943, e da Yasuda Seguros, que está no Brasil desde 1959; a companhia atua nas áreas de Seguros Corporativos (Auto Frotas, Transportes, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, Empresariais Segmentados, Riscos Diversos, entre vários outros) e Pessoais (Auto, Residencial e Acidentes Pessoais); bem como na área de Seguro Saúde. Atualmente a empresa conta com filiais em todas as regiões brasileiras.

            O Grupo Sompo Holdings tem sua origem no Japão, atua há 128 anos no mercado de seguros e hoje conta com subsidiárias nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.


            saiba mais »

            22/06/2017 - Startups: como fazer o negócio dar certo

            Startups: como fazer o negócio dar certo
            Porcentual de sobrevivência ainda é baixo no Brasil; professor do ISAE ? Escola de Negócios…

            As startups continuam sendo as apostas do mundo dos negócios e vêm ganhando cada vez mais espaço e incentivo no Brasil: nesta semana, a Financiadora de Pesquisas e Estudos (Finep), do Ministério da Ciência e da Tecnologia, anunciou um plano para investir em pelo menos 50 startups no país que faturem até 3,6 milhões anuais (cada uma receberá até R$ 1 milhão). Fomentar o mercado é essencial, porém, é preciso estratégia além do capital para sobreviver ? pesquisa do Sebrae mostra que 50% das startups no Brasil morrem em menos de cinco anos.

            São vários fatores que levam a esse alto porcentual, mas há quatro principais, diz o professor de estratégia e inovação do ISAE ? Escola de Negócios, Sérgio Itamar: produtos pouco criativos, capital insuficiente/ausência de viabilidade do negócio, sócios sem sintonia e equipe despreparada. ?Ainda há uma falta de preparo do empreendedor para o mundo dos negócios. Uma preparação adequada economiza muito tempo e dinheiro. O empreendedor não pode negligenciar o estudo e a sua preparação como executivo, inclusive buscando experiências anteriores?, salienta.

            Como a startup já nasce com vocação para grandes proporções e alcance, os erros podem causar impactos significativos, salienta Itamar. ?Os erros de gestão e estratégia, na administração e no controle e prioridade de gastos e fluxo financeiro e no acordo com acionistas devem ser tratados com o devido cuidado?, comenta o professor.

            O que fazer

            Sérgio Itamar frisa que o empresário que começou uma startup deve buscar em primeiro lugar uma organização de apoio a empreendedores ? o ISAE, por exemplo, conta com o programa Aceleradora ISAE Business, que apoia projetos e empresas de alunos com ações que incluem networking, capacitação e mentoria, realizada por profissionais, consultores e professores da instituição (todos os anos é aberta também uma vaga para a comunidade). ?Consulte empreendedores com experiência e aprenda o máximo que puder. Um empreendedor de sucesso jamais deixa de aprender e buscar fontes de aperfeiçoamento. Seja humilde em admitir e buscar o conteúdo que lhe falta?, frisa o professor.

            Itamar lembra: o empreendedorismo é, acima de tudo, uma postura. ?Então, apesar da importância indelével do preparo pessoal e das competências administrativas, é preciso realizar, fazer acontecer. Não esquecer de seu papel na liderança e protagonismo nessa aventura pelo mundo dos negócios?, completa o especialista.


            saiba mais »

            22/06/2017 - Seguros e previdência ajudam a reduzir perspectiva de expansão PIB

            Seguros e previdência ajudam a reduzir perspectiva de expansão PIB
            O Banco Central manteve a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do…

            O PIB dos serviços foi revisado de expansão de 0,1% para recuo de 0,1%. O PIB de setores mais ligados à indústria, como transportes, serviços de informação e outros serviços, deve registrar expansão, contrastando com os recuos projetados para os segmentos comércio e intermediação financeira, seguros, previdência e serviços relativos.


            saiba mais »

            22/06/2017 - Comissão de defesa do consumidor da câmara aprova proposição de garantia obrigatória para veículos novos e usados

            Comissão de defesa do consumidor da câmara aprova proposição de garantia obrigatória para veículos novos e usados
            Projeto de Lei 5943/16, da deputada Laura Carneiro (PMDB-RJ), exige a concessão de garantia mínima…

            A proposta da deputada Laura Carneiro estabelece que a garantia abrange todas as peças e acessórios existentes ou incorporados ao veículo no momento da compra. Exclui da proteção os componentes e acessórios cuja substituição seja necessária pelo desgaste natural ou por uso inadequado por parte do consumidor.

            A proposta recebeu parecer favorável do relator, deputado César Halum (PRB-TO), que destacou a importância da proposta:

            - O projeto tem relevância e atualidade, uma vez que os consumidores brasileiros que adquirem veículos novos ou usados não contam com uma legislação específica que garanta seus direitos-, disse Halum.

            Emenda

            Segundo a proposta, a garantia mínima será de dois anos ou 30 mil quilômetros, o que acontecer primeiro, para os veículos novos.

            No caso de veículos usados, Halum apresentou uma emenda apenas para determinar que a garantia será de seis meses ou cinco mil quilômetros para veículos com até cinco anos de uso. Ele manteve a proteção de três meses ou três mil quilômetros para veículos com mais de cinco e menos de dez anos de fabricação.

            Tramitação

            O projeto tramita em caráter conclusivo nas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; e Constituição e Justiça e de Cidadania.


            -----------------------------------------------------------------------------------------
            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


            saiba mais »

            22/06/2017 - Seguradoras portuguesas miram sustentabilidade

            Seguradoras portuguesas miram sustentabilidade
            Eventos extremos reclamam indenizações crescentes das companhias de seguros de Portugal

            A Associação Portuguesa de Seguradores (APS), o Centre for the Climate Change Impacts Adaptacion & Modeling (CCIAM), da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), e o Ministério do Ambiente de Portugal assinaram, este mês, um protocolo de cooperação em relação à gestão do risco e vulnerabilidade a cheias em cenários de alterações climáticas em Portugal Continental. As seguradoras de Portugal seguem o movimento de esquadrinhar os riscos ambientais e de responder com ações mais efetivas no campo da sustentabilidade.

            Mediante este protocolo, as partes planejam partilhar informações relativa ao projeto "Cartas de Inundações e de Risco em Cenários de Alterações Climáticas (CIRAC)", que teve por objetivo avaliar o risco de inundação e a vulnerabilidade em Portugal Continental nas condições presentes e futuras, de acordo com cenários de alterações climáticas.

            Este projeto foi desenvolvido pela APS e pelo Centre for the Climate Change Impacts Adaptacion & Modeling da FCUL. As duas entidades sempre assumiram que os resultados do CIRAC seriam partilhados entre seguradores, resseguradores, comunidade científica, entidades públicas e setores da sociedade civil.

            Via acordo, será possível uma gestão partilhada dos riscos climáticos, que já causaram vários danos e avultados prejuízos . Inclusive em Portugal. Em janeiro de 2013, o temporal que assolou o território continental deu origem à participação às empresas de seguros em quase 50 mil sinistros com um custo superior a 100 milhões de euros.

            Em 2014, um outro evento extremo originou mais de 5 mil sinistros, com um custo superior a 11,5 milhões de euros. Em 2015, as inundações ocorridas na baixa de Albufeira traduziram-se em 1800 sinistros informados e um custo superior a 15,5 milhões de euros. Nos últimos 10 anos, as inundações e as tempestades (que, muitas vezes, têm fenómenos de inundação associadas) envolveram o pagamento de indenizações a particulares e empresas de quase 330 milhões de euros.


            ------------------------------------------------------------------------------------
            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


            saiba mais »

            22/06/2017 - 4 motivos para tornar clientes insatisfeitos seus futuros aliados

            4 motivos para tornar clientes insatisfeitos seus futuros aliados
            José Worcman, sócio-diretor da OnYou, destaca a importância de ouvir reclamações e como elas podem…

            A satisfação do cliente está diretamente relacionada à qualidade dos serviços de uma empresa. Oferecer um atendimento exemplar cria a oportunidade de engajar e fidelizar a partir da experiência positiva com a marca.

            Para alcançar esse nível de contentamento, é importante estruturar e implementar estratégias para lidar também com consumidores insatisfeitos ? e jamais ignorá-los. José Worcman, sócio-diretor da OnYou, uma das maiores empresas especializadas em auditoria da experiência do cliente do país, destaca a importância de ouvir reclamações e como elas podem impulsionar resultados.

            1) Diagnóstico de problemas e soluções

            O primeiro passo para lidar com clientes insatisfeitos é analisar o cenário atual. Estratégias como pesquisas de satisfação pós-venda podem ser aplicadas, perguntando ? em uma escala de 0 a 10 ? o quanto indicariam a empresa e qual o motivo da nota. Dessa forma, obtém-se um raio-X preciso com os pontos que precisam ser reavaliados para fidelizar consumidores.

            2) Melhor atendimento

            Após o passo inicial, é preciso buscar informações mais aprofundadas. A metodologia do Cliente Oculto, por exemplo, pode ser uma grande aliada. Por meio de uma auditoria em seu processo atual de atendimento, este serviço fornece insights que geram melhorias, favorecem a reconquista de consumidores insatisfeitos e ajudam a elevar o índice geral de aprovação da empresa.

            3) Reter clientes insatisfeitos aumenta o lucro

            Problemas acontecem, a diferença é como lidar com eles. Demonstrar empenho em converter experiências negativas em positivas é um grande diferencial competitivo, além de ser uma ferramenta poderosa de fidelização. Reter um cliente pode aumentar consideravelmente conversões e resultados. Uma pesquisa demonstra que um incremento de apenas 5% na taxa de retenção pode gerar alta de até 95% nos lucros.

            4) Otimização da taxa ROI

            É fundamental medir o retorno e a satisfação do cliente em relação ao atendimento, pois assim se sabe se há e quais são os problemas, conseguindo solucioná-los. O cálculo do ROI ou Retorno Sobre Investimento (diferença entre o valor investido e o retorno dividido pelo investimento) é um indicador que proporciona esse diagnóstico. Uma taxa ROI com pouca elevação pode indicar práticas ineficientes que precisam ser reparadas ou revistas. Com base na mensuração do retorno gerado pelo atendimento, é possível planejar e implementar estratégias mais precisas e que impulsionem resultados.

            Para saber mais sobre a OnYou, tornar-se um Cliente Oculto ou contratar o serviço, acesse: http://www.onyou.com.br/.

            Sobre a OnYou:

            A OnYou é uma das maiores empresas especializadas em auditoria da experiência do cliente no país, utilizando-se da metodologia de Cliente Oculto e de análise diferenciada, proporcionando às empresas contratantes profundo conhecimento da real experiência de seus clientes, por meio de um monitoramento constante, para que possam elevar a qualidade dos serviços prestados, promover a fidelização à marca e aumentar o volume de negócios. Com cerca de 100 mil Clientes Ocultos, a cartela de clientes da OnYou conta com grandes marcas como L?Oreal, Movida, Mania de Churrasco, Casa do Pão de Queijo, Ri Happy, L'Occitane, IMC, Habibs, Pfizer, Bacio di Late, Locaweb, entre outros. Os serviços da OnYou estão disponíveis para diversos canais, separados: OnYou (avaliação de Cliente Oculto), OnCalls (avaliação dos canais de voz), OnWeb (avaliação dos canais online), OnIncentive (premiação por cumprimento de procedimentos), OnFilm (avalição de Cliente Oculto filmada), OnThem (avaliação de Cliente Oculto na concorrência), OnProduct (avaliação de um produto específico), OnInclusion (Cliente Oculto com necessidades especiais), OnCompliance (auditoria de regras estabelecidas) e OnAudit (auditoria revelada).


            saiba mais »

            22/06/2017 - Carta de Conjuntura do Setor de Seguros, maio/2017

            Carta de Conjuntura do Setor de Seguros, maio/2017
            Rating de Seguros ? Comentário Econômico n? 479

            Prezados Senhores,

            Para conhecimento e para pensar...

            Em anexo e abaixo, a Carta de Conjuntura do Setor de Seguros de maio de 2017.

            Ver... http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/Carta_de_Conjuntura_Maio_2017.pdf 

            Francisco Galiza.

            http://www.ratingdeseguros.com.br/
            http://twitter.com/ratingdeseguros


            saiba mais »

            22/06/2017 - As melhores práticas: como concorrentes podem ser parceiros estratégicos em tempos de crise

            A interação culmina na transferência de conhecimento e no cruzamento de demandas em comum, revelando…

            Em meio à instabilidade econômica e crescente inserção de tecnologias em suas atividades, as empresas brasileiras precisam ser ágeis e criativas a fim de manterem a competitividade. Por vezes, as muitas demandas rotineiras e processos internos fazem com que as equipes e gestores fiquem imersos no próprio negócio, deixando em segundo plano o acompanhamento das práticas de outros players de mercado.

            O benchmarking, que avalia as companhias de acordo com sua concorrência, é um método que permite enxergar pontos de melhoria e pequenos ajustes que podem ser significativos nos resultados da empresa. Setores em ascensão, como o de seguradoras, que cresceu 13,9% no primeiro trimestre de 2017, segundo dados da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), apostam na promoção de encontros entre concorrentes para trocar experiências e insights do mercado em que atuam.

            No último dia 16 de maio, nós da Nimbi, em parceria com Marcelo Rivas, profissional de suprimentos de uma grande seguradora brasileira, reunirmos organizações líderes do setor de seguros na nossa sede, em São Paulo. O objetivo foi discutir com esses executivos os desafios e as oportunidades em seus departamentos de suprimentos. A interação, que é inevitável ao unir profissionais do mesmo ramo, culmina na transferência de conhecimento e no cruzamento de demandas em comum, revelando que as grandes organizações compartilham dificuldades similares.

            Otimizando as negociações

            A eficiência da área de compras é essencial para uma atuação estratégica que traga sustentabilidade econômica às companhias. E o momento da negociação de contratos entre fornecedores é crucial para garantir o saving, indicador que mede a economia feita a partir do custo orçado na empresa.

            Ao identificar fornecedores iguais para itens semelhantes, como materiais de escritório e limpeza, que são comuns entre os players, é possível fazer um pedido único e de grande volume, ganhando poder de barganha na negociação. Além disso, pode-se também otimizar a entrega dos suprimentos, uma vez que a distribuição passa a ser feita para diferentes empresas com unidades na mesma região, diminuindo o cálculo do frete.

            Aprendizado cultural

            Outro desafio compartilhado é a mudança cultural entre os colaboradores no que diz respeito ao relacionamento com a área de supply chain. A centralização das compras é uma consequência das companhias que estruturam e organizam os departamentos de suprimentos. Porém, a adaptação pode ser difícil para equipes que costumavam internalizar esse processo em suas áreas.

            De forma centralizada, a atividade passa por mais etapas e análises, que alongam sua conclusão, como a homologação de contratos, que pode demorar até 120 dias devido aos critérios e avaliações. Por outro lado, essa exigência traz maior transparência e possibilita a redução de custos à atividade. Além disso, outro desafio é educar as equipes a fazer pedidos de maneira eficiente e adequada, sinalizando corretamente suas necessidades e especificações técnicas que irão embasar a procura pelos melhores fornecedores.

            O aprimoramento dentro de uma empresa deve ser contínuo, pois a busca por processos mais eficientes e melhores práticas independem do momento da organização ou do mercado. Uma forma de avaliar sua colocação e atividades é estar atento às companhias com a mesma atuação, afinal os problemas e desafios tendem a ser os mesmos, o que muda são as atitudes tomadas para solucioná-los. Se uma reunião de concorrentes que concordam em falar abertamente de seus problemas processuais pode gerar um estranhamento inicial, as conclusões e recursos encontrados com certeza deixam uma impressão positiva nos participantes.

            É preciso ter maturidade e acreditar na transparência para encontrar soluções de forma colaborativa, podendo assim beneficiar mais que uma cadeia isolada, mas todo nicho de mercado.

            * Agustín Durán é sócio-diretor da Nimbi, empresa especializada em tecnologia para gestão da cadeia de suprimentos e possui mais de 17 anos de experiência no setor de Supply Chain


            saiba mais »

            22/06/2017 - 3 estratégias de marketing digital perfeitas para PMEs

            A definição de estratégias e planejamento de marketing digital vem auxiliando as empresas de todos…

            Nos últimos anos, o Marketing Digital tem se tornado mais forte e presente na estratégia de grandes, pequenas e médias empresas. O conceito consiste em elaborar ações de comunicação para que os negócios divulguem e comercializem produtos e serviços, conquistando novos clientes e melhorando a rede de relacionamentos a um custo baixo.

            A definição de estratégias e planejamento de marketing digital vem, ao longo dos anos, auxiliando as empresas de todos os portes a se manterem ativas e em ascensão, isso tudo devido ao baixo valor de implementação. Conheça 3 estratégias de marketing digital que devem ser tomadas o quanto antes:

            1. Ferramentas de análise de tráfego

            Atualmente, já existem instrumentos que ajudam as empresas a analisar tudo o que o cliente visitou no site. E o melhor, alguns são gratuitos. É possível ver onde os visitantes clicaram o mouse, como preencheram formulários (ou não!), onde passaram a maior parte do tempo e como navegaram em cada página. Tais ferramentas ajudam a dar inputs sobre problemas vivenciados pelo usuário, quais os motivos que os fizeram deixar a página e o que os convenceu a efetuar a compra. Ao ter conhecimento desses dados, fica muito mais fácil analisar de perto o olhar do comprador, mudando a questão estratégica para estruturar o site.

            2. Chats virtuais

            Muito mais do que robôs tirando as dúvidas dos usuários, os chats virtuais são uma excelente oportunidade para criar chances de negócios sem perder o timing. Afinal, tempo é dinheiro. E por diversas vezes o consumidor não quer esperar que respondam seu e-mail e tampouco deseja conversar apenas com uma máquina. Ao perceber que o site ou e-commerce possui um chat virtual, o visitante se sente mais seguro e acolhido. E o melhor: a chance do atendimento personalizado reverter em uma venda é maior.

            3. Geração de conteúdo

            Elaboração de materiais, por meio de vídeos, e-books, podcasts e blogs, estão entre as ações de inbound marketing que ajudam tanto as empresas quanto os e-commerces a venderem seus produtos. Ao criar conteúdo próprio, é possível utilizá-lo para consolidar uma sólida base de clientes, solicitando um breve cadastro, com informações como nome e e-mail, em troca de algum conteúdo relevante para aquela pessoa. Essas ferramentas podem ser potencializadas com a criação de anúncios em meios digitais, como o Google ou o Facebook, que permitem a divulgação em massa a partir da definição de um público específico.

            *Thiago Regis é diretor de novos negócios da agência de marketing digital Pílula Criativa


            saiba mais »

            23/06/2017 - SOMPO foca em inovação durante Oficinas de Empreendedorismo do Sincor-SP

            Fernando Grossi, Diretor Executivo Comercial da Sompo Seguros.
            ?A Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings ? um dos maiores grupos seguradores…

            O evento conta com uma programação que tem como objetivo apresentar temas voltados aos negócios dos corretores de seguros, além de promover o relacionamento dos profissionais com o mercado. Entre os palestrantes, Prof. Marins, um dos mais renomados palestrantes da área de vendas; Dr. Claudio Lottenberg, presidente do United Health Group Brasil e da Sociedade Israelita Albert Einstein; e Leandro Karnal, doutor em história e um dos palestrantes mais requisitados do país.

            ?A Sompo está atenta às transformações da sociedade e seus respectivos impactos no mercado de seguros. Contamos no Brasil, com um Grupo de Inovação que está integrado às iniciativas semelhantes em nossa matriz no Japão, bem como nos Estados Unidos; e que já desenvolveu um produto pioneiro no mercado nacional, que é o Seguro de Equipamentos de Mobilidade. Nossa equipe continua a trabalhar para desenvolver soluções e recursos que possam incrementar as oportunidades de negócios para os corretores de seguros e trazer mais qualidade de vida aos segurados?, lembra Fernando Grossi, Diretor Executivo Comercial da Sompo Seguros, que estará no evento junto com diretores, executivos e equipe comercial da companhia.

            Sobre a SOMPO Seguros S.A

            A Sompo Seguros S.A. é uma empresa do Grupo Sompo Holdings, um dos maiores grupos seguradores do Japão e do mundo. Resultado da integração das operações da Marítima Seguros, companhia fundada em Santos em 1943, e da Yasuda Seguros, que está no Brasil desde 1959; a companhia atua nas áreas de Seguros Corporativos (Auto Frotas, Transportes, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, Empresariais Segmentados, Riscos Diversos, entre vários outros) e Pessoais (Auto, Residencial e Acidentes Pessoais); bem como na área de Seguro Saúde. Atualmente a empresa conta com filiais em todas as regiões brasileiras.

            O Grupo Sompo Holdings tem sua origem no Japão, atua há 129 anos no mercado de seguros e hoje conta com subsidiárias nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.

            • sompo


              saiba mais »

              25/06/2017 - SOMPO foca em inovação durante Oficinas de Empreendedorismo do Sincor-SP

              Fernando Grossi, Diretor Executivo Comercial da Sompo Seguros.
              ?A Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings ? um dos maiores grupos seguradores…

              O evento conta com uma programação que tem como objetivo apresentar temas voltados aos negócios dos corretores de seguros, além de promover o relacionamento dos profissionais com o mercado. Entre os palestrantes, Prof. Marins, um dos mais renomados palestrantes da área de vendas; Dr. Claudio Lottenberg, presidente do United Health Group Brasil e da Sociedade Israelita Albert Einstein; e Leandro Karnal, doutor em história e um dos palestrantes mais requisitados do país.

              ?A Sompo está atenta às transformações da sociedade e seus respectivos impactos no mercado de seguros. Contamos no Brasil, com um Grupo de Inovação que está integrado às iniciativas semelhantes em nossa matriz no Japão, bem como nos Estados Unidos; e que já desenvolveu um produto pioneiro no mercado nacional, que é o Seguro de Equipamentos de Mobilidade. Nossa equipe continua a trabalhar para desenvolver soluções e recursos que possam incrementar as oportunidades de negócios para os corretores de seguros e trazer mais qualidade de vida aos segurados?, lembra Fernando Grossi, Diretor Executivo Comercial da Sompo Seguros, que estará no evento junto com diretores, executivos e equipe comercial da companhia.

              Sobre a SOMPO Seguros S.A

              A Sompo Seguros S.A. é uma empresa do Grupo Sompo Holdings, um dos maiores grupos seguradores do Japão e do mundo. Resultado da integração das operações da Marítima Seguros, companhia fundada em Santos em 1943, e da Yasuda Seguros, que está no Brasil desde 1959; a companhia atua nas áreas de Seguros Corporativos (Auto Frotas, Transportes, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, Empresariais Segmentados, Riscos Diversos, entre vários outros) e Pessoais (Auto, Residencial e Acidentes Pessoais); bem como na área de Seguro Saúde. Atualmente a empresa conta com filiais em todas as regiões brasileiras.

              O Grupo Sompo Holdings tem sua origem no Japão, atua há 129 anos no mercado de seguros e hoje conta com subsidiárias nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.

              • sompo


                saiba mais »

                25/06/2017 - SOMPO SEGUROS - Seguradora lança produto para o Corretor ampliar sua frente de atuação

                SOMPO SEGUROS - Seguradora lança produto para o Corretor ampliar sua frente de atuação
                A Sompo Seguros tem um produto desenvolvido especialmente para atender a Pessoas com Deficiência (PcD)…

                A companhia também estabeleceu uma parceria com a AACD ? Associação de Assistência à Criança Deficiente, que conferiu à seguradora o selo Empresa Parceira da AACD. A ideia do seguro surgiu por meio do trabalho do Grupo de Inovação da Sompo Seguros, que busca meios de gerar e trazer inovação para melhorar a vida das pessoas. A companhia, em escala global, adota o lema Innovation for Wellbeing, que significa inovação pelo bem-estar, numa tradução livre. ?A criação desse seguro segue literalmente esse conceito. Disponibilizamos um seguro para um público que têm demandas específicas para os equipamentos que são essenciais para seu bem-estar?, afirma João Carlos França de Mendonça, Diretor Técnico Commercial Lines da Sompo Seguros.

                Mendonça explica que além das coberturas, o produto conta com um Plano de Assistência 24 horas com serviços voltados a atender às necessidades específicas de PcDs ou com mobilidade reduzida. Entre os serviços estão: Taxi Emergencial, Despesas Médicas por Acidente, Rede de Cuidadores, Recolocação Profissional, Concierge especializado no atendimento de PcD, Courrier, entre outros. O Plano de Assistência 24 horas conta ainda com serviços como Chaveiro, Conserto de Linha Branca, Reparos Elétricos, Reparos Hidráulicos, Consultoria de Marceneiro, Consultoria de Serralheiro, Troca de Chuveiro, Check-up do Lar e até Apoio Emocional.

                O executivo diz ainda que o Seguro para Equipamentos de Mobilidade é uma oportunidade para o corretor ampliar sua frente de atuação já que ele pode divulgar o novo produto, bem como atender aos segurados de sua carteira e respectivos familiares, que possuam equipamento de mobilidade. ?O corretor pode mapear e estabelecer parcerias com lojas especializadas em equipamentos de mobilidade para divulgar o produto e atender seu público final. A Sompo está ao lado dos corretores neste trabalho de divulgação e comercialização do novo produto?, garante o executivo.

                Segundo dados do IBGE ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, mais de 45,6 milhões de pessoas no País são PcD. Além disso, as projeções do instituto são de que a população do País com 65 anos ou mais vai passar de 17,6 milhões em 2017 para 30 milhões em 2030 e 58,5 milhões em 2060.

                Sobre a SOMPO Seguros S.A

                A Sompo Seguros S.A. é uma empresa do Grupo Sompo Holdings, um dos maiores grupos seguradores do Japão e do mundo. Resultado da integração das operações da Marítima Seguros, companhia fundada em Santos em 1943, e da Yasuda Seguros, que está no Brasil desde 1959; a companhia atua nas áreas de Seguros Corporativos (Auto Frotas, Transportes, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, Empresariais Segmentados, Riscos Diversos, entre vários outros) e Pessoais (Auto, Residencial e Acidentes Pessoais); bem como na área de Seguro Saúde. Atualmente a empresa conta com filiais em todas as regiões brasileiras.

                O Grupo Sompo Holdings tem sua origem no Japão, atua há 129 anos no mercado de seguros e hoje conta com subsidiárias nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.

                • sompo


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Osmar Bertacini fala sobre atual cenário de Vida/AP em evento do CVG-RJ

                  Osmar Bertacini fala sobre atual cenário de Vida/AP em evento do CVG-RJ
                  De acordo com o presidente da Associação Paulista dos Técnicos de Seguros (APTS), Osmar Bertacini,…

                  O executivo, que completou este mês 55 anos de atuação no mercado de seguros, foi convidado especial para o Workshop VIP do Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro (CVG-RJ) realizado nesta quinta-feira, 22 de junho. Em sua palestra sobre o segmento, ele apontou alguns aspectos que considera essenciais para que o potencial dos seguros de Pessoas passe a ser melhor aproveitado.

                  O primeiro é uma boa subscrição. ?Hoje, não há o rigor necessário ao realizar essa etapa. É preciso olhar para a demanda no momento da subscrição de riscos e da precificação, e não para a sua própria carteira. Uma mudança nesse sentido tornaria a liquidação de sinistros muito mais tranquila?, explicou Bertacini. Ele destacou a importância de se solicitar documentos como a Declaração Pessoal de Saúde (DPS) para evitar ruídos e garantir agilidade quando a indenização for solicitada.

                  Além disso, o executivo citou a falta de campanhas de aculturamento da população sobre o seguro de cunho institucional. ?Os jovens, que serão os futuros segurados, só têm contato com a propaganda de cada seguradora?, disse, contando que o Sincor-SP está à frente de um projeto para conscientizar a juventude das escolas públicas de São Paulo sobre a importância de se proteger, que será colocado em prática a partir de agosto.

                  ?Mas o corretor também precisa participar desse processo. Muitas vezes, ele tem um segurado fiel, que renova todo ano a sua proteção de Auto, mas não oferece um seguro de Vida?, exemplificou.

                  Além da diversificação da carteira, o presidente da APTS recomenda que os corretores busquem sempre se atualizar sobre as normas da Susep e as tendências do ramo, que é bastante complexo. ?Há diversas modalidades que não podem ser esquecidas no dia a dia: o Vida temporário, o prestamista, os seguros de Vida previstos em convenções salariais, os feitos por capital global, o seguro obrigatório para estagiários e, é claro, o DPVAT ? um direito que grande parcela da população desconhece?, listou.

                  Outra dica é se aprofundar mais na hora de vender o produto. ?Se um cirurgião plástico que trabalha principalmente com o dedo indicador e o polegar perde um deles, em uma apólice tradicional, ganha indenização equivalente a 15% da garantia segurada. Mas, sem aquele dedo, ele não pode mais trabalhar. Por isso, o seguro deve levar esse fator em conta. Mas só sabemos disso se perguntamos sobre a profissão do nosso segurado?, orientou, garantindo que a diferença no valor do prêmio é pequena, enquanto a indenização cresce consideravelmente.

                  Bertacini ainda frisou que o setor de seguros precisa mostrar mais à sociedade quanto devolve em indenizações a cada ano. ?Foram R$ 7 bilhões pagos somente em Vida em 2015, e R$ 207 bilhões pelo mercado em geral?, informou. Ele alertou, por fim, a necessidade de atualização da legislação do segmento e de maior vigor na punição às tentativas de fraudes, que desequilibram o segmento.

                  Expertise reconhecida ? Diversos profissionais presentes no evento fizeram questão de agradecer pela palestra e exaltar a excelência de Osmar Bertacini em sua atuação no mercado segurador e como professor da Escola Nacional de Seguros. Entre eles, o presidente do Conselho Consultivo do CVG-RJ, Olívio Américo da Silva, e seu sócio, Gilberto Villela, que parabenizou o Clube pela realização do workshop; Octávio Perissé, conselheiro do CVG-RJ, e os representantes da diretoria ? Carlos Ivo Gonçalves, vice-presidente, e Marcello Hollanda, presidente.

                  De acordo com ele, ?foi um honra receber na sede do CVG-RJ um profissional referência nos segmentos de Vida e Acidentes Pessoais como Osmar Bertacini, que brindou os presentes com uma palestra esclarecedora, rica em informações técnicas sobre esses seguros tão complexos e importantes para a sociedade?. Ele também agradeceu a presença do vice-presidente da Aconseg-RJ, Joffre Nolasco, dos conselheiros Ênio Miraglia e Olívio Américo, e das representantes do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ), Sonia Marra e Marcia Simplicio.

                  Sobre o CVG-RJ |

                  O Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro surgiu há 50 anos com o objetivo de estimular o crescimento dos Seguros de Pessoas no Brasil. Hoje, o Clube reúne 26 empresas beneméritas (são empresas do mercado, que colaboram para que o CVG-RJ desenvolva as suas atividades), entre seguradoras, corretoras, consultorias e assessorias de seguro. Ao todo, são mais de 700 associados, que participam de suas atividades. Nos cursos de capacitação profissional, foram treinados milhares de alunos, que hoje ocupam postos importantes nas empresas do mercado. A diretoria 2015/2017 é composta por Marcello Hollanda, presidente; Carlos Ivo Gonçalves, vice presidente; Isaque Farizel, diretor social; Sergio Ricardo de Souza, diretor de seguros; e Wellington Costa, diretor tesoureiro.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Aumento de roubos impulsiona a procura de seguros de celular

                  Aumento de roubos impulsiona a procura de seguros de celular
                  Franquias da Bidon Corretora de Seguros registram aumento de vendas desse serviço em várias regiões…

                  De acordo com dados levantados pela Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), os roubos e furtos de celulares segurados em todo o país tiveram um aumento de 64,6% entre 2015 e 2016. O estudo mostrou também que a região que apresentou maior aumento de ocorrências no período foi o Nordeste com 106,8%, seguida da Região Sul, com 73,6% e a Região Sudeste, em terceiro, com aumento de 63%. No ano passado foram 194.523 aparelhos roubos e furtos de celulares segurados.

                  De acordo com Henrique Mol, diretor executivo da Bidon Corretora de Seguros, a região Sul do Brasil ? onde surgiu a rede de franquias - inclusive é uma das que mais sofrem com furtos e roubos de celular, dois dos maiores motivos que fazem com que a procura por esse tipo de serviço aconteça. E sua análise tem fundamento. De acordo com os dados da FenSeg, somente no Sul, em 2016, a quantidade de sinistros avisados nesse perfil de ocorrência foi de 13.443 e o número de apólices ou bilhetes e seguros emitidos foi de 220.577.

                  É por isso, que a Bidon Corretora de Seguros vem se destacando pela venda de seguros de celular. Os serviços oferecidos pelas franquias da rede nesse perfil, que variam de R$400,00 a R$1.000,00 por ano cobrem basicamente riscos à smartphones, tablets, notebooks, câmeras e filmadoras. ?São equipamentos que fazem parte do nosso dia-a-dia, seja como ferramentas de trabalho, entretenimento ou para nos manter conectados aos amigos e aos negócios?, explica Felipe Wichmann, diretor de operações e suporte da Bidon. ?São aparelhos portáteis fundamentais na vida de quase todo mundo hoje em dia que estão cada vez mais vulneráveis a riscos do cotidiano?, reforça.

                  Nada melhor do que números para comprovar o quanto esse produto vem sendo procurado pelo consumidor final nas 70 unidades da rede espalhadas pelo Brasil. Desde o início da marca no franchising ? setembro do ano passado ? até agora, já foram 120 seguros de aparelhos eletrônicos comercializados pela rede, dos mais variados perfis, nos quatro cantos do país.

                  ?Os planos que oferecemos cobrem situações como roubo, danos físicos ao bem, danos elétricos e danos por água. Esse é nosso grande diferencial no mercado. Além disso, também nos responsabilizamos por assistências técnicas, que é possível contratar?, finaliza Wichmann.

                  O segurado conta com o benefício do serviço de salvamento de dados até 5gb.

                  A Descarte Certo realiza a coleta, separação e reciclagem de equipamentos eletrônicos que você não utiliza mais, sem custo e sem agredir o meio ambiente.

                  A mesma qualidade dos serviços para residência para resolver problemas com seu computador pessoal, notebook, tablet, videogame, TV e celular.

                  O benefício oferece atendimento telefônico para todo o Brasil e, se necessário, também disponibiliza visita técnica, com mão de obra gratuita para alguns casos.

                  BIDON CORRETORA DE SEGUROS

                  A Bidon Corretora de Seguros surgiu em 2010, em Campo Bom, região metropolitana de Porto Alegre (RS), e entrou para o mercado de franchising em Setembro de 2016. Ou seja, é novidade no mercado de franchising, mas com forte atuação e experiência no mercado de seguros. A marca já possui 75 franqueados, pelo sistema home office (modelo de negócio da franquia), e atua comercializando seguros nas áreas de: acidentes pessoais, empresarial, condomínios, responsabilidade civil, risco de engenharia, imobiliário, caminhão, motos, frotas de veículos, e o carro-chefe ? seguros de automóveis. Além disso, a Bidon oferece carta verde, consórcios, previdência privada, fiança locatícia, planos odontológicos e de saúde, e seguros de vida (individual e coletivo), residencial e de viagem. E o investimento inicial da Bidon Corretora de Seguros ? aproximadamente R$10 mil ? é outro grande atrativo da rede.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - O semestre está liquidado, é hora de fazer um balanço e planejar novos mercados

                  Marcos Biaggio
                  O primeiro semestre do ano está liquidado e chegou a hora de fazer um balanço…

                  Em meio ao cenário econômico e politico turbulento, o fato é que as empresas necessitam gerar receitas regulares face aos seus crescentes custos de produção, encargos e demais compromissos assumidos. O desafio do ano está sendo manter o exército de vendas no front lutando incansavelmente e com as melhores armas possíveis.

                  Com a demanda em declínio e o consumidor tendo que negociar cada vez mais com vários fornecedores do mesmo produto ou serviço, o maravilhoso mundo das vendas não tem mais espaço para os fracos. É hora de agregar forças com sistemas de gestão eficientes e equipes de vendas munidas de habilidades e competências para conquistar e preservar clientes.

                  A melhoria das formas de suporte as vendas deve faze parte do balanço do primeiro semestre. Avaliar o volume de clientes ativos ou habituais, a frequência de compra desses mesmos clientes (quantas vezes compraram no semestre, em média?) e o ticket médio (valor médio por venda) faz parte do balanço.

                  Em seguida, para recuperar-se de uma possível corrosão na carteira, as prospecções precisam ter foco na rotina de cada vendedor. O fato é que não dá para ficar sem prospectar novos clientes e - necessariamente - em grande quantidade.

                  O executivo de vendas é o profissional mais importante das organizações hoje, em tempos de recessão econômica. É a quem cabe o papel de conquistar e preservar clientes, relacionando-se de forma apropriada para que eles repitam a compra.

                  O vendedor moderno, não importa qual o segmento do negócio, é um solucionador de problemas, é quem ajuda um prospecto a encontrar o que ele necessita. Daí o conceito de vender ? ajudar profissionalmente um prospecto qualificado a tomar uma boa decisão de compra para ele. O vendedor ganha o direito de ajudar esse prospecto depois de conquistar a sua confiança; descobrir a necessidade e demonstrar como ajudá-lo através do seu produto ou serviço; criar senso de urgência expondo o que pode perder ou deixar de ganhar se não fechar a compra do produto ou serviço.

                  Quatro características básicas acompanham o vendedor moderno bem sucedido e lhe conferem o status de consultor de negócios:

                  • Conhecimento da indústria em que atua, de finanças e dos recursos tecnológicos mais avançados no seu segmento.
                  • Informação sobre a sua empresa, produtos/serviços, prospectos/clientes, andamento do mercado, competências, atualidade, tendências em seu negócio.
                  • Método para se organizar, planejar, executar e atingir resultados; capacidade de testar e medir cada esforço de aquisição de clientes.
                  • Habilidade para escutar, analisar, projetar e negociar. Nesse campo, cabe compreender que as 3 principais ferramentas da comunicação se dividem da seguinte forma: 7% são palavras; 38% são voz, tom e ritmo; 55% são linguagem corporal.

                  Uma vez que é de conhecimento que o fator emocional terá 80% de peso na decisão de compra do cliente, não cabe mais ao vendedor dominar apenas as características do produto ou serviço. Ele precisa conhecer também, de forma clara, as vantagens e os benefícios para então impactar tremendamente o seu prospecto. É como um automóvel com direção hidráulica (características), mais suave para manobrar e estacionar sem fazer esforço (vantagem), que permite ao motorista chegar menos cansado e mais rápido (benefício).

                  Identificando a necessidade do cliente

                  Necessidade é o problema ou a dificuldade do cliente, a grande oportunidade para o vendedor. A necessidade pode ser latente, um problema que não é evidente para o cliente e que deve ser identificado pelo consultor para então explorá-lo; ou pode ainda transformar-se em uma cadeia de necessidades, a forma como se encadeiam as diferentes necessidades identificadas e como uma afeta a outra.

                  Uma vez identificadas as necessidades e pontuadas de forma clara junto ao prospecto ou cliente, o vendedor parte para uma sequência de questionamentos onde a cada resposta uma nova pergunta vai mais fundo na necessidade ou na ?dor? do cliente. No momento em que o interlocutor não manifestar a resposta, já afetado pela clareza dos fatos que cercam a sua necessidade, e, ao contrário, passar a perguntar, tem-se então o sinal que o vendedor precisava para concluir a venda. A ausência de respostas e o início dos questionamentos por parte do cliente é a prova de que a emoção atingiu o limite máximo para a sua decisão de comprar. É nessa etapa que o vendedor assume a venda, descreve o seu compromisso de entrega e se prepara para contornar as objeções quanto ao preço e forma de pagamento.

                  Em resumo, ser vendedor de sucesso hoje é saber usar as ferramentas de marketing para gerar prospectos; conquistar a confiança, identificar necessidade, propor soluções (ajuda) e criar senso de urgência. É necessário ter conhecimento do segmento onde atua, informações, sistematização/método e habilidades para relacionar-se e comunicar-se.  Estar frente a frente com o cliente é a oportunidade para o ?gol?, é o momento de identificar a necessidade, a ?dor?, avaliar a sua intensidade e as suas implicações, questionar e questionar, cada vez mais profundo, até o momento em que os papéis se invertem e o prospecto é quem pergunta. O vendedor, então, assume a venda; a emoção atingiu o ápice no processo de decisão de compra.

                  Bingo! Mais um cliente conquistado, mais um negócio fechado.

                  ==================================================

                  O autor é coach empresarial e consultor de vendas.

                  Solicite informações sobre o programa de formação de equipe de vendedores de alto desempenho para mais clientes, mais vendas e maiores lucros.

                  Ligue 11 97594-0660 ou acesse www.mbmastercoach.com


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Marsh prevê aumento de 60% na área agrícola segurada na nova safra do Brasil

                  Marsh prevê aumento de 60% na área agrícola segurada na nova safra do Brasil
                  Ao realizar um financiamento ao produtor rural, bancos exigem algum tipo de garantia, e o…

                  A Marsh, empresa de corretagem de seguros e gerenciamento de riscos, estima que a área agrícola coberta com seguro rural no Brasil na nova temporada (2017/18) poderá aumentar cerca de 60 por cento ante a temporada anterior, para um patamar de 9 milhões de hectares, depois de uma colheita recorde de soja e milho e após o governo ter anunciado mais recursos para subvenção ao setor.

                  O seguro rural, um dos pontos fracos do robusto agronegócio brasileiro, deverá receber 550 milhões de reais em subvenção governamental em 2017/18, o que representa um crescimento de mais de 37 por cento ante a temporada passada, de acordo com o Plano Safra anunciado na semana anterior.

                  'Acredito que a área segurada possa ser ainda maior, porque o momento para a safra brasileira é excelente. Isso está criando uma motivação grande em todo o mercado. Os produtores estão motivados para investir', afirmou à Reuters José Zanni, líder da Prática de Agronegócio, Papel e Celulose da Marsh Brasil.

                  Segundo Zanni, considerando valores de emissão de prêmio, o seguro rural respondia até pouco tempo por apenas cerca de 2 por cento de participação no total no mercado de seguros do Brasil, o que confirma seu potencial de crescimento.

                  Embora o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, tenha anunciado um forte aumento na subvenção do prêmio do seguro rural, o montante ainda está relativamente distante de 2014, quando se aproximou de 700 milhões de reais e a área segurada foi de 10 milhões de hectares.

                  'O governo está fazendo um grande esforço, considerando a crise que estamos lidando', comentou Zanni, lembrando que o anúncio do crescimento na subvenção é um primeiro passo para o setor reduzir seus riscos e consolidar uma área maior segurada.

                  Ao realizar um financiamento ao produtor rural, bancos exigem algum tipo de garantia, e o seguro rural é uma delas.

                  Segundo dados citados pela Marsh, estima-se que menos de 20 por cento da área agrícola do Brasil tem algum tipo de cobertura securitária.

                  Na safra passada, por exemplo, apenas 10 por cento da área plantada com soja teve cobertura de seguro, patamar pequeno se comparado com outros grandes países produtores agrícolas, comentou o especialista.

                  Sobre a Marsh

                  A Marsh é líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos. A Marsh trabalha em conjunto com seus clientes para definir, desenhar e distribuir soluções inovadoras e específicas para cada uma das indústrias, auxiliando-as a gerenciar os seus riscos de maneira efetiva. Contamos com cerca de 27 mil colaboradores que trabalham em conjunto para servir nossos clientes em mais de 130 países. A Marsh pertence ao grupo Marsh & McLennan Companies (NYSE: MMC), uma companhia global de serviços profissionais, que oferece aos seus clientes consultoria e soluções nas áreas de riscos, estratégia e capital humano. Com 57 mil colaboradores em todo o mundo e vendas anuais superiores a US$ 13 bilhões, também são parte da Marsh & McLennan Companies a Guy Carpenter, líder mundial na intermediação de fornecimento de serviços em riscos e resseguros; a Mercer, líder mundial em gestão de talentos, saúde, aposentadoria e consultoria de investimento; e a Oliver Wyman, líder mundial em consultoria e gestão. Siga a Marsh no Twitter em @MarshGlobal, no LinkedIn, Facebook, e YouTube.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Inovações no mercado de seguros impactam seguradoras, corretores e segurados

                  Inovações no mercado de seguros impactam seguradoras, corretores e segurados
                  A tecnologia transforma o cotidiano de todos, sem nenhuma exceção. O mercado de seguros não…

                  Em uma pesquisa feita pela FIS Global com 500 profissionais do mercado segurador, nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, 80% deles concordaram que seu negócio precisa se modernizar para sobreviver às mudanças no mercado. Grande parte das inovações são financiadas por seguradoras, por demandarem alto orçamento em desenvolvimento, implementação e manutenção, e dentre estas mudanças, algumas são criadas para auxiliar diretamente no crescimento e modernização das corretoras.

                  As seguradoras têm investido no uso da telemática ? tecnologia que conta com a transmissão computadorizada de dados e informações a longas distâncias para analisar o comportamento e perfil do segurado ? tornando mais eficaz a precificação de apólices e facilitando a rotina dos corretores. O recurso é recorrente para contratações de seguro auto, tendo casos em que aplicativos instalados no smartphone do condutor possibilitam mensurar a velocidade média que ele dirige, as regiões que estaciona, ou até mesmo se trafega com as janelas abertas. Há empresas no exterior, como a American Family Venture, que cruza os dados de telemática obtidos com imagens de satélite e de drones para realizar vistorias de sinistros. Inclusive, no Brasil já se encontra empresas de tecnologia e informação, como a CEABS Serviços, desenvolvendo softwares de telemática próprios para a reconstrução de acidentes, auxiliares na prevenção de fraudes.

                  Mas não só no seguro auto se adequa o uso dela, apólices de seguro saúde e vida também podem ser calculadas com base em uma análise comportamental dos segurados feita por aplicativos de monitoramento. A startup americana Lumiata, em parceria com seguradoras, financiou a criação de Risk Matrix, sensores que mensuram os níveis de glicemia e colesterol dos segurados, bem como seus batimentos cardíacos em tempo real, apenas pelos seus celulares. O mesmo tem sido feito por outras seguradoras que buscam novas formas de modernizar seus produtos, mas, vale ressaltar que o uso da telemática deve ser autorizado pelo segurado.

                  No exterior, outra inovação que também se apoia simplesmente no uso de smartphones são os seguros on-demand. Seguradoras têm firmado parcerias com insurtechs, e até mesmo entre si, para disponibilizar aos clientes a opção de contratar seguros por períodos mais curtos, como semanas, dias ou horas. Após instalar aplicativos, os usuários podem contratar a proteção para itens específicos, como bicicletas, câmeras fotográficas, equipamentos esportivos, ou até mesmo residências e carros, pelo período que desejarem, geralmente, pagando por cartão de crédito.

                  O aplicativo Trov foi o primeiro exemplo de seguro on-demand a se popularizar com mais de 1 milhão de itens portáteis assegurados, disponível apenas na Inglaterra e na Austrália, Trov tem seu lançamento previsto para os Estados Unidos ainda neste ano. Após ele, vários outros seguros on-demand surgiram, usando, normalmente, armazenamento de dados para calcular as apólices, e chatbots para atendimento. No Brasil, a corretora bemseguro.com.vc e a Porto Seguros desenvolveram uma iniciativa nesta linha ativada por geolocalização, que ao entrar em um aeroporto, o cliente recebe a proposta de um seguro viagem.

                  A geração de leads, embora já existente há algum tempo no mercado de seguros, é outra inovação que vem sofrendo impacto da tecnologia e se tornando cada vez mais acessível aos pequenos e médios corretores. Leads são informações de contato de clientes interessados em receber cotações. Usando estratégias de marketing digital, como anúncios no Google, geradoras de leads obtêm, com consentimento, telefone e e-mail dos prospects que pesquisaram recentemente sobre seguros. Antes vendidos somente em grandes volumes, os leads agora também passam a ser disponibilizados no varejo, dando flexibilidade aos corretores.

                  Uma dessas empresas é o MercadoLead.com , onde o corretor pode fazer o cadastro gratuito e pagar somente pelos leads que escolher. A conversão média de venda para leads é estimada em cerca de 20%, destaca Marcelo Hallack, sócio do MercadoLead. Segundo ele, para alcançá-la, o corretor deve se adaptar a este novo tipo de negociação, ?vender para leads é diferente de vender para indicações de amigos ou clientes. O corretor precisa reservar algum tempo para aprender e ajustar seu processo de vendas?.

                  Com o intuito de aumentar as oportunidades de vendas para os corretores e melhorar a experiência dos segurados, principalmente, os mais jovens, a tecnologia do mercado de seguros tem se aprimorado, seja com o auxílio de ferramentas de busca na Internet, satélites ou aplicativos. Porém, de acordo com o relatório da FIS, 99% dos entrevistados afirmaram enfrentar obstáculos para proporcionar esta inovação. O principal desafio apontado por eles são os custos, mas a necessidade do investimento é reconhecida por todos que atuam no setor e cada profissional deve adotar a que for mais estratégica para seu negócio.

                  Para mais informações, acesse www.mercadolead.com


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Marsh lança seguro para financiamentos em aviação

                  Marsh lança seguro para financiamentos em aviação
                  Seguro AFIC possibilita um financiamento mais eficiente às companhias aéreas

                  O produto é voltado especialmente para bancos e investidores de mercados de capital que financiam novas aquisições de aeronaves Boeing, e protege os credores de potenciais exposições por default durante os empréstimos. O seguro conta com a subscrição de seu clausulado de risco por quatro grandes seguradoras: Allianz, AXIS Capital, Sompo International (ex-Endurance) e a Fidelis

                  A Marsh, líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos, acaba de lançar o Aircraft Finance Insurance Consortium (AFIC), um seguro exclusivo para bancos e investidores de mercados de capital que financiam hoje novas aquisições de aeronaves Boeing.

                  O seguro AFIC possibilita um financiamento mais eficiente às companhias aéreas ao proteger os credores de potenciais exposições por default durante os empréstimos. Os termos das apólices podem ser customizados em vista dos acordos de compra entre a Boeing, a companhia aérea em questão e seus financiadores. É um produto exclusivo da Marsh e conta com a subscrição de seu clausulado de risco por quatro grandes companhias seguradoras mundiais: Allianz, AXIS Capital, Sompo International (ex-Endurance) e a Fidelis.

                  O AFIC provê uma alternativa aos instrumentos de financiamento a aeronaves em termos de seguro, e a estrutura do AFIC já foi utilizada por uma companhia líder em aviação internacional para financiar suas últimas compras do Boeing 747 e 787.

                  ?Acreditamos que o AFIC cria um avanço significativo ao financiamentos aéreos globais e contribuirá para o crescimento e diversificação dos investimentos na indústria. O AFIC oferece aos clientes da Boeing um leque mais amplo de opções de financiamento, facilitando a compra de aeronaves mais novas e eficientes, renovando assim as frotas. Além disso, investidores do mercado certamente conduzirão seus negócios com muito mais segurança?, afirma Bruce Fine, líder global da Marsh para o AFIC.

                  Sobre a Marsh

                  A Marsh é líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos. A Marsh trabalha em conjunto com seus clientes para definir, desenhar e distribuir soluções inovadoras e específicas para cada uma das indústrias, auxiliando-as a gerenciar os seus riscos de maneira efetiva. Contamos com cerca de 27 mil colaboradores que trabalham em conjunto para servir nossos clientes em mais de 130 países. A Marsh pertence ao grupo Marsh & McLennan Companies (NYSE: MMC), uma companhia global de serviços profissionais, que oferece aos seus clientes consultoria e soluções nas áreas de riscos, estratégia e capital humano. Com 57 mil colaboradores em todo o mundo e vendas anuais superiores a US$ 13 bilhões, também são parte da Marsh & McLennan Companies a Guy Carpenter, líder mundial na intermediação de fornecimento de serviços em riscos e resseguros; a Mercer, líder mundial em gestão de talentos, saúde, aposentadoria e consultoria de investimento; e a Oliver Wyman, líder mundial em consultoria e gestão. Siga a Marsh no Twitter em @MarshGlobal, no LinkedIn, Facebook, e YouTube.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - "Seguro Saúde: Cenário atual e desafios"foi tema do Café com Seguro da ANSP

                  Da esquerda para a direita: Acadêmica Magali Zeller, Bruno Santos especialista em regulação da FenaSaúde e Ariovaldo Lima, Coordenador da Comissão Técnica de Seguro Saúde do Sincor-SP
                  Na última terça-feira (21) a Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP) realizou o Café…

                  O Café foi divido em três painéis, sendo o primeiro deles responsável por debater os subtemas sob a visão técnica-atuarial dapalestrante Acadêmica Magali Zeller, Sócia-Diretora da empresa AT Service Engenharia e Consultoria Atuarial e Coordenadora da Cátedra de Ciência Atuarial da ANSP.

                  "Esse é um tema amplo porque todo mundo quer descobrir como fazer com que todos os players se envolvam e a gente consiga continuar junto a ANS a disponibilizar planos regulamentados e que o beneficiário consiga efetuar o pagamento e tenha a assistência do que ele precisa. São pontos que precisam ser discutidos com todo o mercado",afirma Magali Zeller sobre a importância de discutir o tema.

                  O segundo painel apresentou o ponto de vista do corretor de seguros, tendo como palestrante Ariovaldo Lima, Coordenador da Comissão Técnica de Seguro Saúde do Sincor-SP. "Nós temos uma série de conflitos hoje no mercado e falta acelerar o processo para buscar soluções, é o momento de assumir responsabilidades", afirma Ariovaldo sobre a sua visão do mercado de saúde.

                  O terceiro e último painel foi comandado por Bruno Santos especialista em regulação da FenaSaúde, queanalisou os desafios do setor de saúde. Bruno falou a respeito da judicialização do setor, considerado um dos maiores desafios do mercado de saúde. "Um dos principais desafios da judicialização está no fato de que muitos beneficários e médicos vêem todos os planos como sendo obrigados a cobrir todas as doenças", afirma Bruno.

                  A abertura do Café com Seguroficou a cargo do Presidente da ANSP, João Marcelo dos Santos, e do 1º Tesoureiro do Sincor-SP, Marco Damiani. O Diretor da ANSP e Coordenador de Comissão do Sincor-SP, Edmur de Almeida, e a Acadêmica e Coordenadora da Cátedra Ciência Atuarial, Magali Zeller, realizaram a coordenaçãodo evento.

                  Sobre a ANSP

                  A Academia Nacional de Seguros e Previdência é uma associação sem fins lucrativos, voltada para o aperfeiçoamento institucional do seguro, da previdência privada e das instituições afins. Sua estratégia de atuação contempla a pesquisa, o estudo, o debate, o arquivo e a informação, sendo, portanto, um centro permanente de estudos e pesquisas.

                  Acesse o site oficial da Academia: http://www.anspnet.org.br

                  Visite a página do Facebook da ANSP: http://is.gd/JBd9w7


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - 6 orientações para melhorar o seu network

                  6 orientações para melhorar o seu network
                  O crescimento de uma empresa depende de inúmeros fatores, dentre esses é imprescindível o network.…

                  Hoje, como administrador de um espaço de coworking, vejo a real importância dessa ação, pois, quem aprende a utilizar o espaço para possibilitar uma troca com os parceiros, invariavelmente, conseguem um crescimento mais rápido, principalmente em função da realização de indicações seguras.

                  Pensando nisso, elaborei algumas dicas para aprimorar o relacionamento e gerar mais negócios:

                  Busque aparecer adequadamente - quem não é visto, não é lembrado, assim, mesmo que seja uma pessoa introspectiva, busque locais onde haja bastante pessoas que possam gerar negócios e passe a lutar contra a timidez e divulgar suas ideias;

                  Não crie inimigos ? muitos profissionais possuem uma postura negativista, criticando qualquer serviço que não seja o dele, isso não pega bem, sem contar que se o comentário chegar a pessoa alvo, poderá causar indisposição e inimizades. Você só tem a perder;

                  Busque agregar ? é papel de um profissional ser agregador, tanto de conteúdo, quanto de pessoas. Assim, busque constante atualização sobre temas pertinentes e busque criar uma corrente de profissionais de áreas análogas para indicação, o que fará com que seja respeitado pelo grupo;

                  Cada um no seu quadrado ? evite oferecer serviços para áreas que não são a sua especialidade, pois, cada um tem um ramo de atuação, que deve ser respeitado, o que gera muito mais respeito e troca de indicações;

                  Seja precavido - Esteja sempre munido de cartão de visita e/ou apresentações de sua empresa, pois nunca se sabe quando surgirá uma possibilidade de negócios ou uma pessoa que poderá se interessar pelos seus serviços no futuro;

                  Não exagere ? Existe uma linha muito tênue entre ser uma pessoa de network e ser o chato, assim, se policie, veja se não está sendo muito invasivo. Lembrando que muitas vezes o simpático, pode estar forçando a amizade. Sempre respeite o limite do próximo!

                  Fernando Bottura, administrador e idealizador da Gowork (www.gowork.com.br), especializada em espaços compartilhados.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Conheça as tendências que estão impactando as empresas

                  Conheça as tendências que estão impactando as empresas
                  Evento da Associação Comercial acontece no dia 22 de junho

                  Marketing digital, mídias sociais, plataformas digitais, entre outras tendências, surgem como ferramentas que podem ser incorporadas aos negócios e, dessa forma, destacar as empresas apoiando em seus resultados financeiros. Esse assunto será o tema do 54º Café da Manhã de Negócios da Associação Comercial de Sorocaba, que acontece no dia 22 de junho, no auditório da entidade.

                  O publicitário Rodrigo Figueiredo abordará o tema ?Tendências que estão impactando os negócios?. Já Bruno Alves, gestor de marketing, vai ministrar a palestra ?Descomplicando o marketing digital?.

                  Para Rodrigo Figueiredo a crise trouxe impactos significativos nas decisões de compra do consumidor e, consequentemente, nos negócios impactando diretamente nos resultados. ?Esta nova realidade, somada ao fato da tecnologia estar mais acessível, geraram novos hábitos de consumo. O problema é que muitas empresas não se adaptaram por que ainda não conseguiram entender quais são essas tendências e quão poderosas elas são. O objetivo da nossa participação no Café da Manhã da Associação Comercial é sanar dúvidas em relação a este novo cenário?, explica o publicitário.

                  ?Os empreendedores devem utilizar as ações de comunicação e marketing, por meio da internet, para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos clientes e melhorar sua rede de relacionamentos para estar dentro deste mercado competitivo. Esta é uma oportunidade para se inteirar mais dessas novas e atuais mídias e ampliar a visão empreendedora?, ressalta o presidente da Associação Comercial, José Alberto Cépil.

                  O Café da Manhã de Negócios acontece das 7h30 às 9h30, no auditório da Associação Comercial, localizado na Rua da Penha, 535, no Centro. As vagas são limitadas. As inscrições podem ser feitas pelo site www.acso.com.br/cafenegocios, ou pelo telefone (15)3331-1003.

                  Sobre a Associação

                  A Associação Comercial de Sorocaba, entidade de classe sem fins lucrativos, foi fundada em 20 de janeiro de 1922 e tem o objetivo de defender os interesses do comércio regional e o desenvolvimento nacional, além de representar seus associados, que reúne representantes dos setores industriais, comerciais, agropecuaristas, prestadores de serviços e profissionais liberais de todos os portes.

                   


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Sincor-SP ajuda corretor no recadastramento

                  Sincor-SP ajuda corretor no recadastramento
                  Mais uma vez o presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo, recebeu a imprensa especializada. Tradicionalmente, o…

                  O dirigente do Sincor-SP disse que o recadastramento dos corretores de seguros é muito importante porque não se sabe quantos corretores atuam hoje no país. Mais uma vez ele explicou que o Ibracor atua como órgão auxiliar da Susep para efetuar o recadastramento. ?O corretor faz o cadastro direto no site, pode preencher tudo sozinho e a partir de julho, optar pela identidade nacional. Caso ele não queira, deve a cada 30 dias, emitir o certificado. A carteirinha terá um custo que ainda não foi divulgado?, disse.

                  Camillo disse ainda que o Ibracor vai enviar as identidades para os Sincor?s de todo o país. São eles que vão distribuir a identidade profissional.

                  Em São Paulo, o Sincor-SP oferece orientação aos corretores associados para que eles possam se recadastrar. ?O corretor pode obter informações por telefone ou agendar um auxílio pelo site da entidade. O atendimento pode ser feito também nas regionais?, descreve.

                  Camillo disse ainda que a procura para o recadastramento ainda não tem sido grande. Segundo ele, a expectativa é que no fim do prazo a procura se intensifique. ?Quem não se recadastrar não sofrerá punição, ?apenas? perderá o direito de atuar como corretor?, finalizou.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Projeto regulamenta profissão de regulador e vistoriador de seguro de automóvel

                  Projeto regulamenta profissão de regulador e vistoriador de seguro de automóvel
                  O deputado Cabo Sabino (PR-CE) apresentou projeto de lei que regulamenta as profissões de vistoriador…

                  O objetivo da regulamentação, segundo o parlamentar, é propor um modelo eficiente para o desenvolvimento de mão de obra especializada.

                  ?Na ocorrência de sinistros, é de fundamental importância a atuação dos profissionais de vistoria e regulação, pois são eles efetivamente que mostram a face humana da máquina de seguros?, disse.

                  Vistoriador

                  Pelo projeto, vistoriador é o profissional responsável por inspecionar veículos para análise de riscos na contratação de seguro; auxiliar a regulação e liquidação de sinistros; elaborar documentação técnica relativa a seguros; e preparar relatório de informações para elaboração de laudos de compra, venda e transferência de seguros.

                  O vistoriador também poderá operacionalizar cálculos de prêmios e outros procedimentos para cessão e recuperação de resseguros e cosseguros; e contatar corretores, despachantes, segurados para apoiar a atividade de comercialização de seguros.

                  O profissional deverá ter ensino médio completo, carteira nacional de habilitação e curso técnico de Vistoriador de Sinistro de Automóveis.

                  Regulador

                  Já o regulador é o profissional que trabalha diretamente no processo administrativo de verificação das causas e das consequências do sinistro para fins de pedido de indenização dos clientes.

                  Entre suas funções estão receber e processar comunicados de sinistros; analisar documentos enviados pelo segurado; realizar levantamento de danos ocorridos, elaborar e verificar relatórios de veículos sinistrados; e controlar as coberturas das apólices, assegurando a execução dos reparos necessários.

                  Também está entre suas competências identificar as situações de morte e invalidez; realizar o enquadramento do sinistro na apólice emitida para o segurado; e atuar no contato com corretores, administradoras, advogados e segurados.

                  O regulador deverá ter ensino médio completo, carteira nacional de habilitação e o curso técnico de Regulação de Sinistro de Automóveis.

                  Tramitação

                  O projeto tramita em caráter conclusivo nas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

                   


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Profissionais aproveitam a oportunidade para se reciclarem

                  Profissionais aproveitam a oportunidade para se reciclarem
                  O Conselho Regional de Administração de São Paulo ? CRA-SP e suas seccionais do interior…

                  Tem também a história de um grupo de jovens que criaram um aplicativo para uma amiga com paralisia cerebral se comunicar e tornaram isso um case de sucesso e superação. Outros temas também serão abordados nesta Semana de Empreendedorismo e Inovação do CRA-SP, como ?A criação no mundo da Inteligência Artificial?; ?Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras; ?Marketing Digital para Empreendedores?; entre muitos outros. O evento é aberto ao público e totalmente gratuito.

                  Na edição anterior da Semana Temática, que abordou o tema ?Carreira e o Jovem Administrador?, cerca de 1800 pessoas estiveram presentes. A expectativa para a 7ª edição é que este número alcance a marca de 2000 participantes. Cidades como Santos, Presidente Venceslau, Bauru, Barretos, Cruzeiro, Sorocaba, Ribeirão Preto e Campinas também sediarão palestras.

                  Confira a programação completa no site: https://goo.gl/3zIOAt

                  7ª SEMANA TEMÁTICA: ?EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO?

                  Data: De 26 a 30 de junho de 2017

                  Local: CRA-SP - Espaço Manacá, e seccionais do interior e litoral

                  Endereço: Av. 9 de julho, 3830, Jardim América, São Paulo - SP

                  Estacionamento gratuito no local.

                  Investimento: gratuito


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Startups crescem no Brasil economizado com escritórios colaborativos

                  Startups crescem no Brasil economizado com escritórios colaborativos
                  Dois dos termos da moda com certeza são startup e coworking (ou escritórios colaborativos), mas…

                  Uma startup é uma empresa recém criada, ainda em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercados. O termo tornou-se popular internacionalmente durante a bolha da internet, quando um grande número de "empresas.com" foram fundadas. São empresas baseadas na tecnológica, e com grande espírito empreendedor e uma constante busca por um modelo de negócio inovador.

                  Já os espaços de coworking são os escritórios compartilhado, ou seja, vários profissionais dividem o mesmo espaço na busca de compartilhar ideias e dividir os custos. Só isso já aponta para a forte relação de ambos, não?

                  Por serem empresas em início, uma das dificuldades das startups é a falta de capital para ter um local adequado de trabalho. Elas geralmente nascem na garagem da casa dos pais, o quarto da república e os cafés dos shoppings, porém esses espaços possuem sérias limitações quando a empresa começa a ganhar corpo, a montar sua equipe e atender clientes.

                  Mesmo com esse crescimento, na maioria das vezes não vale a pena pagar o aluguel de um escritório para uma equipe enxuta que, às vezes, é formada por somente duas ou três pessoas. Assim, fica óbvio a relação estabelecida entre esses dois termos, sendo que em espaços compartilhados as startups ganharam novas possibilidades para tirar as ideias do papel, sair da garagem e começar a crescer.

                  Mas, é só isso? Não, na verdade esse ponto tem se mostrado como a ponta de um enorme iceberg, pois, ao buscar o coworking em busca de credibilidade e baixos custos, uma startup descobre um mundo de benefícios e possibilidade. Só para citar alguns:

                  Foco no negócio

                  Em um coworking é entrar e trabalhar, o seja, não tem que fazer reforma e ter preocupação com infraestrutura, está tudo lá, telefone, internet, estação de trabalho, equipe de limpeza e tudo mais que pode esperar um grande escritório

                  Flexibilidade

                  Sua startup vai crescer, e espaços compartilhados pode acompanhar esse crescimento sem a necessidade de mudança de endereço. Os ambientes de coworking podem ajustar seu espaço de trabalho sem grandes impactos financeiros.

                  Contratos descomplicados

                  Um contrato de aluguel é geralmente uma grande dor de cabeça, para obtenção de salas comerciais estipula um mínimo de um ano de permanência. No coworking os pacotes podem ser feitos e reajustados a qualquer momento, encontrando o melhor modelo que se adequa à sua necessidade, mesmo se você desejar renovar mensalmente.

                  Networking

                  Ao iniciar um negócio se precisa de contatos e esse é um grande benefício de um coworking sobre o homeoffice. Em sua volta estarão diversos profissionais que podem suprir uma necessidade de sua empresa ou que pode te indicar. O ambiente de coworking permite que surja um mar de novas oportunidades!

                  Conhecimento compartilhado

                  Os principais espaços proporcionam a troca de conhecimento em seus próprios ambientes, nos cafés ou em workshops e cursos sobre empreendedorismo, como iniciar uma startup e dicas sobre marketing para pequenas empresas, por exemplo. É só saber aproveitar.

                  Fernando Bottura ? executivo e fundador da GoWork (www.gowork.com.br), mantém em São Paulo nove unidades de escritórios compartilhados

                  DSOP Educação Financeira
                  www.dsop.com.br


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Allianz Worldwide Partners promove conscientização de inclusão de pessoas com deficiência

                  APBP Brasil
                  Para promover a conscientização da inclusão de pessoas com deficiência, a Allianz Worldwide Partners, líder…

                  Com cerca de 130 executivos, durante o encontro, cada diretoria apresenta os resultados das áreas e quais são os planos para os próximos meses. No evento, a empresa vai promover uma ação para conscientizar os profissionais sobre a importância da inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. ?Convidamos a Associação Pintores com a Boca e os Pés para expor diversos quadros. Inicialmente estará sem identificação de que foram produzidos por pessoas com deficiência? comenta Luciana Montuanelli, diretora de recursos humanos e comunicação.

                  No intervalo, um pintor da Associação estará produzindo um quadro ao vivo. O momento propõe uma reflexão sobre atitudes diárias que podem contribuir para maior inclusão de pessoas. ?Existe a necessidade de promover a conscientização junto aos profissionais. Acredito que essa preparação tem que acontecer para que essa consciência se devolva no futuro?, finaliza Luciana.

                  Para mais informações sobre a Associação Pintores com a Boca e os Pés, acesse: www.apbp.com.br

                  Sobre a Allianz Worldwide Partners Brasil

                  Dedicada a garantir proteção e cuidado mundialmente, a Allianz Worldwide Partners, que pertence ao Grupo Allianz SE, é a líder B2B2C em soluções de assistência de seguros nas seguintes áreas de especialização: assistência global, saúde e vida internacional, automóvel e viagem. Estas soluções, que são uma combinação única de seguro, serviço e tecnologia, estão disponíveis para clientes institucionais ou através de canais diretos e digitais sob quatro marcas de renome internacional: Mondial Assistance, Allianz Global Assistance, Allianz Worldwide Care e Allianz Global Automotive. Esta família global de mais de 16.000 colaboradores está presente em 35 países, fala 70 línguas e trata 40 milhões de casos por ano, protegendo clientes e funcionários em todos os continentes. No Brasil, a Allianz Worldwide Partners tem 20 anos de atuação, com cerca de 2.000 profissionais, uma célula médica com equipe trilíngue e 14.000 prestadores de serviços que vivem para ajudar.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Imprevistos pessoais podem afetar renda mensal de profissionais liberais e autônomos

                  Imprevistos pessoais podem afetar renda mensal de profissionais liberais e autônomos
                  Seguro de Renda Protegida é uma alternativa para garantir a renda no fim do mês…

                  Investir em suas finanças pessoais, hoje em dia, é sinônimo de proteção e prevenção aos incidentes diários. Profissionais autônomos e liberais precisam desta segurança para garantir a renda mensal mesmo quando ocorrem imprevistos em suas vidas pessoais, como acidentes e doenças. Uma alternativa que pode garantir mais tranquilidade nesses casos é o Seguro de Renda Protegida, que oferece reembolso da renda diária por incapacidade temporária coberta.

                  O Seguro de Renda Protegida é uma espécie de seguro individual, onde o segurado contribui com um montante que varia de acordo com a renda mensal e será indenizado conforme o valor contratado. A cobertura do seguro vale por até 365 dias de afastamento e é válida somente para casos de doença ou acidente. O seguro é exclusivo para os profissionais liberais, autônomos e assalariados que desejam complementar o que receberão do INSS, caso tenham salário superior ao teto da Previdência Social.

                  De acordo com Dalva Beduschi, diretora da Sorella Consultoria e Corretora de Seguros, a contratação do Seguro de Renda Protegida é simples e necessita somente da assinatura de proposta e preenchimento de declaração pessoal de saúde. Um dos cuidados na hora da admissão é garantir uma renda que o cliente possa comprovar. ?A seguradora pode solicitar o comprovante de renda para o pagamento da indenização, mas a movimentação bancária já acaba servindo para esta comprovação, o que facilita bastante?, explica.

                  Estar ativo e produtivo é um dos requerimentos para garantir o seguro, isso porque é necessário que o cliente tenha uma fonte de renda para acionar a seguradora. ?Não é um seguro que oferece a renda em casos de desemprego, mas sim um serviço que garante esta indenização em casos de afastamento temporário do trabalho, seja por acidente ou doença?, lembra Dalva.

                  Para os trabalhadores autônomos e liberais, cada dia afastado do serviço significa saldo negativo no fim do mês. Ao contratar o serviço, o segurado poderá acionar a seguradora e apresentar alguns documentos específicos para a abertura do sinistro. Após a liberação, o pagamento é realizado de forma mensal. ?O cálculo é baseado no valor diário contratado e o segurado irá receber com base nos dias de afastamento, sendo observada a franquia de cada seguradora?.

                  O valor de investimento pode variar de acordo com a idade do cliente e com a renda que se deseja repor, ou seja, mesmo em incidentes, o cliente sempre estará seguro de sua renda mensal. ?É possível contratar o seguro por 60 dias para afastamentos por LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteo musculares Relacionados ao Trabalho) e tendinites, por exemplo. O ideal é que seja observada com o consultor de seguros essa cláusula?, recomenda Dalva.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Marsh promove pelo 15º ano consecutivo Happy Hour Beneficente

                  Reunindo anualmente mais de 500 executivos do mercado de seguros resseguros, o evento tem se…

                  A Marsh realizará no dia 27 de junho mais uma edição da tradicional Chopada CEI Vila Cisper II, happy hour beneficente em apoio ao Centro de Educação Infantil (CEI) que dá nome ao encontro. O evento terá início às 19 horas e acontecerá no Boteco São Bento, em São Paulo. A confraternização está em sua 15º edição e terá toda a sua renda revertida ao CEI, uma organização sem fins lucrativos fundada em dezembro de 2001 pela Associação dos Empregados do Grupo Marsh & McLennan, que hoje oferece educação infantil com qualidade para 160 crianças de zero a 4 anos. Reunindo anualmente mais de 500 executivos do mercado de seguros resseguros, o evento tem se tornado um foco de networking para os principais nomes da indústria.

                  ?Assim como a festa promovida no fim do ano, o happy hour anual é um dos principais eventos realizados para arrecadar fundos para o CEI. Como em edições anteriores, contaremos com o apoio de grandes empresas?, afirma o presidente da entidade, Luiz Medeiros. De acordo com ele, contar com o apoio do Grupo Marsh & McLennan Companies e de seus parceiros é essencial para a educação e formação das crianças atendidas pelo CEI.

                  Os funcionários e parceiros da Marsh participam ativamente em diversas atividades com as crianças do CEI, como mutirão da pintura, doações de brinquedos, festas no Dia das Crianças e Natal, entre outras ações. ?Além do engajamento com uma série de atividades e doações, os funcionários do Grupo podem acompanhar o cotidiano das crianças por meio de notícias divulgadas internamente e pelo Dia do Voluntariado, que foi instituído em 2014?, diz. Mais informações sobre o CEI Vila Cisper II podem ser encontradas em: www.cei2.com.br

                  Sobre a Marsh

                  A Marsh é líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos. A Marsh trabalha em conjunto com seus clientes para definir, desenhar e distribuir soluções inovadoras e específicas para cada uma das indústrias, auxiliando-as a gerenciar os seus riscos de maneira efetiva. Contamos com cerca de 27 mil colaboradores que trabalham em conjunto para servir nossos clientes em mais de 130 países. A Marsh pertence ao grupo Marsh & McLennan Companies (NYSE: MMC), uma companhia global de serviços profissionais, que oferece aos seus clientes consultoria e soluções nas áreas de riscos, estratégia e capital humano. Com 57 mil colaboradores em todo o mundo e vendas anuais superiores a US$ 13 bilhões, também são parte da Marsh & McLennan Companies a Guy Carpenter, líder mundial na intermediação de fornecimento de serviços em riscos e resseguros; a Mercer, líder mundial em gestão de talentos, saúde, aposentadoria e consultoria de investimento; e a Oliver Wyman, líder mundial em consultoria e gestão. Siga a Marsh no Twitter em @MarshGlobal, no LinkedIn, Facebook, e YouTube.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Já ouviu falar em Point of Care?

                  O Ministério da Saúde aponta que a hipertensão está presente em 25% da população adulta…

                  Em comum nesses três casos está a falta de um diagnóstico precoce adequado e acessível para essa população crescente, que transforme desinformação em informação e preencha lacunas epidemiológicas. Nesse cenário, uma das ferramentas que desponta como alternativa para acessar essas informações é o Point of Care (POC). Popularmente conhecido como testes laboratoriais remotos ou testes rápidos, o POC é um termo que denomina uma série de tecnologias de cuidado no ponto de atenção, permitindo a testagem para doenças ou substâncias específicas de forma ágil e sem a necessidade de uma estrutura cara e imobilizada de laboratório de análises clínicas.

                  É o que aponta Patrícia Carvalho, gerente de produtos cardiometabólicos da Alere Brasil, divisão brasileira da multinacional norte-americana que atua globalmente no ramo de diagnóstico e Point of Care. ?Em linhas gerais, são exames simples, que muitas vezes demandam apenas uma pequena amostra de sangue e poucos minutos para se chegar a um resultado, capaz de balizar todo o restante da conduta terapêutica. As máquinas responsáveis por essa análise ainda são pequenas e portáteis, podendo ser transportadas para regiões e populações que dificilmente teriam acesso a um diagnóstico rápido e adequado, e nem sempre são necessárias?, pontua.

                  A aplicação dessas ferramentas para o preenchimento de lacunas epidemiológicas foi um dos pontos discutidos no primeiro evento científico da área no Brasil, o 1º Encontro Latino-Americano de Point of Care, realizado pela Alere em 2016. Segundo Miriam Franchini, uma das palestrantes do evento e especialista em laboratórios de Infecções Sexualmente Transmissíveis, AIDS e Hepatites Virais, foram os testes rápidos que permitiram ao Ministério da Saúde uma atuação melhor no combate à epidemia de HIV no Brasil.

                  ?Desde que foi implementado o uso dos testes rápidos, conseguimos diagnosticar 255 mil portadores da infecção pelo HIV por esse método. Caso não tivéssemos utilizado essa ferramenta na Saúde Pública, eles jamais teriam sido diagnosticados. Para dar conta de rastrear toda a população suscetível à infecção por HIV, o Brasil teria que realizar um total de 144,9 milhões de testes anualmente, algo impossível de ser feito apenas em laboratórios?, explica a médica.

                  Além das doenças infecciosas, como HIV, Sífilis, Dengue e até mesmo Influenza, o Point of Care também apresenta ferramentas para atuação no diagnóstico na linha cardiometabólica (com testes para dislipidemias, diabetes e insuficiência cardíaca), toxicologia (testes de abuso de drogas) e até mesmo na veterinária.

                  Conheça alguns dos exames instantâneos que já podem ser feitos com Point of Care

                  Diabetes

                  A Alere oferece um sistema de monitoramento para a medição dos níveis sanguíneos de HbA1c, o principal marcador para o controle do Diabetes glicose, tanto no laboratório como em lugares remotos. O Analisador Alere Afinion? permite determinar a HbA1c no consultório médico, imediatamente na presença do paciente. Esse diagnóstico é feito com uma única gota de sangue, em três minutos.

                  Dislipidemia

                  A dislipidemia descreve quantidades anormais de colesterol e triglicérides no sangue, aumentando o risco de aterosclerose, doença cardíaca, AVC e hipertensão. Com o sistema Alere Afinion, obtém-se o perfil lipídico completo em apenas 8 minutos com coleta de ponta de dedo.

                  HIV

                  Outra infecção que merece atenção por conta da queda do uso de preservativos por parte dos jovens é o HIV. A detecção precoce da infecção por HIV é fundamental para ajudar a minimizar novas transmissões da doença. As rotas principais de infecção são sexo não seguro, compartilhamento de agulhas contaminadas, e de mãe infectada para o filho. O teste Point of Care permite descobrir se um indivíduo é soropositivo em 15 minutos.

                  Sífilis

                  A sífilis é causada pela bactéria Treponema pallidum e normalmente é transmitida pelo contato sexual. Também pode ser transmitida de mãe para filho (sífilis congênita). É curável; entretanto, se não for tratada pode levar a danos cardíacos e neurológicos irreversíveis. Atualmente, por conta da queda do uso da camisinha entre jovens, voltou a estar no foco das ações de prevenção de ISTs. Com o Point of Care, essa informação pode ser acessada em 15 minutos sem a necessidade de uma estrutura laboratorial.

                  Sobre a Alere

                  A Alere acredita que quando o assunto é diagnóstico e monitoramento de condições de saúde ?saber agora importa? (Knowing now matters?). Com essa visão, a empresa atua fornecendo informações acessíveis e confiáveis por meio de testes rápidos, melhorando os resultados clínicos e econômicos da saúde em nível global. Sediada em Waltham, Massachusetts (EUA), a Alere tem como foco testes rápidos de doenças infecciosas, doenças cardiometabólicas e toxicologia. www.alere.com


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Agências: entregar resultados reais não é diferencial. É o mínimo!

                  * Por Maria Luiza Buriham, da Resultados Digitais

                  Apesar da economia dar sinais de crescimento, mesmo que lento, não dá para negar que a crise ainda é séria. Tivemos o pior resultado do PIB ano passado, com um recuo de 3,6% e enfrentamos ainda a pior recessão da história. Mais do que nunca, esse momento requer que as empresas cortem custos, priorizem ações e, muitas vezes, reduzam a equipe e os fornecedores. Nas agências isso não é diferente. Cada vez mais é necessário mostrar que o serviço oferecido não apenas entrega resultados concretos, como também precisa ser uma prioridade no portfólio dos clientes. Os gestores devem demonstrar que em vez de ser uma matriz de custo, o trabalho desenvolvido na agência é, na verdade, um investimento.

                  Para provar que o seu serviço vale todo o dinheiro aplicado, é imprescindível mostrar resultados concretos alcançados a partir do seu trabalho e provar o retorno sobre o investimento (ROI). E é aí que entra o diferencial do inbound marketing. Se você não está provando os resultados de campanhas na área, você simplesmente não está fazendo marketing digital. A apresentação dos dados é o grande diferencial em relação ao marketing tradicional. Sua agência acaba sendo vista como uma parceira estratégica do cliente e não mais um custo no orçamento.

                  Ainda não se convenceu da importância de trabalhar com inbound marketing? Conheça três argumentos que podem fazer você mudar essa visão:

                  1. Fornece dados que comprovam o seu trabalho

                  Todo dono de empresa, seja ela qual for, quer, no final do dia, saber que os seus investimentos deram retorno. Quando lidamos com o marketing tradicional, por exemplo, existem poucas métricas para comprovar esse retorno. A agência pode descobrir quantos leads o marketing gerou ao cliente por um determinado período, o número de oportunidades que foram repassadas ao time comercial, o ROI, o custo de aquisição por cliente. E mais do que isso: consegue identificar com antecipação os problemas e alterar as ações para serem ainda mais efetivas. Assim, é possível acompanhar os indicadores e repassar os resultados mais concretos aos clientes.

                  2. Aumenta as vendas na agência e a estabilidade financeira

                  Além de não ficar mais refém do entendimento dos clientes sobre marketing, já que você está entregando resultados concretos para ele, o inbound marketing é um diferencial porque impulsiona as vendas. Sim, o marketing digital bem feito acaba por determinar no fechamento de um contrato e cada vez mais empresas procuram por agências que ofereçam o serviço. Segundo o Panorama das agências digitais, divulgado em 2015 e produzido pela Resultados Digitais, Rock Content e Opinion Box, 64,2% das agências tiveram melhor resultado financeiro com a oferta de serviços de marketing digital.

                  Essa pode ser a principal forma de deixar o seu fluxo de caixa no positivo, já que, normalmente, os contratos de marketing digital tendem a ser de longo prazo. Ainda de acordo com o levantamento, quase 52% das agências que prestam serviços do tipo apontaram que os clientes permanecem mais tempo, o que significa uma cartela maior de clientes fixos e estabilidade financeira. E qual agência que não quer se preocupar menos com o fluxo de caixa e aproveitar para se dedicar a entregar melhores resultados aos clientes e investir mais na equipe e em indicações?

                  3. Pode ser utilizada para a própria agência melhorar a marca

                  Uma vez o serviço ofertado aos clientes, quem disse que ele não pode ser aplicado pela própria agência? É uma forma de desenvolver uma estratégia eficiente para atrair e converter futuros clientes, tudo com um orçamento curto (mesmo). Ainda são poucas as agências que realmente fazem marketing digital interno - seja uma delas. Isso pode depor até contra o seu negócio. Afinal, quem irá contratar uma empresa para fazer um trabalho de inbound marketing se ela mesma não faz isso? Eu não contrataria, e você?

                  Usar o inbound marketing e outras ações de marketing digital não serão o diferencial da sua agência, mas sim o mínimo que você pode oferecer atualmente no mercado. E o mínimo que pode ser feito para consolidar a sua marca perante os clientes. É como matar um coelho com uma cajadada só, ou não?


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Hapvida apresenta modelo de verticalização em evento no Rio de janeiro

                  O Hapvida Saúde realizou, na última quarta-feira (21), uma confraria para corretores, no Rio de…

                  ?Ao apostarmos em uma estrutura de negócios verticalizada colhemos frutos dessa estratégia de atuação. Com a rede própria, é possível ter controle de todos os procedimentos que são realizados, além de oferecer serviços de qualidade a empresários que oferecem planos de saúde e de odontologia para seus funcionários e também para os beneficiários de planos individuais?, declara André Rosas.

                  Com 3,6 milhões de beneficiários de planos de medicina e odontológicos, a partir da gestão direta da operação e nos constantes investimentos, o Hapvida tem hoje o completo domínio de toda operação. Assim, é possível gerir diretamente a qualidade do serviço e o custo final oferecido aos beneficiários. Isso, somado à escala, permite conquistar uma maior capilaridade de mercado e alcançar um universo de brasileiros que antes não tinham acesso à saúde privada.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Como empresários e autônomos devem garantir seu futuro frente às mudanças previdenciárias do país?

                  Por Adão Lopes

                  Ter condições de se aposentar se tornou algo mais complicado no Brasil. As reformas propostas, a condição econômica em que o país se encontra, tudo isso gerou um caos nos planos daqueles que já tinham alguns direitos garantidos. Quem dirá daqueles que trabalham por conta própria, os autônomos.

                  Apesar de iniciativas como o MEI, que facilitam alguns aspectos da vida fiscal de algumas categorias de autônomo, a aposentadoria ainda é uma das grandes incógnitas da vida profissional, mesmo desses empresários. A previdência é anunciada como ?falida? há anos; as regras mudaram para contribuição; o dinheiro não para de se desvalorizar e é cada vez mais complicado garantir um futuro seguro. É por isso que previdências privadas, ou complementares, estão cada vez mais em voga.

                  Recentemente, um estudo feito pelo Instituto de Longevidade de Mongeral Aegon, em parceria com centros de pesquisa da Holanda e Estados Unidos, mostrou que 44% dos autônomos brasileiros tem plena confiança de sua aposentadoria. Dos 1100 entrevistados, 48% já possui um ?Plano B? para não contar com o governo, mesmo no regime de MEI, e 34% afirmam poupar para o futuro.

                  Os autônomos são a classe trabalhadora que mais cresce no país, principalmente devido ao desemprego que só aumenta. A preocupação em poupar é algo que já não pode ser evitado, principalmente porque adiada, ou não, a reforma virá, e é preciso se precaver para vários cenários. Esse é um movimento positivo no Brasil. Muitos países já incentivam essa cultura desde cedo.

                  O brasileiro parece estar acostumado a ter alguém preocupado e responsável por seu futuro, em seu lugar. Não que as leis trabalhistas sejam ruins, não estou aqui para julgar isso, mas faltava ao cidadão maior controle sobre seus recursos. Se pessoas fossem ensinadas a lidar melhor com o dinheiro desde pequenas, mesmo aqueles que ainda trabalham como CLT teriam planos e futuros muito melhores.

                  O controle financeiro possibilita liberdade, provê a chance de abraçar oportunidades diversas e crescer independente de um patrão e uma empresa. Essa é uma mentalidade que precisa ser mudada e que permite sobreviver no mundo de hoje. Infelizmente, o povo brasileiro precisa correr atrás de mudar sua mentalidade com mais urgência para sobreviver ao tempo turbulento.

                  É por isso que até mesmo para o autônomo, a contabilidade é tão importante. Talvez não seja possível para ele contratar uma agência, mas muitas vezes ele consegue gerenciar muito de sua vida fiscal através de softwares, como os de emissão de notas fiscais, e um pouco de esforço em aprender a cuidar melhor de seu dinheiro. O conhecimento contábil tem muito valor útil no cotidiano e isso melhoraria as coisas em muitos aspectos.

                  Além disso, não se deve esquecer que tempos de crise também apresentam oportunidades e pode ser em uma dessas chances que a empresa cresça e precise mais do que nunca de uma boa gestão fiscal, mesmo ainda sendo uma pequena empresa. O autônomo, em nenhum momento pode deixar de ser atento com seu futuro.

                  Outra situação é que mesmo como autônomo é possível contribuir com o INSS como contribuinte individual. Isso garante uma aposentadoria pela previdência no futuro. Os anos de contribuição de contribuição serão contados e mesmo que o cidadão ainda trabalhe na época em que já puder se aposentar, ele terá possibilidades, inclusive de ampliar um pouco os valores a serem recebidos.

                  Dá um pouco mais de trabalho pagar o INSS dessa forma, mas vale muito a pena. É possível pagar o INSS seguindo poucos passos. Primeiro se faz uma inscrição no Programa de Integração Social, o PIS, onde se escolhe o tipo de contribuição, se preenche uma Guia de Previdência Social, que te permite fazer o pagamento do documento. Escolher o tipo de contribuição dá mais trabalho, mas no próximo mês é só pagar o novo boleto.

                  O contribuinte individual do INSS é aquele que trabalha por conta própria e presta serviços à pessoa física. É preciso se informar bem sobre os tipos de contribuição possíveis. As regras de aposentadoria estão em mudança, e por isso vale a pena conferir isso na época, e manter-se sempre atualizado.

                  Há contadores que ajudam em consultas do tipo e prestam serviços de auxílio. O importante é não deixar para lá e contar com a sorte. O futuro é incerto, mas algumas coisas se pode deduzir. Uma delas é que é melhor estar segurado, protegido e independente, sobretudo quando se é autônomo.

                  Adão Lopes é mestre em tecnologia e CEO da VARITUS Brasil, empresa que mantêm o Portal Digifisco.

                  Sobre o Digifisco: http://www.digifisco.com.br

                  O Digifisco é um portal de notícias e dicas sobre tecnologia e afinidades do mundo fiscal. Nele estão disponíveis conteúdos específicos sobre o mercado, além de atualizações com o que há de novo em sistemas para gestão e emissão fiscal. O portal é uma iniciativa da Varitus Brasil, empresa do setor de tecnologia da informação, especializada em ferramentas exclusivas para emissão, recuperação e armazenamento de documentos fiscais digitais.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Oficinas destaca momento de transformação da corretagem de seguros

                  Abordando o tema ?Mudança ? Transição ? Disrupção?, o Sincor-SP deu início nesta sexta-feira (23/06)…

                  ?Entendemos que a melhor orientação é o exemplo. Para fazer o corretor de seguros empreender e se profissionalizar, e para estarmos coerentes em nossos discursos e ações, mostramos em nossa entidade que é possível ter atitudes empreendedoras e criativas, mesmo em tempos de crise ou de redução de investimentos?, disse o presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo.

                  A cerimônia de abertura contou com a participação de grandes executivos do setor, como o superintendente da Susep, Joaquim Mendanha, o presidente da Fenacor, Armando Vergílio, o presidente da Escola Nacional de Seguros, Robert Bittar, o prefeito de Mogi das Cruzes, Marcus Melo, além da diretoria executiva do Sincor-SP e do diretor regional que atende o município, Fábio Ferreira Mattos.

                  Na ocasião, o prefeito de Mogi das Cruzes enfatizou a necessidade do governo unir forças com a iniciativa privada para ampliar os serviços oferecidos aos consumidores. ?Precisamos integrar essas duas funções e Mogi das Cruzes está à disposição do mercado de seguros?, declarou Melo.

                  Já o presidente da Fenacor, Armando Vergílio destacou o papel do corretor de seguros na proteção da vida, da saúde, das conquistas e das finanças das pessoas. ?O trabalho do corretor nada mais é do que gente cuidando de gente. Por isso, pela sua competência, as novas tecnologias não vão acabar com essa atividade. Mas é necessário mudar atitudes e investir em tecnologias, para que a categoria se torne protagonista dessa transformação?.

                  Novidades

                  O Sincor-SP divulgou em primeira mão aos congressistas que a próxima edição do Conec, maior congresso de corretores de seguros, vai acontecer na Transamerica Expo Center, e lançou o Projeto Vida Segura, novo jogo para celular do programa Cultura do Seguro.


                  saiba mais »

                  25/06/2017 - Seja Trainee Promove Evento Para Discutir a Revolução no Mercado de Jovens Talentos

                  Mais de 200 profissionais de RH poderão conhecer as tendências e novidades no mercado

                  Reunir grandes nomes da área de Recursos Humanos no Brasil para discutir tendências e inovações na forma de recrutar e desenvolver talentos. Com esse objetivo, a Seja Trainee, consultoria especializada nesse público, realiza o evento Revolução no Mercado de Jovens Talentos, em São Paulo.

                  No próximo dia 28, a consultoria recebe profissionais de grandes empresas que terão como missão debater a visão do jovem sobre o mercado de trabalho, suas expectativas em relação a carreira e a necessidade de reinvenção deste mercado.

                  A consultoria observa que várias áreas sofreram uma disrupção desencadeada pelos jovens e que chegou a vez da área de Recursos Humanos repensar a forma de atrair, contratar e desenvolver estes novos talentos que ocupam cada vez mais espaço nas organizações.

                  ?As expectativas dos jovens e realidade das empresas muitas vezes se desencontram. É daí que surge a necessidade das organizações mudarem a forma de pensar em seus talentos para garantir que eles sejam protagonistas das transformações de uma nova era?, explica Luís Abdalla, Sócio Fundador da Seja Trainee.

                  Guilherme Junqueira (CEO Gama Academy); Priscila Pacheco (RH Danone); Davi Bufalo (RH MARS); Helen Menezes (RH Mercado Livre); e Luciana Caletti (CEO Love Mondays) são alguns dos participantes da mesa redonda que fará parte do evento. ?Reunimos grandes influenciadores da área de RH que estão protagonizando as mudanças que precisamos ver nas áreas de gestão de pessoas e Talent Acquisition?, finaliza Kleber Piedade, Sócio Fundador da Seja Trainee.

                  Detalhes sobre o Evento

                  Data: 28 de Junho
                  Horário: 8h às 11h30

                  Local: Melicidade - Sede do Mercado Livre - Av. das Nações Unidas, 3003 ? Osasco - SP

                  Inscrições: O evento é gratuito e restrito a empresas

                  As inscrições são limitadas e podem ser realizadas no link.


                  saiba mais »

                  26/06/2017 - AUTOGLASS participa do 2º Congresso de Corretores do Nordeste

                  AUTOGLASS participa do 2º Congresso de Corretores do Nordeste
                  Nesse mês de junho a Autoglass marcou presença no 2º Congresso dos Corretores de Seguros…

                  Durante o congresso a Autoglass disponibilizou três profissionais para realizarem seu novo serviço, o SRA Plus, que consiste no processo de reparo de arranhões sem necessidade do uso da pintura convencional ? e o Martelinho ? técnica artesanal para desamassar carros que dispensa os serviços tradicionais de funilaria. Na ocasião vários veículos foram atendidos pelos técnicos da Autoglass e os feedbacks a respeito do serviço foram muito positivos, segundo Thiago Schmid, Executivo Comercial da Autoglass. 

                  No evento toda a equipe do setor Comercial da Autoglass foi convidada a subir ao palco e um Ipad foi sorteado entre os corretores presentes. Eduardo Borges, Diretor Comercial, fez um breve discurso e enfatizou que a Autoglass estará cada vez mais próxima dos corretores do nordeste, sempre levando suas novidades. 

                  Sobre a Autoglass

                  A Autoglass é uma empresa que tem como foco duas áreas de negócios: a prestação de serviços junto ao mercado segurador e o comércio de vidros e peças automotivas para consumidores, oficinas e lojistas. Ela entende o mercado como o setor automotivo de forma ampla, buscando sempre ser solução para seus clientes. Comercializa para-brisas, vidros vigias, vidros laterais, película de controle solar, película de segurança, palhetas, faróis, lanternas, lâmpadas, retrovisores, para-choques, higienização de ar condicionado e muito mais. Também realiza o serviço de reparo no para-brisa.?

                  http://www.autoglass.com.br/

                  • autoglass


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Riscos Ambientais ganha pós-graduação

                    Riscos Ambientais ganha pós-graduação
                    O segmento de seguros ambientais vem crescendo no Brasil, porém, ainda possui legislação, regulamentação e…

                    As aulas abordarão as práticas usuais do mercado nacional e farão a comparação com as adotadas no exterior. Serão apresentadas análises das bases contratuais vigentes e questões técnicas, além das ferramentas de gerenciamento dos riscos ambientais.

                    Segundo o advogado e coordenador do curso, Walter Polido, a pós-graduação é uma boa oportunidade para que os estudantes e atores do setor possam se aprofundar em aspectos ainda não explorados desse segmento. ?O curso é inédito na Escola e no mercado. O tema, sempre muito restrito a palestras, seminários e afins, tem, agora, sua versão em pós-graduação?, afirma Polido.

                    As aulas acontecerão em São Paulo (SP), a partir de 14 de setembro. O único pré-requisito é nível superior completo ou em andamento. O investimento pode ser feito em até quatro parcelas de R$ 387,50.

                    Os interessados devem realizar as inscrições pelo www.funenseg.org.br, onde mais informações estão disponíveis.

                    Pós-graduações em outras áreas

                    Também estão abertas as inscrições para outras duas pós-graduações: Gestão Comercial do Seguro, e Compliance e Controles Internos.

                    O curso Gestão Comercial do Seguro tem como objetivo preencher a demanda por uma qualificação completa na área ao proporcionar uma visão holística sobre o tema. As aulas serão ministradas em seis cidades: Belo Horizonte (MG), Blumenau (SC), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP). A data de início varia de acordo com a localidade.

                    Já a pós-graduação Compliance e Controles Internos está programada para São Paulo (SP), a partir de 12 de agosto. O objetivo do curso é fornecer embasamento teórico e prático sobre as questões de controle interno, principalmente aquelas voltadas para o mercado segurador.

                    Mais informações e inscrições podem ser encontradas no www.funenseg.org.br.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Palmas recebe Café com Associadas sobre seguros na era da humanização

                    Palmas recebe Café com Associadas sobre seguros na era da humanização
                    Na segunda edição do ano, o Café com Associadas chegou ao Tocantins na noite da…

                    Maia destacou a importância de o cliente ser percebido antes de tudo, como ser humano no processo de venda e como pode ser ampliada esta relação. Ele comentou que as mudanças econômicas que afetam o mercado, exigem dos profissionais posturas e atitudes diferenciadas, com envolvimento maior no pós-venda. ?O foco atual deve ser no ser humano?, enfatizou.

                    A partir deste gancho, o especialista mostrou a evolução das campanhas de marketing que, atualmente, posicionam o cliente como peça mais importante, em detrimento ao produto. ?Hoje, o marketing deve ser visto como a arte e a ciência de conquistar, manter, se envolver e estabelecer relacionamentos lucrativos com o cliente. O corretor deve entender o conceito da lifeline de seu cliente, isto é, as necessidades que se apresentam a cada momento da sua vida?, pontuou o especialista.

                    Ainda de acordo com Maia, o cenário conturbado de crise é uma excelente oportunidade de inovação. ?Essa crise é a pior porque é a atual. Estes momentos são cíclicos. Temos é que aproveitá-los da melhor forma e, para isso, é necessário sair da zona de conforto?.

                    ?Fiquei positivamente impactada com o número de profissionais presentes nesta edição. A interação mostra que a força do mercado do Tocantins não é diferente dos demais cantos do Brasil. Estaremos de volta no segundo semestre com ação nova em Palmas?, assinalou a gerente executiva do SindSeg BA/SE/TO, Camila Barreto.

                    O representante do SindSeg BA/SE/TO no Tocantins, Marcos Dias revelou satisfação com a boa procura pelo evento. ?Isto mostra que o profissional tocantinense está atento às boas oportunidades para se aprimorar?, comentou.

                    O Café com Associadas em Palmas foi realizado em parceria com a Escola Nacional de Seguros e contou com apoio do Sincor-TO.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - CIST celebra cinco anos de atuação em workshop sucesso de público sobre processos logísticos e roubos de cargas no Rio de Janeiro

                    CIST celebra cinco anos de atuação em workshop sucesso de público sobre processos logísticos e roubos de cargas no Rio de Janeiro
                    O Clube Internacional de Seguros de Transportes (CIST) completa cinco anos de atuação neste mês…

                    Entre representantes de corretoras de seguros diversas, e de empresas prestadoras de serviços para o setor, estiveram executivos de quase todas as seguradoras que atuam com transportes: Argo, Axa, *******, Chubb, FairFax, ***, Liberty, Mitsui Sumitomo, Porto Seguro, QBE, Sompo, Starr, Sura, Swiss Re Corporate Solutions, Tokio Marine, XL Catlin, além do ressegurador IRBBrasil Re e da corretora de resseguro ARX-Re.

                    No primeiro painel, o diretor de Logística do grupo Minerva Foods (segundo maior produtor e exportador de carnes no Brasil), Ricardo Trikel, apresentou ?Os processos logísticos na mitigação dos riscos de transportes?. Para ele, o dilema dos executivos de logística é manter preço e qualidade de serviços, e o que mais afeta o custo atualmente é a ação de bandidos. ?Não podemos simplesmente parar de enviar caminhões de entregas no Rio de Janeiro, o carioca vai continuar comendo carne, e não podemos perder este importante mercado. Precisamos nos munir de tecnologias e sermos ágeis em estratégias, pois hoje a bandidagem tem mais inovação de tecnologia do que qualquer executivo da indústria?, disse.

                    Realmente, a ?Explosão de roubo de cargas no Rio de Janeiro? é o tema que tem agitado o mercado de seguros de transportes brasileiro e foi o nome da palestra apresentada pelo Cel. Venâncio Alves Moura, diretor de Segurança do Sindicargas-RJ e ex-comandante do BOPE (RJ). ?O roubo de cargas no Rio de Janeiro tem peculiaridades, algumas rotas são próximas de morros, os ladrões descem para roubar a carga e têm fáceis fugas, quando não cercam o caminhão e o fazem seguir para dentro da favela. A polícia carioca está perdida em meio ao crescimento desordenado deste crime, e tem agido apenas ?apagando incêndios?, não tem um planejamento estratégico para o roubo de cargas. É preciso a iniciativa privada agir em tecnologias de gerenciamento de riscos, o que não resolve mas contribui?.

                    Para o presidente do CIST, José Geraldo da Silva, o sucesso do evento se deveu à assertividade dos temas apresentados, e às inovações desenvolvidas pela entidade. ?Foram temas propícios para o momento, trazendo informações e debatendo o que o profissional de transportes mais quer saber. Trouxemos um profissional de logística de grande empresa, que apresentou com muita transparência suas estratégias para driblar o roubos de carga nos locais mais críticos; e o coronel e ex-comandante do BOPE explicou com muita propriedade como agem os criminosos no Rio de Janeiro, que é onde se concentra o crime. Os problemas são graves, mas somente com a união de esforços podemos desenvolver soluções e vencermos o crime, que é prá lá de organizado. O outro motivo do sucesso deste evento foram as inovações que apresentamos, como o novo local de encontros, com melhor estrutura; além do investimento que temos feito em comunicação, com maior divulgação antes e pós eventos, incluindo revista própria, videos de entrevista, emails marketing etc?.

                    O encontro teve o patrocínio das empresas Brasil Risk Gerenciamento de Riscos, Grupo Fox Regulação & Auditoria, Grupo Macor Segurança, e Moraes Velleda Gerenciamento de Riscos.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Rádio CNseg: ´Entrevista Especial´ aborda a educação de crianças, adolescentes e jovens para tornar o trânsito mais seguro

                    Rádio CNseg: ´Entrevista Especial´ aborda a educação de crianças, adolescentes e jovens para tornar o trânsito mais seguro
                    Presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária explica projetos para que a formação de motoristas…

                    A ?Entrevista Especial? desta segunda-feira ouve o presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, José Aurélio Ramalho. Ele fala sobre os projetos da instituição na área de segurança no trânsito, que envolvem a educação de crianças, adolescentes e jovens para privilegiar a percepção de riscos e visam à redução do número de acidentes no país. ?Tratamos muitas vezes o acidente como uma fatalidade, e ele não é uma fatalidade; é uma sequência de equívocos, erros, imprudências e infrações que o cidadão comete?, afirma Ramalho. ?Os acidentes são avassaladores na vida da sociedade: uma pessoa morre a cada 12 minutos no trânsito brasileiro, e uma fica sequelada a cada minuto. Isso tem um custo social, além de emocional, muito grande.?

                    Também nesta segunda, o programa ?Fala Presidente? aborda a solvência das seguradoras em meio à crise econômica por que passa o Brasil. Segundo o presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), Marcio Serôa de Araujo Coriolano, a solvência é um conjunto de procedimentos que envolve o cálculo adequado das tarifas, a correta aceitação de riscos e a constituição de reservas técnicas. ?O mercado brasileiro tem se mostrado bastante solvente em face da crise?, afirma Coriolano.

                    Na terça-feira, no programa ?Conheça os Seguros Gerais?, o presidente da Comissão de Riscos Patrimoniais Massificados da FenSeg, Danilo Silveira, fala sobre as precauções que o locador deve tomar antes de colocar um imóvel para aluguel em aplicativos voltados para hospedagem. No mesmo dia, o ?Qual é a Dúvida?? esclarece a questão de um ouvinte sobre o mercado segurador.

                    Na quarta, no quadro ?Entenda os Seguros de Pessoas?, o vice-presidente da FenaPrevi, Luciano Snel, aborda o planejamento financeiro, pessoal e familiar, com produtos de previdência e Seguro de Vida. Também na quarta, vai ao ar o programa ?Inovação e Sustentabilidade?.

                    Quinta-feira é a vez do quadro ?Por Dentro da Saúde Suplementar?, que inicia uma série sobre prevenção a doenças nas diversas fases da vida. O entrevistado desta semana é o nutrólogo pediátrico Hélio Rocha, consultor do movimento Obesidade Infantil Não, da Amil, que fala sobre os malefícios da obesidade para as crianças. No mesmo dia, no ?Momento Jurídico?, a consultora da CNseg Glória Faria falará sobre riscos cibernéticos

                    Os programas ?Minuto da Capitalização? e ?Dicas do Consultor? encerram a programação da semana, na sexta-feira.

                    Diariamente, a Rádio CNseg traz ainda boletins de serviço, notícias do setor, da economia e da política do país, além da programação musical. A grade completa está disponível em http://radio.cnseg.org.br.

                    Rádio CNseg

                    A Rádio CNseg é um dos ícones do Programa de Educação em Seguros da CNseg e tem por objetivo ampliar os canais de diálogo do setor de seguros com a sociedade e esclarecer a população sobre os fundamentos e características dos produtos oferecidos pelos segmentos de seguros, previdência privada, saúde suplementar e capitalização. Exclusiva para plataforma online, a rádio é transmitida por meio do site http://radio.cnseg.org.br. No Facebook, a fanpage da rádio pode ser acessada em www.facebook.com/radiocnseg.

                    A CNseg

                    A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) congrega as empresas que compõem o setor, reunidas em suas quatro federações (FenSeg, FenaPrevi, FenaSaúde e FenaCap).

                    A CNseg tem como missão primordial representar as suas associadas no relacionamento com a sociedade, os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além das entidades nacionais e internacionais do setor, disseminando, assim, a cultura do seguro por meio do Programa de Educação em Seguros e de outras ações de amplo alcance.

                    Mais informações:

                    Superintendência de Comunicação Externa da CNseg


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Três situações que a boa gestão de conflitos pode minimizar

                    Três situações que a boa gestão de conflitos pode minimizar
                    Confira momentos em que é possível diminuir o impacto desses maus episódios dentro do escritório

                    Estamos vivendo em um mundo cada vez mais competitivo e inundado de informações. No meio do caminho, diferenças podem surgir e, com elas, o que chamamos de conflitos. Aprender a reduzir os embates entre equipes é sinônimo de manter um excelente ambiente de trabalho e, simultaneamente, trazer rendimentos satisfatórios. Ou seja, todos saem ganhando. Confira três momentos em que é possível diminuir o impacto desses maus episódios dentro do escritório:

                    Equipe desmotivada: trabalhadores que desconhecem seus potenciais se tornam mais inseguros, aumentando a incidência de conflitos. O papel do líder é direcionar o indivíduo a realizar suas atividades de forma que lhe tragam satisfação e que possam colaborar a atingir seus objetivos. A ferramenta do reconhecimento direto e público contribui para o estímulo de comprometimento de todos rumo ao progresso e à implementação das ações necessárias para a conquista dos resultados. À medida que as pessoas são reconhecidas por seus méritos, minimizam a necessidade de atacar para chamar atenção, assim como minimizam a postura defensiva que cria resistência à aproximação e trabalho em parceria. Com essa ação o líder estimula a trajetória do profissional, reforçando positivamente os comportamentos desejados e estimulando cada vez mais a busca da aplicação de seus conhecimentos.

                    Comunicação errônea: é preciso preparar bem os feedbacks negativos antes de compartilhá-los. O primeiro passo é verificar a maneira mais eficiente de demonstrar sua intenção, falar do seu propósito de contribuir para o desenvolvimento de quem irá recebê-lo, reforçar o quanto você reconhece os pontos positivos do profissional antes de apontar os pontos de melhoria. Faça uma lista que tenha pelo menos uma qualidade do funcionário para iniciar a conversa, endossando que você confia na capacidade de melhoria desse colaborador.

                    Expectativas desalinhadas: perguntar recorrentemente o que esperam de você, do projeto sob a sua responsabilidade ou de uma ação específica ajuda a criar um momento em que as partes podem antecipar situações e desejos que normalmente achariam óbvios, mas que na maioria das vezes não são. Faça rodas de conversas e ouçam aqueles que estão dentro da corporação, para que possam batalhar pelo mesmo ideal. A abertura para o diálogo promove a prevenção de conflitos desnecessários.

                    *Allessandra Canuto é especialista em gestão estratégica, facilitação e planejamento para realização de projetos e potencializar negócios. É sócia e palestrante da AlleaoLado, empresa focada em palestras, treinamentos e consultoria.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Brasileiros ainda ?ignoram? seguros de Vida e AP

                    Brasileiros ainda ?ignoram? seguros de Vida e AP
                    De acordo com o presidente da Associação Paulista dos Técnicos de Seguros (APTS), Osmar Bertacini,…

                    O executivo, que completou este mês 55 anos de atuação no mercado de seguros, foi convidado especial para o Workshop VIP do Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro (CVG-RJ) realizado nesta quinta-feira, 22 de junho. Em sua palestra sobre o segmento, ele apontou alguns aspectos que considera essenciais para que o potencial dos seguros de Pessoas passe a ser melhor aproveitado.

                    O primeiro é uma boa subscrição. ?Hoje, não há o rigor necessário ao realizar essa etapa. É preciso olhar para a demanda no momento da subscrição de riscos e da precificação, e não para a sua própria carteira. Uma mudança nesse sentido tornaria a liquidação de sinistros muito mais tranquila?, explicou Bertacini. Ele destacou a importância de se solicitar documentos como a Declaração Pessoal de Saúde (DPS) para evitar ruídos e garantir agilidade quando a indenização for solicitada.

                    Além disso, o executivo citou a falta de campanhas de aculturamento da população sobre o seguro de cunho institucional. ?Os jovens, que serão os futuros segurados, só têm contato com a propaganda de cada seguradora?, disse, contando que o Sincor-SP está à frente de um projeto para conscientizar a juventude das escolas públicas de São Paulo sobre a importância de se proteger, que será colocado em prática a partir de agosto.

                    ?Mas o corretor também precisa participar desse processo. Muitas vezes, ele tem um segurado fiel, que renova todo ano a sua proteção de Auto, mas não oferece um seguro de Vida?, exemplificou.

                    Além da diversificação da carteira, o presidente da APTS recomenda que os corretores busquem sempre se atualizar sobre as normas da Susep e as tendências do ramo, que é bastante complexo. ?Há diversas modalidades que não podem ser esquecidas no dia a dia: o Vida temporário, o prestamista, os seguros de Vida previstos em convenções salariais, os feitos por capital global, o seguro obrigatório para estagiários e, é claro, o DPVAT ? um direito que grande parcela da população desconhece?, listou.

                    Outra dica é se aprofundar mais na hora de vender o produto. ?Se um cirurgião plástico que trabalha principalmente com o dedo indicador e o polegar perde um deles, em uma apólice tradicional, ganha indenização equivalente a 15% da garantia segurada. Mas, sem aquele dedo, ele não pode mais trabalhar. Por isso, o seguro deve levar esse fator em conta. Mas só sabemos disso se perguntamos sobre a profissão do nosso segurado?, orientou, garantindo que a diferença no valor do prêmio é pequena, enquanto a indenização cresce consideravelmente.

                    Bertacini ainda frisou que o setor de seguros precisa mostrar mais à sociedade quanto devolve em indenizações a cada ano. ?Foram R$ 7 bilhões pagos somente em Vida em 2015, e R$ 207 bilhões pelo mercado em geral?, informou. Ele alertou, por fim, a necessidade de atualização da legislação do segmento e de maior vigor na punição às tentativas de fraudes, que desequilibram o segmento.

                    Expertise reconhecida ? Diversos profissionais presentes no evento fizeram questão de agradecer pela palestra e exaltar a excelência de Osmar Bertacini em sua atuação no mercado segurador e como professor da Escola Nacional de Seguros. Entre eles, o presidente do Conselho Consultivo do CVG-RJ, Olívio Américo da Silva, e seu sócio, Gilberto Villela, que parabenizou o Clube pela realização do workshop; Octávio Perissé, conselheiro do CVG-RJ, e os representantes da diretoria ? Carlos Ivo Gonçalves, vice-presidente, e Marcello Hollanda, presidente.

                    De acordo com ele, ?foi um honra receber na sede do CVG-RJ um profissional referência nos segmentos de Vida e Acidentes Pessoais como Osmar Bertacini, que brindou os presentes com uma palestra esclarecedora, rica em informações técnicas sobre esses seguros tão complexos e importantes para a sociedade?. Ele também agradeceu a presença do vice-presidente da Aconseg-RJ, Joffre Nolasco, dos conselheiros Ênio Miraglia e Olívio Américo, e das representantes do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ), Sonia Marra e Marcia Simplicio.


                    -------------------------------------------------------------
                    Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Presidente do SINCOR-DF destaca a importância do corretor de seguros na OAB-DF

                    Presidente do SINCOR-DF destaca a importância do corretor de seguros na OAB-DF
                    No último dia 21 de junho, em Brasília, o advogado, corretor de seguros e presidente…

                    Em seu discurso, Dorival destacou a importância e a valorização da atividade do profissional corretor de seguros na consultoria e na intermediação de uma operação de seguros, quando da realização do evento "Segmento Econômico em Franco Crescimento", promovido pela Comissão de Direito Securitário da OAB-DF.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Como recrutar um líder

                    Como recrutar um líder
                     Dicas para observar o perfil em profissionais antes da contratação

                    O sócio-diretor da Iwankio Consulting e consultor de sistemas de gestão de qualidade e Lean 6 Sigma, Pedro Carlos Araújo Souza, acredita que muitos líderes seguem um lado negativo da liderança. ?A verdadeira liderança, aquela que traz resultados benéficos, caminha sempre ao lado da sinceridade, da integridade do ser humano?, afirma. Mas, como encontrar lideres hoje que possuem estas características? Líderes que passam neste teste de sinceridade e integridade? Eles nascem prontos ou são formados?

                    Segundo Souza, a pessoa pode até nascer com um dom especial, habilidade para esta ou aquela função, mas isto só vem à tona se o profissional tiver preparo suficiente para exercê-lo. Confira as dicas do especialista para contratar um profissional com este perfil:

                    1 - Se você exerce uma função de liderança dentro de sua organização, saiba que você é diretamente responsável pela formação de novos líderes. Isto inicia na contratação de pessoas para sua equipe. Que tipo de colaborador você está contratando? Considere algumas características. Avalie se o profissional demonstra energia para ao trabalho. Não existe nada mais desanimador do que demonstrar falta de ânimo. A ocorrência deste fato numa entrevista é reprovação na certa. A pessoa deve demonstrar energia, os olhos devem brilhar.

                    2 ? Avalie a competência. Este requisito, você como líder, saberá como avaliar. Então, se o candidato tiver energia e for competente, é suficiente?

                    3- Conheça um pouco mais sobre a história de vida do candidato. Com quem ele se relaciona? É importante avaliar o caráter e integridade. Quais os últimos livros que leu? Livros e amigos demonstram um pouco da personalidade, do dia a dia, como você se relaciona com os outros. É uma pista para saber um pouco mais sobre quem você está contratando.

                    4- O candidato gosta de trabalhar em equipe e se relacionar com as pessoas? O futuro líder vai conduzir equipes e não "coisas" e ele deve entender a devida importância de cada um. Quando cometer erros, ele deve saber reconhecê-los, deve ser esperto o suficiente para se beneficiar deles e forte para corrigí-los.

                    Souza lembra, ainda, que o líder precisa, em primeiro lugar, ser exemplo para os que lidera. ?O bom exemplo de liderança perpetua na empresa e faz com que os colaboradores se sintam motivados para seguir o mesmo caminho?, completa.

                    Sobre a Iwankio Consulting:

                    Consultoria especializada na aplicação do Lean 6 Sigma, estratégia gerencial disciplinada e quantitativa, cujo principal objetivo é aumentar a lucratividade das empresas através da otimização de seus processos. A empresa atua também em treinamento para formação de gestores Champions, White, Yellow, Green e Black Belts, utilização do software estatístico Minitab e Ciclo PDCA para melhoria de processos. Todas as atividade da Iwankio Consulting tem como objetivo a otimização dos processos e o aumento da lucratividade das empresas. Entre os principais clientes, estão Rumo ALL, Alcast, Arotubi, Banco Real, Behr, Boticário, Colorfix, Contax, CST, Dataprom, DPA/Nestlé, Electrolux, GVT, Kraft Foods, Moinho Iguaçu, MWM International, Plastilit, Prati-Donaduzzi, Ritmo, Samarco, Stora Enso, Tupy, Vale e Villares Metals.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Leandro Karnal afirma que a mente disruptiva e inteligente é a chave do futuro

                    Encerrando a programação de palestras do Oficinas de Empreendedorismo, Leandro Karnal abordou o tema ?Ser…

                    Karnal explica que os seres humanos tendem à repetição, pois ela traz segurança. No entanto, se trata de uma fraqueza humana que é cerebral. ?A tendência do cérebro é seguir as valetas já cavadas. As pessoas criam caminhos pisando na grama e nossa mente atua da mesma forma. Em sua parte mais densa, ele busca apenas as coisas básicas da vida?, disse.

                    ?Somos repetitivos, gostamos das mesmas coisas, temos os mesmos hábitos, mas o problema da natureza humana é que tudo está em transformação, tudo o que não está rejuvenescendo está envelhecendo. Este é o choque físico da inércia?, completa.

                    No entanto, a crise é uma das grandes forças que quebram a inércia. Karnal explica que não é fácil provocar a disrupção, porque ninguém gosta de sair da zona de conforto ? provavelmente a maior inimiga do sucesso de uma pessoa. ?O mundo está mudando e se resolvermos não mudar, ficaremos para trás. Mudar é difícil, não mudar é fatal. O mundo já foi dominado pela força, depois pelo dinheiro, hoje é pela inteligência. A ideia ganha dinheiro e compra força para executar. A inteligência é a chave do futuro, a cabeça inquieta, disruptiva?, conclui.

                    O painel foi mediado pelo presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo, e debatido por Gustavo Toledo (MetLife), Jonson Marques de Souza (****** Seguros), José Adalberto Ferrara (Tokio Marine Seguradora) e Paulo Ricardo (*** Seguros).

                    Espaço de Negócios

                    Além da programação de palestras, os congressistas contaram com o Espaço de Negócios, composto por 16 companhias do setor apresentando novidades em produtos e serviços. As expositoras foram Allianz Seguros, AON, Bradesco Seguros, *** Seguros, Icatu Seguros, ID Seguro, ****** Seguros, MetLife, Mitsui Sumitomo, Porto Seguro, Sicoob Credicor-SP, Sompo Seguros, SulAmérica, Tokio Marine Seguradora e Travel ACE Assistance.


                    -------------------------------------------------------------
                    Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                     


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Diretoria de Ensino do Sincor-RJ intensifica a qualificação dos corretores cariocas

                    A entidade realiza dois encontros nos dias 27 e 28 de junho, a partir das…

                    Para Fernando Vieira, da Vieira Corretora de Seguros, participar como convidado compartilhando suas experiências profissionais, vai agregar de forma positiva para os corretores que se interessarem em aumentar as vendas no Seguro Fiança e Garantia. ?O mercado de seguros geram excelentes oportunidades mesmo na crise. Corretor que se empenha, bate suas metas traçadas e alcança seus objetivos antes do esperado. Operar com Seguro Fiança e Garantia é uma alternativa rentável. O Seguro Fiança é uma solução que garante ao locador o pagamento dos aluguéis, encargos legais e outras despesas em casos de inadimplência. Operar com Seguro Garantia também é vantajoso, pois depois do primeiro negócio fechado é que temos a noção do quanto podemos produzir em larga escala?, declarou Vieira.

                    De acordo com o Diretor de Ensino e Tecnologia do Sincor-RJ, Arley Boullosa, esses encontros agregam conhecimento e oportunidade de novos negócios para os participantes. ?Na semana passada na palestra ?Noções Básicas de Seguros?, direcionado para funcionários de corretoras, tivemos 76 inscrições. Esses eventos viraram encontros semanais e já constam na agenda dos corretores. Fico feliz porque percebemos o aumento na demanda de inscrições. A Diretoria de Ensino e Tecnologia está a todo vapor! Aguardem, virão mais novidades no decorrer do segundo semestre?, concluiu Boullosa.

                    Para se inscrever, é só entrar em contato com o Sincor-RJ através do telefone (21) 3505-5900. Para os colaboradores que a Corretora é associada, a participação é gratuita. Os que não são funcionários das corretoras associadas, a inscrição custa R$ 20,00 por pessoa.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Seguros Unimed patrocina o espetáculo teatral ?Carmen?

                    Baseada no clássico romance de Prosper Mérimée, a peça narra a história da cigana Carmen,…

                    A Seguros Unimed reafirma seu compromisso em incentivar e apoiar projetos de arte e entretenimento ao patrocinar o espetáculo teatral Carmen, que relata a história de uma das personagens mais conhecidas mundialmente. Com direção de Nelson Baskerville, a peça, baseada na novela do escritor francês Prosper Mérimée, estreia dia 30 de junho, no Teatro Aliança Francesa, em São Paulo. As apresentações acontecem às sextas-feiras e aos sábados, às 20h30, e aos domingos, às 19h.

                    Carmen surgiu como romance em 1845 e já foi filme, ópera e novela nas mãos de grandes mestres. Na atual encenação, com intuito de unir o teatro, a dança e a música em um único espetáculo, os movimentos e as coreografias dos atores Natalia Gonsales e Flávio Tolezani são dirigidos pela bailarina do Balé da Cidade, Fernanda Bueno.

                    SINOPSE

                    Carmen e José vivem uma trágica paixão. Na trama, ele narra o seu amor por Carmen e o motivo que o levou a prisão. Já ela, através da obliquidade dos olhos, narra o seu ponto de vista em relação à história.

                    SERVIÇO

                    Temporada: 30 de junho a 20 de agosto

                    Sexta e sábado, às 20h30, e domingo às 19h

                    Classificação: 12 anos

                    Gênero: drama

                    Duração: 60 minutos

                    Local: Teatro Aliança Francesa. Rua Gen. Jardim, 182 - Vila Buarque, São Paulo - SP, 01220-000

                    Telefone: (11) 3572-2379

                    Ingresso: R$ 50

                    Horário de funcionamento da bilheteria: duas horas antes do espetáculo.

                    Sobre a Seguros Unimed

                    A Seguros Unimed iniciou suas operações em 1989, com o objetivo de atender as demandas do Sistema Unimed e dos médicos cooperados. Com essa vocação, a seguradora cresceu como especialista em soluções para as cooperativas e para o setor de saúde, que correspondem a seu principal foco estratégico. Posicionada pela imprensa de negócios entre as melhores e mais sólidas seguradoras do país, atende 6 milhões de clientes dos mais variados setores. Conta com 1.150 colaboradores diretos divididos entre a Matriz e a Central de Relacionamento, em São Paulo, e 22 Escritórios Regionais pelo país.

                    Reconhecida na faixa de excelência do Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS), publicado anualmente pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a Seguros Unimed é a terceira melhor seguradora especializada em saúde do país e está entre as oito melhores empresas de grande porte do segmento de Odontologia. A Companhia atua ainda em Vida, Previdência e Ramos Elementares, com crescente demanda por seguros patrimoniais e de responsabilidade civil.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Cresce satisfação de beneficiários com seus planos de saúde, aponta IBOPE

                    Pesquisa realizada em 8 regiões metropolitanas constata que 80% dos beneficiários estão satisfeitos ou muito…

                    Pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) identifica que 80% dos brasileiros que possuem plano de saúde estão ?satisfeitos? ou ?muito satisfeitos? com seus planos. O resultado representa um crescimento de 5 pontos porcentuais (p.p.) em relação à pesquisa anterior, realizada em 2015.

                    O mesmo levantamento constata que 82% dos beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares afirmam que recomendariam (?com certeza? ou ?provavelmente?) para um amigo ou parente o plano que possuem, um crescimento de 3 p.p. ante à pesquisa anterior; e 87% declaram a intenção de (?com certeza? ou ?provavelmente?) manter o plano atual, alta de 1 p.p. sobre os resultados de 2015.

                    ?Os números mostram que os planos de saúde são um elemento-chave na estrutura da saúde do Brasil e o sistema de saúde suplementar é bem avaliado e recomendado pela maioria dos beneficiários?, analisa Luiz Augusto Carneiro, superintendente executivo do IESS.

                    O IBOPE Inteligência ouviu, entre abril e maio, 3,2 mil pessoas entre beneficiários e não beneficiários em oito regiões metropolitanas do País (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre, Brasília e Manaus). A margem de erro da pesquisa é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

                    O IBOPE detectou que o plano de saúde é altamente desejado pelos brasileiros que não contam com esse benefício. De acordo com a pesquisa, esse é o terceiro bem mais desejado pelos não beneficiários, atrás apenas de educação e casa própria. Os entrevistados identificaram, em uma lista de 13 opções, quais são os bens e serviços que julgam mais importantes. Entre os não beneficiários, educação recebe 73% das indicações; casa ou apartamento fica com 68% e os planos de saúde recebem 57% das menções de importante ou muito importante. Na pesquisa de 2015, essa importância para planos de saúde foi mencionada por 53% dos não beneficiários.

                    O IBOPE aponta, ainda, que entre os brasileiros que já contam com o benefício, ele é mais valorizado. Considerando apenas os beneficiários de planos de saúde, a posse do benefício também é o terceiro bem mais desejado, de acordo com 67% dos entrevistados. Em 2015, estava em 57% dos beneficiários.

                    A pesquisa destaca, pela primeira vez, que o plano de saúde é um fator decisivo também na hora de aceitar um emprego. Para 95% dos entrevistados, a oferta desse benefício é considerada ?importante? (16%) ou ?muito importante? (79%) para decidir entre um trabalho ou outro.

                    Motivos da satisfação

                    Os principais motivos citados para a satisfação dos beneficiários com seus planos de saúde são: atendimento rápido e de qualidade; qualidade dos médicos; praticidade e agilidade na marcação de consultas e autorização de procedimentos; e, qualidade dos hospitais.

                    Carneiro destaca que um dos fatores que mais contribuem para a satisfação dos beneficiários é a qualidade do atendimento. Segundo a pesquisa, 88% dos beneficiários utilizaram, nos 12 meses anteriores à entrevista, algum serviço do plano. No mesmo grupo, 90% dos entrevistados informam que conseguiram na maior parte das vezes ou todas as vezes solucionar os problemas de saúde a partir dos serviços utilizados pelos planos.

                    ?O IBOPE constatou que em toda a enorme gama de serviços prestados pelos planos há uma avaliação de bom atendimento, solução para as necessidades e qualidade. Isso se reflete na melhora da avaliação de todos os tipos de atendimento e procedimentos?, avalia o superintendente executivo do IESS. ?Há claramente uma melhora nos serviços prestados, o que gera mais satisfação aos beneficiários?, analisa.

                    Além disso, os canais de atendimento são avaliados como ?bons? ou ?muito bons? por 86% dos beneficiários, o que reforça a percepção positiva com relação ao atendimento e a satisfação quando este precisa do plano.

                    Motivos do desejo

                    Entre os entrevistados que não têm plano de saúde, 50% afirmam que já possuíram o benefício em algum momento (sendo 20% de planos individuais e 30% de planos coletivos empresariais ? aqueles oferecidos pelas empresas aos seus colaboradores). Para 89% dos não beneficiários, é ?importante? ou ?muito importante? ter um plano e 74% gostariam de possuir o benefício.

                    Os principais motivos para desejar contar com o benefício são: a qualidade e agilidade no atendimento, com disponibilidade de bons médicos e hospitais; comodidade e conforto; e a precariedade da saúde pública. O principal motivo apontado para não contar com o plano é o preço, seguido por falta de necessidade.

                    Hábitos e cuidados com a saúde

                    Beneficiários de planos de saúde e não beneficiários apresentam hábitos bastante distintos de cuidado com a própria saúde, de acordo com a pesquisa. Enquanto 42% dos beneficiários fazem consulta por rotina ou prevenção, apenas 25% de quem não tem plano. A proporção daqueles que utilizam os serviços de saúde apenas quando acredita que é extremamente necessário ou emergencial também apresenta uma ampla diferença: apenas 12% dos beneficiários se enquadram nesse grupo; já entre os não beneficiários, a incidência foi de 24%.

                    Além de irem a consultas com mais frequência, os beneficiários também realizam mais exames de rotina. Entre os brasileiros que contam com um plano de saúde, nos últimos 12 meses, 81% mediram a pressão arterial, 69% mediram os índices de glicemia, 72% o colesterol e 70% o triglicérides. Entre o os não beneficiários, os números são notadamente menores: 69% mediram a pressão, 48% a glicemia, 46% o colesterol e 43% o triglicérides.

                    Além disso, entre as mulheres que contam com o benefício, 71% fizeram Papanicolau, 64% fizeram o autoexame de mama e 51% passaram por uma mamografia; enquanto entre as não beneficiárias, 55% fizeram Papanicolau, 46% realizaram o autoexame de mama e 36% passaram por uma mamografia. Já entre os homens, 28% dos que contam com plano de saúde fizeram exame de próstata enquanto, entre os que não contam com o benefício, apenas 16% realizaram o exame.

                    O IBOPE ainda destaca que 8% dos beneficiários e 14% dos não beneficiários admitem nunca seguir as recomendações médicas quanto a hábitos de vida, como alimentação e exercícios.

                    Planos odontológicos

                    Outro ponto destacado na pesquisa é a satisfação com os planos odontológicos: 79% de quem conta com esse benefício estão satisfeitos ou muito satisfeitos com seus planos, 87% dos entrevistados afirmam pretender ?com certeza? ou ?provavelmente? permanecer com o plano já contratado e 81% recomendariam o plano para um parente ou amigo.

                    Carneiro aponta que os resultados do segmento são especialmente positivos pelo fato de, ao contrário do que acontece com o segmento médico-hospitalar, que perdeu cerca de 2,5 milhões de beneficiários no primeiro trimestre de 2017 ante o mesmo período de 2015, os planos odontológicos registraram mais de 2 milhões de novos vínculos no mesmo período. ?O segmento cresceu e entrega serviços de ótima qualidade para seus beneficiários, o que se reflete nos indicadores de satisfação?, analisa.

                    O levantamento do IBOPE evidencia o aumento da fidelidade dos beneficiários. Enquanto, em 2015, 67% dos beneficiários do setor eram apontados com alta fidelidade aos planos que possuíam (por ter dado notas 4 ou 5, sendo 5 a nota máxima, aos critérios de satisfação, recomendação e intenção de manter o plano), este ano o porcentual subiu 4 p.p., atingindo 71% dos beneficiários de planos odontológicos.

                    Sobre o IESS

                    O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de promover e realizar estudos sobre saúde suplementar baseados em aspectos conceituais e técnicos que colaboram para a implementação de políticas e para a introdução de melhores práticas. O Instituto busca preparar o Brasil para enfrentar os desafios do financiamento à saúde, como também para aproveitar as imensas oportunidades e avanços no setor em benefício de todos que colaboram com a promoção da saúde e de todos os cidadãos. O IESS é uma referência nacional em estudos de saúde suplementar pela excelência técnica e independência, pela produção de estatísticas, propostas de políticas e a promoção de debates que levem à sustentabilidade da saúde suplementar.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Por que os Líderes falham?

                    Prof. da FGV Andriei José Beber, Dr.

                    As frases e incentivos proferidos por Henrique V na famosa batalha de Azincourt, destacam-se entre as maiores passagens escritas por Shakespeare, aflorando todo seu patriotismo. Com enorme habilidade, Henrique estimula seus soldados para que continuem lutando, não importando que do outro lado, para cada inglês havia 5 franceses. E vaticina: ?De hoje até o fim dos tempos nós seremos lembrados. Nós, os afortunados, nós os irmãos. Pois aquele que hoje sangra comigo será o meu irmão?.

                    Líderes são bem-sucedidos até que falhem. Assumir riscos e, eventualmente falhar, é da natureza da liderança. Um líder eficaz aprende com fracasso e avança. Entretanto, existem falhas na liderança, não necessariamente associadas à assunção de riscos, que podem comprometer e paralisar uma organização. O esforço da organização para destilar as razões e causas dessas falhas é indispensável. Negligenciar essas causas sufoca a capacidade da empresa de buscar novas oportunidades e impede o avanço das organizações. Ainda que se possa atribuir esses infortúnios ao azar ou timing equivocado, pesquisas têm sugerido que, dentre as principais causas, encontra-se a inaptidão - cognitiva e comportamental -. Primeiro, porque existe uma tendência inconsciente do líder em atribuir maior relevância às informações que vão ao encontro de suas crenças, hipóteses e experiências recentes, em detrimento de variáveis conflitantes. Por outro lado, o excesso de confiança conduz os líderes a superestimar sua capacidade de gerenciar o negócio, assumindo riscos demasiados na expectativa de que têm controle sobre suas consequências.

                    É importante que os líderes compreendam que suas habilidades, conhecimento, experiência e liderança serão continuamente desafiados em um mercado cada vez mais volátil e complexo. A liderança tem de ser adaptável. Ao elaborar a fórmula da liderança, o especialista em comportamento organizacional, professor Nigel Nicholson ensina: ?A eficácia da Liderança envolve ser a pessoa certa, no momento e no lugar certo, fazendo a coisa certa?. Isto significa que a liderança pode assumir variadas formas para uma infinidade de situações, e os líderes falham quando o seu modelo, insight ou relacionamentos estão errados.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Geração millennial X seguro auto: investimento futuro vale o risco?

                    · Jovens oferecem risco maior para seguradoras, mas investimento é proveitoso, afirma estudo da TransUnion…

                    Quem tem vinte e poucos anos hoje apresenta um risco maior para as seguradoras que os jovens da mesma idade na geração anterior. A comparação de perfis de risco entre millennials e geração X é resultado de um estudo feito nos Estado Unidos pela TransUnion, empresa global de análise de crédito, com base em seus bancos de dados.

                    A pesquisa destaca outros dados:

                    · A frequência de violações de trânsito é maior entre os millennials e tem aumentado ao longo do tempo.

                    · Os millennials recebem mais multas relacionadas a distração no volante que qualquer outra geração: 1,8 vezes mais que a Geração X e 2,4 mais que os Baby-Boomers.

                    · Os millennials acumulam maior quilometragem em seus veículos do que qualquer outra geração: 22.088 quilômetros por ano, 3% mais que a Geração X e 8% mais que os Baby-Boomers.

                    · Os millennials têm a maior porcentagem de veículos considerados de alto risco pelas seguradoras.

                    Por outro lado, a pesquisa também apontou que, quando chegam aos 30 anos de idade, os jovens de hoje desenvolvem um perfil de risco semelhante aos dos seus pais e avós. Inclusive, a porcentagem de pessoas endividadas é menor nessa geração que nas anteriores. Ou seja, no fim das contas, embora pareçam arriscados, os millennials podem ser um bom investimento de longo prazo para as companhias de seguros.

                    ?Os consumidores mais jovens geralmente são vistos como os mais arriscados no mercado de seguros, muitas vezes por um bom motivo. Em uma base percentual, eles tendem a se envolver em mais acidentes e têm maior propensão a multas?, disse Mark McElroy, vice-presidente executivo de Seguros da TransUnion nos EUA. ?Mas, à medida que envelhecem, muitos millennials melhoram seu perfil de risco para as seguradoras, que podem se beneficiar de relacionamentos duradouros com esse grupo influente?.

                    ?Em nossas conversas com os executivos das seguradoras no Brasil, observamos uma sinistralidade parecida nesse perfil de público. Especialmente por distração ao volante, que é muito comum nessa faixa etária. Comportamentos como esse têm feito as seguradoras avaliarem com muito afinco sobre como lidar com essa geração?, disse Marcelo Sena, Diretor de Seguros da TransUnion no Brasil.

                    Sobre a TransUnion

                    Informação é algo muito poderoso. Na TransUnion, temos plena consciência disso. Dedicamo-nos a encontrar maneiras inovadoras pelas quais a informação possa ser utilizada para ajudar as pessoas a tomar decisões melhores e mais inteligentes. Hoje, a TransUnion chega a clientes e empresas de mais de 30 países, em cinco continentes. No Brasil, a TransUnion uniu sua liderança global com a capacidade analítica da Crivo e a abrangência de dados da ZipCode para produzir soluções únicas, inovadoras e personalizadas. Por meio do poder da informação, a TransUnion trabalha para desenvolver economias mais fortes, famílias mais bem estruturadas e comunidades mais seguras no mundo todo. Chamamos isso de Informação para o Bem: www.transunion.com.br.


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Corretores podem contribuir na solução dos problemas em saúde do País, segundo Claudio Lottenberg

                    Especialista em saúde, Dr. Claudio Lottenberg acredita no trabalho conjunto entre corretores de seguros, seguradores…

                    ?Infelizmente, quem está comandando o setor de saúde no Brasil é o poder judiciário com tantos processos abertos. É preciso ter uma relação verdadeira entre a comunidade médica e os grupos de corretores de seguros. Essa é a grande vertente que pode ajudar o cenário de saúde do nosso País?, declarou Lottenberg.

                    Mas o especialista adianta que a problemática desse setor não está restrita ao Brasil. Nos EUA, o ramo de saúde está passando por uma crise sem precedentes, onde as contas nos processos não estão fechando. E a solução está na união de forças das diversas áreas para adoção de medidas eficazes que atendam a toda a cadeia envolvida. ?O corretor pode ajudar o setor de saúde a encontrar respostas, por exemplo, sobre a questão de coberturas. Será que o médico é a pessoa melhor informada das necessidades dos pacientes??, questionou.

                    Trazendo exemplos pessoais, o palestrante destacou o importante papel da família para construir uma carreira de sucesso, percorrendo os períodos de altos e baixos da história. ?Um companheiro em nossa vida faz toda a diferença, a maneira como nos relacionamos muda tudo. Se algum dia tiver que mudar meus valores e princípios, prefiro encerrar minha carreira. Temos que comungar de valores parecidos para estarmos em comunidade?.

                    O painel foi moderado pelo 1º vice-presidente do Sincor-SP, Boris Ber, e contou com a participação dos debatedores: Christian Menezes (SulAmérica), Fernando Grossi (Sompo Seguros), Guilherme Mendes (AON) e Leonardo Freitas (Bradesco Seguros).

                    -------------------------------------------------------------

                    Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - ?O corretor tem que reinventar sua importância?, pontua Prof. Marins

                    O consumidor de seguros está cada vez mais informado e apresentar as particularidades dos produtos…

                    ?Neste novo cenário digital, o corretor tem o desafio de reinventar sua importância, apresentando situações interessantes aos clientes. O olho no olho vai continuar, mas estamos no momento de revolução no setor e a categoria precisa orientar famílias na aquisição de seguros?, considerou.

                    Para o palestrante, a crise funciona como uma peneira, da qual só saem os bons. Nesses períodos são aplicadas ações de melhoria nos negócios e o marketing pessoal é explorado, assim, os empresários passam a ser continuamente estimulados a aumentar o padrão de qualidade. ?Com as perspectivas mudando, novos governos, novos temas sendo discutidos pela população, os corretores têm que estar preparados para o fim da neblina e, com isso, sair do acostamento. Parar de procurar culpados e atalhos. A mudança começa a partir de nós?, destacou.

                    Marins enfatizou ainda que ter estratégia é fundamental. É preciso analisar e estudar o cliente, exercer a criatividade. ?Dirija olhando para frente. Nunca ceda em relação a valores e princípios éticos e morais. Nunca ceda às pessoas que querem te levar a caminhos tortuosos que vão te fazer perder a guerra. Mudar é a única certeza estável.?

                    No fim do painel, mediado pela 2ª vice-presidente do Sincor-SP, Simone Martins, o tema foi discutido pelos executivos do setor: Guilherme Hinrichsen (Icatu Seguros), Leonardo Marins (Bradesco Seguros) e Rivaldo Leite (Porto Seguro).


                    ------------------------------------------------------------------------------------
                    Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Sindseg SP lança game para celular

                    Sindseg SP lança game para celular

                    Criado pelo Sindseg SP em parceria com o Sincor-SP, o Game Projeto de Vida Segura foi desenvolvido com objetivo sensibilizar os jovens sobre a importância do planejamento de vida e da prevenção. No jogo é possível simular um planejamento de vida, desde a aquisição de um bem, elaboração de um plano de carreira, estudos, prevenção e, ainda, opções de lazer e de diversão. Todas as decisões devem ser bem pensadas, para que o usuário consiga chegar ao final com um bom resultado.
                    -------------------------------------------------------------
                    Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                     


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Capitalização entrega R$ 358 milhões em prêmios

                    No primeiro quadrimestre de 2017, a cada dia útil, foram pagos R$ 4,4 milhões em…

                    O setor de Capitalização, após um processo de grande diversificação, passou a oferecer três modalidades de títulos no mercado ? Tradicional, Popular e de Incentivo ? e distribuiu, nos quatro primeiros meses do ano, R$ 358 milhões em prêmios a clientes de todo o Brasil. A cada dia útil do período as empresas de Capitalização pagaram o equivalente a R$ 4,4 milhões em sorteios. As informações são da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap).

                    O Sudeste foi a região que recebeu o maior volume de prêmios. Ao todo, foram R$ 175 milhões distribuídos para os clientes dos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

                    Ainda de acordo com entidade, a receita do setor somou R$ 6,291 bilhões, entre janeiro e abril, registrando uma retração de 4,1% em comparação a igual período do ano passado. O valor das provisões técnicas ? os recursos acumulados e, posteriormente, resgatados pelos clientes antecipadamente, ou no fim da vigência ? também recuou, fechando o período com R$ 28 bilhões, queda de 5%. Entretanto, houve redução de 4,7% no volume de resgates, que ficaram em R$ 6,282 bilhões, gerando um saldo positivo na relação faturamento/resgates de R$ 303 milhões no período.

                    De acordo com o presidente da FenaCap, Marco Antonio Barros, a retração econômica explica o desempenho do primeiro quadrimestre, mas adianta que as empresas, por meio do aprimoramento das soluções de capitalização, estão preparadas para uma retomada do crescimento tão logo haja uma recuperação dos indicadores atuais. ?A tendência, cada vez mais, é a criação de produtos que atendam as necessidades dos clientes, preencham lacunas de mercado e contribuam para alavancar novos negócios de maneira continuada e sustentável?, conclui.
                    ------------------------------------------------------------------------------------
                    Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                    saiba mais »

                    26/06/2017 - Consumidor recebe mais de R$ 5 mil após furto de HD

                    Sem respaldo da companhia aérea, passageiro recorreu a Justiça

                    O juiz Rodrigo de Moura Jacob da 1ª Vara do Foro de Cubatão condenou a Passaredo Transportes Aéreas S/A a pagar R$ 274,55 por danos materiais e R$ 5 mil por danos morais a um passageiro que teve o seu HD externo subtraído da bagagem despachada em viagem de Goiânia (GO) para Guarulhos (SP).

                    O caso ocorreu em março de 2015. Ao chegar ao destino, o consumidor percebeu que os lacres colocados na mochila que foi despachada haviam sumido. Ao verificar o conteúdo de dentro da mala sentiu falta de um HD externo. O autor procurou a companhia aérea e essa disse-lhe que nada poderia fazer.

                    Diante disso, o passageiro fez um boletim de ocorrência (B.O.) e ajuizou ação de indenização, sendo representado pelo escritório Posocco & Associados Advogados e Consultores.

                    Audiência

                    No julgamento, o autor apresentou a passagem aérea e o B.O.. A Passaredo apenas negou a existência do ocorrido. E, como se trata de relação de consumo o ônus da prova é da ré.

                    ?Ademais, o autor pleiteou o valor de pouco mais de R$ 274,00, portanto, se fosse sua intenção fraudar a companhia aérea, poderia muito bem alegar que existiam outros itens de valor na bagagem, porém, pleiteou apenas o que efetivamente lhe foi furtado, sendo de rigor a procedência do dano material?, descreveu o juiz na sentença.

                    Em relação ao dano moral, para o magistrado é inegável que o passageiro ao retornar de viagem aérea fica tenso no momento do recebimento da mala esperando que ela tenha chegado e que esteja intacta.

                    ?Ao verificar que sua bagagem foi danificada e teve bens subtraídos, além do transtorno pela perda material, sofre sim o consumidor um abalo psicológico, ao não ter qualquer respaldo da companhia aérea e até mesmo ser acusado de mentiroso pelo que relatado, sem contar que em um HD externo há informações e documentos importantes que foram perdidos e estão agora nas mãos de terceiros?, frisou.

                    Com a decisão, divulgada no último dia 14, a ré terá de pagar R$ 5.274,55 corrigidos pela tabela do Tribunal de Justiça, com juros de 1% ao mês desde a citação mais as custas e honorários da ação fixada em 10% sobre o valor da condenação.

                    Sobre o Posocco & Associados Advogados e Consultores

                    O Posocco & Associados Advogados e Consultores foi fundado em 1999. É um escritório de advocacia que possui expertise em 47 áreas do direito. Atende o Brasil todo, através de unidades na Baixada Santista, São Paulo e Brasília, e de correspondentes fixados em diversas cidades do país. Para mais informações ligue para (13) 3467-1149, (11) 3373-7174, (61) 3226-8215 ou escreva para atendimento [AT] posocco [DOT] com [DOT] br. Saiba mais em www.posocco.com.br.


                    saiba mais »

                    27/06/2017 - TOKIO MARINE promove confraternização na Sucursal Santos

                    Júlio Sato - Diretor Comercial Varejo SP Interior I
                    Diretoria apresenta novas instalações da unidade que atende Corretores e Assessorias da Baixada Santista

                    A Tokio Marine Seguradora promove nesta quarta-feira (28) um encontro com Corretores e Assessorias para apresentar as novas instalações da Sucursal Santos (SP). O evento tem como objetivo reforçar a importância do relacionamento com os Parceiros de Negócios e mostrar o desempenho da unidade, que cresceu 21,5% até maio deste ano. A confraternização contará com a presença do Diretor Executivo Comercial, Valmir Rodrigues; do Diretor Executivo de Produtos Pessoa Jurídica, Felipe Smith; e do Diretor Comercial Varejo I, João Luiz de Lima.  

                    ?Estamos muito atentos à importância da Baixada Santista para o desenvolvimento da economia do Estado de São Paulo e, consequentemente, para o nosso crescimento na região. Vamos continuar investindo em tecnologia e inovação para oferecer os melhores serviços e produtos e atender às demandas dos nossos Parceiros?, afirma o Diretor Comercial Varejo SP Interior I, Júlio Sato.

                    Nos cinco primeiros meses do ano, as carteiras de Produtos Pessoa Jurídica e de Produtos Massificados apresentaram aumento de 79% e 32,8%, respectivamente. Segundo Júlio Sato, os seguros Transportes e de Condomínio são os destaques entre os que mais possibilitam oportunidade de crescimento em Santos. ?Fizemos um extenso trabalho junto com a Matriz para aprimorar a subscrição na região e já estamos colhendo os resultados positivos dessa mudança?, afirma o Diretor.   

                    Atualmente, a Sucursal Santos atende 525 Corretores e 02 Assessorias de toda a Baixada Santista (Bertioga, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Vicente) e o Vale do Ribeira. Ampla e em uma localização central, a nova sede proporciona mais comodidade para o atendimento aos Parceiros de Negócios e Clientes da Tokio Marine. Nas mesmas instalações da Sucursal, funciona o Top Service para atendimento na carteira de Seguro Transportes, com o objetivo de promover agilidade na operação dessa carteira.

                    Encontro de Corretores e Assessorias em Santos

                    Data: 28 de junho (quarta-feira)

                    Horário: 19h

                    Local: Sucursal Santos

                    Endereço: Praça dos Expedicionários, 19 ? Sala 62, Gonzaga

                    Sobre a Tokio Marine Seguradora:

                    A Tokio Marine Seguradora S.A. é uma das maiores companhias de seguros do Brasil e do mundo. É subsidiária da Tokio Marine Holdings, o mais antigo conglomerado securitário japonês. Fundada em 1879, possui operações em 38 países e tem sua matriz mundial localizada em Tóquio, no Japão. No Brasil desde 1959, a Tokio Marine coloca à disposição do mercado nacional um amplo leque de soluções para Clientes Pessoa Física e Jurídica, por meio de uma estrutura com 72 unidades de negócios, com sucursais e escritórios em todo o País. O portfólio contempla Produtos Massificados, entre os quais seguros Automóvel, Frotas, Residencial, Pessoas, Condomínio e Equipamentos Portáteis (notebooks, aparelhos celulares, tablets, câmeras fotográficas digitais e filmadoras); e Produtos Corporativos, que inclui seguros para Pequenas, Médias e Grandes Empresas, D&O, Riscos Rurais, Habitacional, Transportes,  Empresarial, Riscos de Engenharia, Riscos Nomeados e Operacionais, Riscos de Petróleo, Garantia, Responsabilidade Civil, Obras de Arte, Eventos, Equipamentos de uso empresarial e industrial, Náutico e Aeronáutico (inclusive R.E.T.A). Em 2016, foi eleita na 8ª posição como uma das Melhores Empresas para Trabalhar, de acordo com pesquisa conduzida pelo Great Place to Work® Brasil. Para mais informações, acesse: www.tokiomarine.com.br

                    • tokio marine


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Grupo NotreDame Intermédica realiza seu primeiro Happy Hour para corretores no Rio de Janeiro

                      Grupo NotreDame Intermédica realiza seu primeiro Happy Hour para corretores no Rio de Janeiro
                      O Grupo NotreDame Intermédica realizou, na noite do dia 22 de junho, seu primeiro Happy…

                      ?Hoje é uma noite muito especial para o Grupo NotreDame Intermédica. O Rio de Janeiro é uma praça muito importante e estratégica para o Grupo e temos realizdo diversos investimos nos últimos anos?, ressaltou José Carlos. Após esse momento de acolhida, o Diretor Executivo Comercial convidou Alex Costa, Diretor da Filial Rio de Janeiro, para falar da estrutura do Grupo na cidade. ?Recentemente, adquirimos nosso primeiro Hospital na região, o Hospital Samci, com duas unidades localizadas no bairro da Tijuca, somando aos 4 Centros Clínicos que já tínhamos no Rio. Nosso DNA é de gestão e atendimento de qualidade?, ressaltou Alex Costa.

                      Entre os profissionais presentes, Mauro Marinatto, da RBM Seguros, destacou a importância da proximidade e a transparência da Notredame Intermédica junto aos corretores, algo que é essencial para quem busca crescimento. ?Eventos como este facilitam muito a interação e a troca de experiências, por isso, a empresa está de parabéns?, enfatizou, ao elogiar, também, o fato deste ser um evento mais exclusivo.

                      Quem também fez questão de elogiar a iniciativa foi Mário Rocha, sócio da OmniaSafe. ?Nos sentimos previlegiados por entender que houve um direcionamento para um público seleto para desenvolvermos um trabalho corporativo. Por isso, nos sentimos prestigiados e desafiados pela campanha da NotreDame Intermédica?.

                      José Carlos de Paula, Diretor Executivo do Grupo NotreDame Intermédica, explicou que os ótimos resultados obtidos, mesmo em um momento de crise econômica, são possíveis graças a um trabalho com objetivos consistentes, focado em qualidade e resultado. ?Mas, principalmente, pela verdadeira parceria e confiança que temos conquistado junto aos nossos parceiros , que são essenciais para o nosso negócio. Não tenho dúvidas de que esta será uma relação muito duradoura?, revelou o executivo.

                      Sobre o GNDI

                      Reconhecidamente sólido, o Grupo NotreDame Intermédica (GNDI) possui 49 anos de atuação na área da Saúde. A companhia é pioneira em Medicina Preventiva e, por meio de programas estruturados, trabalha para oferecer saúde integral com acolhimento aos seus mais de 3,4 milhões de beneficiários, além de proporcionar qualidade de vida e bem-estar, e incentivar a adoção de hábitos saudáveis em cada etapa do atendimento. O Grupo emprega, hoje, 16,2 mil colaboradores e, possui 70 Centros Clínicos, sendo 10 exclusivamente de Medicina Preventiva, 20 prontos-socorros e 17 hospitais.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Retrospectiva de Artigos, 1º. semestre/2017

                      Retrospectiva de Artigos, 1º. semestre/2017
                      Rating de Seguros ? Comentário Econômico n? 480

                      Prezados Senhores,

                      Para conhecimento..

                      Abaixo, uma retrospectiva de artigos escritos no 1º semestre de 2017.

                      1) Seguro saúde: um destaque nos últimos dez anos

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/JCS_Junho_ed430_p07.pdf


                      2) Desafios e oportunidades do mercado de seguro de transportes

                      http://conexaoliberty.com.br/desafios-e-oportunidades-do-mercado-de-seguro-de-transportes/

                      3) Diversidade e inclusão social em seguros

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/PG7_Div_incl_social_seguros_abr17.pdf

                      4) Análise do Seguro no Estado de São Paulo

                      http://www.sindsegsp.org.br/site/economia-do-seguro.aspx?id=228

                      5) Índice de Confiança do Setor de Seguros

                      http://www.fenacor.org.br/download/ICSSmai2017.pdf

                      6) Novos mercados para corretores

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/JCS-Abril2017-WEB-7.pdf

                      7) Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/Carta_de_Conjuntura_Maio_2017.pdf

                      8) Seguro Mundial em 2017 e 2018

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/JCS-JAN-2017-PG7.pdf

                      9) Os 50 anos da Susep

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/JCS-FEV-2017-7.pdf

                      10) Reclamações no setor de seguros

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/JCS_Maio_pag07.pdf

                      11) Análise econômica do novo Seguro de Vida da Tokio Marine

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/EstudoVidaTokio.pdf

                      12) O seguro residencial e as imobiliárias

                      http://conexaoliberty.com.br/o-seguro-residencial-e-as-imobiliarias/

                      13) Ranking das Seguradoras, 2016

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/pdfs/rankbra1216.pdf

                      14) Análise do Seguro pelos Estados

                      https://www.fenacor.org.br/Servicos/ArtigosDetalhes?Slug=analise-estatistica---fenacor-dados-disponive

                      Francisco Galiza.

                      http://www.ratingdeseguros.com.br/

                      http://twitter.com/ratingdeseguros

                      ____________________________________________________

                      Iniciado em 2010, o objetivo principal da seção ?Comentários Econômicos? é realizar a análise de alguma publicação ou fato ? nacional ou internacional ? que tenha relação (direta ou indireta) com o mercado de seguros. Em média, são enviados 6 comentários por mês.

                      Leia este e outros comentários econômicos em: www.ratingdeseguros.com.br/comentarioseconomicos.htm


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Dia 4/7, CCS-SP receberá diretoria da Pottencial Seguradora

                      No encontro com os corretores de seguros haverá palestra sobre seguro garantia e fiança locatícia.

                      O Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo (CCS-SP) receberá em seu tradicional almoço mensal a diretoria da Pottencial Seguradora. No encontro marcado para o dia 4 de julho, no restaurante do Circolo Italiano, o tema da palestra será ?A solução ideal em Seguro Garantia e Fiança Locatícia para empresas?.

                      Destaque entre as seguradoras que operam no ramo garantia, a Pottencial Seguradora iniciou suas operações em 2010. Em 2016, liderou o mercado no segmento de seguro garantia, durante o primeiro quadrimestre, fechando o ano com a segunda posição e market share de 14%. Na avaliação de rating do mercado, manteve no último ano a nota A-. A Pottencial tem sede em Belo Horizonte (MG) e sucursais em São Paulo e no Rio de Janeiro.

                      Informações e inscrições para o evento pelo e-mail atendimento [AT] ccssp [DOT] org [DOT] br ou telefone (11) 3104 0416.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - ANS publica norma sobre junta médica ou odontológica

                      A formação de junta médica ou odontológica no setor de saúde suplementar é a medida…

                      Entre as principais regras estipuladas, estão:

                      A junta será formada por três profissionais: o assistente, o da operadora e um desempatador;

                      A escolha do desempatador será feita, em comum acordo, pelo assistente e pela operadora. O consenso poderá ocorrer entre o assistente e a operadora até a realização da junta;

                      Cabe ao profissional assistente determinar as características das órteses, próteses e materiais especiais (OPME) necessários à realização do procedimento. A indicação deverá ser justificada clinicamente e deverão ser oferecidas, pelo menos, três marcas de produtos de fabricantes diferentes;

                      A junta poderá ser realizada nas modalidades presencial ou à distância, definida a critério do desempatador;

                      O tempo para realização do procedimento não poderá ultrapassar os prazos máximos da garantia de atendimento determinados pela ANS na Resolução Normativa nº 259/2011.

                      Também estão claros os eventos em que não se admite a formação de junta médica:

                      Casos de urgência ou emergência;

                      Quando os procedimentos ou eventos não estão previstos nem no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde e nem no contrato;

                      Quando há indicação de órteses, próteses e materiais especiais (OPME) utilizados exclusivamente em procedimento não coberto pelo Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, exceto nos casos de procedimentos que sejam garantidos pelo contrato, ainda que não previstos no Rol; ou

                      Nos casos em que há indicação de OPME ou medicamento sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ou para uso não constante no manual, instrução de uso ou bula (off label)

                      A RN nº 424/2017 estabelece ainda que as operadoras deverão notificar o beneficiário a respeito da necessidade de formação de junta médica ou odontológica e que elas também deverão registrar, armazenar e disponibilizar à ANS, quando requisitadas, as informações e os dados relacionados às juntas médicas ou odontológicas realizadas.

                      ?A construção dessa norma foi feita em parceria com representantes de prestadores de serviços de saúde, de operadoras e contou com a importante participação do Ministério Público e da Defensoria do Estado do Rio de Janeiro. Nossa expectativa é que as novas regras, ao trazerem transparência e clareza, promovam agilidade ao atendimento ao beneficiário, evitem conflitos entre os consumidores e as operadoras e reduzam casos de judicialização, promovendo a melhoria do atendimento ao usuário de planos de saúde?, concluiu Karla.
                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Satisfação com planos de saúde cresce em 2017

                      Uma pesquisa do Ibope Inteligência apontou que cerca de 80% dos usuários de planos de…

                      Já nas cidades de São Paulo, Brasília e Salvador, os indicadores mostraram recuo de 3%, 3% e 4%, respectivamente. Enquanto em Belo Horizonte e Porto Alegre, o índice teve um aumento, passando de 78% para 88% e 84% para 94%, respectivamente.

                      O nível de recomendação passou de 79% para os que recomendariam ?com certeza? ou ?provavelmente? em 2015 para 82% nesse ano. Dos 1,6 mil beneficiários entrevistados, 87% com certeza continuarão ou provavelmente continuarão com o plano, alta de 1% ante a pesquisa de 2015.

                      Entre os entrevistados sem planos de saúde, 50% já possuíram, 74% gostaria de ter e 89% valorizam ter um plano de saúde. No ranking de importância dos bens e serviços, o plano de saúde ficou em terceiro lugar na pesquisa 2017 tanto entre beneficiários quanto não beneficiários.


                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Capitalização distribui R$ 358 milhões em prêmios

                      Nos quatro primeiros meses do ano, o setor de capitalização distribui R$ 358 milhões em…

                      Durante o período, a receita do setor somou R$ 6,291 bilhões, registrando recuo de 4,1% na comparação com o mesmo período do ano passado. Os recursos acumulados, e resgatados pelos clientes antecipadamente, também mostrou queda, fechando o período com R$ 28 bilhões, 5% a menos do que no período anterior.

                      Entretanto, houve redução de 4,7% no volume de resgates, que ficaram em R$ 6,282 bilhões, gerando um saldo positivo na relação faturamento/resgates de R$ 303 milhões no período.

                      O Sudeste foi a região que recebeu o maior volume de prêmios. Ao todo, foram R$ 175 milhões distribuídos para os clientes do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.


                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Icatu Seguros vai apoiar novos atletas para o próximo ciclo olímpico

                      Visando Tokyo 2020, seguradora escolheu o Judô para dar continuidade ao projeto de investir na…

                      A Icatu Seguros fechou um novo apoio para o próximo ciclo Olímpico. Trata-se do Time Icatu Reação, grupo que reúne cinco atletas promissores do Judô, sendo que dois deles já integram a Seleção Brasileira. O objetivo é investir na preparação desses atletas para que tenham chances de brigar por medalhas nas Olimpíadas de Tokyo 2020 e também nos jogos de 2024.

                      Os atletas, que possuem um histórico de vitórias e diversidade de categorias, fazem parte do Instituto Reação, que foi criado pelo medalhista olímpico Flávio Canto e revelou a judoca Rafaela Silva, medalha de ouro na Rio 2016. O Instituto é uma organização não governamental que promove o desenvolvimento humano e a inclusão social por meio do esporte e da educação, fomentando o judô desde a iniciação esportiva até o alto rendimento.

                      A Icatu Seguros está dando continuidade ao projeto iniciado em 2011 de investir na preparação de longo prazo de atletas jovens. Foi assim com o Bons Ventos 2016, no qual patrocinamos os velejadores Marco Grael e Gabriel Borges visando a classificação da dupla para as Olimpíadas do Rio. O projeto de apoio ao Judô vai seguir na mesma direção? ? afirma Aura Rebelo, Diretora de Marketing e Canais da Icatu Seguros.

                      A executiva destaca que o Judô foi escolhido por ter valores que se identificam com o negócio da Icatu Seguros, como a superação de desafios, determinação e disciplina. ?Além disso, o esporte é, atualmente, responsável pelo maior número de medalhas brasileiras em Olimpíadas?- comenta.

                      Sobre os atletas do Time Icatu Reação

                      Anna Belém > Com apenas 14 anos, Anna já conquistou importantes títulos nacionais e internacionais, como o de Tricampeã Pan-americana, Bicampeã Brasileira e Campeã Sul-americana Escolar. A atleta integra a Seleção Nacional de Base e está cursando o 8º ano do Ensino Fundamental.

                      Ruan Isquierdo > Com 23 anos, Ruan começou 2017 garantindo vaga na seleção Brasileira Sênior. Compete na categoria +100kg. Como destaques de títulos, vale citar: Campeão Pan Americano Sub21 e prata no Aberto de Katowice 2017.

                      Matheus Roque > Tem 16 anos e cursa o 1° ano do Ensino Médio. Integra a Seleção Brasileira de Base Sub 18 e está no 1º do Ranking Nacional da sua categoria (até 90kg).

                      Caique Miguel > Tem 14 anos e cursa o 7º ano do Ensino Fundamental como bolsista do Colégio Sul Americano (Programa Reação Bolsas de Estudos). Integra a Equipe Reação Rocinha, e é Campeão Carioca e Estadual.

                      Lucca Salomão > Tem 17 anos, cursa o 2° ano do Ensino Médio. Integra a Equipe Reação CDD, e também faz parte da Seleção Brasileira de Base Sub 18. Hoje é 3º do Ranking Nacional da sua categoria (até 66kg).

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - 56% das empresas brasileiras oferecem planos de previdência privada para os funcionários

                      Os trabalhadores estão mais atentos do que nunca às questões relacionadas com a aposentadoria e…

                      O debate político sobre a reforma da previdência social foi importante para chamar a atenção da opinião pública para um tema complexo e urgente, que afeta o futuro de todos os brasileiros. Apesar de a PEC 287 não estar avançando no Congresso Nacional, a discussão foi fundamental para conscientizar o empresariado sobre a necessidade de mudança.

                      Contudo, vale ressaltar que mesmo que a reforma não avance nessa legislatura, a pauta certamente retornará, justamente por conta de sua importância e impacto no cenário econômico brasileiro. Este é o principal tema de entrave para o ajuste fiscal e crescimento do PIB nos próximos anos.

                      Com isso, os trabalhadores estão mais atentos do que nunca às questões relacionadas com a aposentadoria. Por isso, muitas empresas estão percebendo que o benefício de previdência privada pode e deve ser utilizado como uma ferramenta para atrair e reter talentos.

                      De acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria de benefícios e capital humano Aon, 56% das empresas já oferecem aos funcionários planos de Previdência Complementar.

                      ?Normalmente, as pessoas só começam a pensar na aposentadoria quando já possuem uma idade mais avançada?, diz Roberta Porcel, líder de Consultoria em Previdência e Serviços Atuariais na Aon Brasil. ?O ideal seria fazer um planejamento desde a juventude. As empresas podem ajudar nessa conscientização. A previdência privada garante uma importante proteção adicional aos trabalhadores e um programa de educação previdenciária promovido pelas empresas tem papel fundamental neste contexto?, explica.

                      Os planos oferecidos pelas empresas podem possuir três formatos distintos. No modelo de contribuição definida, o valor da contribuição é fixo e o valor do benefício é determinado no momento da aposentadoria. Já para o benefício definido, o valor da aposentadoria é fixo e as contribuições podem variar até chegar ao montante necessário para se aposentar. Para o programa de contribuição variável as duas modalidades são combinadas.

                      De acordo com a pesquisa da Aon, 46% das empresas oferecem um plano de contribuição variável, 45% preferem o modelo de contribuição definida e apenas 9% o benefício definido. ?O risco de oferecer o benefício definido é maior. Por isso, a prevalência dessa modalidade vem diminuindo ao longo dos anos?, afirma Roberta Porcel.

                      Além disso, a maior parte das companhias (61%) prefere investir na previdência privada aberta, onde os planos (PGBL, VGBL e FGB) são comercializados por bancos e seguradoras. Por outro lado, 20% das empresas optam pela previdência fechada viabilizada por um fundo multipatrocinado, também comercializados pelas seguradoras, e 19% escolhem a previdência fechada por meio de um fundo próprio.

                      ?Houve um aumento expressivo desde 2012, quando 53% das empresas optavam por planos de previdência aberta. Isso demonstra que as companhias não querem mais ter tanto trabalho para administrar seus planos de previdência. Os planos fechados viabilizados por meio de um fundo próprio exigem um CNPJ próprio e toda uma equipe dedicada à administração. Por isso, a previdência aberta e os fundos multipatrocinados estão crescendo e vão continuar em progresso?, detalha Roberta.

                      Atualmente, 70% das empresas que oferecem planos de previdência complementar escolhem viabilizar a contribuição com um percentual fixo do salário dos colaboradores. Na média, esse valor representa 5,7% da remuneração. ?Esse modelo de viabilização é o mais procurado porque é o mais simples. A facilidade de compreensão ainda é um fator determinante na hora de estruturar o plano, no entanto pode não ser o mais estratégico para as empresas?.

                      Um número menor de empresas (30%) optam por uma distribuição mais equilibrada, ou fixando a contribuição sobre uma parte do salário que excede um determinado valor, geralmente, o teto da previdência social (17%), ou adotando tabelas de contribuição escalonada, dividindo o recurso e direcionando as maiores fatias a quem precisa mais do complemento na aposentadoria (13%).

                      ?Essas fórmulas de contribuição são mais adequadas ao conceito da previdência complementar. Se levarmos em conta o processo de ascensão profissional, o trabalhador que hoje recebe menos terá mais ajuda da empresa para compor o valor do benefício quanto mais próximo estiver da sua aposentadoria, o que mostra ser um modelo mais dinâmico. Na medida em que os profissionais crescem na carreira, suas contribuições aumentam, de forma a amplificar seu potencial de capitalização para o futuro. O objetivo é direcionar os recursos para quem efetivamente precisa da previdência complementar?, explica a especialista da Aon.

                      Seja qual for o modelo de viabilização, o papel da empresa não é apenas retirar uma parte do salário do funcionário e aplicar por ele, mesmo que isso por si só traga vantagens de taxas mais competitivas pelo ganho de escala. Das empresas que oferecem o benefício, 96% contribuem junto com os trabalhadores ? 80% equiparando 100% do valor da contribuição, 6% contribuindo com menos de 100% e 14% contribuindo com mais de 100%.

                      Mesmo com o aumento da compreensão provocado pelo debate da reforma da previdência, o Brasil ainda precisa amadurecer sua cultura de aposentadoria. A previdência privada terá um papel cada vez mais importante na solução dos problemas das formas de custeio da terceira idade, e, por outro lado, as empresas um papel fundamental na educação previdenciária de seus funcionários.

                      Sobre a Pesquisa de Benefícios da Aon

                      A Pesquisa de Benefícios da Aon contou com a participação de 536 empresas, totalizando 2,1 milhões de funcionários. A maior parte da amostragem (65,9%) representa empresas brasileiras. Mas também foram ouvidas multinacionais dos Estados Unidos (12,9%), França (4,2%), Alemanha (2,8%), Japão (1,9%) e outros países (12,3%).

                      No Brasil, 82,8% das empresas estão localizadas na região Sudeste e 14,6% na região Sul.

                      O estudo analisou mais de 30 benefícios concedidos pelas empresas, como assistência médica, odontológica, previdência complementar, seguro de vida, check-up, vale-refeição, alimentação, D&O, entre outros. Para mais informações acesse: www.forumdebeneficiosaon.com.br

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Varejistas já podem aplicar desconto sobre diferentes formas de pagamento

                      Advogada especializada em varejo explica como deixar claro ao consumidor quais são as regras adotadas…

                      O presidente Michel Temer acaba de aprovar a Medida Provisória 764/2016, que dispõe sobre a diferenciação de preços de bens e serviços aos consumidores, em função do prazo e forma de pagamento. Isso significa que os varejistas poderão adotar critérios de desconto diferentes para quem pagar à vista, em dinheiro, com cartão de débito, de crédito ou a prazo. ?A ideia é tornar o mercado mais competitivo e as regras mais claras, além de tornar o sistema varejista brasileiro mais parecido com o de outros países?, diz Patrícia Cavassani, advogada especializada em Varejo e Franchising, do escritório Novoa Prado Consultoria Jurídica.

                      Agora, a MP virou lei e o consumidor pode contar com descontos em suas compras, cabendo ao varejista avaliar se é possível ou não estabelecer formas diferenciadas para o pagamento na compra de produtos ou na contratação de serviços por seus clientes. ?Se fizer opção pela diferenciação, deve indicá-la, de forma clara e expressa aos consumidores, para minimizar qualquer tipo de dúvida e atender ao princípio da transparência do Código de Defesa do Consumidor (CDC): Art. 6º: São direitos básicos do consumidor: (...) a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem?.

                      Patrícia Cavassani orienta o varejista a fixar as regras de desconto próximo ao caixa, de maneira visível, para que os clientes possam optar pela forma que lhes for mais conveniente. ?Assim, não haverá questionamentos e, com o tempo, todos se acostumarão com a nova forma de atuação daquele estabelecimento?.

                      A advogada faz ressalvas: ?empresas que não querem gerar grande volume de dinheiro, em espécie, por medo de assalto, devem pensar bem antes de aplicar descontos para esta forma de pagamento, por exemplo. E quem quer negociar as taxas com administradoras de cartões de crédito e débito pode ter encontrado um bom momento para fazê-lo?, aconselha.

                      Sobre o escritório Novoa Prado Consultoria Jurídica

                      O escritório Novoa Prado Consultoria Jurídica atua há quase 30 anos com redes de franquia e varejo, de maneira preventiva e com foco no relacionamento de redes.

                      A advogada Melitha Novoa Prado é um dos nomes mais importantes do franchising no Brasil, sendo pioneira em consultoria jurídica para o sistema.

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Consultor de carreira inova utilizando a astrologia vocacional

                      Método é usado como ferramenta para mapear os talentos dos clientes e aumentar a chance…

                      Numa época de ajustes na economia, muitas organizações estão precisando aumentar sua eficiência. Desde 2013 o quadro de pleno emprego e expansão dos negócios vem mudando, e assim os profissionais estão precisando realinhar suas carreiras e estratégias, seja buscando maior produtividade no dia a dia ou novas oportunidades. A busca pela consultoria de carreira e recolocação de executivos tem crescido cada vez mais. Segundo André Luiz Dametto, professor de MBAs em Gestão de Marketing e RH na Escola de Engenharia da UFRJ e sócio da ALD Consultoria, em 2016 houve um aumento de mais de 200% no número de pessoas que tem buscado seu apoio para se recolocar no mercado.

                      Visando inovar na forma como oferece o serviço, Dametto tem utilizado ferramentas criativas para revelar as vocações de seus clientes. Além dos tradicionais testes de mapeamento de talentos, o consultor utiliza a astrologia vocacional nos projetos. Ele afirma que o conhecimento metafísico só contribuiu para a sua formação cartesiana de engenheiro de produção. Segundo ele, ferramentas muito lógicas e cartesianas tornam a consultoria apenas um processo burocrático, e não ajudam realmente as pessoas a assumirem quem realmente são.

                      ?Uma boa consultoria de carreira se dá na relação, no encontro entre o consultor e o cliente, que abertos a ousar com ferramentas práticas e mais criativas, são os projetos que mais costumam dar resultados?, diz Dametto. Dentre os profissionais que já contaram com o apoio da ALD Consultoria estão desde executivas do setor de mineração até uma astróloga.

                      ?O conceito da energia do dinheiro que foi desenvolvido no coaching foi fundamental, e hoje me sinto bem mais autoconfiante. Venci minha autossabotagem e hoje sou uma grande investidora?, conta Glória Reis, Astróloga independente.

                      Outro cliente que obteve novos resultados foi o engenheiro Fernando Doki, da empresa Braskem, que buscava ser menos perfeccionista. Ele relata que hoje já consegue avaliar melhor em que situações pode abrir mão dos detalhes sem prejudicar o todo. E afirma que a consultoria foi um suporte que respeitou sua essência, já que ainda continua bem exigente.

                      Desde os 10 anos de idade Dametto é apaixonado por astrologia e conta que foi na experiência com sua cliente astróloga que percebeu a profundidade da ferramenta e suas potencialidades para a consultoria de carreira.

                      ?A astrologia não se reduz ao horóscopo que lemos nos jornais e revistas, como muitos pensam. Quem já teve a oportunidade de estudar com mais profundidade sabe da riqueza que ela oferece a partir dos símbolos de cada planeta, casa astrológica e signo zodiacal. Lendo a carta natal (mandala que representa a disposição dos astros no céu no instante do nosso nascimento) é possível identificar vocações, propósitos, potenciais, riscos e curas que farão total diferença no planejamento de carreira de cada pessoa. A sociedade atual, cada vez mais voltada para telas digitais, nos distancia do maior portal de busca que existe, a nossa própria intuição. E é isso que eu busco desenvolver nos clientes, a reconexão com o a sua essência. A cada questão na consultoria eu pergunto para eles: e agora, o seu peito está quente? Se sim, bom sinal!?, explica Dametto.

                      Dentre os resultados obtidos com a consultoria, Dametto destaca a recolocação de seus clientes em oportunidades mais harmonizadas aos seus objetivos, além do crescimento profissional de muitos, que já chegaram a presidentes de empresa e donos de seus próprios negócios. Ganham também as empresas, com profissionais mais engajados, produtivos, e mais potentes para aumentar os lucros nos negócios.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Travelers lança solução online para Empresa Credenciada de Vistoria

                      A Travelers acaba de incluir mais um produto no seu sistema de cotação online. O…

                      ?Com esse novo sistema, o corretor faz a cotação, gera a proposta e a emissão da apólice de forma mais rápida e com mais flexibilidade?, explica Leonardo Semenovitch, Diretor Presidente da Travelers no Brasil. ?O processo todo é muito rápido e intuitivo, e frequentemente a emissão da apólice ocorre em poucos minutos?.

                      O seguro de ECV é mandatório para diversos estados como São Paulo, Santa Catarina, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Bahia. Recentemente uma nova regulamentação em São Paulo entrou em vigor tornando o credenciamento bianual e consequentemente a apólice deverá obrigatoriamente vigorar por 2 anos. O novo sistema da Travelers já está adaptado para atender esta demanda, contemplando a possibilidade de vigência de 2 anos da apólice.

                      O seguro da Travelers para Empresa Credenciada de Vistoria cobre defesas em ações judiciais, indenizações, ressarcimentos, danos a documentos de clientes, entre outros. Com esse novo produto online disponível, a Travelers está ampliando sua gama de serviços online, que atualmente são utilizados pelos corretores para obter Cotações Online, Extrato de Comissão e Apólice Digital. Esses serviços online podem ser acessados por meio do site institucional: http://www.travelers.com.br/corretores-de-seguros e podem ser utilizados também em smartphones e tablets.

                      Sobre a Travelers

                      A Travelers Seguros Brasil S.A. é uma subsidiária da Travelers Companies Inc. (NYSE: TRV) que é uma das seguradoras em posição de liderança no mercado norte-americano de seguros para veículos, residências e empresas. Componente da Dow Jones Industrial Average, a Travelers tem cerca de 30 mil funcionários e gerou uma receita de aproximadamente US$ 27 bilhões em 2016. Para mais informações visite www.travelers.com.br.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - 67ª Revista CVG-RJ traz balanço da gestão 2015/2017

                      Trazendo um balanço da gestão 2015/2017 da diretoria do Clube Vida em Grupo do Rio…

                      Relembrando o 6º Encontro de Resseguro, uma matéria sobre a aplicação da tecnologia na subscrição de riscos em Vida e outras aplicações para os avanços, como a crescente customização de coberturas. Ainda no segmento, as novidades da Porto Seguro e da Chubb.

                      A edição ainda traz a cobertura completa dos eventos realizados pelo CVG-RJ ? o almoço-palestra com o presidente da FenaPrevi, Edson Luís Franco, e o workshop VIP com o diretor de Saúde da Sompo Seguros, Valter Hime.

                      Essas e outras informações já podem ser acessadas por meio da versão digital da Revista, disponível no site do CVG-RJ: www.cvgrj.com.br.

                      Sobre o CVG-RJ

                      O Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro surgiu há 50 anos com o objetivo de estimular o crescimento dos Seguros de Pessoas no Brasil. Hoje, o Clube reúne 26 empresas beneméritas (são empresas do mercado, que colaboram para que o CVG-RJ desenvolva as suas atividades), entre seguradoras, corretoras, consultorias e assessorias de seguro. Ao todo, são mais de 700 associados, que participam de suas atividades. Nos cursos de capacitação profissional, foram treinados milhares de alunos, que hoje ocupam postos importantes nas empresas do mercado. A diretoria 2015/2017 é composta por Marcello Hollanda, presidente; Carlos Ivo Gonçalves, vice presidente; Isaque Farizel, diretor social; Sergio Ricardo de Souza, diretor de seguros; e Wellington Costa, diretor tesoureiro.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Risco conhecido e sustentável

                      *por Luis Vitiritti, AIRM

                      Unir mais de vinte anos de experiência com o conhecimento do mercado e especialmente do cliente, faz com que a Risklog tenha capacidade de mapear e identificar o perfil de cada empresa e seus executivos em uma linha que parte do desconhecido ao conhecido. O que isso significa? Que estamos fazendo uma pesquisa para entender melhor onde cada empresa se enquadra. Sabemos que todo tipo de negócio possui risco e cada setor da economia possui diferentes perfis e necessidades. Entendemos que quanto mais a empresa se preocupa com a natureza, sustentabilidade, reciclagem, inovação, tecnologia mais conectado este cliente se torna com seus próprios riscos.

                      A literatura sobre o tema é muito rica e nos ajuda a pontuar uma série de parâmetros sobre risco, oportunidade e também sustentabilidade. De acordo com a clássica definição da ONU para desenvolvimento sustentável, do relatório Brundland (1987): ?Desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades das gerações atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atenderem a suas necessidades e aspirações? Já o conceito de risco da FERMA (1999 RIMS): ?O risco pode ser definido como a combinação da probabilidade de um acontecimento e das suas consequências (ISO/IEC Guide 73). O simples fato de existir atividade, abre a oportunidades para obter vantagens (lado positivo) ou então ameaças ao sucesso (lado negativo).? Então se conhecemos, mapeamos, tratamos e lidamos bem com nossos próprios riscos, teremos mais chance de termos um negócio ou operação mais sustentável, seja no ponto de vista econômico sustentável, ou mesmos que esta operação cause menos impacto a pessoas e meio ambiente.

                      O sucesso das operações envolvendo gerenciamento de riscos não deve ser medido somente com o valor ganho, mas sim com o montante que foi poupado com acidentes, sinistros, perdas humanas, material ou da natureza. A ISO 31000 trás muitos elementos, definições e modelos sobre riscos, perigos e seus impactos para as empresas e organizações. Apesar da norma ainda ter sido regulamentada ou abraçada pelas leis de muitos países, pode servir como um excelente guia orientativo. Isso porque as empresas que seguem a ISO 31000 e que estão preocupadas com seus negócios e objetivos desejados estarão mais abertas para usos conscientes de recursos sustentáveis.

                      Um exemplo prático muito interessante que acompanhamos em condomínios logísticos é a prática do uso da água de chuva. As empresas já possuem as calhas para coleta das águas de chuva tanto nos telhados e como nos pátios. Ou seja, ao invés de descartar esta água na rede pública, constroem caixas ou cisternas que recolhem o material e com uma pequena bomba enviam para caixas de combate ao incêndio, lavadores de caminhões, limpeza, jardinagem e etc. Neste exemplo enxergamos na prática uma atitude sustentável, porque economiza recursos hídricos importantes e reduz drasticamente as despesas frequentes da empresa.

                      A Risklog entende também que a empresa que apresenta suas soluções sustentáveis, seja para seu negócio, ou mesmo para o meio ambiente, está cuidando das pessoas que vivem neste ecossistema e da sociedade em geral. Estudos comprovam que ambientes corporativos sustentáveis, ou eco friendly, trazem tranquilidade ao empregado. Da mesma forma, o uso de canecas personalizadas ao invés de copos descartáveis também são consideradas sustentáveis. algumas empresas também instalam sensores em áreas de uso comum como cozinha, banheiros e corredores para evitar o desperdício de luz acesa durante toda o dia. Outra prática interessante que observamos em visitas em clientes é o modelo sem papel (paperless), ou seja, menos impressão de papéis em relatórios, documentos ou atividades do dia-a-dia. Existem diversos softwares e aplicativos que comprovam e certificam a entrega de documentos entre departamentos e empresas (fornecedor e cliente). Esta prática elimina burocracia e faz com que as operações fiquem mais confiáveis e controladas. Assim sendo, a Risklog propõe que as empresas busquem conhecer seus próprios riscos e que tornem seus processos operacionais cada dia mais sustentáveis.

                      * CEO da Risklog & Consultor de riscos.

                      Sobre a Risklog

                      Empresa de consultoria fundada em 2015 que realiza treinamentos, vistorias técnicas e assessoria em gerenciamento de riscos. Seu fundador Luis Vitiritti é CEO & Consultor de riscos e gerencia os principais projetos com auxílio de pesquisadores e parceiros especializados. A Risklog atua diretamente com seguradoras, corretores e clientes de vários segmentos como medicamentos, carga projeto, portos, cosméticos e entre outros. www.risklog.com.br


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Seguro de Transporte de Carga: Saiba Como Economizar até 30%

                      Contratar o seguro diretamente via corretora pode trazer, além da economia, melhor qualidade no serviço

                      O seguro de transporte de carga é um produto relativamente difundido no mercado brasileiro e existem diversas formas de negociação. Nem todas as empresas sabem, mas é viável contratar este seguro diretamente com uma corretora e garantir uma economia de até 30%. Com isso, é possível usufruir dos benefícios da apólice com a definição de uma cobertura adaptada às necessidades do embarcador (dono da mercadoria).

                      ?Quando o dono da mercadoria contrata o próprio seguro, a apólice é modelada para atender as particularidades do produto a ser transportado, além de considerar coberturas mais amplas. Sendo a contratação feita pelo transportador, em geral, o seguro é contratado para a atividade de transporte, independentemente da carga a ser movimentada. Ou seja, o custo do seguro embutido no frete para o transporte de uma carga de papel pode ser o mesmo de uma carga de televisores, por exemplo?, explica Jeferson Bem, superintendente de riscos patrimoniais e financeiros da TRR.

                      O mais comum é o embarcador delegar a responsabilidade de contratação de uma apólice ao transportador, que inclui o custo no preço do frete. Mas, por ser indispensável para prevenir prejuízos na cadeia de distribuição de produtos, como risco de roubo e acidentes, a contratação direta com uma corretora traz a garantia de uma economia considerável e uma definição conforme o tipo de carga.

                      Ainda de acordo com o executivo da TRR, ?mesmo a empresa que possua cargas visadas ou perigosas, como eletroeletrônicos, produtos alimentícios, farmacêuticos, de autopeças e combustíveis, contratar o seguro diretamente com a corretora é uma garantia de economia?. As coberturas são definidas conforme o tipo de carga, percurso e a atividade da companhia. O embarcador pode contratar a modalidade de apólice conhecida como ?seguro all risks?, que inclui cobertura para furto e roubo, carga e descarga, acidentes e entre outros, podendo, assim, assumir a contratação do seguro obrigatório de responsabilidade do transportador.

                      Além de garantir que não pagará por um risco de carga que não é o da empresa, o dono da mercadoria, quando contrata o seguro diretamente, consegue avaliar o custo de acordo com a sua disposição em assumir ou transferir riscos. Quando se tem um bom gerenciamento de risco, isso pode ser uma vantagem na negociação.

                      Sobre a TRR

                      A TTR é uma das corretoras de seguros líder do mercado brasileiros que, desde 2009, faz parte da Estáter Gestão e Ativos. Com escritórios em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Campinas, se diferencia no mercado por uma proposta de consultoria especializada e soluções inovadoras. Com atuação focada no segmento corporate, tem hoje cerca de 300 clientes entre grandes e médias empresas.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - A Internet das Coisas (IoT) é prioridade número um para impulsionar a transformação digital, segundo pesquisa global

                      No entanto, a segurança, a falta de habilidades e a conectividade precisam ser resolvidas para…

                      A IoT tornou-se a tecnologia líder da transformação digital e é prioridade número um para 92% das organizações, de acordo com os resultados da pesquisa global publicada pela Inmarsat (LSE: ISAT.L), a principal fornecedora mundial de comunicações móveis globais via satélite. O estudo do Programa de Pesquisas da Inmarsat focado na aplicação empresarial da Internet das Coisas (IoT) revelou que a aprendizagem de máquina (38%), a robótica (35%) e a impressão 3D (31%) também são requisitos essenciais para a entrega efetiva da transformação digital para as empresas.

                      Realizado pela Vanson Bourne de forma independente em nome da Inmarsat, o relatório ?O Futuro da IoT nas Empresas ? 2017" do Programa de Pesquisas da Inmarsat entrevistou 500 entrevistados seniores de todos os setores de agro tecnologia, produção de energia, transporte e mineração de organizações com mais de 1.000 funcionários.

                      Os principais resultados revelam que quase todos (97%) os entrevistados estão experimentando, ou esperam experimentar, significativas vantagens da implantação de tecnologias IoT. A melhoria da capacidade de entrega de serviços (47%), melhor saúde e segurança em toda a organização (46%) e maior produtividade da força de trabalho (45%) foram identificadas como as três principais vantagens a serem obtidas com a implantação de soluções baseadas em IoT.

                      No entanto, a pesquisa também destaca preocupações com segurança, falta de habilidades (em especial na implantação de IoT) e conectividade como desafios importantes que precisam ser abordados para maximizar o potencial da IoT. Quase metade (47%) dos entrevistados acredita que suas organizações precisarão repensar sua abordagem à segurança de dados e fazer investimentos pesados para atenderem aos requisitos de segurança da IoT. Cerca de 45% citam a falta de habilidades como um desafio específico para sua organização na implantação da IoT, enquanto 29% concordam com a afirmação de que as questões de conectividade ameaçam afetar suas implantações de IoT antes mesmo de começarem.

                      Paul Gudonis, presidente da Inmarsat Enterprise, comentou: ?O desenvolvimento e a implantação da IoT é um fenômeno novo que se espalhou por todos os setores em todas as partes do mundo, e esta pesquisa confirmou que a IoT é a tecnologia líder em transformação digital, com uma firme liderança à frente das outras formas de inovação. A IoT atua como os olhos e os ouvidos das organizações, e o seu valor vem de como os dados coletados são usados para melhorar a eficácia em toda a organização. Como tal, não é surpreendente que tantas organizações estejam implantando a IoT para impulsionar suas iniciativas de transformação digital.

                      ?Isso não significa, porém, que os desafios estejam ausentes. A pesquisa aponta claras preocupações, principalmente com segurança, habilidades e conectividade. A crescente interconectividade de dispositivos, juntamente com um cenário de elevada segurança cibernética e uma falta de habilidades relevantes, trazem uma série de problemas. Para superar esses desafios, a colaboração é fundamental."

                      ?Desenvolver novas tecnologias é uma atividade complexa e se baseia em diferentes tipos de habilidades. Os provedores confiáveis de infraestrutura de rede que podem operar em qualquer lugar do mundo precisam trabalhar em estreita colaboração com empresas de usuários finais, para garantir que compreendam suas necessidades operacionais. A Inmarsat está trabalhando globalmente com nossa rede de parceiros para impulsionar a inovação através da nossa experiência em soluções IoT e de conectividade via satélite?, concluiu Gudonis.

                      A pesquisa ?O futuro da IoT nas Empresas - 2017" é acessível como um documento de inteligência e pode ser baixada (em inglês) aqui: [http://research.inmarsat.com/]

                      Sobre a Inmarsat

                      Inmarsat plc é provedor líder de serviços de comunicações móveis globais via satélite. Desde 1979, a Inmarsat vem fornecendo comunicações confiáveis de voz e dados de alta velocidade para governos, empresas e outras organizações, com uma gama de serviços que podem ser usados em terra, no mar ou no ar. A Inmarsat opera em todo o mundo, com presença nos principais portos e centros de comércio de todos os continentes. As ações da Inmarsat são negociadas na London Stock Exchange (ISAT.L). Para mais informações, visite www.inmarsat.com.

                      O newsfeed de comunicados de imprensa da Inmarsat e as atualizações de notícias corporativas estão em @InmarsatGlobal.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - SulAmérica marca presença no Cannes Lions 2017

                      Parceria com Waze, viabilizada pela Grey Brasil, foi finalista em duas categorias do principal prêmio…

                      A SulAmérica, maior seguradora independente do país, integrou a lista de finalistas do 64º Festival Internacional de Criatividade de Cannes (Cannes Lions), nas categorias Media e Creative Data. A parceria da seguradora com o aplicativo Waze, viabilizada pela agência Grey Brasil, ganhou destaque com o case em vídeo City Watch.

                      Pioneira, a parceria promove uma relevante prestação de serviço aos usuários do aplicativo, disponibilizando dicas de segurança por meio de pop-ups e banners da SulAmérica Auto. Entre elas, estão o aviso para o acendimento do farol em estradas durante o dia, sinalização de locais com velocidade reduzida, indicação de cruzamentos com alto índice de acidentes e avisos sobre áreas escolares, entre outros.

                      ?Esta parceria inovadora sintetiza nossa visão sobre como queremos estar presentes na vida das pessoas, com proximidade, utilidade e proteção?, afirma o vice-presidente de Estratégia e Marketing, Carlos Alberto Trindade Filho.

                      Case foi finalista em duas categorias no Cannes Lions

                      O Cannes Lions, principal premiação de publicidade no mundo, ocorreu na semana passada na França. A categoria Creative Data celebra a interação entre ideias e informação direcionada pelo uso criativo de dados, explica a organização do evento. Já a categoria Media trata do contexto da criatividade, prestigiando formas inovadoras de implementação de ideias dentro do escopo de estratégia de canais.

                      Para o diretor-geral do Waze no Brasil e na América Latina, André Loureiro, a execução do projeto foi muito bem-sucedida. ?Ficamos muito satisfeitos em ver o reconhecimento internacional do propósito de criar uma narrativa real-time em torno da mobilidade. SulAmérica e Grey deram vida ao conceito de maneira brilhante, através de uma plataforma viva de cuidados no trânsito cujo propósito é maior e totalmente em linha com os nossos princípios."

                      De acordo com o CCO da Grey Brasil, Rodrigo Jatene, a parceria com o Waze é um serviço de utilidade pública e reforça o compromisso da companhia: ser parceira dos motoristas e fornecer informações para incentivar um trânsito mais seguro. ?A SulAmérica busca estar sempre próxima de seus segurados, por isso criamos um complemento para o Waze, que contribui com dicas e orientações exclusivas e com a máxima agilidade?.

                      Assista ao vídeo City Watch: https://vimeo.com/217236689

                      Sobre a SulAmérica

                      A SulAmérica é a maior seguradora independente do Brasil, com uma rede de distribuição de mais de 30 mil corretores independentes. Fundada em 1895, a companhia possui mais de 5 mil funcionários e atua em várias linhas de seguros, como saúde e odontológico, automóveis e outros ramos elementares, vida, além de outros segmentos, como previdência privada, investimentos e capitalização. A SulAmérica tem mais de 7 milhões de clientes, de pessoas físicas grandes empresas, em todo o país. Em 2016, a Companhia registrou receitas totais de R$ 16,8 bilhões.

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Grupo Bradesco Seguros incorpora novas funções ao aplicativo Assistência Dia & Noite para segurados de auto

                      Buscando sempre levar mais mobilidade e conveniência a seus clientes, o Grupo Bradesco Seguros incorporou…

                      O "Bradesco Assistência Dia & Noite" permite ao segurado Bradesco Seguro Auto uma série de facilidades em situação de sinistro, como o pré-aviso de sinistro que possibilita ao segurado fotografar e desenhar a cena do acidente e enviar para a seguradora, que retornará a ligação para complementar as informações do aviso. A ferramenta também permite o envio de documentos pendentes relativos ao sinistro pelo smartphone. Basta fotografar os documentos pendentes e encaminhá-los por meio do aplicativo com poucos clicks. Para que o cliente tenha acesso a todos esses benefícios, basta fazer o download do aplicativo no Google Play e na App Store.

                      - Percebemos que, muitas vezes, em caso de pane ou acidente, o condutor fica numa área de risco sem qualquer suporte, ou seja, é uma questão de segurança ter, nessas horas, um serviço de assistência emergencial rápido. Esse é o objetivo do aplicativo "Assistência Dia & Noite" -, comenta Enrico Ventura, Diretor-Executivo de Auto/RE do Grupo Bradesco Seguros.

                      Por meio do aplicativo, o cliente Bradesco Seguro Auto, que tem rastreador instalado em seu veículo, conta também com a funcionalidade "saúde da bateria" que verifica o nível de carga e informa preventivamente sobre possíveis falhas da bateria. Os segurados contam também com outros benefícios, como: chaveiro auto, assistência em caso de pane, colisão, pneu furado, acesso à central de atendimento e acompanhamento do atendimento.

                      Sobre o Grupo Bradesco Seguros

                      O Grupo Bradesco Seguros, conglomerado segurador da Organização Bradesco, lidera o mercado de seguros brasileiro, com atuação em âmbito nacional nos segmentos de Seguros, Capitalização e Previdência Complementar Aberta. No primeiro trimestre de 2017, o Grupo Segurador registrou faturamento de R$ 17,94 bilhões - evolução de 18,2% sobre igual trimestre de 2016. Há cerca de uma década, o Grupo Bradesco Seguros vem sustentando crescimento médio anual na casa de dois dígitos, mantendo market share em torno de 25%. Seu volume de provisões técnicas atingiu R$ 229,4 bilhões nos primeiros três meses de 2017.

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - 5 características dos grandes líderes que beneficiam suas equipes

                      *Por David Portes TTer habilidade de liderança empresarial é um fator muito importante para que…

                      Entretanto, ainda existem muitos chefes que trabalham na base do grito, da cobrança excessiva ou até mesmo das ameaças. E, na pressão do dia a dia, somente os líderes verdadeiros conseguem guiar os colaboradores rumo ao sucesso.

                      Especialistas no assunto listam algumas características de grandes líderes. Separei cinco delas para que você saiba quais são as atitudes que beneficiam as equipes e que devem estar presentes em qualquer chefe que pretende alcançar bons resultados. Vamos lá?

                      1- Ser comunicativo

                      Comunicar-se bem é primordial para obter sucesso na liderança. Líderes que não conseguem se expressar de maneira clara suas expectativas e orientações tendem a perder o comando de seus times.

                      Além disso, os gestores que possuem uma comunicação ríspida ou lacônica tendem a passar a imagem de intransigentes. Por isso, é fundamental expressar-se com tranquilidade e assertividade para delegar funções e orientar os colaboradores.

                      2- Saber orientar a equipe

                      Estamos observando a entrada dos Millennials no mercado de trabalho. Essa nova geração de profissionais possuem uma característica bem marcante: a necessidade de feedback. Os Millennials querem aprender cada vez mais e melhorar seu desempenho, mas também são marcados pela instabilidade no emprego.

                      Essa instabilidade, por sua vez, é fruto da ausência de um feedback construtivo capaz de motivá-los a alcançar melhores resultados. Um bom líder empresarial sabe orientar seus colaboradores em busca de melhorias. Esqueça-se das figuras caricatas de patrões rabugentos e ríspidos.

                      Os novos talentos do mercado procuram chefes ?professores?, capazes de auxiliá-los na construção do seu caminho profissional. Tenha em mente que a liderança positiva está cada vez mais ligada ao feedback construtivo e à capacidade de orientação dos funcionários.

                      3- Ter humildade

                      Líderes não são figuras infalíveis e que sabem tudo. E o principal: eles admitem isso.

                      Os líderes são apenas funcionários que foram escolhidos para orientar os demais dentro de um setor e tomar decisões. Ter em mente que a posição de liderança não coloca o chefe como um semideus que sabe tudo é o primeiro passo para conquistar os demais.

                      Não se trata de demonstrar ignorância, mas de ter humildade para trocar conhecimentos e ideias com a equipe.

                      4- Respeitar o próximo

                      Respeito e empatia são características de grandes líderes. Um bom líder só conquista o respeito de sua equipe quando respeita também as diferenças e limitações de cada um.

                      Colocar-se no lugar de seu funcionário e entender os obstáculos dele é um passo importante para cativá-lo e, principalmente, demonstrar respeito pelo profissional que ajuda a empresa a crescer.

                      5- Tomar decisões

                      A tomada de decisão não é algo simples de se fazer. Os desdobramentos de uma decisão equivocada podem marcar profundamente o desempenho da empresa e até mesmo os rumos da carreira dos funcionários.

                      Um bom líder sabe tomar decisões e faz isso com base na compreensão que possui sobre as características de sua equipe, o desempenho dela e a forma como ela trabalha. Exercitar a democracia e pedir opiniões na hora de decidir algo importante também não é nenhum pecado.

                      O líder que consulta os colaboradores pode encontrar no diálogo pontos importantes que passaram batidos. Mais uma vez, a comunicação é a chave para uma decisão correta.

                      Essas são cinco características de grandes líderes que você não deve deixar de exercer para estimular o crescimento profissional e os resultados obtidos pela equipe. Lembre-se: a liderança é algo que pode ser exercitada e aprimorada ao longo da carreira.

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Capitalização pode ser ferramenta para ajudar devedores

                      Capitalização pode ser ferramenta para ajudar devedores
                      A Escola Nacional de Seguros recebeu mais uma avaliação que reforça a qualidade do ensino…

                      O IGC é desenvolvido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), do Ministério da Educação (MEC), e é o indicador oficial de qualidade do ensino superior no País. A avaliação ratifica os resultados obtidos no último Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), ministrado também pelo INEP/MEC, no qual o Bacharelado em Administração registrou nota máxima, 5, no Rio de Janeiro, e 4, em São Paulo.

                      De acordo com o diretor de Ensino Superior da Escola, Mario Pinto, os desempenhos positivos alcançados nos principais medidores da educação no País demonstram que o ensino oferecido pela Instituição mantém um padrão de excelência consolidado.

                      ?Nosso objetivo é oferecer uma faculdade que forme administradores capacitados para atuar em qualquer segmento, mas com o diferencial de se especializar para a indústria de seguros. As avaliações comprovam não só que estamos posicionados entre as melhores do País, mas que conseguimos atender às exigências rigorosas praticadas por esses órgãos quanto à qualidade do ensino brasileiro?, declara.

                      Matrículas abertas

                      O bacharelado segue com inscrições abertas para formação das turmas do segundo semestre. O próximo processo seletivo será no dia 1º de julho, nas duas cidades. Também é possível se inscrever mediante resultado do ENEM (últimos três anos), apresentação de diploma de ensino superior e transferência externa.

                      As inscrições devem ser feitas no site específico das graduações da Escola, o www.profissaosegura.com.br, onde mais informações estão disponíveis.


                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Quem compra bem, vende bem

                      Quem compra bem, vende bem
                      *Bruno Giembinsky O processo de compras está ganhando cada vez mais destaque nos resultados financeiros…

                      Outro procedimento inerente ao processo de compras que é imprescindível para os negócios, é o recebimento de mercadorias. Os recebimentos precisam ser meticulosamente monitorados, conferidos e contados, pois muitas vezes a empresa pode estar pagando mais do que foi acordado com o fornecedor.

                      Isso porque, em geral, as pequenas empresas não registram devidamente os pedidos de compra com os produtos adquiridos, quantidades, promoções, descontos e até os prazos, duramente negociados, e que, consequentemente, acabam não sendo considerados no momento do recebimento das mercadorias e pagamento. Ou seja, toda a ?briga? que os compradores tiveram para conseguir melhores condições, acaba sendo perdida ao longo dos procedimentos.

                      Em alguns casos, até mesmo a quantidade de cada produto comprado deixa de ser registrada, o que pode acarretar no descontrole do estoque e até em perdas financeiras, já que o que foi faturado pode não corresponder ao que foi realmente recebido. A empresa ainda poderá sofrer com a falta de insumos para produção e itens para venda, acarretando na perda de faturamento, além de não deixar outra escolha ao consumidor, a não ser procurar a concorrência.

                      E apesar de parecer um contrassenso, justamente o processo de compras, pode ser responsável pelo aumento do faturamento dos negócios, sem que isso signifique intensificar ou aumentar os esforços do time de vendas. Mas como isso é possível?

                      Através de uma gestão que permita visualizar o cenário da companhia como um todo, por exemplo, o time de compras pode usar as informações do corte dos pedidos de venda por não ter a mercadoria em estoque, do giro das mercadorias, do prazo de entrega dos fornecedores para otimizar o estoque, descobrir a mercadoria mais procurada pelos consumidores, e chegar no estoque mínimo ideal. Dessa forma, a empresa sempre tem produtos disponíveis para viabilizar o fluxo contínuo, deixando de perder faturamento por falta de produtos em estoque para vendas.

                      Com esses dados descritos acima, a empresa já pode negociar melhores preços com os fornecedores, com base no volume de compras e no tipo dos produtos requeridos, sem o risco de sofrer prejuízo, com recebimentos mal conferidos, além de alavancar as vendas, ao fidelizar os consumidores por sempre ter os produtos certos à disposição.

                      Por isso, quem compra bem, vende bem, evita prejuízos, fideliza os clientes, e se destaca no mercado em que atua. Portanto, contar com uma equipe de compras bem treinada, ágil e proativa, somada as metodologias e ferramentas de gestão capazes de acompanhar todo o processo interno do negócio, da cotação com o fornecedor à retirada dos produtos das prateleiras, pode colocar sua empresa no caminho certo!

                      *Bruno Giembinsky, Coordenador Nacional de Projetos e Serviços da Jiva

                      Sobre a Jiva - http://jiva.com.br

                      Desde 2006 a Jiva atua no mercado de ERP, oferecendo soluções de gestão que atendem às necessidades específicas dos pequenos negócios.

                      Somos a melhor decisão da pequena empresa porque nossa expertise e experiência nos possibilitam entender as necessidades de cada negócio para prover uma solução de gestão integrada e eficiente, que proporcione otimização dos processos e promova a evolução gradativa da gestão, garantindo assim que nossos clientes tomem as melhores decisões no dia a dia tornando suas empresas mais lucrativas e competitivas.

                      Nosso jeito de promover a evolução da gestão das empresas passa pela análise e devolutiva dos pontos fracos e fortes de cada negócio; o compartilhamento das melhores práticas em processos; a automatização das regras do negócio por meio da implantação do ERP Jiva; o acompanhamento dos indicadores-chave; a capacitação da equipe; o acompanhamento da evolução gradativa e o atendimento especializado de cada empresa cliente.

                      Para fazer tudo isso com excelência, evoluímos constantemente, estando sempre à frente no quesito inovação: lançamos quatro novas versões do Jiva-W por ano, além de aplicativos que facilitam a gestão pelo celular e ambientes colaborativos que permitem interação com toda a Jiva e outros clientes com poucos cliques.

                      E essa evolução não para. Prova disso é que desde 2014 estamos entre ?As Pequenas e Médias Empresas que mais Crescem no Brasil?, de acordo com a pesquisa realizada pela Deloitte e Revista Exame.

                      Estamos presentes em todo o Brasil, com mais de 300 colaboradores diretos, mais de 2.500 clientes usufruindo de uma gestão mais segura e mais de 10.500 usuários do Sistema ERP Jiva.

                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Seguradoras criam fundo especial para vítimas de incêndio

                      Seguradoras criam fundo especial para vítimas de incêndio
                      Companhias portuguesas acenam com 2,5 milhões de euros para custear despesas emergenciais de segurados ou…

                      As seguradoras decidiram amparar as vítimas ou familiares do maior incêndio de Portugal, ocorrido este mês. Além de ações isoladas para dar pronta resposta aos seus clientes, como deslocar profissionais para o local, abrir canais exclusivos de comunicação e dar celeridade à regularização dos sinistros, as seguradoras criaram um fundo especial, no valor de 2,5 milhões de euros, para cobrir despesas extraordinárias dos familiares das pessoas mortas na tragédia.

                      O pior incêndio florestal matou ao menos 64 pessoas e feriu 135 no vilarejo de Petrógão Grande. Iniciado no sábado,17, levou cinco dias para ser controlado e mobilizou mais de 2 mil bombeiros e voluntários.

                      Por meio de nota, a Associação Portuguesa de Seguradores (APS) e associadas ratificam o propósito de assumir o pagamento de todas as indenizações previstas nos contratos de seguros vigentes. ?Apesar de ainda não ser possível conhecer as causas, circunstâncias e consequências do evento, nem se dispor da identificação das pessoas e bens atingidos, as empresas de seguros associadas à APS ratificam o compromisso de dar celeridade ao processo de liquidação dos sinistros?.

                      A entidade adiantou que, no caso dos imóveis que tenham seguro que cubra o risco de incêndio, e apenas em relação a essas, não serão aplicadas as franquias contratuais nem se aplicará o conceito de infrasseguro, ou seja, um seguro feito abaixo do valor real da habitação, adotando-se o pagamento de indenizações integrais.

                      Sobre o fundo especial, os termos, eventuais limites e critérios de compensações estão ainda em estudo e serão em breve divulgados, tendo sido convidado Pedro Romano Martinez, professor catedrático e diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, para liderar a equipe que estruturará as regras de repartição dos recursos entre os familiares das pessoas falecidas.

                      Na nota, informa-se ainda que criação do fundo e os pagamentos desembolsados não representam o reconhecimento de qualquer tipo de responsabilidade das empresas de seguros. De acordo com o presidente da APS, José Galamba de Oliveira, "o objetivo deste fundo especial é exclusivamente ajudar as famílias a reorganizarem as suas vidas e a custear as necessidades mais imediatas, em função das suas perdas.?
                      -------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Benefícios diferenciados: o segredo da motivação

                      Benefícios diferenciados: o segredo da motivação
                      Entenda porque benefícios diferenciados podem ser um grande aliado na hora de motivar seus funcionários

                      Quem trabalha com recursos humanos ou negócios sabe que o grande desafio do RH de uma empresa é encontrar e reter talentos para a empresa. Manter a equipe motivada e engajada é com certeza uma das prioridades dos profissionais de RH e sempre um grande desafio. É muito importante estar sempre em busca de novas maneiras para motivar empregados e mantê-los satisfeitos com a corporação.

                      Oferecer benefícios empresariais e reconhecimento diferenciados aos funcionários é o grande segredo para manter a equipe mais engajada - sem dúvida uma ferramenta poderosa na hora de proporcionar satisfação profissional aos colaboradores da empresa.

                      Além dos benefícios obrigatórios e o pacote básico de benefícios como vale-alimentação, vale-refeição e vale-transporte uma outra maneira de agregar pontos positivos à imagem da empresa é oferecer benefícios diferenciados

                      No post de hoje nós preparamos dicas de alguns benefícios diferentes e que não fazem parte do pacote básico de benefícios e que podem ser oferecidos aos colaboradores e com certeza motivar muito mais a sua equipe.

                      Trabalho flexível e home office

                      Nos dia de hoje vemos cada vez mais empresas criando a cultura de um trabalho flexível. Existem grandes vantagens tanto para empresa como para o colaborador repensar as práticas de trabalho flexível e home office.

                      Um ambiente de trabalho flexível e dias de home-office aliviam toda aquela rotina de acordar cedo, pegar trânsito e demorar horas para chegar ao local de trabalho. Adotar essa prática não só impacta diretamente no negócio da empresa como também na qualidade de vida dos funcionários.

                      Uma boa qualidade de vida e de trabalho promovem equipes satisfeitas profissionalmente e consequentemente engajadas com seu trabalho e com alta produtividade. É muito mais eficaz ter uma equipe com rendimento de alta qualidade do que apenas exercer suas funções em horário comercial.

                      Apostar em benefícios como dias de home-office é sem dúvidas um benefício que atrai muitos profissionais e vem crescendo cada vez mais nas empresas brasileiras.

                      Cursos profissionalizantes

                      Proporcionar maneiras de capacitar a equipe é uma forma de beneficiar tanto os colaboradores como a própria empresa. Possibilitar ou auxiliar com cursos na carreira do funcionário é um ótimo atrativo para sua empresa.

                      Apostar em benefícios como cursos de idiomas, cursos de educação financeira ou até mesmo auxílio em faculdades e pós graduações. Cursos como benefício é uma forma muito eficaz de capacitar profissionais, investir em talentos e também qualificar o quadro de funcionários, melhorando o desempenho e resultados finais.

                      Convênios

                      Ter uma rede de convênios com estabelecimentos como academias, teatros, cinemas e lojas é uma ótima maneira de atrair profissionais talentosos para sua empresa.

                      Proporcionar momentos de saúde e lazer aos funcionários como a possibilidade de praticar atividade física pode ser muitas vezes mais vantajoso que um plano de saúde impactando diretamente na qualidade de vida do funcionário sendo assim um incentivo para sua equipe ser mais ativa e saudável. Investir em momentos de lazer como um desconto no cinema e no teatro impactam diretamente na qualidade e satisfação dos funcionários.

                      Gostou das nossas dicas sobre benefícios diferentes que podem ser oferecidos na sua empresa? Mas não deixe de planejar os benefícios básicos como vale-alimentação, vale-transporte - acesse já a página da vb serviços e contrate.

                      Website: https://blog.vb.com.br/


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Administrando o Trabalho

                      Muitos cargos fabris de alta remuneração foram substituídos por equipamento automatizado, reestruturados em cargos que…



                      Os trabalhadores com pouca qualificação se defrontam com baixos salários, carreiras limitadas e reduzido poder de barganha com os empregadores. Os de alta qualificação têm perspectivas de obter segurança financeira e oportunidades de avanço na carreira. A reengenharia, a redução de quadros de pessoal, a terceirização e a extinção de cargos esvaziaram o contrato informal de lealdade outrora existente entre trabalhadores e empregadores e o substituíram por um ?novo acordo?.

                      Os empregadores não fazem nenhuma promessa aos trabalhadores, exceto a do emprego enquanto sua contribuição para a meta da organização exceder seu custo. Os trabalhadores reordenaram suas lealdades da seguinte forma: primeiro, para suas equipes ou projetos; segundo, para suas profissões e, terceiro, para seus empregadores.

                      Hoje, eles têm o direito de exigir trabalho interessante acompanhado de liberdade e recursos para sua boa execução, remuneração com base no desempenho e oportunidades para aprender habilidades que aumentem seu valor no mercado. Contudo, eles são responsáveis por suas próprias carreiras. A informática encurtou o ciclo de vida dos produtos, o conhecimento e as habilidades relativa ao trabalho.

                      Os trabalhadores mudarão de carreira três a quatro vezes em suas vidas profissionais. Fazer isso exigirá que aprendam novas habilidades. Dessa forma, eles precisam assumir responsabilidade por suas carreiras e encarar o aprendizado como um processo para a vida toda. O trabalho em equipe pode ser um desafio para trabalhadores que cresceram em culturas que incentivam a realização individual.

                      As habilidades de comunicação contribuem para o sucesso de equipes de alto desempenho: habilidades para resolver problemas, para tomar decisões em grupo e habilidades interpessoais, como as de escutar atentamente e solucionar conflitos.



                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Seguradora Líder-DPVAT pagou mais de 434 mil indenizações às vítimas de acidentes de trânsito em 2016

                      No total, foram 33.547 indenizações por morte, 346.060 mil por invalidez permanente e 54.639 por…

                      A Seguradora Líder-DPVAT, responsável pela operação do Seguro DPVAT, pagou, em 2016, mais de 434 mil indenizações de acidentes de trânsito, incluindo casos de morte, invalidez permanente ? total e parcial- e despesas médico-hospitalares decorrentes de acidentes de trânsito. O montante totaliza R$ 1,7 bilhão.

                      Considerando o tipo de vítima, entre motoristas, pedestres e passageiros, os acidentes com motocicletas lideram uma triste estatística: indenizações por morte somaram 16.009 (65%); e invalidez atingiram 275.345 (91%). ?O que nos deixa mais consternados é ver que são todos muito jovens?, diz Ismar Torres, diretor-presidente da Seguradora Líder-DPVAT, à frente da empresa desde dezembro de 2016. Historicamente, a maioria dos acidentes de trânsito com vítimas ocorre com pessoas que têm entre 18 e 44 anos, a maioria homens (75% dos sinistros).

                      A falta do uso do capacete, o desrespeito das leis de trânsito (muitos guiam o veículo de duas rodas sem habilitação) e o mau estado de conservação de muitas motocicletas potencializam os acidentes graves. ?Acidentes envolvendo motocicletas corresponderam a 76% do total, um número alarmante, levando-se em conta que as mesmas respondem por 27% da frota de veículos automotores em circulação?, reforça Torres.

                      ?Malha fina? no combate a fraudes

                      O número de indenizações pagas em 2016, apesar de ser ainda muito alto, foi 33,4% menor em relação ao exercício anterior. A queda significativa é fruto de um intenso trabalho de combate a fraudes por parte da Seguradora Líder-DPVAT e ações de prevenção de acidentes e de fiscalização do trânsito como a Lei Seca, radares, uso do cinto de segurança e elevação do valor das multas.

                      ?O aprimoramento de controles e a adoção de critérios mais rigorosos na regulação de sinistros evitaram perdas da ordem de R$ 120,2 milhões com 9.493 tentativas de fraudes?, informa Ismar Torres. Segundo ele, os critérios e auditorias da Seguradora Líder-DPVAT miram sempre ?pagar certo a quem é de direito?.

                      A Seguradora Líder-DPVAT possui uma extensa rede com mais de sete mil pontos de pontos de atendimento em todo o país para solicitação de indenizações. O pedido de indenização, que acontece em até 30 dias a partir da entrada da documentação, deve ser feito diretamente pelo beneficiário da operação, evitando a intermediação de terceiros.

                      Recursos para a União

                      Responsável pelo desenvolvimento de campanhas voltadas para Educação no Trânsito, o Denatran ? Departamento Nacional de Trânsito ? recebe 5% de todos os recursos arrecadados pelo Seguro DPVAT, o que correspondeu a repasses de R$ 434,7 bilhões, em 2016. Outros 45% são destinados ao Fundo Nacional de Saúde (FNS) e repassados ao Sistema Único de Saúde (SUS), a fim de custear as despesas com atendimentos realizados em unidades da rede pública, que atingiram R$ 3,9 bilhões no ano. Os 50% restantes é que são efetivamente utilizados para custeio da operação, formação de reservas técnicas e pagamentos de indenização, que somaram R$ 4,3 bilhões no período.

                      ?O número expressivo de acidentes de trânsito com vítimas no país evidencia a relevância do seguro obrigatório. É o maior seguro social que se tem notícias no mundo?, assinala o presidente da Seguradora Líder-DPVAT. Isto porque, segundo ele, por oferecer cobertura abrangente para todas as pessoas vítimas de acidentes de trânsito, por um período de até três anos após o registro do acidente, o Seguro DPVAT é um forte instrumento de proteção social, inclusivo e capaz de atender 100% da população brasileira, especialmente as classes de baixa renda. ?Tradicionalmente, as pessoas de pequeno poder aquisitivo são mais vulneráveis a situações de risco, por não terem acesso a outros mecanismos de proteção, como planos de saúde privados, seguros de vida e seguros para veículos automotores?, reitera Torres.

                      Com relação ao futuro da Seguradora Líder, o presidente Ismar destaca a importância de o seguro DPVAT estar cada vez mais voltado ao seu cliente final, ou seja, a vítima de acidente de veículos automotores. ?Agilizar, simplificar e estimular o relacionamento direto da empresa com o seu cliente, sem necessidade de intermediários; combater as fraudes, de forma cada vez mais integrada com os órgãos de prevenção e com os Ministérios Público Federal e os Estaduais; e desenvolver um amplo programa de apoio às vítimas de acidentes de trânsito são os objetivos principais da Seguradora Líder e do Consórcio DPVAT?, completa.

                      Abra o Boletim Estatístico 2016 da Seguradora Líder-DPVAT

                      O Seguro DPVAT em números ? 2016:

                      Acidentes por tipo de veículo

                      Motos: 330.130 (76% do total)

                      Automóveis : 83.542 (19%)

                      Caminhões e pick-ups 12.515 (3%)

                      Ônibus, micro-ônibus e vans: 7.712 (1,9%)

                      Ciclomotores (veículos de duas rodas de até 50 cilindradas) 347 (0,1%)

                      Indenizações por Região/ todos os veículos

                      Nordeste ? 29%

                      Sudeste ? 29%

                      Sul ? 21%

                      Centro-Oeste ? 12%

                      Norte ? 9%

                      Serviço

                      O pedido de indenização do Seguro DPVAT pode ser feito gratuitamente em pontos oficiais de atendimento espalhados por todos os municípios brasileiros, como as agências dos Correios. O prazo para entrar com o pedido é de até três anos, contados a partir da data do acidente. A documentação necessária para cada tipo de cobertura está descrita no site www.seguradoralider.com.br e pode ser informada também pelo SAC DPVAT 0800 022 1204, que funciona 24 horas por dia e sete dias por semana.

                      Site Seguro DPVAT: www.seguradoralider.com.br

                      SAC DPVAT ? 0800 022 12 04 - Todos os dias da semana, 24h por dia

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Curso voltado para empresas familiares apresenta benefícios da Governança Corporativa

                      Nos dias 28 e 29, em São Paulo, especialistas apontam soluções de gestão para as…

                      O curso Governança Corporativa em Empresas Familiares, organizado pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), apresenta, nos dias 28 e 29 de junho, as possibilidades de implantação de um sistema que auxilie a organização da família empresária. Em sua 12ª edição o evento vai oferecer a acionistas e herdeiros um panorama amplo dos desafios enfrentados por famílias empreendedoras para manter a saúde dos negócios com o passar das gerações. Outro objetivo é indicar práticas de governança que podem sanar ou evitar problemas de governança e sucessão.

                      Os especialistas reunidos na sede do IBGC vão apontar instrumentos para resolver questões específicas de empresas familiares, como a sucessão, processo que pode se tornar mais consistente e seguro com a elaboração de um Acordo de Acionistas. Marcelo Bertoldi, sócio-fundador do escritório Marins Bertoldi Sociedade de Advogados e especialista em Direito Comercial e Societário, com mais de 20 anos de experiência, vai esclarecer o processo de criação do Acordo e os dispositivos legais que garantem a eficácia dessa ferramenta.

                      Ao longo dos dois dias de duração o curso vai tirar dúvidas também sobre Conselho de Família, Family Office, Desenvolvimento de Negócios Familiares e discutir casos de sucesso e longevidade entre companhias brasileiras que adotaram a Governança Corporativa.

                      Serviço

                      Data: 28 e 29 de março

                      Horário: das 8h às 17h30

                      Local: Edifício WTC Events Center, 21º andar (Av. das Nações Unidas, 12.551 - São Paulo)

                      Informações e inscrições: (11) 3185-4200 / secretaria [AT] ibgc [DOT] org [DOT] br / www.ibgc.org.br

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Conselho Diretor da CNseg elege presidentes de comissões

                      Diana Kelly Pereira Neves comandará a Comissão de Digitação, e Gustavo Genovez, a Atuarial

                      Membros do Conselho Diretor da CNseg elegeram os novos presidentes das comissões temáticas de Digitação e Atuarial da Confederação, na reunião ordinária realizada no último dia 22. Para a presidência da Comissão de Digitação da CNseg, foi homologado o nome de Diana Kelly Pereira Neves (Prudential do Brasil Seguros de Vida S/A). Já o novo presidente da Comissões Atuarial da CNseg é Gustavo Genovez, superintendente atuarial e gestor de Riscos (da Mitsui Sumitomo Seguros S/A). Ambas as comissões são subordinadas à Superintendência de Acompanhamento Técnico da CNseg.

                      Em comunicado ao mercado, o diretor executivo da CNseg, Marco Antonio Barros, dá ciência do resultado da eleição, boas-vindas aos novos dirigentes das comissões e expressa a convicção de que os trabalhos realizados no âmbito das duas comissões contribuirão de forma significativa para o desenvolvimento do mercado segurador.


                      -------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Inventsys lança plataforma para segurança residencial que conecta moradores a empresas de segurança e prestadores de serviço

                      A Inventsys, startup gaúcha referência no mercado de gestão de ativos e de cidades inteligentes,…

                      Com o Bairro Seguro, os moradores de um bairro podem se conectar diretamente com os agentes das empresas de vigilância que atendem o local, solicitar serviço de acompanhamento presencial pelo aplicativo ou via ligação telefônica, registrar ocorrências e problemas na vizinhança e até mesmo enviar um alerta de emergência em tempo real com geolocalização para o agente de segurança mais próximo. O aplicativo também permite agendar serviços de manutenção residencial com empresas e profissionais cadastrados, de forma prática e segura.

                      Mario Verdi, um dos fundadores da Inventsys, explica que o produto é uma iniciativa que visa formar um ecossistema colaborativo, trazendo a segurança e conveniência de um condomínio fechado para os bairros residenciais. ?O sistema é bastante fácil de usar, diretamente do smartphone, em poucos cliques, o cliente pode chamar ajuda, avisar sobre ocorrências e agendar serviços?, comenta Verdi.

                      O sistema é composto de um aplicativo móvel de fácil usabilidade e um painel de encaminhamento automático de chamados. Os chamados recebidos pela empresa de segurança identificam o morador e o local onde foi solicitado o atendimento, com roteirização automática. Todos os chamados ficam registrados para controle e os serviços podem ser parametrizados pelas empresas de segurança de acordo com a configuração de cada operação.

                      Os primeiros pilotos serão implantados na Zona Sul de Porto Alegre. Em parceria com a empresa de segurança STM Alarmes Monitorados, a Inventsys já instalou o Bairro Seguro na Vila Assunção. ?A tecnologia da Inventsys em sintonia com nosso trabalho de resposta acaba criando um produto altamente diferenciado, que foi implantado de forma inédita em Porto Alegre e está tendo uma aceitação incrível por parte dos moradores?, afirma Pedro Mainardi, proprietário da STM Alarmes, cliente do Bairro Seguro. Os próximos bairros a receberem a novidade serão a Vila Conceição, Sétimo Céu e o Jardim Isabel.

                      A Inventsys é uma das startups que receberam investimento da aceleradora WOW, uma das primeiras aceleradoras de startups da região sul do Brasil e que conta com o apoio de mais de 90 investidores que proporcionam para as startups aceleradas um amplo network e experiência em diversos setores da economia.

                      Mais informações no site www.bairroseguro.com

                      Sobre a Inventsys

                      A Inventsys é uma startup de Porto Alegre criada em 2013, referência no mercado de gestão de ativos e de cidades inteligentes. É uma empresa 100% brasileira, que nasceu da fusão entre tecnologia e design, caracterizando-se como uma clara representante da chamada Economia Criativa. Os produtos buscam preencher uma lacuna de mercado, oferecendo excelente Usabilidade e Robustez em segmentos tradicionais, normalmente atendidos por sistemas excessivamente complexos, ou que não apresentam soluções tecnológicas para substituição aos processos tradicionais, manuais e burocráticos.

                      Sobre a Wow

                      Fundada em 2013, a WOW, uma das primeiras aceleradoras de startups do Brasil, se destaca por contar com a experiência de um numeroso e qualificado grupo de investidores, além de ser a primeira a ter uma separação institucional entre as funções de aceleração e de investimento, proporcionando mais transparência e segurança nas transações. Foi idealizada por empreendedores de sucesso. São eles: Bruno Peroni, sócio da Semente Negócios, membro da Global Shaper e cofundador da Net Impact Porto Alegre; Cássio Bobsin Machado, cofundador da Zenvia e do MobiGroup, membro do conselho do PaySmart, Mobo e MagTab; André Ghignatti, foi cofundador da Plugin/Vanet, da Mercador.com, da MDM Solutions e ex-CEO da Neogrid; Jaime Wagner, fundador e diretor da PowerSelf, ex-presidente da Plug In e anjo investidor do Vakinha.com.br. Mais informações: www.wow.ac.


                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Delphos incentiva formação universitária de colaboradores

                      Programa de bolsa de estudos em vigor desde 1992 foi responsável pela formação de 30%…

                      Há 25 anos a Delphos oferece a Bolsa Universitária aos seus parceiros internos. Nesse mês, a empresa abriu as inscrições para o segundo semestre. O programa contribui para a formação dos referidos parceiros na carreira universitária que desejam fazer, independentemente da área de atuação na empresa. O único critério para concessão é que o profissional já tenha cursado pelo menos um período do curso, já que a bolsa é calculada de acordo com a média das notas do aluno. O benefício pode chegar a 90% do valor da mensalidade do curso escolhido.

                      O incentivo remonta ao passado de um dos fundadores da empresa, Jayme da Silva Menezes. ?Em uma infância de poucos recursos, foi graças a bolsas de estudos que ele pôde concluir sua formação de nível ginasial em um dos melhores colégios do Brasil, ensino que o preparou para o científico e para a faculdade de Ciências Atuariais na UFRJ?, conta seu filho e atual presidente da Delphos, Eduardo Menezes.

                      ?Como reconhecia que devia seu sucesso a uma bolsa de estudos, Jayme passou a patrocinar os estudos de pessoas que procurassem sua ajuda, até que decidiu implementar o programa na empresa?, relata. Eduardo considera a iniciativa fundamental para a história de sucesso da Delphos. ?Além de ajudar as pessoas, possibilitou o crescimento da empresa?, diz, contando que 13 coordenadores e gerentes da Delphos foram bolsistas, e que 30% dos líderes do atual quadro de funcionários tiveram a oportunidade de se formar por conta do programa.

                      A diretora da área comercial e marketing da Delphos, Elisabete Prado, registra outros pontos de destaque desta prática da empresa: "Os parceiros internos se sentem mais prestigiados e seguros, pois entendem que a empresa faz um investimento significativo e um aporte relevante de conhecimento em suas carreiras profissionais. Desta forma também alcançam postos gerenciais e de liderança, e tornam-se fundamentais para o desenvolvimento da empresa", afirma a diretora.

                      Sobre a Delphos | Com 50 anos de atuação, a Delphos foi a primeira empresa de serviços criada para atender especificamente ao mercado segurador brasileiro. A companhia está capacitada para prestar serviços em qualquer atividade relacionada aos diversos ramos de seguros, desde a análise preliminar dos riscos até a regulação do sinistro, com destaque para a tecnologia da informação.


                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Ação exclusiva da Unimed Curitiba derruba site da Gazeta do Povo

                      Está no ar a mais nova campanha dos planos de pessoa jurídica da Unimed Curitiba.…

                      Peças bem humoradas demonstram que empresas que optam por planos de saúde ?mais ou menos?, deixam os colaboradores preocupados, o que atrapalha a produção. Inovador, o banner interage com o conteúdo do jornal e chama a atenção do usuário para o prejuízo que estar preocupado com o plano de saúde traz para a produtividade do colaborador.

                      ------------------------------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Treinamentos Vão Dar Dicas Para Empresas Com Alto Índice De Inadimplência

                      Por causa da crise, muitas empresas têm perdido a capacidade de honrar seus compromissos. Para…

                      A prolongada crise econômica que o país atravessa está minando os esforços feitos pelas empresas, principalmente as de médio e pequeno porte, para reduzir o endividamento. Para ter ideia, um levantamento realizado pelo Centro de Estudos do Instituto Ibmec (Cemec), aponta que no terceiro trimestre de 2016, quase 49% das empresas não conseguiram gerar caixa suficiente para cobrir as despesas financeiras. ?Estamos chegando à metade do ano de 2017 e os desafios para a recuperação da economia do Brasil ainda são grandes. Percebemos que as empresas hoje têm como prioridades: equacionar dívidas e evitar uma recuperação judicial ou falência?, afirma o diretor executivo da ADAG, Cleber Moura.

                      Diante deste cenário, saber agir em situações de crises econômicas e mercadológicas é um diferencial. E para contribuir com o desenvolvimento destas habilidades dentro das empresas, a Associação dos Distribuidores e Atacadistas de Goiás (ADAG) vai realizar dois treinamentos com o consultor e professor universitário Mario Morishita, em Goiânia. Com mais de 30 anos de experiência no mercado financeiro, e mais de 23 anos na área acadêmica, o professor vai tratar sobre assuntos relacionados ao cenário econômico atual do Brasil e Internacional, além dos impactos da crise e perspectivas futuras para a economia.

                      No dia 4 de julho (terça-feira) o tema será Formação, Aperfeiçoamento e Reciclagem de Crédito em Momento de Crise; já no dia 5 de julho (quarta-feira) será sobre Cobrança e Recuperação de Dívidas - Técnicas, Procedimentos e Estratégias. Cada um dos treinamentos terá 8 horas de duração. A programação é uma parceria com a empresa Serasa Experian. São dirigidos a empreendedores, gestores e profissionais das áreas financeira, controladoria, auditoria, e demais interessados em aprimorar conhecimentos sobre esta delicada e importante função nas empresas.

                      ?A diretoria da ADAG percebe que muitas empresas continuam operando com níveis elevados de endividamento e têm dificuldades para retomar o fôlego. A realização destes treinamentos é uma forma que a associação tem para contribuir com a mudança desta realidade?, explica Cleber Moura, diretor executivo da ADAG. Atualmente, a entidade tem quase 100 empresas associadas do setor Atacadista e Distribuidor no Estado, o que representa a geração de milhares de empregos em Goiás. Para o diretor, somente com a retomada do crescimento das empresas será possível reduzir os alarmantes índices de desemprego no país.

                      SERVIÇO:

                      Treinamentos:

                      Dia 4 de Julho (terça-feira): Formação, Aperfeiçoamento e Reciclagem de Crédito em Momento de Crise

                      Dia 5 de Julho (quarta-feira): Cobrança e Recuperação de Dívidas - Técnicas, Procedimentos e Estratégias

                      Horário dos treinamentos: 8h às 18h

                      Local dos treinamentos: K Hotel (Av. Dep. Jamel Cecílio, n.2550, Jd Goiás, Goiânia-GO)

                      Inscrições e informações: (62) 3251-5660 ou www.adag.org.br

                       


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Evento corporativo: veja alguns itens importantes para a organização

                      Saiba como traçar um orçamento e alocar os seus recursos para realizar um evento de…

                      ?Grande parte do sucesso de um evento corporativo depende de sua divulgação. Os materiais gráficos são fundamentais nesse processo e devem ser planejados com cuidado - Marcelo EskenaziLocal: São Paulo - SP

                      Independentemente do foco de uma empresa e de seu porte, boas ações de marketing e de relacionamento sempre colocam eventos corporativos em pauta. Isso porque essas reuniões são excelentes formas de divulgar um serviço, um produto e até mesmo o nome de sua marca. No entanto, planejar um evento corporativo requer alguns detalhes importantes, é sempre preciso ter o máximo de cautela na hora de traçar seus planos, delimitar seu orçamento e suas possibilidades, fazer a divulgação adequada e colocar tudo isso em prática.

                      ?Grande parte do sucesso de um evento corporativo depende de sua divulgação. Os materiais gráficos são fundamentais nesse processo e devem ser planejados com cuidado?, afirma Marcelo Eskenazi, sócio da Gráfica Eskenazi , que oferece serviços gráficos de forma online para seus clientes. ?A perspectiva gráfica é fundamental para a repercussão do evento. Desde a construção de uma identidade visual até a criação das peças impressas, tudo reflete uma boa ideia de como o evento está estruturado e demonstra todo o cuidado e preparo que ele leva consigo?, reitera Eskenazi.

                      Ainda que, ultimamente, as mídias online tenham se tornado uma importante ferramenta de divulgação, não se pode deixar com elas todo o encargo da publicidade. Até porque existem materiais que são imprescindíveis a certos eventos e não incluí-los no planejamento pode ser um equívoco prejudicial, como cartões de visita por exemplo.

                      Para facilitar esse processo de planejamento de evento corporativo, confira as dicas abaixo e fique a par de tudo o que é fundamental para realizar um evento de sucesso:

                      Estabeleça um orçamento

                      A primeira coisa que você precisa ter em mente é o orçamento disponível, pois é somente com base nisso que é possível começar a estabelecer o que será ou não possível fazer. Para que esse orçamento nunca seja extrapolado, a dica é firmar dois orçamentos: o ideal e o máximo.

                      O ideal representa o custo total que o evento deve ter, enquanto o máximo é o teto real do seu orçamento ? ou seja, se algo fugir do previsto, você não estará entrando no vermelho e sim usando a reserva de dinheiro que você mesmo criou. Dessa forma, você trabalha com dois cenários: um evento bem organizado e com uma sobra de capital investido e um evento de gastos limítrofes. Ambos são positivos e cumprem bem o que a empresa precisa.

                      Otimize seu investimento

                      Não adianta ter um bom orçamento e alocar o capital de forma inadequada. A melhor maneira de fazer o investimento render é otimizá-lo ao máximo. No caso da divulgação, o ideal é aproveitar ao máximo o conteúdo criado e utilizá-lo de diferentes formas.

                      Artes criadas para um flyer horizontal, por exemplo, são facilmente adaptáveis para fotos de capa em redes sociais. Uma vez criada a identidade visual, a adaptação é simples. ?Como a gráfica atende de forma online, o processo é bastante simples. Com as artes em mãos, podemos customizar o tamanho, inserir textos e outras medidas?, explica Eskenazi.

                      Se a empresa não puder arcar com os custos de criação, isso não é um problema. Uma outra ideia que tem sido bastante usada é a da Gráfica Online . A Gráfica Eskenazi tem modelos prontos para ser customizados, que podem ser usados por qualquer cliente. Se você não tiver artes prontas, é só usar as que a empresa oferece sem custo algum e ter um material visualmente agradável em seu evento.

                      Crie formas de obter feedback

                      Para saber se o seu evento realmente cumpriu seus objetivos, nada melhor que obter um feedback dos presentes, não é mesmo? Não espere que eles o façam de livre e espontânea vontade. Ofereça cartões com pesquisas de satisfação logo na entrada e oriente a todos a devolvê-los ao fim do evento.

                      Uma boa maneira de estimular esse tipo de participação é reduzir as perguntas, tornar o máximo delas objetiva (com alternativas para escolha) e até mesmo oferecer algum incentivo, como sorteios para os que oferecerem as respostas. Até mesmo itens simples, como agendas, canetas e kits promocionais já podem ser usados para esse tipo de ação.

                      A Gráfica Eskenazi trabalha com impressão offset de tiragens médias, grandes e pequenas. A empresa está há 50 anos no segmento. Uma das vantagens é o frete gratuito para todo o Brasil, além do preço camarada. Precisa de ajuda? Os consultores da Eskenazi podem lhe auxiliar por processo de compra através do telefone 0800-772-1818. Acesse a gráfica online e saiba mais: www.LojaGraficaEskenazi.com.br.


                      saiba mais »

                      27/06/2017 - Clube dos Corretores de São Paulo receberá diretoria da Pottencial Seguradora

                      Seguro garantia e fiança locatícia será o tema do encontro do almoço do Clube dos…

                      Executivos da companhia devem falar do sistema, das vantagens para locatários e imobiliárias, além é claro, das vantagens para o Corretor de Seguros em trabalhar com esse produto.

                      Destaque entre as seguradoras que operam no ramo garantia, a Pottencial Seguradora iniciou suas operações em 2010. Em 2016, liderou o mercado no segmento de seguro garantia, durante o primeiro quadrimestre, fechando o ano com a segunda posição e market share de 14%. Na avaliação de rating do mercado, manteve no último ano a nota A-. A Pottencial tem sede em Belo Horizonte (MG) e sucursais em São Paulo e no Rio de Janeiro.

                      -------------------------------------------------------------
                      Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                      saiba mais »

                      28/06/2017 - TOKIO MARINE está entre os 100 ?RHs Mais Admirados do Brasil?

                      Juliana Zan - Gerente de Recursos Humanos da Tokio Marine
                      Companhia é destaque por suas práticas internas em pesquisa realizada com mais de 43 mil…

                      A Tokio Marine, uma das maiores seguradoras do Brasil, está na lista dos 100 ?RHs Mais Admirados do Brasil? em 2017, em pesquisa promovida pelo Grupo Gestão RH que reconhece a atuação dos profissionais de recursos humanos das principais organizações do País. Avaliada por mais de 43 mil pessoas do mercado entre os meses de abril e junho, a Companhia é destaque por suas práticas de gestão de pessoas e iniciativas que visam melhorar o clima organizacional.

                      ?Estar nesse seleto grupo das 100 melhores empresas na área de Recursos Humanos é um reconhecimento importante por todo trabalho realizado dentro da Companhia. Buscamos sempre implantar ações exclusivas para nossos Colaboradores, que são a base do nosso sucesso junto com nossos Parceiros de Negócios. Entre as iniciativas desenvolvidas estão o Programa BemEstar, que auxilia os times em módulos como Saúde, Finanças, Família, Solidariedade e Cultura, e o Programa de Gestante, que oferece palestras mensais sobre diversos temas referentes à gravidez e benefícios semanais como massagens, drenagem linfática e fisioterapia . Como benefícios adicionais, a Companhia traz também auxílio-creche ou babá, auxílio-medicamento e plano de saúde, entre outros benefícios como horário flexível?, afirma Juliana Zan, Gerente de Recursos Humanos da Tokio Marine e profissional escolhida para representar a Seguradora na premiação.

                      A Gerente de RH, inclusive, integra a lista dos ?Destaque Regionais 2017 - Sudeste?, que premiou os profissionais reconhecidos por sua atuação brilhante na região. ?Estes reconhecimentos, sem dúvida, fazem parte de um trabalho estratégico, focado e árduo e é uma honra saber que nossas iniciativas e a missão da companhia são admiradas pelo mercado?, completa.

                      Além disso, durante a premiação, Masaaki Itakura, Diretor Executivo de Estratégia Corporativa da Tokio Marine, foi um dos profissionais mencionados como destaque no evento. Em 2016, ele foi um dos candidatos na categoria ?RH do ano Brasil? e figura na lista dos executivos mais votados da história da pesquisa, que é realizada há 12 anos.

                      Sobre a Tokio Marine Seguradora:

                      A Tokio Marine Seguradora S.A. é uma das maiores companhias de seguros do Brasil e do mundo. É subsidiária da Tokio Marine Holdings, o mais antigo conglomerado securitário japonês. Fundada em 1879, possui operações em 38 países e tem sua matriz mundial localizada em Tóquio, no Japão. No Brasil desde 1959, a Tokio Marine coloca à disposição do mercado nacional um amplo leque de soluções para Clientes Pessoa Física e Jurídica, por meio de uma estrutura com 72 unidades de negócios, com sucursais e escritórios em todo o País. O portfólio contempla Produtos Massificados, entre os quais seguros Automóvel, Frotas, Residencial, Pessoas, Condomínio e Equipamentos Portáteis (notebooks, aparelhos celulares, tablets, câmeras fotográficas digitais e filmadoras); e Produtos Corporativos, que inclui seguros para Pequenas, Médias e Grandes Empresas, D&O, Riscos Rurais, Habitacional, Transportes,  Empresarial, Riscos de Engenharia, Riscos Nomeados e Operacionais, Riscos de Petróleo, Garantia, Responsabilidade Civil, Obras de Arte, Eventos, Equipamentos de uso empresarial e industrial, Náutico e Aeronáutico (inclusive R.E.T.A). Em 2016, foi eleita na 8ª posição como uma das Melhores Empresas para Trabalhar, de acordo com pesquisa conduzida pelo Great Place to Work® Brasil. Para mais informações, acesse: www.tokiomarine.com.br 

                      • tokio marine


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Evento sobre concessões em infraestrutura discute impactos do novo modelo de seguro garantia

                        Debora Schalch
                        A advogada Debora Schalch analisou as consequências do aumento de responsabilidade das seguradoras decorrentes da…

                        O aumento de responsabilidade das seguradoras que operam no seguro garantia será apenas uma das consequências da aprovação do Projeto de Lei 6814/2017, que tramita, atualmente, na Câmara dos Deputados. De acordo com a sócia do escritório Schalch Sociedade de Advogados, Debora Schalch, as mudanças previstas na proposta legislativa, caso aprovadas, também trarão impactos ao preço do seguro, com a elevação do valor prêmio, além de maior rigor na subscrição de riscos e na exigência de contragarantias de tomadores de obras públicas. Tudo isso porque o projeto transfere às seguradoras as obrigações de fiscalizar, auditar e concluir as obras paradas.

                        ?Significa que a seguradora se investirá das funções de ?dona? da obra, como se fosse a empreiteira principal, com todas as prerrogativas e também com todos os ônus e riscos?, disse a advogada durante sua participação no evento ?Novas tendências em concessões de infraestrutura?, promovido pela Câmara de Comércio Suíço-Brasileira, no dia 21 de junho, em São Paulo. Ela explicou que o projeto de lei, que nasceu e foi discutido por quatro anos no âmbito do Senado Federal, teve como justificativa os problemas que a administração pública enfrenta nas obras de infraestrutura no país, como atraso, abandono e a insuficiência do percentual de garantia para cobrir as multas aplicadas por inadimplência contratual.


                        Salão do evento.

                        Em sua origem, as alterações no seguro garantia, propostas pelo projeto de lei, foram inspiradas no modelo norte-americano, o Miller Act, que surgiu nos idos de 1894 com o propósito idêntico de resolver o problema das obras públicas paradas. Hoje, mais de cem anos depois, as segurados dos Estados Unidos trabalham com garantias que podem variar de 50% a 100% do valor do contrato. No Brasil, o PL 6814/2017 elevou o percentual de garantia do seguro para 30% do valor do contrato, no caso de obras de grande vulto, e incluiu a cláusula de retomada. Na prática significa que diante de um sinistro, a seguradora irá se sub-rogar nos direitos e obrigações do contratado, firmar contrato como interveniente-anuente com a administração pública e, então, passar a ter acesso às instalações da obra.

                        Obras paradas 

                        Debora Schalch explica que nessa condição de step-in, a seguradora fiscalizará os serviços e materiais empregados, realizará a auditoria técnica e contábil, poderá requerer esclarecimentos ao responsável técnico e, ainda, emitir a nota de empenho em seu nome e subcontratar empresas para concluir a obra. O projeto também prevê a aplicação de multa no valor integral da garantia para a seguradora que não concluir a obra. ?Não me parece razoável, porque a multa deve ser proporcional ao quanto executado pela seguradora, observando-se assim princípios de proporcionalidade e razoabilidade que devem orientar as decisões da administração pública?, disse.

                        A obrigação de concluir a obra preocupa as seguradoras do setor diante do cenário atual de obras paradas ? estimadas em mais de 5 mil por todo país. Debora Schalch elencou alguns empreendimentos que no momento estão atrasados ou paralisados. Caso da refinaria Premium, no Maranhão, um dos projetos mais caros do PAC, orçado em R$ 41 bilhões, e que foi cancelado depois do investimento de R$ 1,82 bilhão. Outra é o projeto de saneamento do Recife (PE), que recebeu R$ 1 bilhão de investimento do governo e R$ 1,5 bilhão do setor privado. Também está na lista a usina Angra 3, parada por causa de implicações da Lava-Jato, mas que já recebeu R$ 5,9 bilhões de investimentos. ?O Brasil é um grande canteiro de obras paradas?, disse.

                        No novo modelo de seguro garantia, a contragarantia, instrumento que garante o direito de a seguradora recuperar a indenização paga ao segurado em caso de sinistro, ganhará mais importância. De acordo com a advogada, atualmente, as contragarantias são bastante frágeis. ?Algumas seguradoras não tomam o cuidado de exigir garantias mais sólidas e com maior liquidez. Mas, se tiver de pagar a indenização ou empenhar valores diretamente nas obras, como irá se ressarcir??. Por outro lado, ela observa que o aumento do nível de exigência em relação à contragarantia dificultará a participação de empresas de pequeno e médio porte nas licitações.

                        Subscrição e gestão de riscos

                        Outra consequência das mudanças no seguro será o maior rigor na subscrição e gestão do risco, que não se restringirá mais apenas à análise da capacidade financeira do tomador e ao acompanhamento formal do risco. Hoje, segundo Debora Schalch, algumas seguradoras se limitam, por exemplo, a acompanhar o risco por meio de relatórios de avanço físico da obra. Em sua avaliação, para operar o novo modelo do seguro, as seguradoras terão de acompanhar os riscos de forma mais sistemática, vistoriar a obra e, possivelmente, até contratar uma empresa de gestão de obra. ?Acredito que para operar nesse novo modelo as seguradoras terão de se preparar operacionalmente para adotar novos parâmetros e práticas para a subscrição e gestão do risco?, disse.

                        O advogado e economista Raul Pinheiro Donegá, que no evento abordou o tema ?Financiamento e garantias para infraestrutura?, acredita que o novo modelo de seguro garantia deverá mudar a relação entre seguradoras e bancos. ?Hoje, ambos são concorrentes. Mas, logo mais, terão de trabalhar no step-in em conjunto, com o compartilhamento de garantias, algo que ainda não é regulamentado?. Segundo ele, esse compartilhamento é uma das tendências na área de infraestrutura, que também prevê o contrato tripartite entre o agente financeiro, os acionistas e o Estado. ?Trata-se de inovação no setor, já que tal mecanismo busca dar maior legitimidade junto ao Estado em relação às garantias dos projetos?, explica.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Minuto Seguros Inaugura Nova Sede

                        Minuto Seguros Inaugura Nova Sede
                        Crescimento da empresa tornou viável a ideia de um prédio próprio, localizado no Centro de…

                        A Minuto Seguros, uma das principais corretoras do país e líder no segmento de seguros online, está de casa nova. O crescimento nos negócios e também no número de colaboradores propiciou a empresa a mudar de sede e instalar-se no Centro de São Paulo. O novo prédio já abriga os mais de 400 funcionários, mas tem capacidade para receber até 800 no futuro, com a expansão da empresa. A sede anterior da companhia estava localizada em Pinheiros desde 2010 (ano de fundação da Minuto Seguros).

                        Com cinco andares, cobertura ao ar livre e diversas salas de treinamento para capacitação profissional, a nova casa da Minuto possui 20 salas para reuniões, todas nomeadas por Estados brasileiros, refletindo a abrangência da corretora em território nacional. Esse conceito de brasilidade também atinge os andares do prédio. Os locais têm nomes de regiões do Brasil: desde o térreo (Sul) até o último andar da Minuto (Norte). A principal novidade fica por conta da sala de convivência que proporciona conforto e descontração aos colaboradores com mesas e sofás ?descolados?, jogos, videogame, máquinas de café e outras regalias.

                        ?Na contramão da crise, nós estamos crescendo em termos de negócios e isso reflete também em nossa estrutura física. A região central da capital paulista vive um momento de revitalização e isso foi preponderante para decidirmos nos instalar aqui. De alguma forma, estamos contribuindo com esse desenvolvimento, por poder oferecer ao local uma empresa jovem, com a pegada de uma startup, sempre calcada em tecnologia e inovação. Esse espírito faz parte da nossa história e é uma ideologia bacana que o Centro está precisando nesse momento de renovação?, diz Marcelo Blay, CEO da Minuto Seguros.

                        A ambientação da nova sede tem como conceito norteador o ?tsuru?, ave sagrada do Japão que inspirou a criação do origami e é símbolo da Minuto Seguros desde sua fundação. Um kit contendo um mini-mapa da região, camiseta, caneca e um caderno foi entregue para cada funcionário. Este guia mostra a localização de restaurantes, bancos, academias, farmácias, salões de beleza e outras variedades de serviço.

                        ?O novo prédio veio para ampliar nossa estrutura e seu ambiente reflete a cultura da empresa. Mais do que buscar expansão, procuramos proporcionar mais conforto e inspiração para os nossos colaboradores. Nós acreditamos que isso estimula pessoas a se desenvolverem mais?, finaliza Marcelo Blay.

                        Confira abaixo as imagens do novo escritório da Minuto Seguros:

                        (Créditos: Divulgação)

                        [+] SOBRE A minuto seguros

                        A Minuto Seguros é uma corretora de seguros que possui um site de interface simples, com navegação segura e rápida, além de uma organizada estrutura de equipe de atendimento com consultores especializados e preparados para oferecer suporte por telefone, e-mail ou chat. Com a Minuto Seguros, você experimenta a verdadeira união da praticidade virtual com o comprometimento e o respeito do atendimento real. Essa combinação oferece aos clientes uma experiência completa, visando contemplar exatamente aquilo que cada um está buscando. São mais de 15 seguradoras disponíveis, incluindo os principais players do mercado. Além do Seguro Auto oferecido no site, destacam-se também o Seguro Residencial, o Seguro Viagem, o Seguro para Eletrônicos, o Seguro para Pequenas e Médias Empresas e outras soluções para empresas.

                        Acesse: www.minutoseguros.com.br.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - A importância do controle de custos e glosas na sua operadora de saúde

                        A importância do controle de custos e glosas na sua operadora de saúde
                        O crescente aumento das despesas assistenciais, as regulamentações da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar),…

                        Considerando a complexidade do setor, a gestão de dados da saúde com informações organizadas e integradas para permitir o acompanhamento das movimentações que chegam à operadora é crucial para evitar problemas como a repetição de procedimentos clínicos, por exemplo. Para isso, as operadoras devem contar com tecnologia em saúde para fazer uma melhor administração das autorizações de procedimentos, evitando assim glosas às instituições de saúde e desgastes nessa relação.

                        Um exemplo de situação que pode resultar na negativa de pagamento é a questão da cobertura para internações, por exemplo. Não é rara a internação de pacientes por meio dos serviços de emergência, que muitas vezes são beneficiários de planos ambulatoriais sem cobertura de internação ou restrição de estabelecimento.

                        Outras situações que impactam diretamente nos custos da operadora de saúde são relacionadas ao volume de distorções vindas das instituições, tais como colocação de órteses e próteses, receituário de medicamentos, utilização de equipamentos, indicações equivocadas de serviços de diagnóstico e tratamento, internações desnecessárias e tempo excessivo de permanência.

                        A tecnologia em saúde é fundamental para ajudar a controlar esse custo e evitar tais situações, pois moderniza e integra os controles da operadora de saúde, com histórico de saúde dos pacientes, gestão de planos, regras, limites e carências, criando uma operação com mais fluidez, permitindo controle efetivo da estruturas de custos, e ao mesmo tempo, uma relação menos conflituosa com as instituições de saúde, ao dispor dessas informações online.

                        O uso da tecnologia em saúde auxilia as empresas a estruturarem todos os elementos de seu negócio impactando diretamente na diminuição de custos. Para isso, é importante pensar em um modelo de unificação da gestão de dados de saúde, para garantir excelência no atendimento ao cliente e a sustentabilidade para a operadora.

                         


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Atenção, precisamos diminuir a taxa de mortalidade das pequenas empresas no Brasil

                        Atenção, precisamos diminuir a taxa de mortalidade das pequenas empresas no Brasil
                        Por Eugênio Pachelle (*)

                        Atuantes em todos os setores de atividade, as micros, pequenas e médias empresas representam um ?fôlego? extra para a economia nacional. Podemos dizer que significam o sustento de muitas famílias brasileiras, são grande porta de entrada dos jovens no mercado de trabalho e também a alternativa de renda para muitos que já passaram dos 40 anos de idade. Estou enaltecendo essas empresas porque acredito que precisamos dar um suporte estratégico para diminuir a mortalidade das MPEs no país.

                        As micro e pequenas empresas ampliam a sua importância para a atividade econômica, já representando 93% do mercado empresarial do País. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), até setembro do ano passado o número de empresas ativas no Brasil somava 17,5 milhões, sendo 88% micro e pequenas. Especificamente entre 2008 e 2014, o número de Microempreendedor individual (para ser um MEI é necessário faturar até R$ 60 mil por ano ou R$ 5 mil por mês), passou de zero para 4,6 milhões de MEI. Chegando a superar os seis milhões em julho de 2016.

                        Quando falamos de forma geral entre as empresas, a taxa de sobrevivência das 694.500 companhias criadas em 2009 passou de 77% em 2010 para 39% em 2014 ? ou seja, três a cada cinco empresas fecharam as portas após cinco anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As causas para o desaparecimento dessas empresas são diversas: falta de planejamento, deficiência na gestão, falta de políticas públicas, entre outras. Diante deste cenário é que reforço que precisamos dar uma base de apoio para a sobrevivência das empresas, uma verdadeira sustentação de conhecimento para os micros, pequenos e médios empresários criarem estratégias fundamentais para alavancar o negócio, tudo para conseguir atrair mais clientes e tornar relevantes no mercado.

                        Um dos protagonistas dessa transformação é a internet, afinal, é ela que dá o fôlego que muitas vezes separa os que apenas lutam para se manterem vivos no mercado, daqueles que realmente geram resultados. Acredito que existem setes pilares fundamentais para qualquer negócio ter sucesso através do mundo digital: Encontrar; Atrair; Relacionar; Convencer; Vender; Surpreender; e Multiplicar. Esse conceito foi baseado nos ?Seven Summits?, que são os sete pontos mais altos de cada um dos continentes da Terra, e que detalharemos em um evento em novembro, em São Paulo. Vamos trazer uma visão macro, pois o Seven Summit é para toda e qualquer empresa que deseja entender o potencial da internet para aumentar as vendas e desenvolver o seu negócio de maneira sustentável.

                        Empreender não é tarefa fácil, e os pequenos e médios empresários sabem bem disso, pois precisam competir com grandes concorrentes e altos tributos. O caminho até o sucesso é árduo, mas existem oportunidades que precisamos trabalhar para virar negócio. Tomar consciência dos desafios é um passo crucial para vencê-los em busca de mais reconhecimento de mercado, de mais lucratividade e de mais resultado. Vamos nos fortalecer para sobreviver, boa sorte.

                        Por Eugênio Pachelle, CEO da Eduzz, que é realizadora do evento Seven Summit em parceria com a Stage.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - O segredo para tomar as melhores decisões

                        O segredo para tomar as melhores decisões
                        Tomar decisão é, no fundo, algo parecido com saber de onde vem o vento. Alguns…

                        *Por Dr. Martin Portner

                        A vida é uma avenida na direção da realização pessoal. Mas ela inclui o enfrentamento de problemas, com decisões a serem tomadas. Tudo que é preciso é decidir pela melhor opção. Mas como podemos ter certeza que estamos escolhendo a melhor?

                        A parte de você que faz isso é seu cérebro. Alguns dizem que ele toma cerca de 30 decisões por hora; outros, 35 mil por dia. Estatísticas de lado, é provável que você seja obrigado a tomar uma decisão a cada minuto. O que devo comer? Pego o carro ou vou de ônibus? Que e-mail responder primeiro? Isso sem mencionar as decisões chamadas de ?significativas?. Devo casar? Pedir demissão do emprego?

                        Uma descoberta científica surpreendente demonstra que são necessários dois neurônios especializados para a tomada de decisão.

                        Pesquisa publicada na revista Nature Communications demonstra como se dá o processo de decisão em animaizinhos de laboratório do gênero Lymnaea (nome técnico da lesma). Depois que eletrodos foram implantados no cérebro do caramujo, uma folha de alface foi colocada na sua frente. Os cientistas verificaram que o animal pausava por um instante para checar se realmente queria ingerir o alimento. É a hora em que um segundo neurônio entra em cena. O primeiro tem a função de detectar alimento; o segundo, decidir se ele será ingerido naquele momento.

                        Parece simples, mas no centro da descoberta está o fato que o animal com cérebro simples possui dois neurônios para tomar uma decisão.

                        O mesmo princípio é utilizado pelo cérebro humano. A diferença reside nos números. Digamos que você precisa decidir o que comer no jantar. Bifes de contrafilé com abobrinha ou fettucine com camarões? A mesma coisa vai acontecer em relação ao vinho.

                        Centenas de milhares de neurônios disparam no cérebro cognitivo e colocam as possibilidades sobre a mesa. Além disso, esse circuito de neurônios eletrizados recebe contribuições do setor da memória, das áreas de avaliação da fome e do sistema de tintas que dá colorido do prazer.

                        A situação aguarda resolução. O relógio segue ticando. O exército de neurônios que irá executar a decisão é mantido em alerta, esperando pelo sinal inspirador. O surpreendente é que ele chega através de um número pequeno, mas altamente especializado de neurônios.

                        Eles estão em uma área cerebral que recebe informações acerca do andamento em tempo real dos processos internos do organismo. Coração e intestino são os mais visados.

                        Numa outra fase, um estudo colocou empresários bem sucedidos no laboratório de pesquisas. Eles eram tão bons na tomada de decisões que haviam se especializado em selecionar empresas iniciantes no mercado de ações para fazer com que elas alcançassem lucratividade sem precedentes. São chamados de anjos de negócios.

                        A pergunta que os pesquisadores formularam era simples ? como você consegue olhar para o portfólio de empresas com capital na Bolsa de Valores e prever qual delas será bem sucedida? A resposta geralmente seguia a linha do "bem, verifico o portfólio e assim que coloco meus olhos na empresa certa, algo me diz que é ela?. Algo?

                        No laboratório, em uma situação experimental controlada, os anjos decidiam por uma empresa enquanto eram conectados a diversos dispositivos biomédicos como imagens do cérebro, química do sangue e assim por diante.

                        A resposta, intrigante, foi encontrada na energia elétrica que faz pulsar o coração. Em determinado momento, o intervalo entre uma pulsação e a seguinte sofre uma breve mudança, um minúsculo abalo. Mas por menor que seja, os centros cerebrais superiores de alguns indivíduos são capazes de ?dar atenção? a este sinal.

                        Em outras palavras, a lesma e o ser humano funcionam sob a mesma regra. Dada uma situação, ela é primeiro considerada. Um sistema de decisão será posto em ação. Em breve, surge uma decisão. Milhões de neurônios definem a cena e alguns poucos, o caminho a seguir.

                        Todos nós temos acesso ao sistema que arquiva e retoma o conhecimento. Porém, alguns empreendedores, colaboradores, artesãos, comunicadores ou pessoas que se encarregam de seus ofícios têm um maior ou menor acesso ao sistema que define a decisão. Tomar decisão é, no fundo, algo parecido com saber de onde vem o vento. Alguns fazem cálculos complexos; outros olham para um galho de árvore e já sabem o que fazer.

                        *Dr. Martin Portner é Médico Neurologista , Mestre em Neurociência pela Universidade de Oxford e especialista em Mindfulness. Há mais de 30 anos divide suas habilidades entre atendimentos clínicos e palestras, treinamentos e workshops sobre sabedoria, criatividade e mindfulness. www.martinportner.com.br


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - A Era do Cliente é o momento para TI 'crescer' com transformação digital

                        A Era do Cliente é o momento para TI 'crescer' com transformação digital
                        De Mauricio Prado, presidente da Salesforce Brasil

                        Na Era do Cliente a fonte de diferencial competitivo das empresas é oferecer uma experiência superior aos consumidores. Este é um desafio e uma oportunidade para as empresas, em especial as de grande porte. Neste cenário, as áreas de TI têm uma grande oportunidade para se posicionarem como agentes de inovação para o negócio.

                        Veja só: esta é uma época em que quem compra um produto ou serviço ? tanto o consumidor final quanto o corporativo ? conquistou grande poder de negociação, na esteira da tecnologia da informação. Se nunca foi tão fácil trocar uma marca por outra, como assegurar um bom relacionamento com o cliente para fidelizá-lo? E como fazer isso em corporações, com uma maior complexidade interna e externa, com dezenas de milhares de clientes em diversos pontos do país e do mundo e um exército de funcionários, parceiros e fornecedores?

                        Transformação digital é uma resposta na ponta da língua, que empodera o cliente a partir da tecnologia da informação. Contudo, antes de começar os planos das áreas de negócios, definir parceiros ou bater na porta do pessoal de TI para ajudar sua companhia com tudo isso, deve-se assegurar que essa mudança de modelo traga benefícios de curto, médio e longo prazos, e não em um futuro a perder de vista. Mundialmente, o Salesforce State of IT 2017 aponta que 76% dos líderes de tecnologia da informação de empresas de todos os tamanhos dizem que a velocidade para entregar um projeto ou aplicação é um indicador de desempenho crítico ou muito importante, mas apenas 47% se dizem aptos de entregar um aplicativo em menos de um mês. Um prazo de anos de adoção tecnológica não resolverá esta demanda de negócio que bate à porta hoje.

                        Companhias de grande porte (e de sucesso) devem manter o cliente no foco dos negócios, enquanto a tecnologia da informação cumpre seu papel de parceira estratégica para apoiar todos os pontos de contato com o cliente, leia-se: vendas, atendimento, marketing e comércio eletrônico. A área de TI deve assumir um papel protagonista na transformação digital para que, segundo o estudo de Salesforce, alcance o próximo nível que ela mesma procura: 71% dos líderes de TI desejam que a área migre de um centro de custo que provê tecnologia para um articulador que provê serviços de valor nos próximos 12 a 18 meses.

                        Essa meta da área de TI e um alinhamento das operações à Era do Cliente passam pela nuvem, para uma simplificação agressiva dos processos de negócios. Afinal, é mais fácil inovar quando o legado é leve e a nuvem é a abordagem natural para obter mais eficiência e insights de negócios.

                        E que desafios de negócios as empresas superam hoje com a nuvem? Elas planejam e executam rotas de atendimento ao cliente mais otimizadas, focando na satisfação e resolução de problemas, identificando oportunidades de vendas; marketing obtém uma visão transparente dos resultados de suas campanhas e automatiza a exposição da marca nas redes sociais; e a área de vendas visualiza de forma integrada a marketing e atendimento o real estado do cliente, insumos que apontam se ele está propenso a ampliar, manter, minimizar ou romper seu relacionamento com a marca. Boa parte dessas empresas utiliza plataformas de aprendizagem remota (e gratuita) de seus fornecedores para capacitar suas equipes a tirar o máximo da nuvem para focar em seus clientes.

                        Para todos esses pontos ? vendas, atendimento, marketing e comércio eletrônico ?, a inteligência artificial servirá como uma assistente, sugerindo passos com base em uma massa de dados e histórico de relacionamento com os clientes. Neste cenário, ao analisar as dezenas ou centenas de boas avaliação dos clientes após um atendimento, o sistema poderá apontar ao profissional que o procedimento "X" é o que resolveu o problema de 85% dos clientes que relataram a mesma questão. Pense na satisfação dos clientes e no ganho de produtividade dos funcionários e parceiros.

                        Os percalços para as empresas de grande porte não param de surgir. Vão de cenários econômicos conturbados à saudável concorrência das startups, que promovem uma verdadeira disrupção do mercado. A TI pode 'crescer' neste momento ao responder aos negócios de forma ágil nas grandes empresas, pegando uma carona na nuvem. É a chance de empresas e executivos de TI trilharem um caminho bem menos tempestuoso.

                        Sobre a Salesforce

                        A Salesforce (NYSE: CRM), líder global em CRM, possibilita às empresas se conectarem aos seus clientes de uma forma completamente inovadora. Para mais informações ligue 0800-891-1887 ou visite http://www.salesforce.com/br.

                        Quaisquer serviços ou recursos ainda não lançados que tenham sido mencionados neste ou em outros comunicados de imprensa ou declarações públicas podem não estar disponíveis no momento ou até mesmo não ser entregues. Os clientes que adquirirem aplicativos Salesforce devem tomar suas decisões de compra com base em características que estão atualmente disponíveis. A Salesforce possui sede em São Francisco e escritórios em todo o mundo, com ações na Bolsa de Valores de Nova York com código de negociação ?CRM?.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Corretor de seguros é desafiado a ter um olhar diferente para o futuro

                        Corretor de seguros é desafiado a ter um olhar diferente para o futuro
                        Viver mudanças, entender a transição e ser disruptível. Esse foi o mote do evento ?Oficinas…

                        Durante a cerimônia de abertura, Robert Bittar, presidente da Escola Nacional de Seguros, disse que é de suma importância trazer o tema empreendedorismo para os profissionais do mercado de seguros. ?Nós corretores de seguros somos empreendedores natos, mas isso requer qualificação constante, um olhar diário para o futuro, interação, planejamento e, acima de tudo, a determinação de atingir o próximo objetivo. Então nada mais oportuno do que um evento como esse, com um tema tão relevante que de alguma forma é o que todos nós da Escola fazemos, que é estimular o empreendedorismo no setor. O Brasil precisa demais das ações empreendedoras, qualquer país tem um estímulo para o empreendedorismo, coisa que nós não tivemos até agora e os corretores empreenderam por esforço e recursos próprios e são vencedores e prósperos a partir disso?, comenta.

                        Para o presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo, o empreendedorismo é a bandeira principal da entidade. ?Entendemos que a melhor orientação é o exemplo. Para fazer o corretor de seguros empreender e se profissionalizar, e ainda estarmos coerentes em nossos discursos e ações, mostramos em nossa entidade que é possível ter atitudes empreendedoras e criativas, mesmo em tempos de crise ou de redução de investimentos?, disse o presidente do Sincor-SP.

                        Ele enfatiza que todos os líderes do mercado de seguros, antes de mais nada, são corretores de seguros e, por isso, representam muito bem os interesses da classe. ?Tudo isso resulta em ações e participação em tudo o que afeta o setor. Todos nós, líderes, somos corretores de seguros, por isso, não duvidem dessa consolidação de liderança, vocês estão muito bem representados. Assim como foi na audiência pública que tivemos recentemente em Brasília, questionando uma plataforma digital e sua maneira predatória de conduzir?, enfatizou.

                        Disrupção com respeito ao mercado

                        Sobre o mote do evento, Mudança ? Transição ? Disrupção, Alexandre Camillo disse que ?disrupção é um apelo que traz quebra de paradigmas, mas jamais aceitaremos o desrespeito ao profissional e ao ambiente promissor e fértil construído por todos nós, especialmente os que afrontam a nossa categoria e que expõe a todos nós e aos consumidores?.

                        E com esse intuito que, logo na abertura do evento, ele lançou uma campanha chamada ?Fale bem, fale seguro?, uma convocação para que os profissionais do mercado falem bem se si mesmos e do meio onde atuam. ?Nós só falamos mal de nós mesmos e até dos clientes que nos sustentam, vamos inverter esse jogo, fale bem da gente. Hoje eu convoco todos vocês a darem as mãos ao Sincor-SP e à Fenacor, vamos falar bem da gente, de nós, da cadeia e do cliente?.

                        Camillo enfatizou que é preciso viver essa disrupção, deixar o retrovisor abandonado e não olhar para ele em hipótese alguma, ilustrou. ?Deixar de olhar para trás é difícil, mas nesse momento é necessário, pois há uma mudança agressiva, não há como nos defendermos disso, senão, nos adaptando a esse momento e promovendo, antes de mais nada, à disrupção em nós, nos nossos conceitos, posturas, atitudes individuais, somente assim conseguiremos sobreviver ao momento de mudança, transição e disrupção?.

                        E Armando Vergílio, presidente da Fenacor, completa dizendo que, mesmo nesse momento de transição e disrupção, principalmente com o uso da tecnologia, o setor de seguros tem que ser operado respeitando um conjunto de regras, com pessoas preparadas. ?Somos favoráveis a tecnologia, mas não devemos concordar se vem sem respeitar as regras. A verdadeira maneira de combater a atuação marginal no mercado é ter um seguro viável, sim, temos o seguro popular, mas vejo um baixo interesse das seguradoras em atuar?, e ainda completa: ?esta é uma ferramenta poderosa para combater esse mercado ilegal. Existem ajustes necessários para que seguradoras possam se interessar, para que nos traga esse instrumento de inclusão e principalmente como forma de combate ao mercado marginal?.

                        Joaquim Mendanha, superintendente da Susep, também discursou na abertura do evento, ressaltando, entre outras coisas, a atuação da Superintendência no mercado de seguros e a questão das cooperativas. ?A agenda está aberta para discutirmos isso, pois desde que eu assumi, tenho buscado aproximação com todos os órgãos para que possamos fazer as ações necessárias para o mercado. Mais que agenda aberta, já quero convocar a Fenacor para participar do grupo de trabalho sobre as cooperativas. Para se ter uma ideia, desde que eu cheguei, mais de 140 processos já foram enviados ao ministério público. A Susep fará a parte dela com o grupo de trabalho sobre as ações do mercado marginal, com discussão clara e transparente para que evoluamos nesse assunto?.

                        Além de Joaquim Mendanha, Armando Vergílio, Robert Bittar, esteve presente na cerimônia de abertura o prefeito de Mogi das Cruzes, Marcus Melo, além da diretoria executiva do Sincor-SP e do diretor regional de Mogi das Cruzes, Fábio Ferreira Mattos.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Quem é o Consumidor 3.0 ? e como o varejo físico pode retê-lo com web-analytics

                        Quem é o Consumidor 3.0 ? e como o varejo físico pode retê-lo com web-analytics
                        Com o avanço da tecnologia, um novo perfil de consumidor foi emergindo.

                        Em tempos de consolidação da IoT (Internet das Coisas), ser um dono de um comércio tradicional bem-sucedido é um grande desafio. Hoje, o varejo físico não compete mais com a loja ao lado, mas com toda a Internet. Isso acontece porque mais de 76 milhões de brasileiros já têm acesso à web via smartphone e este pequeno aparelho pode representar o sucesso ou o fracasso de um negócio.

                        Com o avanço da tecnologia, um novo perfil de consumidor foi emergindo como um mero espectador das empresas com quem se relacionava, para um papel ativo e de controle. Se antes ele estava condenado a buscar as soluções e, muitas vezes, não as encontrava com preços acessíveis ou qualidade aceitável, hoje exige ser bem atendido, com eficiência e agilidade. Aliás, esse cliente até está disposto a pagar mais por serviços que contemplem essas características. Este perfil passou a ser chamado como Consumidor 3.0, e é reconhecido por ser bem informado, estar sempre conectado, e prezar pelo conforto em suas experiências de compra.

                        O novo consumidor não sai de casa sem saber todos os detalhes sobre o produto que deseja comprar. Ele tem como hábito pesquisar, comparar preços e consultar outras pessoas por meio das redes sociais. Com isso, o cliente é conduzido para um estágio avançado na sua jornada de compra quando chega a uma loja. Ele já entra em um estabelecimento sabendo que ali irá encontrar uma determinada marca e modelo do produto que deseja, sabendo suas principais características e com uma boa noção de preço.

                        Um levantamento conduzido pelo Google, Ipsos MediaCT e Sterling Brands, revela que 71% das pessoas que utilizam seus smartphones para pesquisa online afirmam que estes dispositivos estão se tornando cada vez mais importantes para a experiência de compra dentro das lojas físicas.

                        O varejo físico, assim como o digital, precisa estar munido de informações que possam lhe auxiliar a entender os momentos do consumidor dentro e no entorno de sua loja, e assim, tomar decisões a fim de retê-los. Uma vez que o comerciante tem esses dados, ele pode personalizar o atendimento ao cliente com interações por meio de um smartphone, ou outro dispositivo móvel e posicionar-se como um expert no produto ou serviço oferecido. As pessoas sentem-se mais confortáveis ao comprar de um especialista, que entenda não apenas da marca vendida, mas de todo o funcionamento daquele tipo de produto.

                        Dispositivos IoT permitem o mapeamento do consumidor

                        Felizmente, as tecnologias voltadas para o setor já permitem emular a prática de web-analytics em estabelecimentos físicos, ou seja, a capacidade do e-commerce de mensurar o comportamento de clientes no ambiente offline. Essas inovações possibilitam que comerciantes obtenham indicadores por meio de dispositivos de multisensores que, instalados em ambientes de venda, ajudam o varejista a entender os momentos do consumidor dentro e no entorno de sua loja, e a tomar decisões.

                        Os milhões de dispositivos IoT em posse dos consumidores permitem ao varejo físico um mapeamento de perfil mais preciso. Por meio de uma rede Wi-Fi ativa, é possível ler o número de identificação (MAC Address) dos smartphones de cada pessoa que entra na loja, que passa a ser vista como um único visitante, independentemente de quantas vezes retornar ao local. Com isso, é realizado um filtro de quem deve ser contabilizado ou não, descontando funcionários e entradas duplicadas. Além disso, esse tipo de identificação permite que o lojista aprimore seu relacionamento com o cliente, uma vez que ele terá acesso a indicadores como a taxa de permanência, frequência, que o permitem otimizar o atendimento.

                        Para o varejista, essas informações são vitais. Para conseguir atender a essa nova geração de consumidores, os lojistas precisam se colocar na posição de comprador e entender sua realidade. O cliente dispõe de várias opções e uma infinidade de informações na palma da mão. Leve isso em conta e crie uma estratégia capaz de concretizar uma experiência de compra agradável e satisfatória.

                        *Walter Sabini Junior é sócio fundador da FX Retail Analytics, empresa que oferece inteligência para o varejo por meio do monitoramento de fluxo.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Melhorar a gestão é o principal desafio da saúde no Brasil; mais dinheiro não resolveria o problema, diz especialista

                        Para estudioso no tema, mais recursos colocados em processos de gestão que precisam ser aperfeiçoados…

                        ?Acredito que o grande desafio é que precisamos melhorar a gestão da saúde. Ela tende a gerar mais desperdícios do que criação de valor, como geralmente ocorre na gestão tradicional de qualquer empresa, em qualquer setorLocal: São Paulo (SP)

                        Especialista em gestão da saúde, o consultor paulistano Flávio Battaglia, de 38 anos, tem uma visão crítica sobre a gestão dos hospitais brasileiros. Para ele, para melhorar a gestão dessas organizações e, assim, conseguir atender melhor os pacientes, não basta gastar mais dinheiro, nem adotar mais tecnologia ou tão pouco implementar mecanismos de controle mais rígidos. Para evoluírem de forma sustentável, os hospitais e clínicas precisam mudar, de forma geral, a maneira como pensam e praticam gestão em saúde, acredita Battaglia. Diretor do Lean Institute Brasil, entidade sem fins lucrativos de São Paulo que há mais de 18 anos dissemina entre as empresas brasileiras o sistema lean ? filosofia de gestão inspirada no modelo Toyota ?, Battaglia defende a adoção, na área da saúde, desse modelo de gestão que nasceu no setor automotivo, mas que hoje se disseminou em empresas de todos os setores da economia. Tal crença vem dos resultados positivos que o consultor diz testemunhar cotidianamente ao atuar em grandes hospitais e clínicas na adoção desse sistema de gestão. Na entrevista a seguir, Battaglia ? que está organizando o 3º Lean Summit Saúde (dia 18 de outubro, em São Paulo) ? explica as diferenças entre a gestão tradicional da saúde e a gestão lean, fala dos resultados que isso pode gerar numa organização e discute de que forma essa visão poderia mudar a saúde pública brasileira.

                        Quais as diferenças entre a gestão tradicional dos hospitais e clínicas e a gestão lean?

                        As principais diferenças dizem respeito a duas dimensões. A primeira está no papel que as pessoas que executam o trabalho têm na identificação e na solução dos problemas que ocorrem cotidianamente nos hospitais e clínicas. A segunda diz respeito ao comportamento das lideranças dessas organizações. Na gestão lean, assume-se como premissa que as pessoas envolvidas com o trabalho devem também ser responsáveis por melhorá-lo cotidianamente. É por isso que a segunda dimensão se faz necessária. Se o comportamento da liderança não estiver muito alinhado a essa premissa, os esforços de melhorias tendem a ficar limitados. Vida de regra, eles não se sustentam.

                        Você acredita que a gestão lean poderia melhorar os hospitais públicos brasileiros?

                        Sem dúvida. Mas isso dependeria da existência de uma real vontade de mudar as coisas, de começar a reconstruir as bases de gestão. Creio que ainda é preciso melhorar o diagnóstico a respeito de quais são os reais problemas a serem resolvidos para se melhorar a saúde pública no Brasil. Há um discurso muito proferido que diz que se houvesse mais recursos os problemas estariam resolvidos. Acredito que há um engano nessa tese. Mais recursos colocados em processos de gestão que precisam ser melhorados significariam provavelmente mais desperdícios. Acredito que o grande desafio é que precisamos melhorar a gestão da saúde. Ela tende a gerar mais desperdícios do que criação de valor, como geralmente ocorre na gestão tradicional de qualquer empresa, em qualquer setor.

                        Mas por que há esse discurso de que é preciso mais recursos?

                        É claro que há pontos do sistema que estão estrangulados e demandam mais recursos. Mas creio que falar somente em falta de recursos é um discurso um tanto superficial. Se o problema fosse a falta de recursos, bastaria adicionar mais dinheiro, e os problema estariam resolvidos. E sabemos que não é bem assim. A solução está em levar a gestão para novos patamares, desafiando a maneira como o trabalho está sendo organizado e como indivíduos e grupos resolvem problemas dentro das organizações de saúde. E também como se comportam as lideranças na busca por processos melhores e mais robustos.

                        Quais são os principais resultados que você percebe em hospitais e clínicas que adotam a gestão lean?

                        Os principais resultados estão associados à qualidade e à segurança dos pacientes, além do aumento de produtividade da força de trabalho, melhor utilização da capacidade instalada ? dos leitos, das salas cirúrgicas... ?, redução de custos, diminuição de filas e esperas. Outra dimensão importante dos resultados é a mudança percebida pelas pessoas que executam o trabalho e vivenciam os processos, pois elas passam a ser protagonistas na identificação e solução dos problemas, um dos fundamentos do pensando lean.

                        No geral, os hospitais e as clínicas brasileiras já descobriram a gestão lean?

                        Ainda é algo percebido por uma minoria. As experiências de adoção do sistema lean estão se expandindo e ganhando abrangência, mas ainda são poucas as organizações de saúde que despertaram para o pleno potencial do pensamento lean aplicado à saúde. Levando-se em conta o número de hospitais, clínicas médicas e laboratórios que existem no Brasil, e o tamanho do contingente de profissionais que atuam no setor, ainda temos bastante trabalho pela frente.

                        Quais as principais dificuldades para se adotar esse sistema de gestão?

                        As dificuldades estão relacionadas a uma falta de conhecimento mais aprofundado aliada a uma carência de prática mais constante dos profissionais do setor acerca desse modelo de gestão. Muitas organizações acreditam que basta fazer um ou outro treinamento com suas equipes nas técnicas e conceitos, e as pessoas estarão aptas a transformar a realidade ao seu redor. É um pouco mais complicado do que isso. Como se trata de uma mudança um tanto radical de cultura de gestão, o conhecimento mais profundo da gestão lean advém da aplicação prática continuada, acompanhada de muita reflexão, constância de propósito e comportamento apropriado da liderança.

                        Website: https://www.lean.org.br/lean-summit-saude-2017.aspx


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Experiência do cliente: serviços que facilitam o pagamento são aliados do varejo no engajamento do consumidor

                        É importante que os comerciantes estejam de olho nas inovações que facilitam a vida do…

                        A tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano. As pessoas, mais do que nunca, utilizam seus smartphones e gadgets para realizar compras, e os meios de pagamento também estão seguindo esta tendência, revolucionando a forma de comprar e exercendo grande impacto no setor do varejo. Há uma grande oportunidade para empresas se diferenciarem pela experiência oferecida em pagamentos nos próximos anos, e os serviços que prezarem pela conveniência serão fundamentais para descomplicar a vida do consumidor.

                        É importante que os comerciantes estejam de olho nas inovações que facilitam a vida do consumidor. Aplicações que otimizam as transações integrando os sistemas de uma loja física com o pagamento online são uma alternativa para os varejistas oferecerem maior conforto aos compradores. A Amazon é um bom exemplo de inovação na experiência de compra no mundo físico, utilizando dispositivos mobile. Seu mais recente serviço, o Amazon Go, é uma loja física sem filas, sem checkout, com compra totalmente assistida e pagamento realizado de forma simples: o cliente entra em uma loja de conveniência, faz login no aplicativo e só tem o trabalho de coletar os produtos que precisa, sem precisar passar pelo caixa. O pagamento é uma das etapas mais sensíveis do processo de compra e reflete diretamente na percepção que o consumidor tem da sua marca.

                        Carteiras digitais aprimoram a experiência do cliente

                        Quando falamos em pagamentos, a melhor experiência oferecida é a invisível. O cliente está sem a carteira, mas pega seu celular e faz uma compra no shopping, tudo sem sair da poltrona. No Brasil, mercado que terá 236 milhões de smartphones nos próximos dois anos, de acordo com dados da FGV-SP, a previsão é de que o crescimento de carteiras digitais se intensifique, e abra de vez as portas para o uso de E-wallets (carteiras digitais) no país em 2017.

                        As carteiras digitais são soluções eletrônicas que permitem o armazenamento de dados financeiros e de identidade, aprimorando a experiência de compra do cliente. A carteira digital também já pode ser usada no comércio tradicional, via smartphones, com as mesmas vantagens das compras online. A ferramenta beneficia a todos, inclusive aos lojistas, que podem fazer a validação de dados do cliente no momento da compra, análises antifraude e, ainda, garantir o recebimento do valor da compra em casos de fraudes.

                        Em breve não haverá mais distinção entre o varejo online e offline, e o pagamento não será mais um ponto de fricção na experiência de compra.

                        *João Barcellos é CEO da MundiPagg, empresa com soluções de pagamento online, responsável por 40% das transações do varejo online no Brasil - www.mundipagg.com


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Itens da Unimed Paulistana são leiloados com mais de 50% de desconto

                        São cerca de 300 lotes entre materiais de escritório, informática e outros objetos

                        Desde sexta-feira (23), acontece o segundo leilão online de diversos bens em liquidação extrajudicial da Unimed Paulistana, organizado pela empresa Sato Leilões, que também é responsável pelo processo do leilão.

                        São cerca de 300 lotes, entre eles, objetos de escritório como cadeiras, estações de trabalho, armários e aparelhos telefônicos, assim como itens de informática e outros objetos, com mais de 50% de desconto que estarão disponíveis para arremate até às 10h do dia 13 de julho.

                        Entre os itens leiloados estão microcomputadores com valor inicial para arremate de R$ 300. No lance mínimo e máximo para um dos lotes da Unimed é de R$6 para um flip chart com estrutura pintada e, para um lote com 7 microcomputadores com monitor, teclado, mouse, drive de CD, HD e memoria; 15 CPUs com processador, teclado e mouse; outras duas CPUs de outro modelo com os mesmos itens; 17 monitores de vídeo, 20 unidades de cadeiras, 24 baias e 2 sofás o preço é de R$10.980.

                        Na comparação do lote de maior valor com objetos semelhantes em lojas de venda de usados, o desconto, tendo como base o lance inicial para arrematação, pode chegar a mais de 100%, ou seja, o dobro do valor.

                        No site da empresa leiloeira, está disponível a lista completa dos itens, assim como os valores para arremate dos bens. Para os interessados na compra, que devem ser maiores de idade, é necessário se cadastrar no site do leiloeiro e realizar o lance pelo link http://www.satoleiloes.com.br/Leilao/1025/10/16/.

                        Visitação

                        Mesmo com o aumento da procura por arremate de bens por leilões, a modalidade online ainda não atinge total confiança de alguns investidores.

                        Por isso, para quem tem dúvidas sobre o procedimento do leilão ou ainda, deseja fazer alguma vistoria nos bens que deseja arrematar, terão duas oportunidades para visitação dos bens móveis leiloados pela Unimed Paulistana. Serão nos dias 06 e 07 de julho, das 9h às 12h e das 13h às 16h. É necessário fazer agendamento prévio pelo telefone 4223-4343, assim como para ser informado do local de visita.

                        ------------------------------------------------------------------------------------
                        Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                         


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Artigo: cibertataque mundial: sua empresa será a próxima vítima?

                        Dois significativos ataques cibernéticos aconteceram no mundo em pouco mais de um mês. No ?WannaCry?,…

                        Já o ataque de ontem, causado pelo ransomware Petya, utilizou as mesmas vulnerabilidades do WannaCry e fez vítimas em diversos países como Ucrânia, Dinamarca, França, Espanha, Rússia e também no Brasil.

                        O cenário assusta, mas o que esses dois megacibertaques nos trazem de lição?

                        A mais importante dela é que é preciso olhar para sua corporação e avaliar o que foi feito no último mês para aumentar a segurança dos dados e impedir um ataque de hacker?

                        Está claro que os mecanismos de proteção dos dados adotados pelas organizações são frágeis. E isso faz com que seja fundamental investir corretamente na estratégia de segurança da informação da sua empresa.

                        As companhias que estão sendo alvo deste novo ataque cibernético são exatamente aquelas que continuam sem investir em gestão de vulnerabilidade, correção de patches e visibilidade interna. É mais comum do que parece os executivos acharem que como não foram infectados da última vez, estarão livres. E isso não é verdade. Quem continuar sem tomar as medidas de segurança digital necessárias terá uma grande chance de ser infectado.

                        Os hackers sabem da deficiência das empresas em aprimorarem seus sistemas de segurança da informação. No Brasil, precisamos que as empresas melhorarem sua maturidade em relação à proteção dos dados.

                        O que vemos é que os dados corporativos estão sendo expostos de maneira errada pelas organizações. Muitas empresas preocupam-se com a disponibilidade das informações, mas se esquecem da confiabilidade e integridade dos dados.

                        Por isso, é preciso fazer uma classificação correta dos dados para que os dados fiquem menos expostos. Neste ponto, entender o valor da informação é essencial para o negócio.

                        As equipes precisam ter maturidade e conhecimento das melhores práticas de segurança da informação e atuar de forma diligente para evitar que a história se repita. O tripé de segurança: processo, pessoa (cultura) e tecnologia tem que funcionar muito bem. Qualquer falha ou falta de atenção ou priorização em um destes certamente pode gerar o incidente.

                        A melhor maneira de prevenir incidentes desses portes é adotando o uso de sistemas de tecnologia atualizados e uma equipe de serviço gerenciado atuando de forma constante e proativa. Imprimir inteligência no processo de segurança é o caminho para prevenir incidentes e ter uma resposta rápida para diminuir a janela de exposição, se ocorrerem.

                        Zerar a quantidade de ataques ou vulnerabilidades, certamente, é algo utópico. Sendo assim, ter uma política para identificar quais são as vulnerabilidades e estar atento aos ataques, minimizam drasticamente a possibilidade de incidente.

                        Para tanto, é necessário ter boas políticas de segurança pré-estabelecidas, como gestão de vulnerabilidade, análise de impacto ao negócio, testes de invasão recorrentes, plano de continuidade, entre outros.

                        Está na hora de olhar para a segurança dos dados da sua empresa com atenção e prioridade. A melhor forma de não ser a próxima vítima é se protegendo contra possíveis novos ataques cibernéticos.

                        Eduardo Honorato é diretor de segurança da informação da Agility Networks, integradora brasileira especializada em soluções de segurança, datacenter, cloud computing, mobilidade e entrega de aplicações

                        -------------------------------------------------------------
                        Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                         


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Seguradora oferece desconto de 80% no seu produto

                        Cliente paga R$ 19,90 nos primeiros três meses, caso faça a compra até 30 de…

                        A Porto Seguro Proteção e Monitoramento realiza promoção relâmpago na campanha Férias Mais Tranquilas. Quem adquirir o Alarme Mais até 30 de junho irá pagar apenas R$ 19,90 nas primeiras três mensalidades, além do valor do equipamento. A oferta é válida para as cidades de Goiânia, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba, e também para diversas regiões do estado de São Paulo ? Capital e Grande São Paulo, Baixada Santista, Campinas, Sorocaba, Ribeirão Preto e Vale do Paraíba.

                        Um dos principais produtos do portfólio da empresa, o Alarme Mais permite o monitoramento à distância de qualquer imóvel, seja ele residencial ou comercial. Ele possui uma câmera inteligente que permite a interação por imagem e voz com quem está no imóvel, enviando ao cliente avisos de disparos de alarme que são captados por sensores de movimento que identificam possíveis invasões. Além disso, também possui um sensor de temperatura e umidade, que permite acompanhar a qualidade do ar. O produto conta com o suporte de uma Central 24hs, que presta auxílio em questões técnicas e envia um fiscal para vistoria externa do imóvel quando necessário.

                        ?Mais do que um sistema de alarmes, este produto oferece uma solução completa de monitoramento, com a mais moderna tecnologia, facilmente controlado por um aplicativo disponível tanto para smartphones quanto para tablets e computadores. Além disso, o Alarme Mais também é uma ferramenta que traz diversas facilidades ao dia a dia das pequenas e médias empresas. Ao optar por uma solução de monitoramento à distância e com central de biometria, a empresa reduz gastos com segurança física e também otimiza sua gestão diária do negócio?, afirma Fabio Braga, Superintendente da Porto Seguro Proteção e Monitoramento.

                        -------------------------------------------------------------
                        Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Franquia home office na área de seguros e planos de saúde tem investimento baixo e retorno rápido

                        A Barela, uma das mais tradicionais corretoras de seguros do país, lançou em 2017 uma…

                        ?Nossos fraqueados vão encontrar um ambiente promissor para os negócios na área de saúde privada e contar com o know how e a tecnologia de ponta da Barela, que são comprovadamente uma vantagem competitiva em relação aos nossos concorrentes?, garante Márcio Mantovani, diretor da empresa. A Barela possui mais de 20 anos de experiencia no mercado de saúde

                        Em desenvolvimento desde 2015, o lançamento do modelo de franquias neste ano coincidiu com o reaquecimento do mercado. ?Após um período de baixa causado pela crise econômica e o desemprego, o número de beneficiários de planos de saúde voltou a crescer como é esperado em condições normais. Antes das turbulências econômicas, entre 2010 e 2013, os beneficiários de planos médicos saltaram de 44 milhões para 50 milhões. E os de odontológicos de 14 milhões para 20 milhões. Esse é o ritmo potencial com a recuperação da economia?, projeta Mantovani.

                        O executivo destaca ainda que a taxa de cobertura dos planos de saúde no Brasil, cerca de 25% em dezembro de 2016, ainda é baixa comparada a de outros países. No caso dos produtos odontológicos esse índice é ainda menor, de 10%. ?Existem milhões de clientes potenciais e aqueles que trabalharem com competência e os recursos adequados vão se beneficiar do cenário. Esses números demonstram a oportunidade de ter um retorno rápido e sustentável, garantido por muitos anos?, garante.

                        Os empreendedores terão à disposição um amplo portfólio de produtos das principais operadoras de seguros e planos de saúde parceiras da Barela, além de background para serviços de consultoria e administração de benefícios. O modelo foi projetado para uma estrutura operacional enxuta e funcional, ideal para home office. ?Somos um grupo que tem a tecnologia no DNA, por isso poderemos proporcionar soluções digitais de vendas e atendimento que são mais econômicas, ágeis e seguras, além de permitirem maior alcance de vendas?, diz o executivo.

                        A plataforma de gestão de negócios da Barela tem dispositivos inteligentes que permitem encontrar o melhor produto para cada perfil de cliente. O sistema ainda é integrado aos das principais operadoras de saúde, facilitando a pesquisa por novas soluções que possam ser oferecidas aos clientes. Como complemento, os franqueados terão acesso à uma área de informação com dados do setor, perfis de consumo e projeções detalhadas de mercado em cada região do país, além de conhecimento sobre as melhores práticas de gestão. ?Nosso suporte será total, inclusive orientando onde vender, para quem vender, como vender e como administrar a empresa?, destaca Mantovani.

                        Pelo formato da franquia, o investimento, a partir de R$ 8 mil, é acessível e o tempo estimado de retorno é de seis a oito meses. A Barela projeta ganhos líquidos mensais superiores a R$ 10 mil a partir do sétimo mês. Nessa primeira etapa, o plano é implantar cem franquias na capital e interior do estado de São Paulo e, após, expandir para o resto do Brasil. ?Somos criteriosos na seleção dos franqueados. Preferimos qualidade à quantidade e, para isso, verificamos se o candidato possui o perfil para o negócio e se está alinhado com nossa filosofia de atuação?, finaliza o executivo.

                        Sobre a Barela

                        A Barela é uma das maiores corretoras de seguros de saúde no segmento de pequenas e médias empresas, além de oferecer planos individuais, familiares e por adesão. É reconhecida por uma plataforma campeã em vendas que permite encontrar o melhor plano para o seu negócio e para você. Desde 2014, a Barela integra o portfólio de marcas It?sSeg Company. A interação com as outras marcas tornou a empresa ainda mais forte e especializada. Atualmente, a It?sSeg Company administra mais de R$ 1 bilhão em prêmios e 460 mil vidas. Tem mais de 380 colaboradores e 25 anos de experiência.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Chubb realiza palestra sobre seguros para Riscos Ambientais em evento da ABGR

                        A Chubb realizou uma palestra sobre seguros para Riscos Ambientais no XVI Encontro Anual do…

                        De acordo com Fábio Barreto, é cada vez maior o número de empresas no Brasil que contam com o cargo de Gestor de Riscos, tal como já há muitos anos ocorre nos países mais desenvolvidos. ?É importante que esse profissional se mantenha atualizado com o seguro de Riscos Ambientais, pois, tal como o corretor de seguros, ele contribui para levantar e mapear as vulnerabilidades da empresa. Esse mapeamento normalmente inclui o histórico de vazamentos, derramamentos, incêndios, processos defasados e outros itens que podem representar potenciais focos de contaminação?, comenta.

                        Conforme o executivo da Chubb, os riscos mais comuns que podem ser cobertos pelo seguro de Riscos Ambientais são os custos e despesas para a recuperação do solo ou águas contaminadas (incluindo o lençol freático). ?Em geral, os casos cobertos envolvem um cenário bastante complexo, pois a recuperação pode englobar investigação, contenção, salvamento, transporte de poluentes, recuperação da área atingida, indenização de terceiros, custas processuais e outros. Em virtude disso, a apólice do tipo All Risks, comercializada pela Chubb, significa um divisor de águas na história deste seguro no Brasil, pois cobre todos os riscos, exceto aqueles definidos como excluídos?, conclui Fábio Barreto.

                        Sobre a Chubb

                        A Chubb é a maior seguradora mundial de propriedade e responsabilidade civil de capital aberto. Com operações em 54 países, a Chubb oferece seguros corporativos e individuais de propriedade e responsabilidade civil, acidentes pessoais e seguros de saúde suplementar, resseguros e seguros de vida a diversos grupos de clientes. Como empresa de subscrição, a companhia avalia, assume e gerencia riscos com percepção e disciplina, além de atender e pagar sinistros de forma justa e rápida. A Chubb também é reconhecida por sua ampla gama de produtos e serviços, extensa capacidade de distribuição, excepcional solidez financeira e operações locais no mundo todo. Chubb Limited, a empresa controladora da Chubb, está listada na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE: CB) e integra o índice S&P 500. A Chubb mantém escritórios executivos em Zurique, Nova Iorque, Londres e outros locais. No mundo, emprega aproximadamente 31.000 pessoas. Informações adicionais podem ser encontradas em: Chubb.com/br.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Dicas para se manter focado

                        Coach Mariana Salomão lista iniciativas de alta performance

                        Se eu fosse fazer um ranking sobre as questões que mais recebo do Brasil todo, com certeza a vencedora seria: Não consigo focar!

                        Você já sentiu que tem muita energia para começar as coisas, mas logo se desmotiva? Começa o ano com o planejamento estratégico, mas ao longo dele acaba trabalhando mais na operação? Já viveu como se passasse o dia, a semana e o mês ocupado, mas não consegue quantificar o que realmente fez?

                        Tem a sensação que o tempo está voando?

                        Não se sinta sozinho. Esse é realmente um problema muito comum. Mas, apesar de comum, essa situação é muito séria, pois sem foco sua vida pode virar uma grande confusão! Você pode ficar estagnado em seus resultados, perder clientes, negligenciar sua saúde e até destruir relacionamentos.

                        A boa notícia é que é possível mudar imediatamente e colher os benefícios de se tornar extremamente focado.

                        Através de técnicas de produtividade, comportamento humano e neurociência, é possível alavancar seus resultados com menos esforço e em menor tempo, ou seja, em alta performance.

                        Sabendo do quanto isso pode impactar sua vida, separei os segredos fundamentais e os detalhei para que você possa desfrutar dos benefícios imediatos de uma vida com mais foco.

                        1) TENHA CLAREZA

                        Saber onde se quer chegar, o que quer alcançar ou o que espera como resultado é o passo mais óbvio, porém mais negligenciado pelas pessoas.

                        Muitas pessoas nunca se perguntaram o que esperam da vida. Quais questionamentos se farão em seus últimos momentos nesse mundo. Ou ainda, qual o legado que querem deixar em sua passagem por aqui.

                        Não somos ensinados a pensar nisso. Vivemos nossa vida como ratos atrás de pequenos queijos: passar de ano, ser aprovado no vestibular, conseguir um bom emprego, casar, comprar uma casa, ter filhos, aposentar e fim. Será que a vida é só isso? Com certeza não.

                        A vida é feita de pequenas e importantes decisões e planejamento. Daqui 20 anos você pode chegar onde quiser ou onde o ?acaso? te levar. A decisão é sua.

                        2) ESTABELEÇA PRIORIDADES, DE PREFERÊNCIA AS SUAS

                        Sem saber quais ações são realmente fundamentais para chegar onde deseja, provavelmente você sairá fazendo tudo. E mais provavelmente ainda começará pelas atividades mais simples ou que sejam do seu maior domínio.

                        Defina 3 prioridades para o seu mês, 3 prioridades para cada semana e 3 prioridades para o seu dia. Não precisam ser exatamente 3, mas não passe de 5...Seria falta de foco...

                        O importante é você ter de maneira clara quais as coisas que precisam ser finalizadas, não importa o que aconteça.

                        3) PRATIQUE OS PODEROSOS ?HÁBITOS DO FOCO?


                        A neurociência já provou que existem alguns hábitos que automaticamente podem te tornar uma pessoa mais focada. São eles: alimentação, sono e meditação.

                        ALIMENTAÇÃO

                        Hoje a alimentação funcional tem sido amplamente estudada e já é comprovado como alguns alimentos podem contribuir para aumentar seu foco e outras funções cerebrais.

                        SONO

                        Não ter a quantidade e qualidade de horas de sono necessária pode te deixar distraído, atrapalhar sua concentração e atenção, além de impactar seu humor.

                        Sara Robinson, jornalista, citou em um de seus artigos um estudo realizado pelo exército norte-americano que revelou que ?perder uma hora de sono por noite durante uma semana causa um nível de degradação cognitiva equivalente a 0,10% de álcool no sangue?.

                        K. Anders Ericsson, psicólogo que conduziu um importante estudo com violinistas, constatou que os violinistas mais talentosos e com melhor performance tinham em em sua rotina diária uma média de 8,6 horas de sono.

                        Se você quer ser mais focado é fundamental conhecer o seu corpo e entender quantas horas são necessárias para repor suas energias enquanto dorme.

                        MEDITAÇÃO

                        Quando a mente não possui o foco, milhares de pensamentos ficam pulando de um lado para o outro, literalmente pipocando preocupações, ansiedades e coisas que não fazem parte da sua lista de prioridades.

                        De acordo com um estudo feito pelo departamento de psicologia da Universidade de Santa Bárbara, foi possível melhorar a capacidade de concentração e desempenho cognitivo dos participantes em apenas 2 semanas de meditação.

                        E isso tudo é possível simplesmente porque a meditação é uma tarefa de foco, ou seja, quanto mais você pratica, mais intensamente você exercita.

                        4) ESTEJA PRESENTE

                        Simples assim: esteja ali. No momento presente. Não no ontem, ou no amanhã... Mas desfrutando e estando atento ao que está acontecendo AGORA.

                        Se está finalizando uma apresentação, não cheque o celular, email, redes sociais e as infinitas formas de contato que você possui hoje. Simplesmente vá até o final. Finalize o que está fazendo.

                        Esteja atento ao que está fazendo e somente a isso.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - Prazo para regularização de veículos de cargas termina sexta-feira

                        Setcemg é um posto credenciado para a regularização do RNTRC

                        Termina na sexta-feira (30) o prazo para a regularização de veículos de carga suspensos por não completar o recadastramento com a vinculação do código (QR-Code) do adesivo do Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) à placa do caminhão.

                        O processo, de responsabilidade do transportador ou responsável, pode ser feita a qualquer momento, sem custos extras, até esta data. A regularização atende à Portaria SUROC nº 113, que estabelece orientações referentes aos prazos para a vinculação do adesivo do RNTRC.

                        Os transportadores que não completarem a identificação visual, associando o código à placa terão os veículos excluídos de sua frota e deverão reiniciar todo o processo de recadastramento, inclusive com pagamento dos custos, a partir do dia 1º de julho.

                        A colocação dos adesivos de identificação visual é de responsabilidade do transportador. Eles deverão ser colados nas duas laterais externas de cada reboque ou semirreboque e nas laterais das cabines de cada veículo automotor.

                        De acordo com resolução da ANTT, trafegar com o registro no RNTRC suspenso ou vencido resulta em multa de R$ 1.000,00. A multa é maior para quem realiza o transporte remunerado de cargas sem estar cadastrado junto à ANTT - R$ 1.500,00.

                        O Sindicato das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Setcemg) é um posto credenciado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres para a regularização do RNTRC. O Setcemg fica na Avenida Antônio Abrahão Caram, 728 ? São José ? Pampulha. Outras informações pelo telefone (31) 3490-0330 ou pelo e-mail atendimentorntrc [AT] setcemg [DOT] org.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - 3 Sinais de alerta para avaliar se vale a pena continuar com seu negócio

                        Especialista dá dicas para identificar se é o momento de fechar as portas da empresa…

                        Quando se toma a decisão de empreender, de ter o próprio o negócio, os planos são para o futuro, pensando de forma perene. ?Não seria racional pensar em falência ao abrir uma empresa, dá até azar diriam alguns? explica Fábio Yamamoto, especialista em auditoria e controladoria, sócio da Tiex, empresa de consultoria e gestão corporativa financeira. ?Não há motivos para pensar em fechar a empresa no momento de abri-la, mas é preciso ter estratégias para mudanças de rumo caso todo planejamento vá por água abaixo.? diz Fábio.

                        Segundo o especialista, o planejamento envolve pensar em alternativas para o que eventualmente vier a dar errado, e muitas vezes tanta coisa acaba dando errado, que é preciso se preparar para desistir totalmente do negócio e partir para outra. ?Especialmente na cultura empresarial brasileira, reveses são vistos apenas como incompetência, o que pode ou não ser verdadeiro, mas insucessos, como ?quebrar? uma empresa não tem somente aspectos negativos. Em muitos países o fracasso é visto como uma experiência positiva, pois acrescenta à experiência deste profissional uma lista de coisas que não se deve fazer ? diz Fábio.

                        ?Existem alguns indícios de que as coisas não vão bem e que qualquer ação que seja feita, não surtirá efeitos suficientes para virar o jogo.? completa Fábio. Veja abaixo 3 sinais de alerta para avaliar a continuidade da empresa, apontados por Fábio Yamamoto, sócio da Tiex:

                        1.Lucro ou geração de caixa muito baixo ou negativo

                        A empresa gera lucro ou caixa? Olhe para o último ano (de preferência para os últimos), a empresa está gerando caixa regularmente? Ou seja, sobra dinheiro? Se a resposta for não, e seu negócio não for filantropia, talvez seja hora de rever se vale a pena dar continuidade ao negócio. Mesmo que a empresa gere resultado, ele é suficiente para remunerar todos os sócios de forma razoável? É preciso estabelecer uma taxa de retorno para seu negócio, existem indicadores relativamente padronizados para determinados segmentos de negócio, contudo vale o exercício individual para estabelecer qual o retorno esperado daquela empresa. Você é o único sócio? Uma conta simples seria se colocar na situação de um empregado, o que a empresa está te pagando é suficiente para você querer continuar nesta empresa?

                        2.Dívidas

                        Quão endividada está sua empresa? Não há uma regra fixa para medir o tamanho da dívida, mas se a empresa não gerar caixa suficiente para pagar seu endividamento é um sinal claro de que o negócio não vai bem. Por exemplo, se a empresa gera 10 de caixa e gasta 12 para saldar endividamento, a falta de caixa irá impossibilitar sua capacidade de investimento, ou seja, não será possível investir em novas máquinas, em pessoas, em inovação e a tendência é de que o endividamento só aumente. É importante ressaltar que dívidas da empresa devem ser pagas pela empresa. Se a dívida se torna tão grande que a empresa não consegue arcar, ou então o que sobra após o pagamento da dívida é tão pouco, é hora de avaliar se o momento é de abandonar o barco de vez e partir para outro negócio.

                        3.Insatisfação pessoal

                        Aqui entra o viés não financeiro deste tripé. Pode ser o momento de fechar a empresa ou como se diz "passar o negócio adiante", quando a insatisfação pessoal com o negócio por parte dos proprietários começa a interferir na empresa. Seja a insatisfação de ordem financeira, seja de dedicação de tempo, seja dos rumos que a empresa tomou. Aos poucos esse comportamento vai minando o negócio, a insatisfação acaba levando a falta de interesse ou empenho no dia a dia, o que certamente irá ocasionar a morte lenta do seu negócio.

                        Avalie o que você pretendia quando iniciou o negócio, mais tempo, mais dinheiro, realização pessoal, e se o que te levou a abrir o negócio não está sendo atendido é natural que a insatisfação tome conta.

                        Lembrando que as condições não são cumulativas, qualquer dos fatores isoladamente é importante o suficiente para colocar em risco o futuro da empresa e, portanto, devem ser observados com bastante atenção.

                        Adicionalmente, quanto de seu patrimônio pessoal está em risco nesse negócio? Dívidas pessoais foram contratadas para tentar manter o negócio de pé?

                        Com toda certeza existem diversos outros fatores a serem levados em consideração antes de fechar uma empresa, mas se você não vê perspectivas de melhorar a rentabilidade da sua empresa, se o endividamento já está prejudicando a atividade normal de sua empresa e você começa a ser afetado diretamente com seu patrimônio pessoal sendo colocado em risco, eu diria que existem bons argumentos para pensar em atualizar seu currículo ou pensar em um novo negócio. Lembrando que isto não deve ser visto como algo a se envergonhar.

                        Caso a decisão seja por realmente fechar a empresa ou vendê-la, deve-se levar todo esse aprendizado para um eventual novo empreendimento ou até mesmo emprego, pois é importante extrair o viés positivo desse insucesso de forma a aprender com os erros cometidos aumentando as chances de sucesso na próxima tentativa.

                        Sobre a TIEX:

                        Formada por três sócios com experiências em empresas multinacionais de grande renome, entre elas, Tivit, Construcap, DASA, Deloitte, Grupo Serveng,PricewaterhouseCoopers. Lucas Hanashiro é sócio responsável por todo o setor Tributário, Samuel Lopes é o sócio responsável pelas áreas de Tesouraria, Administrativa e Projetos de BNDES e Fabio Yamamoto é o sócio responsável pelos setores de Auditoria e Controladoria. A TIEX iniciou suas operações em maio de 2013, proporcionando assessoria financeira,gestão corporativa e planejamento completo a seus clientes. Atualmente atende clientes como a Paramount Têxteis, Companhia Brasileira de Cartuchos, IsoluxCorsán,Itaim Iluminação, Neovia, AFUPM entre outros.


                        saiba mais »

                        28/06/2017 - 5 perguntas que o empreendedor deve se fazer antes de investir em um negócio de reforma e construção

                        A área de limpeza e conservação, por exemplo, cresceu 16% e, no primeiro semestre do…

                        As franquias de serviços de obras e reformas atraem a atenção de alguns empreendedores por algumas razões. Uma delas é pelo baixo investimento no negócio, pela percepção de que sempre há demanda para esse tipo de serviço ou pelas experiências negativas que tiveram no passado. Contratar um bom pedreiro, encanador, eletricista ou outro especialista não é uma tarefa fácil e pode ser uma das mais desafiadoras na vida de uma pessoa.

                        Com a crise que o País enfrenta, o mercado vem ganhando fôlego aos poucos, e as franquias não ficam de fora. De acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), no primeiro trimestre de 2017, o segmento cresceu 9,4% da receita total em comparação com o mesmo período em 2016, em que o faturamento chegou à marca de R$ 36,89 bilhões contra R$ 33,71 bilhões no ano na anterior.

                        Contratar uma empresa que resolva tudo pode ser uma proposta interessante, e é isso que torna esse tipo de franquia um diferencial competitivo. ?O mercado de reformas e construção não foi prejudicado com a crise, pois as pessoas deixaram de considerar a possibilidade de comprar um imóvel, devido aos riscos e a alta dos juros nos últimos anos, e passaram a investir mais na manutenção e reforma dos imóveis?, diz Luciano Lugli, sócio fundador da Especialista do Lar, franquia de serviços de manutenção, reparo, construção e reforma para residências, condomínios e empresas.

                        Segundo o IBGE ? Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o setor de materiais de construção apresentou alta de 3,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Esse tipo de franquia é uma alternativa de investimento e de abrir o próprio negócio. Mas, para ter sucesso, é fundamental que o empreendedor faça a si mesmo algumas perguntas, segundo o que aponta o empresário e consultor Luciano Lugli.

                        1. Tenho afinidade com esse tipo de atividade?

                        Parece um tanto óbvio, mas nem todas as pessoas fazem esse questionamento. Não existem fórmulas mágicas para lidar com o problema da mão de obra, sendo que a única forma de lidar com essa questão é realizar um bom e criterioso processo de gestão de pessoas. Avalie se a franquia desejada dará suporte e como será esse apoio.

                        2. Tenho ao menos uma ideia do que seja gestão de processos?

                        Procure entender como a franquia garante que o atendimento dado ao cliente é eficaz, padronizado e de forma organizada. A gestão de processos é fundamental para garantir a satisfação e, quando o empreendedor não dá importância a isso, a qualidade dos serviços dependerá totalmente da habilidade da equipe. Todos os colaboradores, sejam administrativos ou operacionais, precisam ser treinados com a clareza do que se espera dos serviços executados por eles.

                        3. Quero abrir a franquia para não ter que trabalhar muito e enriquecer em pouco tempo?

                        As franquias desse segmento, em sua maioria, são serviços de pequenos reparos e reformas e, de um modo geral, geram um ticket médio baixo, ou seja, (valor médio que cada cliente compra em seu estabelecimento). É importante que a franquia ofereça suporte para a realização de contratos para obras maiores e prestação de serviços direcionadas às empresas para ter um faturamento maior. Esse é um tipo de negócio que não possui um teto de faturamento, pois o seu limite operacional será o número de equipes que você poderá ter em diferentes obras.

                        4. É importante a área comercial para atingir os resultados que espero com a franquia?

                        Para que o franqueado consiga gerar bons resultados é fundamental que exerça um trabalho comercial consistente. Sabe-se que nem todos têm o perfil comercial agressivo, portanto é importante que a franqueadora ofereça suporte nessa área, auxiliando no fechamento de grandes contratos ou mesmo desenvolvendo parcerias com grandes empresas que gerem vendas efetivas para as unidades franqueadas. Além disso, a franqueadora também poderá oferecer treinamentos para capacitar o franqueado a identificar e efetivar boas oportunidades de negócios.

                        5. Considero-me uma pessoa inovadora?

                        Vivemos em uma sociedade em constante transformação, e uma das exigências para que uma empresa se mantenha forte no longo prazo, é a capacidade de inovar e de se renovar para atender às novas demandas do público. Com as franquias não é diferente. Não se trata apenas de criar novidades, mas compreender novas demandas e ser ágil em atendê-las. No caso de uma franqueadora, ela precisa estar atenta ao público final e às necessidades dos seus franqueados.

                        O mercado de obras e reformas é extremamente atraente, porém muito desafiador. O cliente estará disposto a pagar bem para as empresas que forem eficientes em resolver seus problemas, mas é um trabalho de construção da confiança para conquistar credibilidade. E aí, está preparado para lidar com estes desafios? Se sim, siga em frente e persista nos resultados.


                        saiba mais »

                        29/06/2017 - CSP-MG e FenaPrevi realizam Encontro com o tema Seguro de Vida Universal

                        Esq/dir: Ronaldo Gama (diretor social do CSP-MG), Mauricio Tadeu Morais (vice-pres. do CSP-MG), João Paulo Moreira de Mello (pres. do CSP-MG), Patrick Paiva (pres. da Comissão de Produtos de Risco da FenaPrevi) e Edson Iria (diretor tesoureiro do CSP-MG)
                        O mercado mineiro compareceu em peso ao 4º Encontro do Clube de Seguros de Pessoas…


                        Palestrante Patrick Paiva, pres. da Comissão de Produtos de Risco da FenaPrevi

                        Em sua palestra, o executivo mostrou a experiência do Vida Universal em outros países e descreveu as principais características do novo produto, que combina investimento com o seguro de vida tradicional. ?O Vida Universal atende a dois requisitos em um só produto: proteção e investimentos. É resgatável e estabelece a formação de reserva ao longo do tempo, permitindo flexibilidade para customização da cobertura e dos prêmios. Os planos são adequados às necessidades de cada cliente nas diferentes fases da sua vida?, explica. 

                        Considerado um produto capaz de alavancar o mercado de seguros de pessoas no Brasil, vem sendo aguardado com grande expectativa. Entretanto, o Vida Universal tem gerado polêmica quanto à taxa de carregamento. A proposta inicial, ainda em discussão, limita o carregamento total, para todas as despesas, a 5% sobre a parcela do prêmio destinada à Provisão Matemática de Benefícios a Conceder (PMBaC) e 10% sobre a parcela do prêmio de risco. 

                        Para o presidente do CSP-MG, João Paulo Moreira de Mello, essa exigência praticamente inviabiliza a comercialização do produto pelo corretor e pela maioria das companhias. ?É uma modalidade de seguro complexa que exige muita especialização, portanto, investimentos constantes em capacitação e tecnologia tanto da parte dos corretores quanto das seguradoras. Esse nível remuneração definitivamente não vai atrair os corretores e limitará até mesmo as seguradoras dispostas a operar o produto", afirma o dirigente. 


                        Debate com representantes das entidades de mercado: Sérgio Prates (diretor do Sindseg MG/GO/MT/DF), João Paulo Mello (pres. do CSP-MG), Patrick Paiva (FenaPrevi), Maria Filomena Branquinho (pres. Sincor-MG) e Mauricio Tadeu (vice-pres. CSP-MG)

                        O presidente da Comissão de Produtos de Risco da FenaPrevi concorda e ressalta que a instituição está buscando junto à Susep a alteração dessa medida. ?Já sugerimos ao órgão regulador, inclusive por meio da consulta pública, a mudança desse ponto, que afeta diretamente a forma de remuneração dos corretores e as margens das seguradoras.  O sucesso do produto depende muito do modelo de distribuição e o corretor é o principal canal?, salienta. 

                        Após a apresentação, o palestrante e os representantes do CSP-MG, Sincor-MG e Sindseg MG/GO/MT/DF fizeram um debate e responderam às perguntas do público. 


                        Público compareceu em grande número para prestigiar o evento.

                        Nesse mesmo evento, o presidente do CSP-MG, João Paulo Moreira de Mello, deu boas-vindas a três novas beneméritas do Clube que se juntam à instituição ?na missão de fomentar o crescimento do mercado de seguros de pessoas".

                        • cspmg


                          saiba mais »

                          29/06/2017 - TOKIO MARINE é referência em programas de incentivo e benefícios para colaboradores

                          Deise Steinheuser - Superintendente Executiva Jurídica da Tokio Marine
                          Vantagens oferecidas pela Companhia para reter talentos e aumentar a produtividade a colocaram como a…

                          Passamos por um momento de transição nas relações de trabalho, no qual a busca pelo melhor lugar para se trabalhar é muito mais complexa do que uma simples análise de salários: os profissionais estão cada vez mais interessados em benefícios como um ambiente agradável e flexibilidade, que permitem conciliar vida pessoal e profissional ? prova disso está no advento de estudos como o ?The biggest workplace trends 2016?, realizado pela Brighton School of Business and Management, que mostra um incremento no número de colaboradores dispostos a mudar de emprego ou permanecer no atual com base em seus programas de flexibilidade.

                          Seguindo esse movimento, a Tokio Marine Seguradora, uma das maiores seguradoras do País, se tornou referência no mercado segurador por oferecer aos seus colaboradores um ambiente corporativo agradável e mais qualidade de vida para esse público. Em especial, os benefícios para gestantes e os programas de flexibilidade garantiram à Companhia o 3º lugar no ranking geral ?Great Place to Work Mulher 2017?. O prêmio, criado em 2016, tem como objetivo fornecer visibilidade às empresas que melhor estão tratando as questões de diversidade, igualdade e inclusão. Como critério para ser avaliada pelo Great Place to Work, cada companhia deve ter ao menos 35% de mulheres em seu quadro de funcionários e no mínimo 30% de mulheres em cargos de gestão.

                          As futuras mamães têm benefícios exclusivos na Tokio Marine. Diferenciais como a criação de grupos de orientação, disponibilização de fisioterapeutas e assistência social são alguns dos privilégios à disposição das mulheres para que uma das fases mais importantes de suas vidas seja tranquila e com qualidade no ambiente profissional.


                          Juliana Zan - Gerente de Recursos Humanos da Tokio Marine

                          ?Nós prezamos pelo bem-estar de nossos Colaboradores acima de tudo. Dessa forma, a idealização de ações para nossas gestantes não poderia vir com maior empenho. A Companhia não só desenvolve atividades para as futuras mães, como também as ouve para melhorar ainda mais o auxílio a elas nesse momento tão delicado de suas vidas. O empoderamento feminino é uma bandeira que levantamos e de fato trabalhamos para que as ações sejam colocadas em prática?, explica Juliana Zan, Gerente de Recursos Humanos da Tokio Marine.

                          As gestantes na Companhia contam ainda com sessões semanais individuais de drenagem, fisioterapia, massagem e exercícios gestacionais. Além disso, elas frequentam encontros mensais com outras gestantes da Empresa que abordam temas distintos, como preparação para o parto e Shantala, massagem específica para esse período materno. ?Foi ótimo participar dessas sessões porque me permitiu ter contato com profissionais que eu nem sabia que existiam, como assessores de amamentação, por exemplo. Saber mais sobre minhas opções e contar com outras gestantes para trocar experiências me fizeram optar pelo parto humanizado?, conta Deise Steinheuser, Superintendente Executiva Jurídica da Tokio Marine.

                           Deise tem uma história interessante em relação ao seu desenvolvimento profissional enquanto mãe na Companhia: ela teve sua visão como gestora bastante modificada após esse período ?acredito que a própria postura do meu gestor quando recebeu a notícia, somada ao apoio que recebi no departamento me tornaram  uma gestora mais sensível e empática. Do mesmo jeito que me senti extremamente tranquila e segura quando anunciei a gravidez para meu gestor, quando voltei, me senti preparada e amparada para passar essa postura adiante?, afirma. ?Estar na Tokio Marine é minha paixão. No meu caso, particularmente, parece que tudo conspirou a favor.? Finaliza.

                          Outro diferencial que a Tokio Marine oferece a todos os Colaboradores, independentemente de serem ou não gestantes, é o benefício ?Bem-Viver?, um serviço de consultoria que auxilia em todo tipo de necessidade do dia a dia, desde agendamento de consulta médica até planejamento de férias, consultoria financeira, entre outras demandas, como uma espécie de assistente pessoal.

                          A Companhia também dispõe do Trilha de Carreira, plataforma que funciona como um instrumento norteador da carreira do colaborador em que constam informações de uma forma bem didática e acessível a todos, com descrição de todos os cargos da Seguradora, inclusive com requisitos, experiências e competências técnicas e comportamentais exigidas para cada função. É um recurso direcionador que auxilia na mobilidade interna, possibilitando que cada colaborador tenha condições de se preparar para atingir novas funções. A mudança de carreira pode acontecer tanto de forma horizontal, visando encontrar cargos equivalentes, como de maneiras vertical e transversal. 

                          Pensando no bem-estar dos Colaboradores e de seus familiares, a Tokio Marine desenvolve diversas ações voltadas para o equilíbrio entre as vidas pessoal e profissional de suas equipes, além de oferecer um pacote completo de benefícios. Uma das iniciativas da Seguradora nesse sentido é o Programa BemEstar, criado há mais de 5 anos com o intuito de proporcionar bem-estar e qualidade de vida aos Colaboradores, além de divulgar detalhadamente o amplo pacote de benefícios que a Companhia oferece e seus diferenciais. Uma parte desse programa está voltada exclusivamente à qualidade de vida e é dividida em cinco módulos: Família, Finanças, Saúde, Cultura e Solidariedade ? todos com ações ao longo do ano para essa finalidade. O programa serve de referência para outras organizações do mercado.

                          Sobre a Tokio Marine Seguradora:

                          A Tokio Marine Seguradora S.A. é uma das maiores companhias de seguros do Brasil e do mundo. É subsidiária da Tokio Marine Holdings, o mais antigo conglomerado securitário japonês. Fundada em 1879, possui operações em 38 países e tem sua matriz mundial localizada em Tóquio, no Japão. No Brasil desde 1959, a Tokio Marine coloca à disposição do mercado nacional um amplo leque de soluções para Clientes Pessoa Física e Jurídica, por meio de uma estrutura com 72 unidades de negócios, com sucursais e escritórios em todo o País. O portfólio contempla Produtos Massificados, entre os quais seguros Automóvel, Frotas, Residencial, Pessoas, Condomínio e Equipamentos Portáteis (notebooks, aparelhos celulares, tablets, câmeras fotográficas digitais e filmadoras); e Produtos Corporativos, que inclui seguros para Pequenas, Médias e Grandes Empresas, D&O, Riscos Rurais, Habitacional, Transportes,  Empresarial, Riscos de Engenharia, Riscos Nomeados e Operacionais, Riscos de Petróleo, Garantia, Responsabilidade Civil, Obras de Arte, Eventos, Equipamentos de uso empresarial e industrial, Náutico e Aeronáutico (inclusive R.E.T.A). Em 2016, foi eleita na 8ª posição como uma das Melhores Empresas para Trabalhar, de acordo com pesquisa conduzida pelo Great Place to Work® Brasil. Para mais informações, acesse: www.tokiomarine.com.br

                          • tokio marine


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - 3 Sinais de alerta para avaliar se vale a pena continuar com seu negócio

                            3 Sinais de alerta para avaliar se vale a pena continuar com seu negócio
                            Especialista dá dicas para identificar se é o momento de fechar as portas da empresa…

                            Quando se toma a decisão de empreender, de ter o próprio o negócio, os planos são para o futuro, pensando de forma perene. ?Não seria racional pensar em falência ao abrir uma empresa, dá até azar diriam alguns? explica Fábio Yamamoto, especialista em auditoria e controladoria, sócio da Tiex, empresa de consultoria e gestão corporativa financeira. ?Não há motivos para pensar em fechar a empresa no momento de abri-la, mas é preciso ter estratégias para mudanças de rumo caso todo planejamento vá por água abaixo.? diz Fábio.

                            Segundo o especialista, o planejamento envolve pensar em alternativas para o que eventualmente vier a dar errado, e muitas vezes tanta coisa acaba dando errado, que é preciso se preparar para desistir totalmente do negócio e partir para outra. ?Especialmente na cultura empresarial brasileira, reveses são vistos apenas como incompetência, o que pode ou não ser verdadeiro, mas insucessos, como ?quebrar? uma empresa não tem somente aspectos negativos. Em muitos países o fracasso é visto como uma experiência positiva, pois acrescenta à experiência deste profissional uma lista de coisas que não se deve fazer ? diz Fábio.

                            ?Existem alguns indícios de que as coisas não vão bem e que qualquer ação que seja feita, não surtirá efeitos suficientes para virar o jogo.? completa Fábio. Veja abaixo 3 sinais de alerta para avaliar a continuidade da empresa, apontados por Fábio Yamamoto, sócio da Tiex:

                            1.Lucro ou geração de caixa muito baixo ou negativo

                            A empresa gera lucro ou caixa? Olhe para o último ano (de preferência para os últimos), a empresa está gerando caixa regularmente? Ou seja, sobra dinheiro? Se a resposta for não, e seu negócio não for filantropia, talvez seja hora de rever se vale a pena dar continuidade ao negócio. Mesmo que a empresa gere resultado, ele é suficiente para remunerar todos os sócios de forma razoável? É preciso estabelecer uma taxa de retorno para seu negócio, existem indicadores relativamente padronizados para determinados segmentos de negócio, contudo vale o exercício individual para estabelecer qual o retorno esperado daquela empresa. Você é o único sócio? Uma conta simples seria se colocar na situação de um empregado, o que a empresa está te pagando é suficiente para você querer continuar nesta empresa?

                            2.Dívidas

                            Quão endividada está sua empresa? Não há uma regra fixa para medir o tamanho da dívida, mas se a empresa não gerar caixa suficiente para pagar seu endividamento é um sinal claro de que o negócio não vai bem. Por exemplo, se a empresa gera 10 de caixa e gasta 12 para saldar endividamento, a falta de caixa irá impossibilitar sua capacidade de investimento, ou seja, não será possível investir em novas máquinas, em pessoas, em inovação e a tendência é de que o endividamento só aumente. É importante ressaltar que dívidas da empresa devem ser pagas pela empresa. Se a dívida se torna tão grande que a empresa não consegue arcar, ou então o que sobra após o pagamento da dívida é tão pouco, é hora de avaliar se o momento é de abandonar o barco de vez e partir para outro negócio.

                            3.Insatisfação pessoal

                            Aqui entra o viés não financeiro deste tripé. Pode ser o momento de fechar a empresa ou como se diz "passar o negócio adiante", quando a insatisfação pessoal com o negócio por parte dos proprietários começa a interferir na empresa. Seja a insatisfação de ordem financeira, seja de dedicação de tempo, seja dos rumos que a empresa tomou. Aos poucos esse comportamento vai minando o negócio, a insatisfação acaba levando a falta de interesse ou empenho no dia a dia, o que certamente irá ocasionar a morte lenta do seu negócio.

                            Avalie o que você pretendia quando iniciou o negócio, mais tempo, mais dinheiro, realização pessoal, e se o que te levou a abrir o negócio não está sendo atendido é natural que a insatisfação tome conta.

                            Lembrando que as condições não são cumulativas, qualquer dos fatores isoladamente é importante o suficiente para colocar em risco o futuro da empresa e, portanto, devem ser observados com bastante atenção.

                            Adicionalmente, quanto de seu patrimônio pessoal está em risco nesse negócio? Dívidas pessoais foram contratadas para tentar manter o negócio de pé?

                            Com toda certeza existem diversos outros fatores a serem levados em consideração antes de fechar uma empresa, mas se você não vê perspectivas de melhorar a rentabilidade da sua empresa, se o endividamento já está prejudicando a atividade normal de sua empresa e você começa a ser afetado diretamente com seu patrimônio pessoal sendo colocado em risco, eu diria que existem bons argumentos para pensar em atualizar seu currículo ou pensar em um novo negócio. Lembrando que isto não deve ser visto como algo a se envergonhar.

                            Caso a decisão seja por realmente fechar a empresa ou vendê-la, deve-se levar todo esse aprendizado para um eventual novo empreendimento ou até mesmo emprego, pois é importante extrair o viés positivo desse insucesso de forma a aprender com os erros cometidos aumentando as chances de sucesso na próxima tentativa.

                            Sobre a TIEX:

                            Formada por três sócios com experiências em empresas multinacionais de grande renome, entre elas, Tivit, Construcap, DASA, Deloitte, Grupo Serveng,PricewaterhouseCoopers. Lucas Hanashiro é sócio responsável por todo o setor Tributário, Samuel Lopes é o sócio responsável pelas áreas de Tesouraria, Administrativa e Projetos de BNDES e Fabio Yamamoto é o sócio responsável pelos setores de Auditoria e Controladoria. A TIEX iniciou suas operações em maio de 2013, proporcionando assessoria financeira,gestão corporativa e planejamento completo a seus clientes. Atualmente atende clientes como a Paramount Têxteis, Companhia Brasileira de Cartuchos, IsoluxCorsán,Itaim Iluminação, Neovia, AFUPM entre outros.

                             


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Líderes comemoram 51 anos de existência do CVG-RJ

                            Líderes comemoram 51 anos de existência do CVG-RJ
                            Personalidades de destaque do mercado são homenageadas com honrarias do Clube de Vida em Grupo

                            Uma solenidade promovida pelo CVG-RJ, para marcar a comemoração dos 51 anos de existência da entidade e homenagear seus apoiadores e personalidades do setor, reuniu diversas lideranças do mercado segurador, no Centro do Rio, nesta quarta-feira à noite. Cerca de 120 pessoas prestigiaram a celebração ocorrida no restaurante Cais do Oriente, que incluiu palestra (a cargo do diretor da Susep, Paulo dos Santos) e a entrega de título de sócio honorário e medalha de honra ao mérito do CVC-RJ.

                            Entre outras lideranças, o presidente da CNseg, Marcio Coriolano, que, ao lado de Marcello Hollanda, presidente do CVG-RJ; e Amilcar Vianna, diretor da Fenacor e do CCS-RJ, participou da solenidade de entrega da medalha de honra ao mérito ao presidente da Fenacor, Armando Vergilio . Esta homenagem, criada na ocasião dos 50 anos do CVG-RJ e entregue anualmente, contempla personalidades que dignificam o mercado de Vida e Benefícios. A primeira, entregue no ano passado, foi para um dos fundadores do Clube, Minas Mardirossian.

                            Na ocasião, Marcio Coriolano pediu a palavra para uma breve manifestação sobre o homenageado. ?Não posso perder a oportunidade de me juntar ao CVG-RJ para prestar essa mais do que justa homenagem ao Armando Vergilio. Quando eu assumi a CNseg, há pouco mais de um ano, falei com Armando que eu tinha um sonho de juntar a Confederação, a Fenacor e outras entidades do mercado para construir uma agenda comum. Ele foi o primeiro a abrir os braços e agasalhar essa ideia. E a cada dia que passa, ele só me mostra a grandeza que tem como líder, engrandecendo as ações da Fenacor. Sabemos que somos entidades diferentes, com públicos diferentes - seguradores, corretores -, mas estamos conseguindo mostrar que o proposito é único, particularmente nesse momento em que o País precisa de nós para poder crescer. Aqui não está sendo homenageado apenas o líder, mas também o deputado e a pessoa que escolheu para si a vida dos outros. São poucas as pessoas que têm essa grandeza?, garantiu Marcio Coriolano, visivelmente emocionado.

                            Na réplica, Armando Vergilio admitiu que, naquele momento, não conseguia expressar, em palavras, a alegria, a satisfação e a emoção pela homenagem prestada a ele. ?Ouvir tantos amigos, especialmente vozes traduzidas nas palavras de um grande amigo, Amilcar, e de um líder inconteste do mercado, Marcio Coriolano, ou de Marcello Hollanda, te faz sentir muito mais responsável pelo amanhã; evidentemente acaba te fazendo acreditar que o ontem valeu a pena. Mas se algo foi feito, muito mais ainda é necessário. Nosso mercado precisa dessa disposição, dessa perseverança e, principalmente, de união, integração em torno de alguns temas comuns, e é isso que tem nos orientado. O objetivo é fazer um setor melhor, para que todos possam cumprir com a missão de proteger as pessoas, suas conquistas, sua vida, sua saúde?, afirmou ele, declarando-se não só muito feliz e realizado, mas também com a responsabilidade redobrada.

                            A outra liderança homenageada foi a presidente da FenaSaúde, Solange Beatriz Palheiro Mendes. Ela recebeu da vice-presidente da Comissão Fiscal do CVG-RJ, Leila Nogueira, e do diretor de seguros, Sergio Ricardo Magalhães de Souza, a placa de sócia honorária do CVG-RJ. Este título, previsto no estatuto do CVG-RJ, deve-se aos relevantes serviços prestados por Solange Mendes ao mercado segurador, além de sua condição de presidente da FenaSaúde.

                            Solange Beatriz Mendes agradeceu o carinho do CVG com ela e com a Federação e parabenizou a entidade ?por promover o aperfeiçoamento do setor de seguros Saúde e Pessoas, que necessitam desse empenho para divulgar as boas praticas e o quanto o segmento de benefícios contribui para a economia do País?.

                            Ao final da solenidade, o presidente do CVG-RJ anunciou a composição da próxima diretoria da entidade- as eleições ocorrerão no próximo dia 13 julho. A chapa única será liderada pelo atual vice-presidente, Carlos Ivo Gonçalves, e, pela primeira vez, terá três mulheres à frente da diretoria: a vice-presidente será Leila Nogueira; a diretora social, Denise Carvalho; e diretora adjunta Jaqueline Sorensen.

                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Recadastramento: atenção na finalização do processo

                            Recadastramento: atenção na finalização do processo
                            O IBRACOR vem percebendo que os corretores de seguros não estão finalizando corretamente o processo…

                            Após os procedimentos no site da Susep, o profissional receberá dois e-mails, o primeiro com o número de protocolo e o segundo com instrução para finalização. É importante seguir todas as orientações descritas, caso contrário, o recadastramento não será concluído.

                            É importante que o corretor de seguros informe o seu e-mail pessoal ou comercial no pedido do recadastramento.

                            O corretor pode acompanhar a tramitação do seu pedido através do portal da autarquia, o processo pode estar nas seguintes situações:

                            ?Em exigência? ? inconsistências nos dados cadastrais;

                            ?Aguardando análise? ? pedido ainda não foi distribuído;

                            ?Em análise? ? pedido distribuído para análise;

                            ?Indeferido? ? pedido não aprovado devido a inconsistências de dados cadastrais;

                            ?Deferido? ? pedido aprovado pela Susep.

                            Para auxiliar o corretor de seguros, o Sincor-SP criou a Central de Recadastramento, que realiza o atendimento aos profissionais tanto por telefone quanto presencialmente.


                            ----------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Sair de férias e voltar sem dívidas: é possível?

                            Sair de férias e voltar sem dívidas: é possível?
                            Um dos maiores desafios de grande parte das pessoas é voltar das férias sem estar…

                            Esse é um ótimo momento para falar sobre o assunto e tomar algumas precauções, já que as férias de meio de ano estão chegando. Por serem férias escolares, muitos adultos tentam tirar alguns dias de descanso do trabalho para poder curtir em família. E não há nada de errado nisso, mas o perigo está em não se planejar para essa programação, gastando mais do que pode.

                            Então, o primeiro passo nesse momento é rever o orçamento financeiro. Ter ciência dos seus números é o grande segredo. Parece estranho dizer, mas muita gente não sabe qual é a renda mensal, especialmente aqueles que possuem renda variável, e muito menos no que anda gastando o dinheiro. Com essa análise, já dá para partir aos planos do que a família (casal ou indivíduo) irá fazer durante esses dias.

                            Após muitas pesquisas e negociações, se a situação financeira permitir, ótimo, só resta aproveitar e passar bons momentos juntos! Mas se estiver complicado, é importante rever a programação e fazer ajuste para que se encaixe no real padrão de vida. Até porque, dar o passo maior que a perna nesse momento é exatamente o que faz o que era pra ser diversão se transformar em preocupação pelos próximos meses.

                            Tudo passa pelo respeito à condição financeira em que se encontra, afinal de contas, todos sabem o quanto precisa trabalhar para conseguir o dinheiro que se recebe no final. Se, após analisar as contas, chegar-se à conclusão de que terá que parcelar tudo ou ainda correrão o risco de ficarem negativo no banco, recomendo que não a faça. É melhor fazer algo mais tranquilo por agora, para não deixar passar em branco e se planejar melhor para as próximas férias.

                            Para quem vai fazer alguma viagem, elaborei algumas orientações para agir com tranquilidade:

                            - Reúna a família para falar sobre a situação financeira, pois, quando todos estão cientes, fica mais fácil economizar;

                            - Inclua as crianças no planejamento da viagem. Acredite, elas compreendem muito mais do que imaginamos;

                            - Pesquise preço de pacotes de viagem e passagens de avião em, pelo menos, três lugares físicos e virtuais. Sempre consulte se possui milhas em seu cartão de crédito, pois isso ajuda a diminuir os gastos;

                            - Caso vá sair do país, é imprescindível adquirir a moeda local, na seguinte proporção: 80% em cartão pré-pago e 20% em espécie. É interessante cada membro da família ter o seu cartão com os limites já estabelecidos na conversa tida anteriormente;

                            - Levar no máximo dois cartões de créditos, com vencimentos próximos e posteriores à data da viagem. Informe a operadora de cartões para que saiba que estará fora do país durante esse período;

                            - Qualquer que seja a viagem, do total do valor gasto deverá levar uma reserva de 30% a 50% a mais, uma vez que imprevistos podem acontecer.

                            Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira e autor do best-seller Terapia Financeira, do lançamento Mesada não é só dinheiro, e da primeira Coleção Didática de Educação Financeira do Brasil.


                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Projeto Sua Saúde da ANS reúne informações sobre o uso correto de medicamentos

                            Projeto Sua Saúde da ANS reúne informações sobre o uso correto de medicamentos
                            A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disponibilizou em seu portal na internet, na página…

                            O uso adequado de medicamentos é tema de preocupação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que lançou este ano um desafio global pelo uso seguro. Segundo a OMS, mais de 50% de todos os medicamentos são incorretamente prescritos, dispensados e vendidos; e mais da metade dos pacientes que os utilizam o fazem incorretamente. Esses erros podem ser causados por diferentes fatores que interferem na prescrição, na dispensação, na administração, no consumo e no monitoramento de medicamentos, o que pode ocasionar sérios prejuízos para a saúde e até mesmo a morte. Portanto, a participação do paciente no processo de uso dos medicamentos é fundamental, a partir de conversas de qualidade com os profissionais de saúde esclarecendo dúvidas, riscos envolvidos e os benefícios dos medicamentos que venham a ser necessários.

                            Por meio do projeto, a ANS reforça os riscos do uso de medicamentos sem orientação de um profissional de saúde; entre eles estão: retardar o diagnóstico de uma doença grave, causar intoxicação, alergias e interações medicamentosas e provocar gastos desnecessários, com prejuízo para a saúde. Sendo assim, deve-se evitar ao máximo o uso de medicamentos indicados por outras pessoas, como amigos, vizinhos e parentes, lembrando sempre que doenças diferentes podem ter sintomas parecidos ou até iguais, mas não necessariamente o mesmo tratamento.

                            Em um vídeo disponível na página do projeto, são abordados pontos de atenção para o uso seguro de medicamentos, divididos em diferentes momentos. Confira aqui.

                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                             


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Estratégias que encantam o consumidor

                            Estratégias que encantam o consumidor
                            Diretora da TOP PEOPLE fala sobre o universo do consumidor e os bastidores para despertar…

                            *Ádila Ribeiro Berretella

                            Quando o consumidor visita uma loja não imagina todos os esforços realizados para que as exposições e as vitrines estejam arrumadas de maneira a conquistá-lo. Pode parecer pouco, mas não é: há todo um planejamento e estratégia para que o produto se torne atrativo e, consequentemente, desperte o interesse pela compra. Do mesmo modo, ao entrar em um hipermercado, o consumidor se depara com vários setores ? alimentício, eletroportáteis, bazar, vestuário, beleza ? em um único lugar, dando a ele a oportunidade de apreciar as novidades e, em alguns casos, fazer a experimentação do produto desejado. É algo rotineiro para o consumidor, mas a arrumação, a limpeza e a criatividade do que está exposto estão sempre associadas com a estratégia de marketing da rede visitada e das marcas por ela comercializadas.

                            E para que tudo aconteça com a máxima sincronia ? e dentro das regras ?, os fornecedores seguem os layouts determinados pela rede ao realizar as exposições dos produtos por meio de seus promotores e repositores de vendas. Os estabelecimentos, além da equipe interna de funcionários, também contam, e muito, com o apoio do pessoal de promoção. Talvez o consumidor não se atente, mas o televisor ligado no setor de eletroportáteis, com lindas imagens, sons e recursos foi premeditadamente ?programado? para que ele imagine como ficaria na sala de sua casa e os benefícios que a sua Família teria com essa compra. Ou uma promotora realizando degustação com um liquidificador incrível, potente e colorido, que resultou na elaboração daquela mousse divina.

                            Ao passar pelo setor de bazar há uma exposição linda de uma mesa de jantar, com pratos, talheres, copos, guardanapos e jogo americano. Será a partir dali que despertará no consumidor a ideia de como fazer o mesmo em casa, especialmente pontuando todos os itens indispensáveis para o mais agradável dos jantares. Enquanto no setor de vestuário infantil os looks estão fantásticos com as mais variadas combinações, no de beleza, expositores com shampoos, cremes e maquiagens trazem lindas atrizes no material promocional. Enfim, as possibilidades são inesgotáveis, mas tudo precisa ser feito rigorosamente dentro das regras e criteriosamente pensado. E, para isso, promotores e repositores são indispensáveis.

                            Mas como garantir os melhores espaços e pontos estratégicos dentro da loja para despertar ao máximo o desejo de compra no consumidor? É necessário seguir alguns passos:

                            - Ter produtos com embalagens chamativas e com fácil visualização dos diferenciais do produto;
                            - Dispor de materiais promocionais que apontem os benefícios dos produtos, como wobbler, testeiras, totem, móbile, faixa de gôndola, balões, cubos, papel forração etc;
                            - Criar um planograma dos produtos para que os promotores e repositores tenham direcionamento de como deverão expor os produtos;
                            - Desenvolver um calendário promocional com as datas festivas de cada mês e trabalhar com ações pontuais, como vitrines, degustações e demonstrações;
                            - Ter representantes da empresa como promotores, repositores e coordenadores visitando as lojas e criando relacionamento com gerentes e líderes do setor.

                            Diante de tantas opções de marcas oferecidas ao consumidor dentro de uma loja, é fundamental que as empresas desenvolvam estratégias para a sua marca ter destaque e consequentemente vendas.

                            *Ádila Ribeiro Berretella é diretora da TOP PEOPLE, empresa especializada em trade marketing e recrutamento e seleção.


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - CVG-RS promove noite especial para comemorar seus 27 anos

                            CVG-RS promove noite especial para comemorar seus 27 anos
                            A noite desta quarta-feira (28) foi especial para o mercado segurador do Rio Grande do…

                            Para o presidente do CVG-RS, Eder Almeida, o Clube vem desenvolvendo ações importantes ao longo destes anos e a meta é melhorar ainda mais a qualidade e desenvolvimento daqueles que trabalham neste setor. ?Essa é mais uma boa oportunidade para levarmos a frente a instituição CVG que tanto faz pela cultura do mercado segurador, por novidades, por integração e pelo nosso trabalho de transparência. Nossa meta é sempre promover palestras técnincas, uma integração sócio-cultural entre associados e empresas e promover um conhecimento cada vez maior e melhor. E a instituição vem cumprindo o seu papel ao longo destes 27 anos e com certeza vai continuar sendo cada vez mais respeitada e presente no mercado de seguros?, enfatizou o presidente.

                            O papel qualificador do clube também foi tema presente e ressaltado pelo presidente do SindSeg-RS, Guacir Bueno. ?O CVG-RS desde sua fundação presta ao nosso setor uma relevante ação para a difusão dos seguros, na propagação das nossas ações e na qualificação dos players do nosso mercado. Essa permamente especialização e melhoramento de serviços e produtos para o setor é um papel importantíssimo que o CVG-RS cumpre com maestria?.

                            Além disso, o presidente do Clube da Pedrinha-RS, José Coelho, aproveitou para reconhecer a contribuição dada pelo CVG ao longo de todos esses anos. ?O Clube envolve todo o mercado segurador e essa data é muito importante para também reconhecer o trabalho desenvolvido pelo CVG-RS e pela contribuição pela melhoria do setor nesses 27 anos?.


                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Cibersegurança: se nem a CIA está segura, quem está?

                            Quanto mais ampla a visibilidade transparente dentro da rede, melhor as chances de uma detecção…

                            *Erin O?Malley

                            Quanto mais ampla a visibilidade transparente dentro da rede, melhor as chances de uma detecção antecipada. Independentemente de ser hackeado ou não, suas chances de passar ileso pelo ambiente conectado são muito pequenas hoje em dia. E isso é assustador, por diversos motivos.

                            Veja a CIA, por exemplo: a agência conduz extensas investigações sobre o histórico de seus candidatos. Chega a submetê-los ao polígrafo para obter autorizações de segurança e determinar o acesso a informações confidenciais. Eu vi (o filme) Entrando numa fria. O processo de seleção parece infalível. E, mesmo assim, com todos esses indicativos, recentemente um agente interno conseguiu tirar da CIA uma série de ferramentas secretas de hackeamento.

                            O demônio anterior

                            É preocupante que nossas agências de inteligência não possam se proteger de ameaças e escândalos internos. Mas, conforme relatado pela Reuters, "as agências governamentais estimam que há uma ameaça de pessoa má intencionada para cada 6.000 a 8.000 funcionários." Mesmo se alguns cálculos rápidos fizerem a porcentagem de possíveis ameaças parecer baixa, pense no fato de que o governo federal, estadual e local emprega cerca de 22 milhões de pessoas. E apenas uma violação é preciso para uma grande repercussão.

                            Além disso, acho que os Doors estavam certos: people are strange. E, em menor ou maior grau, a maioria das pessoas é corruptível. Desde os impuros, dispostos a vender o país (e até mesmo a mãe) por dinheiro e fama, até os puros ? motivados por uma ideologia ou religião equivocada. Então, novamente, independentemente do motivo, quando se trata de cibersegurança, o objetivo continua o mesmo: parar os caras maus.

                            Então, se a prevenção total não é de longe uma opção, o que é? Talvez seja hora de mudar o foco e, em vez disso, se especializar na detecção, previsão e resposta de ameaças. Juntos, esses pilares podem fundamentar a arquitetura moderna de segurança; voltada plenamente para um monitoramento contínuo e abrangente, aliado à uma análise avançada de comportamento para separar as laranjas podres e as prestes a apodrecer.

                            Marcação cerrada sobre a atividade na rede

                            De novo, como foi evidenciado pelo vazamento na CIA, em algumas situações, não importa o quão preparado estivermos, nem quantas políticas e procedimentos colocamos em prática, ou quão saudáveis tentamos ficar: coisas ruins ainda acontecem. Isso veio à minha mente durante uma consulta médica recente.

                            Duas agulhas para biópsia estavam saindo do meu seio esquerdo quando o radiologista me perguntou o que eu fazia para ganhar a vida. Creio eu que tenha sido uma tática de distração e, talvez, eu tenha murmurado alguma coisa sobre cibersegurança... antes de desmaiar (não curto muito agulhas). Quando reanimei, me ocorreu que as funções de um diagnóstico de mamografia parecem muito com as soluções para visibilidade de tráfego de rede. Ambas são designadas a ajudar na detecção de anomalias (os potenciais demônios internos), que podem exigir uma verificação mais aprofundada.

                            Mesmo que a mamografia não possa curar o câncer e a visibilidade de tráfego não revitalize dados roubados, eles podem fazer um trabalho incrível ao promover uma consciência melhor sobre a situação. E esse é o primeiro passo em direção para descobrir um potencial problema e permitir que outras ferramentas - tanto analíticas como de segurança ? investiguem e determinem se uma anomalia é benigna ou maligna. Com esse diagnóstico feito, as empresas podem usar essa inteligência para informar um curso de ação.

                            Em outras palavras, as soluções precisam entender o contexto para diferenciar os bons e os maus. O que se traduz na necessidade de 100% de visibilidade sobre o tráfego de rede. Sem isso, uma ferramenta de defesa contra malwares não pode determinar se um arquivo executável tem intenções benéficas ou nocivas; ou um software para proteção de vazamento de dados ficam incapazes de decidir se um documento está ou não autorizado a sair do servidor. Então, qual a utilidade de ter essas soluções se você não possui uma infraestrutura adequada para fornecer informações fundamentais para que as mesmas desempenhem seu trabalho?

                            Quanto mais ampla a visibilidade transparente dentro da rede, melhor as chances de uma detecção antecipada. Se pudermos pegar o bandido antes que tenha chance de manipular ou extrair dados (estágio 0), nossos negócios estarão muito melhor preparados caso ele já tenha invadido todos os sistemas, fugido com as informações mais valiosas da empresa e nos deixado sem nada, a não ser uma caveira vermelha piscando em sua tela (estágio 4).

                            A realidade é que nunca pensamos que vai acontecer conosco, que jamais seremos hackeados e coisas ruins só ocorrem nas outras companhias. Porém, cedo ou tarde chegará a nossa vez. Estaremos preparados para reconhecer quando formos atacados? Mais do que isso: teremos recursos para reagir apropriadamente?

                            *Erin O?Malley é Senior Solutions Marketing Manager da Gigamon

                            Website: http://www.gigamon.com

                            Luis Guilherme Pereira


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - É possível ser vencedor, mesmo com algum prejuízo

                            Nesta coluna, o mestre japonês Ryuho Okawa, que já vendeu mais de 100 milhões de…

                            ?Escolher um parceiro de trabalho é uma decisão importante em nossa vida particular. E assim é no comando das empresas e das nações. Líderes devem tomar decisões que não levem seu povo à infelicidade. Local: São Paulo, SP

                            Existem épocas e situações em que precisamos fazer sacrifícios para conseguir grandes resultados. Alguns momentos decisivos na vida requerem abrir mão de alguma coisa. É disso que tratam o conceito budista do desapego e o conceito militar que propõe fazer algum sacrifício a fim de vencer a batalha. Às vezes, é possível usar táticas de dissimulação. Elas são um sacrifício necessário para obter a vitória.

                            Há maneiras de ser vencedor mesmo com algum prejuízo. Esse é um recurso importante para tomar grandes decisões na vida, por exemplo, sobre a escolha da faculdade, com quem se casar, ou sobre qual carreira seguir, porque precisamos criar um equilíbrio sutil entre vida privada e vida pública, entre as questões familiares e aquelas relacionadas ao trabalho. Se há dois superiores que querem lhe dar uma promoção, é importante que você escolha a oferta daquele que, na sua intuição, será o vencedor no final. Se escolher o superior que irá perder, você também perderá.

                            Escolher um parceiro de trabalho é uma decisão importante em nossa vida particular. E assim é no comando das empresas e das nações. Líderes devem tomar decisões que não levem seu povo à infelicidade. Sua responsabilidade é nortear-se pelo futuro da população, não por emoções ou valores pessoais. É responsabilidade dos líderes manter os olhos no futuro, certificar-se de que não vão tomar decisões equivocadas e de que serão vencedores no final.

                            *As reflexões desta coluna são extraídas de ?As Leis da Invencibilidade?, do autor e líder espiritual japonês Ryuho Okawa (IRH Press do Brasil). Seus mais de 2.200 livros publicados, traduzidos para 28 idiomas, já venderam mais de 100 milhões de exemplares no mundo todo.

                            MAIS SOBRE ?AS LEIS DA INVENCIBILIDADE?

                            Não se trata de mais um livro teórico, mas de um guia para sobreviver e vencer em tempos de recessão econômica. Baseado em palestras proferidas por Ryuho Okawa, com comentários sobre a situação econômica do Japão, o livro parece escrito sob medida para os brasileiros que hoje sofrem com a recessão ? do trabalhador desempregado aos empresários, passando por administradores e executivos, sem ignorar os governantes. O livro ?As Leis da Invencibilidade? é dividido em cinco grandes capítulos. No primeiro, ?os princípios do sucesso?, o autor apresenta suas sete regras de ouro para uma pessoa ser bem-sucedida na vida. O segundo capítulo, ?como ser vitorioso nos confrontos?, surpreende pela análise de Okawa sobre vitórias e derrotas ? e como isso ajuda a construir a própria felicidade, a inovar as empresas e a vencer a concorrência. O capítulo três, ?como desenvolver uma mente estratégica e gerencial?, é totalmente voltado para o mundo dos negócios. Apresenta cinco pontos fundamentais para o desenvolvimento e a prosperidade de uma organização. O quarto capítulo, ?como superar uma recessão?, é uma aula prática de como agir e enfrentar tempos de recessão econômica. No último capítulo, ?o modo ideal de ser?, o autor fala das armadilhas do otimismo, dos requisitos da boa administração e da importância de usar o poder da sabedoria. Acesse www.okawalivros.com.br e saiba mais.


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Especialistas afirmam internet das coisas, 5G e grafeno e são as revoluções tecnológicas para 2017

                            Entre as evoluções que envolvem a internet das coisas estão objetos comuns do cotidiano dotados…

                            De acordo com especialistas, o ano de 2017 será marcado pela evolução de diversos tipos de tecnologias. Entre elas, as que envolvem a internet das coisas, ou seja, os objetos comuns do cotidiano dotados de softwares que visam melhorar a qualidade de vida.

                            Nesse contexto, é possível destacar pulseiras que registram movimentos dos usuários, camisetas que medem emoções, geladeiras que identificam falta de algum produto específico, entre outros. E apesar de todos esses equipamentos serem excelentes para o dia a dia, alguns cuidados devem ser tomados.

                            Estudiosos em cibersegurança acreditam que as tecnologias da internet devem ser acompanhadas pelo desenvolvimento da segurança para os usuários, que a cada dia terão seus dados cada vez mais expostos na internet.

                            Além disso, a evolução da internet das coisas só poderá ser possibilitada mediante o avanço da implantação da internet 5G, que promete revolucionar todos os serviços online.

                            De acordo com pesquisadores, um teste de velocidade poderá comprovar que o 5G poderá alcançar transmissão de dados de até 10 gigabytes por segundo, e isso a partir de um baixo consumo de energia para que as baterias dos dispositivos durem mais tempo.

                            Para se ter uma ideia da grande diferença dessa tecnologia, vale ressaltar que um vídeo de alta definição poderá ser baixado em questão de segundos, um tempo cerca de 90% menor do que o que estamos acostumados com a velocidade atual do mercado.

                            E ainda é importante destacar que não somente o download e upload serão diferenciados, mas também as transmissões de realidade virtual. De acordo com estudiosos, os esportes serão um dos grandes investidores desse ramo. ?Graças a uma filmagem em 360 graus, o espectador poderá se sentir no estádio?, afirmou um deles.

                            Outras novidades também estão relacionadas a vestimentas ? com roupas que indicam emoções ou que mudam de cor quando entram em contato com água ? e até mesmo maneiras diferenciadas de monitorar o coração e os movimentos e hábitos do corpo humano.

                            Obviamente, a utilização da internet também servirá para a produção e venda de automóveis cada vez mais completos ? alguns deles até mesmo com capacidade para dirigirem sozinhos e aceitar comandos diferenciados.

                            No contexto, um mineral chamado grafeno poderá ser um dos protagonistas dessa evolução, funcionando como matéria prima tanto para a produção de peças de carros quanto de outros meios de transporte, como aviões. ?Com inteligência artificial e conectividade, eles serão mais seguros que se conduzidos por inteligência humana", disse um pesquisador.

                            Além disso, está previsto o desenvolvimento de pesquisas de materiais capazes de mudar de forma geométrica de acordo com a necessidade. Como exemplo, é possível citar tênis especiais e também implantes médicos que se transformam segundo a temperatura do corpo do paciente.

                            Nesse contexto, vale citar a importância da rapidez da internet oferecida pelos provedores para que todo esse avanço seja possível. Sendo assim, a única maneira confiável de garantir o serviço é realizando um teste de velocidade periodicamente, a fim de comparar os valores contratados e oferecidos pela companhia.

                            O portal MinhaConexão oferece o teste de velocidade , sendo realizado de maneira rápida e gratuitamente, e ainda oferece a possibilidade de salvar relatórios personalizados de acordo com a necessidade do usuário.

                             


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Enghouse Interactive-Presence Reconhece Melhores Práticas Adotadas Por Seguradoras Espanholas

                            Os prêmios de excelência M3 foram entregues aos clientes especializados em seguros Asitur e Pelayo…

                            Durante mais uma edição do Presence Summit ? evento que reuniu uma centena de profissionais do setor de contact center na Espanha e que neste ano teve como tema ?Neurociências e Transformação Digital no Contact Center?, a Enghouse Interactive-Presence, provedora de soluções multicanal para atendimento ao cliente, entregou prêmios de excelência M3, a seus clientes Pelayo e Asitur nos quesitos inovação e lealdade.

                            Jose Manuel Clapés, diretor comercial da Enghouse Interactive-Presence na Espanha, observou que o êxito de um evento como o Summit confirma o grande interesse que existe das empresas em melhorar o atendimento e se adaptar às novas exigências do mercado de contact center: ?Estamos muito satisfeitos e gratos pelo envolvimento dos nossos patrocinadores, clientes e parceiros por sua contribuição para esta evolução favorável deste evento ".

                            Já Antonio Gracia, diretor de marketing da empresa, ressaltou a importância das competências digitais no contact center para promover relações com os clientes.

                            Vertical Estratégica

                            Para Maurício Visnardi, country manager da empresa no Brasil, ao mesmo tempo que os prêmios em excelência reconhecem o trabalho da Asitur e Pelayo no mercado, também indicam uma aposta maciça da Enghouse Interactive-Presence na vertical de seguros: ?Sem dúvida o mercado de seguros é uma de nossas principais prioridades, pois temos expertise para atende-lo e soluções específicas para as necessidades desse setor?.

                            Há mais de 30 anos a Asitur trabalha para ofertar a melhor qualidade em seguros para seus clientes, resolver o mais rápido e melhor os problemas sofridos pelo segurado no momento do sinistro e expandir suas ofertas com produtos de alto nível competitivo e lealdade, além de investir em inovação tecnológica.

                            Seguindo pela mesma linha, a Pelayo Mutua de Seguros tem como prioridades estratégicas o fortalecimento e melhoria da margem técnica em todos os produtos, reduzindo despesas para ganho de competitividade e trabalhando para aumentar o número de políticas e de cobertura por cliente.

                            Sobre a Enghouse Interactive-Presence

                            Em 28 de outubro de 2016 a Presence Technology foi adquirida pela Enghouse Systems Limited, uma empresa de software e serviços fundada em 1984 e hoje listada na Toronto Stock Exchange com o símbolo TSX: Engh. Com receita anual superior a 308 milhões de dólares canadenses em 2016, o grupo empresarial Enghouse, tem uma equipe de aproximadamente 1.500 funcionários, centenas de parceiros e milhares de clientes em todo o mundo

                            Nos últimos 15 anos, a Presence Suite vem sendo desenvolvida por uma equipe de especialistas que têm um conhecimento prático profundo de contact center. Sua vocação para o cliente possibilitou a Presence desenvolver uma solução one-stop que se adapta às necessidades específicas de cada usuário e está focada em resolver os desafios específicos para cada ambiente. Esta condição faz com que a solução da Presence ofereça uma grande flexibilidade para a dinâmica do contact center, contribuindo diretamente para melhorar as margens de produtividade dos serviços, tudo com um retorno sobre o investimento, sem concorrência no setor.

                            As soluções da Enghouse Interactive-Presence estão instaladas em mais de 22 países por meio de uma rede de parceiros altamente especializados no mercado de contact center que compartilham um objetivo comum: oferecer o melhor produto e serviço para assegurar o sucesso e satisfação dos clientes.

                            Mais informações www.presenceco.com

                             


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Formação de corretores de capitalização em 24 localidades

                            Títulos de capitalização podem ser comercializados por corretores devidamente registrados na Superintendência de Seguros Privados…

                            Com inscrições abertas em 24 localidades, o curso é constituído por um único módulo, dividido em seis disciplinas presenciais: Teoria Geral do Seguro, Matemática Financeira, Ética Concorrencial, Capitalização, Direito do Seguro e Organização Profissional.

                            Há oferta em todas as regiões do País: Alphaville/Barueri (SP), Bauru (SP), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campinas (SP), Campo Grande (RJ), Caxias do Sul (RS), Criciúma (SC), Curitiba (PR), Dourados (MS), Francisco Beltrão (PR), Goiânia (GO), Niterói (RJ), Osasco (SP), Palmas (TO), Petrópolis (RJ), Piracicaba (SP), Poços de Caldas (MG), Presidente Prudente (SP), Santo André (SP), Sorocaba (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

                            O curso tem como pré-requisitos maioridade e ensino médio completo. O investimento varia de acordo com a localidade, assim como o início das aulas, que acontecerá a partir de julho. Os interessados devem se inscrever pelo endereço sercorretor.com.br, onde mais informações estão disponíveis.

                            Vale lembrar que esse é o primeiro dos três cursos que compõem a formação completa para Habilitação de Corretores de Seguros. Os outros dois são nas áreas de Vida e Previdência, e Demais Ramos.


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Executivo da Swiss Re Corporate Solutions é nomeado na Rising Stars 2017

                             A revista Intelligent Insurer listou quem são os principais talentos do mercado de seguros com…

                            O diretor comercial para a América Latina da Swiss Re Corporate Solutions, Newton Rosa de Queiroz, é o único executivo na América Latina nomeado pela revista britânica Intelligent Insurer, uma das mais influentes do mundo, como um dos 35 Rising Stars do mercado de seguros. Esse ranking reúne jovens executivos, com menos de 35 anos, e que se destacam no mercado por sua atuação. Segundo a publicação, esses profissionais fazem uma diferença real para a indústria e são capazes de reformular empresas e adequar estratégias de negócios seguindo tendências globais. Segundo Newton, o mercado de seguros mudou muito nos últimos anos e os novos profissionais precisam se adequar à essas transformações. ?Hoje, o mercado de seguros pode ser considerado uma indústria inovadora e que busca profissionais com capacidade de criar soluções integradas com novas tecnologias. Me sinto muito honrado pela indicação da revista, foi uma surpresa muito positiva, afirma o executivo.
                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Transformação Social na era da tecnologia e informação: modelo biopsicossocial atua na prevenção e promoção da saúde

                             A forma de se tratar a saúde passa por uma verdadeira transformação, cujo foco, deixou…

                            Está comprovado que a adoção de estilos de vida saudáveis com bons hábitos alimentares, prática de atividades físicas, bons relacionamentos com a família, amigos e colegas de trabalho previnem doenças. Adicionando a isto, investimento em educação, formação profissional e carreira, atividades de lazer como viagens, encontros, confraternizações e festas ? como oportunidades de interações e trocas de informações que geram sentimentos de segurança, confiança, alegria e paz, aumentam a autoestima e o prazer de viver ? teremos os elementos fundamentais para proporcionar bem-estar, saúde física e mental.

                            A incorporação de tecnologias e a facilitação do acesso à informação são ferramentas essenciais para promover saúde na população. Sem conhecimento, não se pode tomar decisões. O paciente engajado e bem informado fortalece o relacionamento com o médico, é mais bem assistido e responde bem ao tratamento, por exemplo.

                            São ações simples e menos onerosas, mas estratégicas para prevenção, que mantém o indivíduo no foco e centro do cuidado, uma vez que lhe é atribuído o empoderamento sobre seus hábitos, atitudes e a tudo que influencia sua saúde.

                            O caminho para as operadoras de saúde e administradoras de benefícios entrarem nesse movimento é passar a oferecer, cada vez mais, um espectro amplo de benefícios, organizados diante da saúde no vasto contexto biopsicossocial, como prevê a OMS, Organização Mundial da Saúde. Esses benefícios e os Programas de Promoção à Saúde devem atuar para potencializar as ações dos planos de saúde, controlar a sinistralidade e proporcionar maior qualidade de vida, bem estar e, consequentemente, produtividade, itens impactantes para o resultado das empresas.

                            *Neusa Pellizzer é fisioterapeuta pela PUCC, com especialização em administração de serviços de Fisioterapia pela FGV-PROHASA e gerontóloga pela USP, gerente de Promoção à Saúde da ABET, Associação Brasileira dos Empregados em Telecomunicações ? operadora de planos de saúde na modalidade de autogestão e solução em gestão de benefícios para a saúde e qualidade de vida. Foi Membro da Câmara Técnica de Gerenciamento de Crônicos da UNIDAS ? União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde. Atuou anteriormente como fisioterapeuta e Gerontóloga em consultório e como responsável pelos setores, em clínicas e hospitais e na própria ABET, como gerente do Departamento de Atendimento ao Cliente. Membro do Comitê Técnico da ASAP ? Aliança para a Saúde Populacional, liderando o grupo em 2014/2015. Na esfera do voluntariado, é presidente de honra da ONG educacional CP2.


                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - ?80% da prevenção é cultural e não tecnológica?

                            Diretor de TI do SEPRORGS, Marcus Sperb, falou sobre segurança da informação em workshop promovido…

                            Acessar redes sociais do celular, responder um e-mail pelo tablet e até mesmo acessar o banco através do computador. Estas situações já se tornaram tão comuns que fazem parte da rotina de todos. Porém, como garantir a segurança dos dados na internet? Este foi o tema abordado no workshop promovido pelo SINDSEGRS na quinta-feira (28). Para o diretor de TI do SEPRORGS, Marcus Sperb, 80% da prevenção é cultural e não tecnológica. ?Não existe nada 100% seguro. O que é efetivo é a educação do usuário e estabelecer políticas de segurança que sejam do conhecimento de todos?, explicou.

                            O futuro, segundo Sperb, será cada vez mais conectado e será possível controlar a distância objetos e serviços. ?A internet das coisas está chegando com força. E o que vai estar em todos os dispositivos é a internet. Por isso, falar sobre segurança da informação é cada vez mais importante?, destacou o diretor de TI. Para se proteger, as recomendações são: políticas de segurança, excelente antivírus e backup frequente.

                            Achar que antivírus é tudo a mesma coisa e optar por versões gratuitas encontradas na web é um erro muito comum cometido pela maioria das pessoas. ?O que eu sempre falo é que não adianta comprar a tecnologia e não saber configurá-la corretamente?, afirmou. Os recentes ataques hackers a nível mundial mostrou o quão expostos todos estão em relação a seguranca da informação. O desafio é a grande força motriz do hacker, então é preciso sempre estar buscando proteger seus dados e fazer regularmente backup das informações. ?Já vimos empresas perderem todos seus dados em incêndio e precisarem fechar, pois o único backup que havia ficava dentro da própria empresa?, disse Sperb.

                            A entrada de um vírus ou malware no computador pode ser detectada através de um antivírus ou até mesmo pelo usuário. ?Um dos principais sinais é a lentidão súbita do sistema ou dificuldade de acessar arquivos e documentos. Nestes casos é sempre bom chamar o quanto antes o técnico para fazer uma varredura no sistema?, alertou. Baixar programas, filmes e músicas piratas também é uma maneira fácil de ficar exposto a hackers.Sperb também orientou a nunca clicar em links de desconhecidos e sempre desconfiar de e-mails de banco e com fotos.


                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Projeto Parto Adequado: encontro reúne 40 operadoras na segunda fase do projeto

                            A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realizou reunião com as operadoras sobre a Fase…

                            Na abertura, Karla Coelho, diretora de Normas e Habilitação dos Produtos e diretora interina de Desenvolvimento Setorial, falou que ?a agência trata a questão do parto normal e cesariana há mais de 10 anos. No Brasil falamos que há uma epidemia de cesarianas e, desde então, discutimos como mudar o modelo atual. Nos últimos anos a agência passou a debater o assunto com estudiosos do tema, com médicos, enfermeiras obstétricas, academia, além de representantes dos profissionais de saúde, como Conselho Federal de Medicina?. Segundo ela, ?o Projeto Parto Adequado mostrou que o crescimento de partos vaginais, nos hospitais participantes da fase 1, de 23,8% para 34%. Isso representa benefício em saúde, pois mais de dez mil cesáreas sem indicação clínica foram evitadas?.

                            Jacqueline Torres, coordenadora de Indução à Qualidade dos Prestadores, apresentou a iniciativa como um todo e a taxa de cesarianas no setor suplementar brasileiro de 85%. ?Não existem justificativas clínicas para uma taxa de cesariana tão elevada, além disso, estudos apontam maior risco de morbidade maternal e neonatal em nascimentos por cesarianas sem indicação clínica?, disse Jacqueline. Na primeira fase do projeto foram realizadas quatro reuniões presenciais exclusivamente com as operadoras. No total participaram dessa primeira etapa: 35 hospitais e 19 operadoras. A Campanha #NãoaoPartoAgendado alcançou 927 mil pessoas (ou seja, 490 vezes maior que a média e 148 vezes maior que o número de visualizações da notícia da campanha no portal).

                            Andréia Abib, especialista em Regulação, apresentou o modelo de Plano de Trabalho. Ela falou sobre a expectativa da participação dos parceiros na fase 2 do projeto: 137 hospitais e 65 operadoras (sendo 73 hospitais parceiros). Durante o evento, os participantes tiveram a oportunidade de tirar dúvidas sobre a implantação do projeto e os próximos passos para viabilizar a execução na rede de atendimento. José Felipe Riani, gerente-executivo de Aprimoramento do Relacionamento entre Prestadores e Operadoras, na fala de encerramento da reunião, reforçou a importância da construção conjunta e dos próximos passos.

                            Dentre as ações que deram certo na fase 1 do Projeto estão o apoio de operadoras aos hospitais, engajamento das lideranças, campanhas nas mídias sociais com grande repercussão, medidas regulatórias de incentivos para hospitais e operadoras, mobilização do país em torno do problema e a inclusão das enfermeiras na assistência ao parto por equipe. Os maiores desafios são: envolver mais mulheres e família, mudar o modelo de remuneração e flexibilizar o relacionamento entre hospitais e operadoras.

                            A Resolução Normativa 398, dispõe que operadoras de planos privados de assistência à saúde e hospitais que constituem suas redes, devem contratar e possibilitar a atuação de enfermeiros obstétricos e obstetrizes no acompanhamento do trabalho de parto e do próprio parto, foi lembrada como um grande avanço na busca da melhoria da assistência ao parto e ao nascimento. Outros avanços da RN 398 foram o uso do cartão da gestante, do partograma e a divulgação das taxas de cesarianas e partos normais pelos médicos credenciados.

                            Também participaram como palestrantes, Letícia Milena Ferreira da Silva, sanitarista, especialista em avaliação em saúde (UFMG/IMIP), que falou sobre o modelo de acompanhamento e Marisa Santos, do Instituto Nacional de Cardiologia, que ministrou palestra sobre os modelos de remuneração.

                            Letícia Ferreira falou sobre a importância do monitoramento para todo projeto. E sinalizou que fazem parte do plano de trabalho: apoiar pelo menos 1 hospital participante do Projeto, testar novos modelos de remuneração para a assistência obstétrica, criar espaço Parto Adequado no sítio eletrônico da operadora e contribuir com a construção conjunta de modelos de atenção obstétrica que favoreçam a redução das cesarianas desnecessárias.

                            O tema da apresentação de Marisa Santos foi a revisão sistemática do impacto dos modelos de remuneração no tipo de parto. Segundo ela, a retirada da variável lucro financeiro do processo decisório entre parto vaginal e cesárea faz aumentar a confiabilidade da mulher com o médico e aumentar o peso de outras variáveis na decisão. Ela também apontou que não é adequado simplificar a questão do excesso de indicações do parto cesárea somente com a justificativa de que se ganha mais com este procedimento.

                            No final das contas, por mais que hajam fatores externos não-clínicos que motivem a escolha do tipo de via do parto, a decisão final é dada pelo médico. Porém, o médico será o decisor final, buscando em sua escolha balancear os interesses da mãe, das operadoras e os seus próprios interesses. E que a escolha da mãe reflete aspectos complexos como cultura, falta de informações, vantagens logísticas, número de consultas de pré-natal e relacionamento prévio com o médico ou a equipe de saúde.

                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Exames em resseguros atualizam e elevam nível profissional

                            Até 30 de junho, é possível se inscrever nos Exames para Certificação de Proficiência em…

                            Em sua quarta edição, o CPR 1 tem como objetivo promover a melhoria contínua e a qualidade dos profissionais de empresas seguradoras, resseguradoras e corretores de resseguros. Já o CPR 2, que será aplicado pela terceira vez, visa elevar a competência técnica dos colaboradores daquelas empresas.

                            Ambos são direcionados para profissionais que atuam direta ou indiretamente nos mercados segurador e ressegurador. O único pré-requisito para participar é ensino médio completo.

                            As provas serão aplicadas nas Unidades da Escola, em ambiente on-line, e o resultado será divulgado logo após o término. O investimento é de R$ 300,00 e as inscrições devem ser feitas pelo www.funenseg.org.br.


                            ----------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - Valor Econômico publica hoje especial "Seguros e Resseguros"

                            O jornal Valor Econômico publica hoje o suplemento Seguros e Resseguros, com notícias relevantes sobre…

                            O otimismo dá o tom estratégias dos executivos que lideram as principais empresas do setor. 'Não dá para ter uma previsão firme do desempenho do mercado este ano em face do cenário', diz o presidente da confederação, Marcio Coriolano. Algumas seguradoras também mantêm as projeções inalteradas. 'Nosso guidance está em linha com o que foi divulgado no início do ano, de alta entre 8% e 12%', diz Octavio de Lazari Junior, presidente da Bradesco Seguros. Conforme Luiz Pomarole, diretor-geral da Porto Seguro, a troca de um usado por um zero km depende de crédito, mas os bancos ainda estão restritivos para financiar. 'Um ciclo de troca de carros não deve ocorrer em menos de um ano. Assim, não acredito em aumento na quantidade de vendas de seguros em 2017', diz. A Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi) observa dois fenômenos: além do aumento da base de clientes, cresce o nível de recursos individuais alocados.

                            O suplemento está encartado na edição imprensa do jornal de hoje e também disponível online no espaço Revistas e Suplementos para assinantes.

                            ------------------------------------------------------------------------------------
                            Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                            saiba mais »

                            29/06/2017 - RECADASTRAMENTO: Passo a passo para recadastramento do(a) Corretor(a) de Seguros na SUSEP

                            RECADASTRAMENTO: Passo a passo para recadastramento do(a) Corretor(a) de Seguros na SUSEP
                            Para ajudar a todos os Corretores de Seguros, elaboramos um passo a passo para você…

                            Documentos necessários para o(a) Corretor(a) Pessoa Física possa efetuar o seu recadastro na SUSEP:

                            1º PASSO...:

                            Atenção, antes de efetuar o seu recadastramento na SUSEP, você deverá digitalizar todos os documentos a seguir...

                            1. RG - Carteira de identidade;

                            2. CPF - Comprovante de inscrição no Cadastro de Pessoa Física;

                            3. Recibo de votação da última eleição ou Comprovante de quitação com a justiça eleitoral que você também poderá obter no link http://www.tse.jus.br/eleitor/servicos/certidoes/certidao-de-quitacao-eleitoral

                            4. Comprovante de quitação com o serviço militar, quando se tratar de brasileiro com idade entre 18 a 45 anos (somente para homens);

                            5. Comprovante de Residência mais recente em nome do(a) Corretor(a) Pessoa Física ou declaração de endereço, firmada pelo próprio, nos termos da Lei nº 7.115/1983;

                            6. a) Certificado de aprovação no Exame Nacional de Habilitação Técnico-Profissional para Corretor de Seguros ou no Curso de Habilitação Técnico-Profissional para Corretor de Seguros, promovido pela Funenseg (Caso não localize, entre em contato com o email: secretariageral [AT] funenseg [DOT] org [DOT] br e solicite o formulário da segunda(2ª) via do seu Certificado da Funenseg e os dados da conta corrente da Funenseg para pagamento da taxa para a emissão da segunda (2ª) via, no valor de R$ 30,00 (trinta reais). (Atenção a 2ª via do Certificado poderá levar 30 dias úteis para ser emitida)
                              b) ou por outra instituição autorizada pela Susep;
                              c) ou comprovação de outra forma de habilitação prevista na Lei n. 4.594, de 1964. 

                            7. Comprovantes de pagamentos do Imposto Sindical dos últimos 5 anos. (Você deverá digitalizar os 5 últimos anos (2013 a 2017) em um só arquivo)

                            2º PASSO...:
                             Você deve acessar aqui o link do Recadastramento da SUSEP para iniciar o seu recadastro

                            Importante:
                            a) Após o preenchimento do formulário do recadastramento com todos os seus dados, você irá receber no seu e-mail cadastrado, um e-mail da SUSEP com o número do seu pedido. Esse número será sempre necessário para você poder acompanhar o andamento do seu processo de recadastramento.

                            b) Após, você deverá acessar novamente o sistema de recadastramento usando o seu CPF o número do pedido, para carregar todos os documentos solicitados.

                            c) Após carregar todos os documentos, você deve clicar no botão "Finalizar".


                            3º PASSO...:  
                            A cada 7 (sete) dias, você poderá acompanhar os andamentos do seu recadastramento, onde poderá ocorrer as seguintes situações.:

                            Você deverá acessar novamente aqui o link do Recadastramento da SUSEP para acompanhar passo a passo os resultados do seu recadastro


                            Situações possíveis após o recadastramento..:

                            ?Em exigência? = Inconsistências nos dados cadastrais; poderá não ter aceito algum documento enviado e solicitar novamente o envio.

                            ?Aguardando análise? = Pedido ainda não foi distribuído;

                            ?Em análise? = Pedido distribuído para análise;

                            ?Indeferido? = Pedido não aprovado devido a inconsistências de dados cadastrais;

                            ?Deferido Preliminar? = Neste caso, foi feito somente uma análise preliminar, mas passará por um segunda análise;

                            ?Deferido? = Pedido aprovado pela Susep.( Parabéns, neste caso o seu pedido estará aprovado e finalizado).

                            MANUAL.:   AQUI VOCÊ PODE CONHECER AS INFORMAÇÕES NO MANUAL DA SUSEP SOBRE EXIGÊNCIAS E INDEFERIMENTOS MAIS FREQUENTES QUE PODEM OCORRER 


                            saiba mais »

                            30/06/2017 - Prêmio Estadão Finanças Mais escolhe TOKIO MARINE como melhor seguradora de automóvel

                            Jose Adalberto Ferrara - Presidente da Tokio Marine, Marcelo Goldman - Diretor Executivo, Luiz_Padial - Diretor de Automóvel e Arnaldo Bechara - Diretor de Precificação
                            TOKIO MARINE se destaca por seu desempenho, crescimento e posicionamento de mercado

                            2017 é um ano de comemoração para a Tokio Marine Seguradora : de janeiro a maio, a carteira de Automóvel da Companhia cresceu 26%, cerca de 20 pontos percentuais acima da média de mercado, detendo uma marca de 1,37 milhão de veículos segurados e com mais de 22 mil Corretores parceiros vendendo o seguro. Tais resultados, decorrentes de uma estratégia que mescla o oferecimento de produtos altamente customizados e a excelência no atendimento, têm conquistado reconhecimento: seu portfólio de produtos de Automóvel venceu a 1ª edição do prêmio Estadão Finanças Mais, ranking nacional elaborado pelo jornal em parceria com a consultoria Austin Rating, cujo intuito é traçar um raio-X das empresas líderes do setor financeiro no País por meio de indicadores como desempenho, crescimento e liderança de mercado.


                            (A direita) Marcelo Goldman, Diretor Executivo de Produtos Massificados da Tokio Marine, recebendo o Prêmio.

                            ?Estamos passando por um momento bastante estratégico para a carteira de Automóvel. No final do ano passado, lançamos dois produtos, o Auto Roubo + Rastreador, desenvolvido para proteção contra roubo e furto, e o Auto Popular, direcionado para veículos com 5 anos ou mais. Esses dois lançamentos buscam atrair novos consumidores para o mercado de seguros, já que ao menos 27 milhões de carros circulam no País sem seguro. Além da grande evolução de participação de mercado, que saltou de 3,0% em 2011 para 8,7% no 1º quadrimestre de 2017, o seguro Auto da Tokio Marine mantém um ótimo desempenho de rentabilidade há cerca de 7 anos, tendo uma das melhores sinistralidades do mercado. É muito bom termos esse sucesso chancelado por uma mídia como o Estado de S. Paulo, que tem a disseminação íntegra da informação e credibilidade em seu DNA?, analisa Marcelo Goldman, Diretor Executivo de Produtos Massificados da Tokio Marine.

                            Além dos produtos Auto Roubo + Rastreador e Auto Popular, o portfólio da Tokio Marine contempla também os seguros Auto, produto superior destinado ao público que se preocupa com coberturas completas, e Auto Clássico, opção mais barata em relação ao produto tradicional e compatível com os seguros existentes no mercado. Um dos diferenciais que torna a Empresa a favorita dos Corretores consiste na oferta de um sistema de cotação que fornece de uma só vez cálculos de até quatro produtos na mesma tela, otimizando o tempo de clientes e aumentando as chances dos corretores de fecharem negócios mais rapidamente.

                            O ranking Estadão Finanças Mais foi criado com a proposta de traçar o perfil econômico das maiores empresas do País. Para tanto, a publicação teve como ponto de partida uma análise dos indicadores publicados em seus respectivos balanços. Foram extraídas informações quantitativas e qualitativas que culminaram em um ranking que revela a melhor e mais equilibrada instituição financeira em cada setor de atividade. Foram premiadas 14 categorias: Bancos de Atacado e Negócios, Bancos Middle Market, Bancos de Varejo, Bancos de Financiamento, Bancos de Grupo Econômico e Bancos de Montadoras, Leasing, Financeiras, Seguradoras e Corretoras.

                            Sobre a Tokio Marine Seguradora :

                            A Tokio Marine Seguradora S.A. é uma das maiores companhias de seguros do Brasil e do mundo. É subsidiária da Tokio Marine Holdings, o mais antigo conglomerado securitário japonês. Fundada em 1879, possui operações em 38 países e tem sua matriz mundial localizada em Tóquio, no Japão. No Brasil desde 1959, a Tokio Marine coloca à disposição do mercado nacional um amplo leque de soluções para Clientes Pessoa Física e Jurídica, por meio de uma estrutura com 72 unidades de negócios, com sucursais e escritórios em todo o País. O portfólio contempla Produtos Massificados, entre os quais seguros Automóvel, Frotas, Residencial, Pessoas, Condomínio e Equipamentos Portáteis (notebooks, aparelhos celulares, tablets, câmeras fotográficas digitais e filmadoras); e Produtos Corporativos, que inclui seguros para Pequenas, Médias e Grandes Empresas, D&O, Riscos Rurais, Habitacional, Transportes,  Empresarial, Riscos de Engenharia, Riscos Nomeados e Operacionais, Riscos de Petróleo, Garantia, Responsabilidade Civil, Obras de Arte, Eventos, Equipamentos de uso empresarial e industrial, Náutico e Aeronáutico (inclusive R.E.T.A). Em 2016, foi eleita na 8ª posição como uma das Melhores Empresas para Trabalhar, de acordo com pesquisa conduzida pelo Great Place to Work® Brasil. Para mais informações, acesse: www.tokiomarine.com.br

                            • tokio marine


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Delphos prestigia 51 anos do CVG-RJ

                              Delphos prestigia 51 anos do CVG-RJ
                              A Delphos foi uma das patrocinadoras da comemoração dos 51 anos do Clube Vida em…

                              Prestigiaram o evento o diretor de operações da Delphos, Henrique Macieira, o superintendente de TI, Carlos Trindade, o gerente de negócios, Sergio Delecrode, e o gerente de operações, Nélio Alvarez. A Delphos, que completou 50 anos em maio deste ano, recebeu homenagem do Clube em seu coquetel comemorativo. Para Henrique Macieira, "o encontro foi importante para homenagear o CVG-RJ, e também para estreitar laços com profissionais, lideranças e personalidades do mercado?.

                              Sobre a Delphos | Com 50 anos de atuação, a Delphos foi a primeira empresa de serviços criada para atender especificamente ao mercado segurador brasileiro. A companhia está capacitada para prestar serviços em qualquer atividade relacionada aos diversos ramos de seguros, desde a análise preliminar dos riscos até a regulação do sinistro, com destaque para a tecnologia da informação.

                              ------------------------------------------------------------------------------------
                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Happy Hour do Grupo NotreDame Intermédica reúne cerca de 100 corretores PJ em São Paulo

                              O Grupo NotreDame Intermédica realizou, na noite do dia 29 de junho, mais uma edição…

                              ?Todos sabíamos que 2017 seria e continuará sendo um ano bastante desafiador. Mas, graças à solidez do Grupo e, principalmente, à parceria que estamos construindo com vocês temos muitos motivos para comemorar. E foi exatamento com este intuito que pensamos neste Happy Hour. Queremos estar cada vez mais próximos, pois acreditamos que nada disso seria possível sem a confiança e o empenho de vocês?, comentou a executiva.

                              Teresa relembrou, também, todo o investimento em produtos, infraestrutura e relacionamento que vem sendo realizado pelo Grupo NotreDame Intermédica ao longo dos últimos anos. ?No período de dois anos, crescemos em diferentes regiões de São Paulo e Rio de Janeiro. Contamos, hoje, com 17 Hospitais, 70 Centros Clínicos, sendo 10 exclusivamente de Medicina Preventiva, e 20 prontos-socorros. Reformulamos produtos e desenvolvemos outros, sempre colocando a figura do corretor como nosso principal canal de vendas?, pontuou.

                              Para José Carlos de Paula, Diretor Executivo Comercial do Grupo NotreDame Intermédica, também presente no evento, os ótimos resultados obtidos, mesmo em um momento de crise econômica, são possíveis graças a um trabalho com objetivos consistentes, focado em qualidade e resultado.

                              Em seguida, foi a vez do novo gerente executivo comercial do Grupo NotreDame Intermédica, Rafael Ortiz, falar aos corretores presentes sobre a campanha Bônus Empresarial, do Programa Interligados, destinada aos corretores do segmento PJ. ?Com essa campanha, além do comissionamento, o parceiro comercial pode ganhar um percentual maior sobre suas vendas. A iniciativa vai até 30 de setembro?, relembrou Ortiz.

                              Os executivos lembraram, ainda, do lançamento do novo portal de simulador de preços Middle que, nas palavras de Juliana Jeronimo, uma das participantes do evento, que é diretora e sócia da Pilastri Corretora de Seguros, facilitou muito o dia a dia dos profissionais da empresa. ?Agilidade é algo essencial em nosso ramo de atuação e o portal de precificação Middle da NotreDame Intermédica nos ajuda muito nesse sentido, já que é muito simples de utilizar. É uma ferramenta muito importante, sem dúvida?, enfatizou.

                              Daniela Guglielmi, da Fidati Consultoria, ressaltou a importância da aproximação que eventos como este garantem. ?É uma ótima oportunidade para conhecer um pouquinho mais da estrutura do Grupo, entender os rumos da empresa no mercado e também das campanhas que acabam nos mobilizando para vender mais?, revelou.

                              Já Gustavo Ramos, da Corretora Monte Cristo, acredita que eventos como este são, antes de qualquer coisa, uma chance de aprendizado e proximidade com os colegas de mercado. ?Tive a oportunidade de conhecer muitas pessoas, inclusive diretores do Grupo que antes eu só falava por telefone. Sabemos que o contato pessoal é essencial para fortalecermos ainda mais os laços de parceria e confiança?, reforçou.

                              Sobre o GNDI

                              Reconhecidamente sólido, o Grupo NotreDame Intermédica (GNDI) possui 49 anos de atuação na área da Saúde. A companhia é pioneira em Medicina Preventiva e, por meio de programas estruturados, trabalha para oferecer saúde integral com acolhimento aos seus mais de 3,4 milhões de beneficiários, além de proporcionar qualidade de vida e bem-estar, e incentivar a adoção de hábitos saudáveis em cada etapa do atendimento. O Grupo emprega, hoje, 16,2 mil colaboradores e, possui 70 Centros Clínicos, sendo 10 exclusivamente de Medicina Preventiva, 20 prontos-socorros e 17 hospitais.


                              ------------------------------------------------------------------------------------
                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Swiss Re Corporate Solutions e Bradesco Seguros concluem transação em grandes riscos e dão início à joint venture no Brasil

                              Swiss Re Corporate Solutions Ltd. e Bradesco Seguros S.A. concluem transação anunciada em outubro de…

                              A carteira de grandes riscos da Bradesco Seguros S.A. é integrada à operação da Swiss Re Corporate Solutions Brasil Seguros S.A. (SRCSB), que passa a ter acesso exclusivo à rede de distribuição da Bradesco Seguros.

                              A Swiss Re Corporate Solutions Ltd. retém 60% das ações na SRCSB, enquanto a Bradesco Seguros passa a ter 40% de participação.

                              Essa transação cria uma das seguradoras líderes de grandes riscos no Brasil e permite que produtos inovadores sejam ofertados por meio de uma rede de distribuição consolidada.

                              A Swiss Re Corporate Solutions Ltd., divisão de seguro comercial do Grupo Swiss Re, e a Bradesco Seguros S.A., empresa controlada pelo Banco Bradesco S.A., concluem transação anunciada em outubro de 2016 e iniciam oficialmente a joint venture no Brasil. A carteira de seguros de grandes riscos da Bradesco Seguros foi integrada à operação da Swiss Re Corporate Solutions Brasil Seguros S.A. (SRCSB), que se torna uma das empresas líderes no Brasil neste segmento. A Swiss Re Corporate Solutions Ltd. retém 60% das ações na SRCSB, enquanto a Bradesco Seguros passa a ter 40% de participaç ão.

                              A associação inclui o acesso exclusivo da SRCSB à rede de distribuição da Bradesco Seguros, composta por mais de 140 sucursais, mais de 5.000 agências do Banco Bradesco e cerca de 40.000 corretores e agentes de seguros cadastrados. Como parte da transação, cerca de 120 especialistas em grandes riscos da Bradesco Seguros - em São Paulo e no Rio de Janeiro - passaram a integrar a SRCSB.

                              Negócio promissor - Com a conclusão da operação, a SRCSB torna-se uma das seguradoras líderes no mercado de seguros de grandes riscos no Brasil, atingindo aproximadamente R$ 820 milhões (US$ 250 milhões) em prêmios brutos emitidos e um significativo potencial de crescimento.

                              "Essa parceria reafirma o nosso compromisso com o mercado brasileiro", comenta Agostino Galvagni, CEO da Swiss Re Corporate Solutions e membro do Comitê Executivo do Grupo Swiss Re. "Ao unir forças com a Bradesco Seguros, temos a possibilidade de entregar nossa oferta de produtos inovadores a um segmento ainda mais amplo de clientes corporativos de médio e grande portes na região."

                              Com o suporte financeiro do Grupo Swiss Re, a Swiss Re Corporate Solutions dispõe de profundo conhecimento em subscrição e ampla capacidade para aceitação de riscos. A Bradesco Seguros, por sua vez, acumula extenso conhecimento do mercado de seguros local e grande capilaridade para distribuição, estando presente em todo o território nacional.

                              Octavio de Lazari Junior, Presidente do Grupo Bradesco Seguros, afirma: "O Grupo Bradesco Seguros e a Swiss Re Corporate Solutions se alinham em termos de visão de longo prazo, bem como possuem competências e carteiras complementares. A joint venture amplia nossa capacidade de empreender, como também de aprimorar nosso leque de produtos em todas as linhas de seguros. A associação está alinhada à nossa convicção do potencial de seguros de grandes riscos no Brasil."

                              Luciano Calheiros, CEO da Swiss Re Corporate Solutions Brasil, irá liderar a operação da joint venture.

                              A transação foi aprovada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pelo Banco Central (Bacen).

                              ------------------------------------------------------------------------------------

                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Na era das startups, Paraíso Feminino faz na moda a mesma revolução que empresas como Airbnb e Uber trouxeram para o mercado de hotelaria e transporte

                              Verdadeiro Google da moda feminina, Paraíso Feminino é o único buscador que trabalha com espelhamento,…

                              Rachel Toyama criou o Paraíso Feminino para ser o primeiro buscador de moda só para mulheres e resolver um dilema: encontrar tudo que se quer, das melhores marcas e pelo melhor preço em um mesmo lugar gerando economia de tempo e dinheiro. E de quebra, gerou facilidades como: personal stylist, personal shopper e caderno de tendências: ?nós queremos ser o que o Airbnb é hoje para acomodações e compartilhamento de residências, o que o Uber é para o transporte compartilhado e o que o Whatsapp é para a comunicação em tempo real. Queremos que a consumidora não consiga pensar em outra forma de buscar o produto que ela quer, a não ser por meio do Paraíso Feminino?, explica a empreendedora.

                              ?Nós vivemos na era das startups, que detectam um nicho e as necessidades dos consumidores e conseguem atender a essa demanda de forma online e com parcerias?, enfatiza a empresária que fez uma imersão de 3 meses no Vale do Silício, visitando grandes empresas que um dia foram startups como Facebook e LinkedIn. Para conseguir o objetivo de ser o maior buscador, Rachel optou por utilizar uma tecnologia semelhante ao Google: ?nosso sistema ?varre? o site do anunciante diariamente e, por isso, temos tudo que está no site deles?, enfatiza ela, que explica: ?não temos apenas os produtos enviados pelo anunciante, temos tudo que ele oferece no seu e-commerce?.

                              Hoje, o Paraíso feminino é muito mais do que uma simples ferramenta de busca: ?nós estamos chegando a um ponto, assim como já acontece nos Estados Unidos, por exemplo, no qual é impossível pensar em comprar sem usar um buscador?, enfatiza Rachel. Ela lembra: ?lá fora, já acontece assim com o Booking.com, por meio do qual é possível realizar diversos serviços em um site só como comparar preços de passagens aéreas, mas também realizar aluguel de carro, e reserva de hotel?.

                              O Paraíso Feminino não realiza a venda, ?toda a operação comercial é realizada diretamente nos e-commerces indexados, entretanto, nós oferecemos mais do que simplesmente encontrar o melhor produto pelo melhor preço, nós oferecemos uma experiência completa de compra?.

                              Entre as lojas que podem ser encontradas estão Dafiti, Farfetch, Carmen Steffens, Arezzo, Amaro, Poshtaus, Passarela, Marcyn, Fiever, Anacapri, Anita, Schutz, Lancôme, Chanel, Louis Vuitton e, mais recentemente Colcci e Morena Rosa. "Estamos sempre em busca de ótimas lojas para garantir variedade e o maior número possível de opções em cada categoria?, enfatiza a gestora, que finaliza:

                              ------------------------------------------------------------------------------------
                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Vallourec prorroga inscrições para o Vallourec Open Brasil, programa que irá contratar startups para elaborar e executar projetos na área de Data Science

                              Inscrições para o desafio de startups da Vallourec serão realizadas até o dia 9 de…

                              Poderão participar startups de base tecnológica do Brasil ou empreendedores individuais

                              A Vallourec Soluções Tubulares do Brasil, preocupada em desenvolver a cultura da inovação, está contratando startups e empreendedores capazes de desenvolver soluções na área de Data Science, focadas em melhorar ou desenvolver novos serviços para os clientes do grupo. Denominado Vallourec Open Brasil, o programa irá selecionar startups, que terão a oportunidade de desenvolver um projeto em conjunto com a Vallourec, recebendo a mentoria de profissionais, imersão e treinamento na empresa, além de acesso exclusivo a rede de fornecedores e clientes Vallourec. Poderão participar startups de base tecnológica do Brasil ou empreendedores individuais.

                              Inscrições

                              Para realizar a inscrição, as startups deverão realizar o download do formulário disponível no sitewww.vallourec.com/br. Uma vez preenchido o formulário, ele deverá ser encaminhado paravallourecopenbrasil [AT] vallourec [DOT] com até o dia 9 de julho. A lista das startups selecionadas será divulgada no dia 14 de julho.

                              Na segunda etapa da seleção, as startups selecionadas na Fase 1 deverão enviar um vídeo pitch de no máximo 5 minutos no formato MP4 com uma apresentação da empresa e uma proposta de projeto na área de Data Science voltada para a Vallourec. Os vídeos devem ser enviados no período de 14 de julho a 04 de agosto e não deverão exceder o tamanho de 2GB.

                              No máximo dez startups serão selecionadas, com base na adequação às atividades da empresa e ao tema proposto, capacidade técnica para desenvolvimento do projeto e criação de soluções inovadoras, e currículo dos integrantes (Lattes e ou/Linkedin). O resultado da seleção será divulgado no site no dia 18 de agosto.

                              Imersão e prática

                              Em setembro, as startups selecionadas participarão de uma etapa de imersão no Centro de Competências da Vallourec, no Rio de Janeiro, onde terão acesso a informações relacionadas ao negócio e aos processos da empresa para construir uma proposta de trabalho em conjunto com a Vallourec. As selecionadas terão ajuda de custo para essa atividade, que terá duração de cinco dias.

                              As propostas desenvolvidas serão apresentadas no dia 18 de setembro, para gestores nacionais e internacionais da empresa, que irão avaliar e selecionar até duas das melhores propostas. Os vencedores terão a oportunidade de implantar a sua proposta com a orientação dos profissionais da Vallourec. Mais informações, no edital disponível em www.vallourec.com/br.

                              Sobre a Vallourec

                              A Vallourec é líder mundial em soluções tubulares Premium, fornecendo principalmente para os mercados de energia (Óleo & Gás, Geração de Energia). Sua experiência estende-se também ao setor industrial (incluindo Mecânico, Automotivo e Construção). Com usinas integradas em mais de 20 países e um avançado setor de Pesquisa e Desenvolvimento, a Vallourec oferece aos seus clientes soluções inovadoras em todo o mundo para responder aos desafios energéticos do século 21.

                              -----------------------------------------------------------------------------------
                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Bidon Corretora de Seguro conquista 70 novos franqueados somente no primeiro semestre

                              Seguradora comemora a conquista em curto período dos novos franqueados. Um dos motivos é o…

                              A Bidon Corretora de Seguros finaliza este primeiro semestre de 2017, muito satisfeita com os saldos conquistados, até o momento. O cenário econômico voltou, mesmo que ainda de forma lenta, a tomar novas proporções o que animou empresários deste setor. A rede que entrou para o franchising no ano passado, já conquistou 90 unidades, tendo uma média de 70 novos franqueados neste semestre.

                              De acordo com Henrique Mol, diretor executivo da marca, o ritmo acelerado no crescimento da franquia tem superado até mesmo suas expectativas, já que a marca conquistou o mercado em tão curto período.

                              Um dos motivos que tem favorecido esse crescimento de novos franqueados é devido o tipo de modalidade de negócio ofertada pela franqueadora, através de serviços home office. ?Nossos franqueados estão muitos satisfeitos com o número de vendas que vem ocorrendo de forma gradativa mês a mês. Percebemos também a inclusão de novos produtos pelos franqueados, no desenvolver do seu trabalho, o que tem beneficiado a marca?, avalia Henrique Mol.

                              Outra questão tem sido a preocupação dos brasileiros em ter algum tipo de seguro. ?A instabilidade econômica leva a preocupação dos consumidores na contratação de seguros e produtos como a Previdência Privada com alta, a partir de uma exposição grande nas mídias de sua real necessidade, na solução de aposentadoria?, avalia o empresário.

                              Investimento baixo

                              Com a crise econômica que pegou de surpresa muitos brasileiros nos dois últimos anos, a oportunidade de ter seu próprio negócio e tornar-se empresário cresceu muito rápido nos últimos meses. Um dos meios escolhidos por novos empreendedores foi investir em uma franquia de sucesso.

                              ?Estamos tendo um número grande de franqueados entrando na rede. Com a questão do baixo investimento, isto vem facilitando muito as pessoas ingressarem no mercado através da nossa franquia. Muitos casos de pessoas desempregadas, que tem utilizado de recursos como o FGTS de contas inativas, também tem favorecido na expansão da marca?, avalia Henrique.

                              A Bidon Corretora de Seguros tem um formato compactado de franquia e conta com investimento baixo, de R$ 11.900,00, considerando taxa de franquia e capital de giro. O faturamento bruto mensal de um franqueado é de R$ R$ 50 mil, com lucro médio mensal de R$ 7.500,00. Enquanto o prazo de retorno do investimento está estimado entre 3 a 12 meses.

                              Números que consolidam o mercado

                              Há sete anos em operação no mercado de seguros, o intuito é consolidar a marca em todos os Estados do país. Para o diretor de operações e corretor de seguros responsável da franquia, Marluz Felipe Wichmann, a intenção é chegar a 200 unidades em funcionamento ainda em 2017 com faturamento bruto da rede 50% a mais do que foi alcançado no ano passado. A rede também tenciona chegar a 500 unidades, em cinco anos. ?Contamos com uma boa estrutura e temos excelentes profissionais ao nosso lado, tudo indica que a meta será alcançada?, explica.

                              Para permanecer com o resultado esperado a marca tem investido pesado na capacitação dos franqueados, buscando ter na rede pessoas com melhor preparação e capacitadas para crescimento nas vendas. Outra medida adotada pela franquia e que tem gerado resultados positivos, tem sido treinamentos on-line, com troca de experiência também entre a rede.

                              Carro-chefe da marca

                              O mercado de seguros permanece em constante crescimento e o serviço mais procurado até então pelos clientes tem sido o seguro do veículo, carro-chefe da Bidon Seguradora, representando uma média de 60% do faturamento da rede.

                              ?Nossos franqueados estão atuando fortemente na prospecção de clientes desse segmento, com opções de serviços inferiores a R$ 1 mil, para ao mais variados tipos de veículo: do mais básico aos executivos, os utilizados para trabalho, mais antigos, entre outros?, afirma Wichmann, que atribui a essa procura devido ao aumentou do número de roubos e assaltos, principalmente nas grandes cidades, o que acaba levando os proprietários a ter maior preocupação com seus veículos.

                              BIDON CORRETORA DE SEGUROS

                              A Bidon Corretora de Seguros surgiu em 2010, em Campo Bom, região metropolitana de Porto Alegre (RS), e entrou para o mercado de franchising em Setembro de 2016. Ou seja, é novidade no mercado de franchising, mas com forte atuação e experiência no mercado de seguros. A marca já possui 90 franqueados, pelo sistema home office (modelo de negócio da franquia), e atua comercializando seguros nas áreas de: acidentes pessoais, empresarial, condomínios, responsabilidade civil, risco de engenharia, imobiliário, caminhão, motos, frotas de veículos, e o carro-chefe ? seguros de automóveis. Além disso, a Bidon oferece carta verde, consórcios, previdência privada, fiança locatícia, planos odontológicos e de saúde, e seguros de vida (individual e coletivo), residencial e de viagem. E o investimento inicial da Bidon Corretora de Seguros ? aproximadamente R$10 mil ? é outro grande atrativo da rede.

                              www.bidon.com.br

                               

                              -----------------------------------------------------------------------------------

                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Startup de Ribeirão Preto entre as 3 da América Latina

                              Das mais de 5 mil inscritas no mundo todo, o MINDSS está entre as 3…

                              A MINDSS, uma startup de Ribeirão Preto que desenvolveu um software de inteligência de negócios, recebeu o importante reconhecimento da maior empresa de ERP do mundo, com a validação e certificação no Programa Startup Focus da SAP.

                              Trata-se de um cross-industry SaaS inovador, um "software as a service" de inteligência de negócios que orienta empreendedores na tomada de decisão em relação a preços, custos, giro de vendas, melhores produtos e no planejamento de ações para o atingimento de metas de acordo com a sazonalidade do negócio.

                              A startup MINDSS é uma iniciativa de dois empreendedores da região de Ribeirão Preto, Henrique Croisfelts e Carlos Schmiedel, que também passou a contar com Clayton Guimarães e Daniel Cacheta em seus quadros. Esta solução inovadora já vinha obtendo importantes apoios, como a aprovação no PIPE/FAPESP e participação do LIF (leaders in inoovation fellowships), programa da "The Royal Academy of Engineering", Oxford University e Newton Found, London/UK.

                              Em dezembro de 2016, a MINDSS iniciou sua participação no Programa Startup Focus, da SAP HANA, o que já representava um grande desafio pois apenas 5 startups nacionais ingressaram neste programa, que previa o desenvolvimento, teste, integração com o SAP HANA, validação, certificação e, finalmente, início das estratégias de "go to market", caso a startu-up avançasse todas as etapas com sucesso.

                              No dia 19 de junho, aniversário de Ribeirão Preto, a MINDSS recebeu o importante reconhecimento da maior empresa de ERP do mundo, que foi a validação e certificação no Programa Startup Focus da SAP. O Startup Focus é um programa mundial de aceleração de startups, presente em 58 países, no qual a SAP oferece tecnologia e tração de mercado através do SAP HANA e de sua base global de usuários, que hoje já somam mais de 300 mil clientes.

                              Ao todo, participaram do programa mais de 5600 startups e pouco mais de 260 delas foram validadas e se tornaram aptas a receberem a certificação do SAP Integration e Certification para fazerem parte do processo de "Go to Market" junto aos clientes da SAP em todo o mundo. Dessas, somente 3 da América Latina, uma delas foi a MINDSS. ?Estamos muito orgulhosos por ter feito parte desse processo e ansiosos pelo o que está por vir", diz Henrique Croisfelts, empreendedor e CEO da startup MINDSS.

                              Mais informações sobre o software estão disponíveis no. site: www.mindss.com.br. Depoimentos de usuários podem ser conferidos no link: https://youtu.be/NvrcrXxfpcM

                              ------------------------------------------------------------------------------------
                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros

                               


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Estresse no trabalho pode ser aliviado, diz o Seconci-SP

                              Esgotamento mental intenso causado por pressões no ambiente profissional, conhecido como Síndrome de Burnout, afeta…

                              Problemas cardiovasculares, dores musculares e de cabeça, quadro de transtorno de ansiedade e disfunção erétil são algumas das doenças associadas ao estresse. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o estresse atinge cerca de 90% da população do planeta. Já o Brasil, de acordo com a Associação Internacional do Controle do Estresse (ISMA-BR, sigla em inglês), ocupa a segunda posição do ranking mundial com maior nível de estresse.

                              Ainda de acordo com a ISMA-BR, de cada dez trabalhadores, ao menos três sofrem da chamada Síndrome de Burnout, o esgotamento mental intenso causado por pressões no ambiente profissional. A psicóloga do Seconci-SP, Ludmila Pereira de Andrade, corrobora a estimativa da entidade e explica que o ritmo de trabalho acelerado, o alongamento das jornadas e o acúmulo de funções são os principais gatilhos desencadeadores dessa síndrome.

                              Por isso, segundo Ludmila, é muito importante que as empresas invistam em programas e atividades que ajudem os colaboradores a aliviar o estresse, como, por exemplo, disponibilizar um espaço para descanso no horário de almoço e um ambiente de trabalho mais acolhedor. Além disso, que as empresas proporcionem uma capacitação para encarregados e supervisores evitarem atitudes no relacionamento com os trabalhadores que os levem a se estressar. E orientar os funcionários para que, caso sofram assédio moral, discriminação ou outras pressões, busquem apoio no RH.

                              ?O estresse é uma reação normal do nosso organismo a qualquer modificação ou mudança relevante, seja ela agradável ou desagradável, que exija adaptação aos agentes estressores. Quando nos sentimos em perigo real ou imaginado, as defesas do organismo reagem, num processo automático conhecido como reação de ?luta ou fuga?. O estresse é este sinal intenso que indica ser necessário avaliar o contexto e identificar o que pode ser feito com relação a isso. O problema é quando essa sensação atinge níveis elevados e começa a desencadear alterações na saúde?, comenta a psicóloga.

                              Ludmila esclarece que existem diferentes tipos de estresse, classificados pelo Código Internacional de Doenças (CID 10). Porém, é observada com frequência a presença do Burnout nos trabalhadores que atuam em atividades com pressão de prazos, como a da construção. Para tanto, podem contribuir más condições do ambiente de trabalho, falta de autonomia e de apoio social, e assédio moral.

                              ?Trata-se de um tipo de doença que interfere diretamente na atividade profissional da pessoa, porque o trabalhador pode apresentar sintomas como apatia, déficit de atenção e de concentração, falta de apetite, insônia, entre outros sinais. Nessa situação, há uma perda da produtividade e, em casos mais críticos, pode ser necessário afastar o funcionário da sua atividade?, ressalta a especialista.

                              A psicóloga comenta ainda que quando o trabalhador é indicado pela empresa (ou pleiteia) uma mudança de função, ele também é submetido a uma avaliação psicológica obrigatória, de acordo com a determinação das Normas Regulamentadoras 33 e 35 (NR-33 e NR-35). Esta checagem integra o conjunto de exames que todo profissional contratado por meio da Consolidação de Leis do Trabalho (CLT) tem que fazer, seja periodicamente ou para alteração de cargo. E, segundo a psicóloga do Seconci-SP, se na avaliação for identificado que o trabalhador apresenta sinais de estresse intenso, por exemplo, ele pode vir a ser considerado inapto naquele momento.

                              Dicas para aliviar o estresse:

                              Pratique atividades físicas: o ato de se exercitar alivia a tensão e ajuda a relaxar;

                              Adote o hábito de expor seu desconforto aos superiores ou colegas que o incomodem;

                              Insira atividades mais prazerosas na sua rotina, como ouvir música ou passear com a família;

                              Evite sobrecarga de trabalho: quando estiver em período de folga (ou férias), tente relaxar e descansar.


                              ------------------------------------------------------------------------------------
                              Segs.com.br valoriza o consumidor e o corretor de seguros


                              saiba mais »

                              03/07/2017 - Empresas apostam em serviços grátis para atrair clientes

                              Empreendedores criam ferramentas sem custo para alavancar as vendas em marketplaces

                              Fornecer ferramentas gratuitas, ajudar o cliente a vender mais e, apenas com o crescimento dele, começar a cobrar pelos seus serviços. Em tempos de economia fraca, esta tem sido a estratégia de muitos empreendedores para aumentar sua base de clientes.

                              Um exemplo é a Becommerce, ? maior plataforma para gestão de vendas em marketplaces do Brasil - que acaba de lançar a primeira ferramenta totalmente gratuita para automação de vendas no Mercado Livre, a Becommerce Lite (www.becommerce.com.br/lite).

                              De acordo com Frederico Flores, especialista em comércio eletrônico e CEO da Becommerce, a versão ?Lite? da plataforma tem como objetivo democratizar o acesso dos micros e pequenos empresários aos marketplaces oferecendo soluções profissionais que realmente dão resultado. ?Geralmente os custos com essas tecnologias são altos e podem pesar no orçamento dos lojistas que estão começando. A ideia é que o empreendedor inicie com um plano gratuito e conforme for evoluindo, amadurecendo, invista em planos com mais ferramentas que o ajude a continuar crescendo?, explica.

                              Como funciona a Becommerce Lite?

                              A plataforma gratuita oferece quatro módulos de gerenciamento que foram criados com objetivo de ajudar o lojista ganhar tempo com os processos e vender mais no Mercado Livre.

                              Conheça os quatro módulos

                              Gestão das vendas

                              Possibilita a administração de todas as etapas das vendas no marketplace, ou seja, é como ter um gerente virtual para sua loja capaz de controlar e facilitar cada passo das transações.

                              Resposta de perguntas

                              Segundo levantamentos realizados pelo Mercado Livre, quem responde as dúvidas dos clientes primeiro consegue fechar mais pedidos e passa na frente da concorrência. Pensando em facilitar essa demanda, o sistema diminui o tempo de resposta dos questionamentos dos clientes e permite aumento nas vendas.

                              Qualificação automática

                              Uma preocupação comum de quem tem loja no Mercado Livre é a necessidade de qualificar os clientes. Para facilitar a vida dos lojistas esse módulo permite que a classificação seja feita automaticamente.

                              Controle de anúncios<